Influência dos investimentos ambientais e dos indicadores econômico-financeiros na seleção de empresas para compor o Índice De Sustentabilidade Empresarial (ISE)

Barbara Beirão Tonolli, Suliani Rover, Denize Demarche Minatti Ferreira

Resumo


O objetivo geral do trabalho é verificar a influência dos investimentos ambientais e de indicadores econômico-financeiros na seleção das empresas para compor o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) no ano de 2014. Com relação à metodologia, esta pesquisa é classificada como descritiva, e, explicativa quanto aos objetivos, com abordagem metodológica quantitativa e qualitativa. A coleta foi realizada por meio de dados secundários e, quanto aos procedimentos, é uma pesquisa documental. A amostra da pesquisa compreende 178 empresas elegíveis ao ISE do período de 2015, ano base 2014. Foram coletados os relatórios de sustentabilidade do ano de 2014 para identificar os investimentos ambientais. Do total de empresas, 95 apresentaram relatórios, sendo que 93 delas divulgaram investimentos ambientais de forma qualitativa e 49, quantitativa. A média dos investimentos ambientais totalizou R$ 158.028.447,36. A técnica estatística utilizada para verificar que variáveis influenciam na seleção de empresas para compor o ISE foi a regressão logística, tendo como variáveis explicativas: ativo total, rentabilidade do ativo, liquidez corrente, grau de endividamento, Novo Mercado, investimentos ambientais de forma qualitativa e quantitativa. Pela análise dos resultados, concluiu-se que tamanho, rentabilidade do ativo, grau de endividamento e investimento ambiental quantitativo influenciam as companhias a serem selecionadas para compor o ISE. A variável tamanho foi significativa ao nível de 1%, grau de endividamento e investimentos ambientais quantitativos ao nível de 5% e rentabilidade ao nível de 10%.

Palavras-chave


Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE); Indicadores econômico-financeiros; Investimentos ambientais.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Azevedo, A. L. V. (2006). Indicadores de sustentabilidade empresarial no Brasil: uma avaliação do Relatório do CEBDS. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica, [s.i], 5, 75-93. Recuperado em 03 agosto, 2015, de http://www.redibec.org/IVO/rev5_06.pdf

Barbieri, J. C. (2011). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos (3a ed.). São Paulo: Saraiva.

Barbieri, J. C., & Cajazeira, J. E. R. (2009). Responsabilidade Social Empresarial e Empresa Sustentável: Da teoria à prática. São Paulo: Saraiva.

Bertagnolli, D. D. O., Ott, E., & Damacena, C. (2006, julho). Estudo sobre a Influência dos Investimentos Sociais e Ambientais no Desempenho Econômico das Empresas. Anais do VI Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, FEA/USP. Recuperado em 20 agosto, 2015, de www.congressousp.fipecafi.org/web/artigos62006/548.pdf

Beuren, I. M. (2006). Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade: Teoria e prática (3a ed.). São Paulo: Atlas.

BMF&Bovespa – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo. Índice de Sustentabilidade Empresarial – ISE. Recuperado em 24 agosto, 2015 de http://www.bmfbovespa.com.br/indices/ResumoIndice.aspx?Indice=ISE&Idioma=pt-br

BMF&Bovespa – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo. Novo Mercado. Recuperado em 23 outubro, 2015 de http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/servicos/solucoes-para-empresas/segmentos-de-listagem/novo-mercado.aspx?idioma=pt-br

Bronstein, C. GRI – Global Reporting Initiative. Recuperado em 01 dezembro, 2015 de http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/a-bmfbovespa/download/Como-publicar-relatorio-de-sustentabilidade.pdf

Comissão Mundial Sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (1991). Nosso futuro comum: relatório Brundtland: 1897 (2a ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Corrar, L. J., Paulo, E., & Dias, J. M., Filho, (2007). Análise Multivariada: para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. São Paulo: Atlas.

Dalmácio, F. Z., & Paulo, F. F. M. (2004) A evidenciação contábil: publicação de aspectos sócio-ambientais e econômico-financeiros nas demonstrações contábeis. Anais do IV Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, FEA/USP. Recuperado em 18 agosto, 2015 de http://www.fucape.br/_public/producao_cientifica/2/Dalm%C3%A1cio,Flavia%20Z%C3%B3boli.%20A%20evidencia%C3%A7%C3%A3o%20cont%C3%A1bil.pdf

Dias, R. Responsabilidade Social: Fundamentos e Gestão (2012). São Paulo: Atlas.

Favaro, L. C., & Rover, S. (2014). Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE): a associação entre os indicadores econômico-financeiros e as empresas que compõem a carteira. CONTABILOMETRIA - Brazilian Journal of Quantitative Methods Applied to Accounting, Monte Carmelo, 1(1), 39-55. Recuperado em 29 outubro, 2015 de http://www.fucamp.edu.br/editora/index.php/contabilometria/article/download/440/318

Fávero, L.P., Belfiore, P., Silva, F.L., & Chan, B.L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para a tomada de decisões. Rio de Janeiro: Campus.

França, L. M. (2004). Indicadores De Produção Limpa: Uma Proposta Para Análise De Relatórios Ambientais De Empresas. Dissertação de Mestrado, Curso de Gerenciamento e Tecnologia Ambiental no Processo Produtivo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Baha, Brasil. Recuperado em 03 agosto, 2015 de http://www.teclim.ufba.br/site/material_online/dissertacoes/dis_ligia_m_f_cardoso.pdf

Garcia, A. S., & Orsato, R. J. (2013, setembro). Índices de sustentabilidade empresarial porque participar? Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado em 23 agosto, 2015 de http://www.anpad.org.br/admin/pdf/2013_EnANPAD_ESO1759.pdf

Global Reporting Initiative. Relatórios de Sustentabilidade da GRI: Quanto vale essa jornada?. 2012. Recuperado em 01 dezembro, 2015 de https://www.globalreporting.org/resourcelibrary/Portuquese-Starting-Points-2-G3.1.pdf

Global Reporting Initiative. Princípios para relato e conteúdos padrão, 2013. Recuperado em 01 dezembro, 2015 de http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/a-bmfbovespa/download/GRI-G4-Principios-para-Relato-e-Conteudos-Padrao.pdf

Global Reporting Initiative. About GRI, 2016. Recuperado em 13 setembro, 2016 de https://www.globalreporting.org/information/about-gri/Pages/default.aspx

Guimarães, C. C. (2010). Impacto do ISE no valor de empresa obtido pelo modelo ohlson. Dissertação de Mestrado, Curso de Ciências Contábeis, Fecap, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado em 20 agosto, 2015 de http://200.169.97.106/biblioteca/tede//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=230

Índice de Sustentabilidade Empresarial. O que é o ISE. Recuperado em 01 dezembro, 2015 de http://www.isebvmf.com.br/index.php?r=site/conteudo&id=1

Loesch, C. (2012). Probabilidade e Estatística. Rio de Janeiro: LTC.

Macedo, M. A. S., Souza, A. C., Souza, A. C. C., & Cipola, F. C. (2007). Desempenho de empresas socialmente responsáveis: uma análise por índices contábil-financeiros. Revista Produção Online, Florianópolis, Edição especial, 1-22. Recuperado em 03 agosto, 2015 de http://producaoonline.org.br/rpo/article/view/59/59

Machado, M. A. V., Macedo, M. A. S., Machado, M. R., & Siqueira, J. R. M. (2012). Análise da relação entre investimentos socioambientais e a inclusão de empresas no Índice de Sustentabilidade Empresarial - (ISE) da BM&FBovespa. R. Ci. Adm., [s.l.], 14(32),141-156, 27 Recuperado em 21 julho, 2015 de https://periodicos.ufsc.br/index.php/adm/article/view/2175-8077.2012v14n32p141

Marcondes, A. W., & Bacarji, C. D. (2010). ISE sustentabilidade no mercado de capitais. Recuperado em 21 julho, 2015 de http://www.bmfbovespa.com.br/Indices/download/Livro-ISE.pdf

Nunes, T. C. S. (2010). Indicadores contábeis como medidas de risco e retorno diferenciados de empresas sustentáveis: um estudo no mercado brasileiro. Dissertação de Mestrado - Curso de Ciências Contábeis, Departamento de Contabilidade e Atuária, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. Recuperado em 20 agosto, 2015 de www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-04112010-190443

Nunes, J. G., Teixeira, A. J. C., Nossa, V., & Galdi, F. C. (2010). Análise das variáveis que influenciam a adesão das empresas ao índice BM&FBovespa de sustentabilidade empresarial. Base - Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 7(4), 328-340. Recuperado em 20 agosto, 2015 de revistas.unisinos.br/index.php/base/article/view/4609/1833

Ott, E.; Alves, T. W., & Flores, G. S. S. (2009). Investimentos ambientais e o desempenho econômico das empresas: um estudo dos dados em painel. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, São Paulo: Recuperado em 17 agosto, 2015 de http://www.anpad.org.br/admin/pdf/CON2307.pdf.

Pereira, A.C., Silva, G. Z., & Carbonari, M. E.E. (2011). Sustentabilidade, responsabilidade social e meio ambiente. São Paulo: Saraiva.

Teixeira, E. A., Nossa, V., & Funchal, B. (2011). O índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e os impactos no endividamento e na percepção de risco. Revista Contabilidade & Finanças, [s.l.], 22(55), 29-44. FapUNIFESP (SciELO). DOI: 10.1590/s1519-70772011000100003. Recuperado em 03 agosto, 2015 de http://www.scielo.br/pdf/rcf/v22n55/a03v22n55.pdf

Tachizawa, T. (2015). Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira (8a ed.). São Paulo: Atlas.

Tinoco, J. E. P., & Kraemer, M.E.P. (2011). Contabilidade e gestão ambiental (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Vellani, C. L. (2011). Contabilidade e responsabilidade social: integrando desempenho econômico, social e ecológico. São Paulo: Atlas.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n48.2315

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.