Gestão das propriedades rurais do Oeste de Santa Catarina: as fragilidades da estrutura organizacional e a necessidade do uso de controles contábeis - DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v13n40p9-19

Antônio Zanin, Vilmar Oenning, Naline Tres, Silvana Dalmutt Kruger, Clésia Ana Gubiani

Resumo


O estudo teve por objetivo identificar as características da estrutura e gestão das propriedades rurais do Oeste de Santa Catarina. Metodologicamente a pesquisa se caracteriza quanto aos objetivos como descritiva, quanto aos procedimentos de levantamento e análise como quantitativa. A coleta dos dados foi realizada por meio da aplicação de questionários para uma amostra composta de 210 proprietários rurais dos municípios de Quilombo, Coronel Freitas e Cordilheira Alta, localizados na região Oeste de Santa Catarina. Constatou-se, quanto à estrutura, que 60% das propriedades rurais pesquisadas possuem até 20 hectares, 84% dos gestores rurais possuem mais de 40 anos de idade. 72% desses gestores possuem apenas o ensino básico incompleto. Quanto à gestão, os resultados evidenciam que apenas 28% das propriedades rurais realizam algum tipo de controle por atividade desenvolvida e apenas 10% utilizam-se de controle de caixa. Questionados sobre o processo de sucessão familiar, identificou-se em apenas 3% das propriedades rurais pesquisadas o interesse dos filhos em continuarem no desenvolvimento das atividades rurais. Os resultados gerais do estudo demonstram a carência da utilização de controles contábeis no meio rural, bem como as fragilidades da estrutura organizacional e do processo de continuidade das propriedades rurais do Oeste de Santa Catarina.


Palavras-chave


Propriedades rurais. Contabilidade rural. Gestão de propriedades rurais.

Texto completo:

PDF


Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional