Abordagens de avaliação de ativos intangíveis: uma revisão da literatura

Stephanie Kalynka Rocha Silveira, Darci Schnorrenberger, Valdirene Gasparetto, Rogério João Lunkes

Resumo


O objetivo deste estudo consiste em analisar as abordagens de avaliação de ativos intangíveis apresentadas na literatura nacional e internacional. Para tanto, fez-se uso de uma base filosófica construtivista e do Knowledge Development Process - Constructivist (ProKnow-C) como instrumento de intervenção para revisão da literatura. No levantamento realizado nas bases: (i) EBSCO; (ii) ProQuest; (iii) Scopus; (iv) Science Direct e (v) Spell encontrou-se o total de 1.672 artigos utilizando as palavras: Capital Intelectual ou Ativo Intangível e Organização em seu (i) título, (ii) resumo ou (iii) palavras-chave. A partir do aprimoramento da pesquisa com os critérios (i) exclusão de artigos repetidos/ redundantes; (ii) alinhamento dos artigos ao tema quanto ao título; (iii) reconhecimento científico dos artigos; (iv) alinhamento dos artigos ao tema quanto aos resumos e (v) disponibilidade dos artigos na íntegra, chegou-se a um Portfólio Bibliográfico (PB) composto de 28 artigos. Na análise desse PB, identificou-se o total de 41 abordagens de avaliação de ativos intangíveis. Skandia Navigator foi a abordagem mais citada, totalizando 13% das citações. Constatou-se também as categorias e o enquadramento de cada abordagem, identificando-se que existem algumas lacunas de pesquisas envolvendo as abordagens de avaliação.


Palavras-chave


Ativos Intangíveis; Abordagens de avaliação; Categorias; Enquadramento.

Referências


Antunes, M. T. P. (2006). A Controladoria e o Capital Intelectual: um estudo empírico sobre sua gestão. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 17(41).

Antunes, M. T. P., & Martins, E. (2002). Capital intelectual: verdades e mitos. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 13(29).

Antunes, M. T. P., & Martins, E. (2007). Capital intelectual: seu entendimento e seus impactos no desempenho de grandes empresas brasileiras. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 4(1).

Barbosa, J. G. P., & Gomes, J. S. (2002). Um estudo exploratório do controle gerencial de ativos e recursos intangíveis em empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 6(2).

Boedker, C., Guthrie, J., & Cuganesan, S. (2005). An integrated framework for visualising intellectual capital. Journal of Intellectual Capital, 6(4), 510-527.

Carvalho, F. N. de, & Ensslin, S. R. (2006). A evidenciação voluntária do Capital Intelectual: um estudo revisionista do contexto internacional. Contabilidade Vista & Revista, 17(4).

Ensslin, S. R., Ensslin, L., Kremer, A. W., Chaves, L. C. & Borgert, A. (2014). Comportamentos dos custos: seleção de referencial teórico e análise bibliométrica. Revista de Contabilidade do Mestrado de Ciências Contábeis da UERJ. 19(3).

Francini, W. S. (2002). A gestão do conhecimento: conectando estratégia e valor para a empresa. RAE-eletrônica, 1(2).

Gallon, A. V., Souza, F. C. de, Rover, S., & Ensslin, S. R. (2008). Um estudo reflexivo da produção científica em capital intelectual. Revista de Administração Mackenzie, 9(4).

García-Meca, E., & Martínez, I. (2007). The use of intellectual capital information in investment decisions: An empirical study using analyst reports. The International Journal of Accounting, 42(1), 57-81.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Hidalgo, R. L., García-Meca, E., & Martínez, I. (2011). Corporate governance and intellectual capital disclosure. Journal of Business Ethics, 100(3), 483-495.

Jacobsen, K., Hofman-Bang, P., & Nordby Jr, R. (2005). The IC Rating™ model by Intellectual Capital Sweden. Journal of Intellectual Capital, 6(4), 570-587.

Joia, L. A. (2001). Medindo o capital intelectual. Revista de Administração de Empresas, 41(2).

Kang, H. H., & Gray, S. J. (2011). Reporting intangible assets: Voluntary disclosure practices of top emerging market companies. The international journal of accounting, 46(4), 402-423.

Kannan, G., & Aulbur, W. G. (2004). Intellectual capital: Measurement effectiveness. Journal of Intellectual Capital, 5(3), 389-413.

Kayo, E. K., Kimura, H., Basso, L. F. C., & Krauter, E. (2006). Os fatores determinantes da intangibilidade. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, 7(3), 112-130.

Kim, D., & Kumar, V. (2009) A framework for prioritization of intellectual capital indicators in R&D. Journal of Intellectual Capital, 10(2), 277-293.

Leitner, K. (2005). Managing and reporting intangible assets in research technology organisations. R and D Management, 35(2).

Kumar, G. (2013). Voluntary disclosures of intangibles information by US-listed Asian companies. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, 22(2), 109-118.

Leitner, K. & Warden, C. (2004). Managing and reporting knowledge-based resources and processes in research organizations: specifics, lessons learned and perspectives. Management Accounting Research, 15(1), 33-51.

Lev, B. (2001) Intangibles: Management, measurement, and reporting. Brookings Institution Press, Washington, D.C.

Lev, B., & Daum, J. H. (2004). The dominance of intangible assets: consequences for enterprise management and corporate reporting. Measuring Business Excellence, 8(1), 6-17.

Lima, A. C., & Carmona, C. U. (2011). Determinantes da formação do Capital Intelectual nas empresas produtoras de Tecnologia da Informação e Comunicação. Revista de Administração Mackenzie, 12(1).

Macagnan, C. B. (2009). Voluntary disclosure of intangible resources and stock profitability. Intangible Capital, 5(1).

Macagnan, C. B., & Fontana, F. B. (2013). Factors explaining the level of voluntary human capital disclosure in the Brazilian capital market. Intangible Capital.

Manfred, B., & Kay, A. (2007). The German guideline for intellectual capital reporting: method and experiences. Journal of Intellectual Capital, 8(4), 563-576.

Oliveira, J. M. de, & Beuren, I. M. (2003). O tratamento contábil do capital intelectual em empresas com valor de mercado superior ao valor contábil. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 14(32).

Oliveira, L., Rodrigues, L. L., & Craig, R. (2006). Firm-specific determinants of intangibles reporting: evidence from the Portuguese stock market. Journal of Human Resource Costing & Accounting, 10(1), 11-33.

Oliveira, L., Rodrigues, L. L. & Craig, R. (2010). Intellectual capital reporting in sustainability reports. Journal of Intellectual Capital, 11(4), 575-594.

Ortiz, M. A. A. (2009). Analysis and Valuation of Intellectual Capital According to Its Contex. Journal of Intellectual Capital, 10(3), 451-482.

Pablos, P. O. de. (2003). Intellectual capital reporting in Spain: a comparative view. Journal of Intellectual Capital, 4(1).

Perez; M. M., & Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista Contabilidade & Finanças - USP, (40), 7-24.

Ramirez, Y. (2010). Intellectual capital models in Spanish public sector. Journal of Intellectual Capital, 11(2), 248-264.

Roos, G., & Roos, J. (1997). Measuring your company's intellectual performance. Long Range Planning, 30(3), 413-426.

Santos, J. L. (2002). Ativos intangíveis. ConTexto, Porto Alegre, 2(2), 1-14.

Santos, J. L., & Schmidt, P. (2003). Ativos intangíveis: análise das principais alterações introduzidas pelos FAS 141 e 142. ConTexto, Porto Alegre, 3(4), 1-18.

Seetharaman, A., Low, K. T., & Saravanan, A. S. (2004). Comparative justification on intellectual capital. Journal of Intellectual Capital, 5(4), 522-539.

Schnorrenberger, D. (2005). Identificando e avaliando os ativos intangíveis de uma organização visando seu gerenciamento: uma ilustração na área econômico-financeira. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Sveiby, K. E. (1997). The Intangible Assets Monitor. Journal of Human Resource Costing & Accounting, 2(1), 73-97.

Sveiby, K. E. (2001). Methods for Measuring Intangible Assets. Recuperado em 01 de julho, 2016, de http://www.sveiby.com/articles/IntangibleMethods.htm.

Teh, C. C., Kayo, E. K., & Kimura, H. (2008). Marcas, patentes e criação de valor. Revista de Administração Mackenzie, 9(1).

Usoff, C. A., Thibodeau, J. C., & Burnaby, P. (2002). The importance of intellectual capital and its effect on performance measurement systems. Managerial Auditing Journal, 17(½), 9-15.

Vergauwen, P. G., & Van Alem, F. JC. (2005). Annual report IC disclosures in the Netherlands, France and Germany. Journal of Intellectual Capital, 6(1), 89-104.

Wernke, R., & Bornia, A. C. (2003). Estudo de caso aplicando modelo para identificação de potenciais geradores de intangíveis. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, 14(33), 45-64.

Zéghal, D., & Maaloul, A. (2011). The accounting treatment of intangibles – A critical review of the literature. Accounting Forum, 35(4), 262-274.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n47p9-25



Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.