Análise da Geração e Distribuição da Riqueza Originada pelas Empresas que Compõem o Ibovespa por meio da DVA - DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v12n34p23-39

Fábio Klöppel, Darci Schnorrenberger, Rogério João Lunkes

Resumo


A Demonstração do Valor Adicionado - DVA - tornou-se obrigatória com a Lei 11.638/07 e ficou conhecida por apresentar, no mesmo documento, informações de natureza econômica: geração de riqueza; e social: distribuição de riqueza. Com isso, a presente pesquisa tem por objetivo verificar como ocorre a geração e a distribuição do valor adicionado. A amostra é constituída de 36 empresas que compõem o IBOVESPA, representando os setores de Construção e Transporte, Financeiros e Outros, Materiais Básicos, Telecomunicações e Utilidade Pública. Para isto, foram analisadas as DVAs publicadas nos exercícios de 2007 a 2010. A pesquisa caracteriza-se como descritiva, documental, com abordagem quanti e qualitativa, realizada com o auxílio da técnica de análise de conteúdo.  Os resultados demonstram, na média do período, que o setor Financeiro foi o que mais gerou riqueza (92,6%) com a atividade fim e o setor de Construção e Transportes o que menos gerou (81,3%).  Em relação à destinação da riqueza gerada no período, mais da metade dos setores destinaram a maior parte da riqueza para o Governo, com destaque para o setor de Telecomunicações (60,1%). No geral, constata-se que os setores destinaram 38,5% da riqueza para remuneração do Governo; 24,8% para a Remuneração de Capital Próprio; 19,5% para Capital de Terceiros e 17,2% para remuneração dos Colaboradores.

Palavras-chave


Demonstração do Valor Adicionado; Riqueza gerada; Distribuição da riqueza.

Texto completo:

PDF


Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional