Características do comitê de auditoria: um estudo nas empresas listadas na BM&FBovespa

Vanderlei dos Santos, Camila Francieli Schmeider, Paulo Roberto da Cunha

Resumo


O estudo objetivou verificar as características de tamanho, independência e expertise dos comitês de auditoria das empresas listadas na BM&FBovespa nos anos de 2010 a 2013. Dentre as 407 empresas listadas na bolsa de valores, apenas 68 delas possuem comitê de auditoria devidamente formado em algum período analisado. O ano de 2013 apresentava 59 empresas com comitê de auditoria, o maior número encontrado, o que representa apenas 14,50% da população. Os principais resultados mostraram que em relação ao tamanho a maior parte obedece aos preceitos das práticas recomendadas, ou seja, possuem três membros participantes do comitê de auditoria. Contudo, as empresas apresentam práticas heterogêneas nessa característica. Existem tanto aquelas com apenas um ou dois membros como outras que possuem mais de seis membros. Em 2013 existiam 192 membros dos comitês de 59 empresas. Desses, 48 são engenheiros, 45 economistas, 41 administradores, 26 contadores e um auditor. De modo geral, conclui-se que a criação do comitê de auditoria ainda não é uma prática institucionalizada pelas empresas brasileiras e que se manifesta de formas distintas entre as organizações.

Palavras-chave


Comitê de auditoria; Tamanho; Independência; Expertise.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Adelopo, I., Jallow, K., & Scott, P. (2012). Multiple large ownership structure, audit committee activity and audit fees: Evidence from the UK. Journal of Applied Accounting Research, 13(2), 100-121.

Baioco, V. G., & Almeida, J. E. F. (2017). Efeitos do comitê de auditoria e do conselho fiscal na qualidade da informação contábil no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 28(74), 229-248.

Beuren, I. M., Nass, S., Theiss, V., & Cunha, P. R. (2013). Caracterização proposta para o comitê de auditoria no Código de Governança Corporativa do Brasil e de outros países. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 7(4), 407-423.

Bolsa de Mercadorias & Futuros BOVESPA. (2015). Diretrizes de governança corporativa. São Paulo: BM&FBOVESPA. Recuperado de http://ri.bmfbovespa.com.br/fck_temp/26_2/Diretrizes_de_Governanca_Corporativa_da_BMFBOVESPA.pdf

Bolsa de Mercadorias & Futuros BOVESPA. (2014). Segmentos de listagem: novo mercado. Recuperado de http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/listagem/acoes/segmentos-de-listagem/novo-mercado/

Comissão de Valores Mobiliários. (2002). Recomendações da CVM sobre governança corporativa. Recuperado de http://www.cvm.gov.br/

Conselho Monetário Nacional (2004). Resolução n. 3.198, de 27 de maio de 2004, altera e consolida a regulamentação relativa à prestação de serviços de auditoria independente para as instituições financeiras, demais instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN e para as câmaras e prestadores de serviços de compensação e de liquidação. Recuperado em 11 abril, 2015, de https://www3.bcb.gov.br/normativo/detalharNormativo.do?N=104080599&method=detalharNormativo

Cunha, P. R., Hillesheim, T., Faveri, D. B., & Rodrigues Junior, M. M. (2014). Características do comitê de auditoria e o gerenciamento de resultados: um estudo nas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Contabilidade e Organizações, 8(22), 15-25.

Cunha, P. R., Lunelli, L. O., Santos, V. D., Faveri, D. B., & Rodrigues Junior, M. M. (2015). Relação entre as Características do Comitê de Auditoria e o Atraso da Emissão do Relatório da Auditoria Independente (Audit Delay). Contabilidade, Gestão e Governança, 18(3), 47-65.

Cunha, P. R., Sant’ana, S. V., Theis, M. B., & Krespi, N. T. (2013). Características do Comitê de Auditoria e os reflexos no gerenciamento de resultados nas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 18(3), 2-19.

Cunha, P. R., Pletsch, C. S., & Silva, A. (2015). Relação entre as Características da Empresa, do Comitê de Auditoria e do Auditor Independente com o Prazo de Publicação das Demonstrações Financeiras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 9(4), 415-429.

Dezoort, F. T., Hermanson, D. R., Houston, R. W. (2003). Audit committee support for auditors: The effects of materiality justification and accounting precision. Journal of Accounting and Public Policy, 22(2), 175-199.

Felo, A. J., Krishnamurthy, S., & Solieri, S. A. (2003). Audit committee characteristics and the perceived quality of financial reporting: an empirical analysis. Working paper, Penn State Great Valley, 2003.

Habbash, M., Sindezingue, C., & Salama, A. (2013). The effect of audit committee characteristics on earnings management: Evidence from the United Kingdom. International Journal of Disclosure and Governance, 10(1), 13-38.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2009a). Guia de Orientação para melhores práticas de Comitês de Auditoria. Cadernos de Governança Corporativa. São Paulo: IBGC. Recuperado de http://www.ibgc.org.br/userfiles/files/Guia_7_.pdf

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2009b). Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. (4a ed.) Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. São Paulo, SP: IBGC Recuperado de http://www.ibgc.org.br/userfiles/2014/files/codigoMP_5edicao_web.pdf

Ika, S. R., Ghazali, N. A. M. (2012). Audit committee effectiveness and timeliness of reporting: Indonesian evidence. Managerial Auditing Journal, 27(4), 403-424.

Klein, A. (2002). Audit committee, board of director characteristics, and earnings management. Journal of Accounting and Economics, 33(3), 375-400.

Lary, A. M., & Taylor, D. W. (2012). Governance characteristics and role effectiveness of audit committees. Managerial Auditing Journal, 27(4), 336-354.

New York Stock Exchange - NYSE. (2003). Commitee Recomendation. New York. Recuperado de https://www.nyse.com/publicdocs/nyse/regulation/nyse-american.pdf

Oliveira, M. C. & Costa, P.P. (2005). O comitê de auditoria nas companhias abertas brasileiras: um estudo multicaso. Anais do Congresso USP, São Paulo, Brasil. Recuperado em http://www.congressousp.fipecafi.org/web/artigos52005/24.pdf

Valor 1.000: 1.000 maiores empresas (2014). Revista Valor Econômico, São Paulo, 14, (14). Recuperado de http://www.valor.com.br/valor1000/2014/ranking 1000maiores

Silveira, A. D. M. D., Barros, L. A. B. D. C., & Famá, R. (2003). Estrutura de governança e valor das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração de Empresas, 43(3), 50-64.

Sorrentino, M. S. A. S., Teixeira, B., & Vicente, E. F. R. (2016). Comitê de Auditoria: adequação às regras da SOX, Bacen, Susep e IBGC. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 10(3), 241-257.

Teixeira, B., Camargo, R. V. W., & Vicente, E. F. R. (2016). Relação entre as Características do Comitê de Auditoria e a Qualidade da Auditoria Independente. Revista Catarinense da Ciência Contábil,15(44), 60-74.

Viana, E. (2010). A governança corporativa no setor público municipal: um estudo sobre a eficácia da implementação dos princípios de governança nos resultados fiscais. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Yang, J. S., & Krishnan, J. (2005). Audit committees and quarterly earnings management. International Journal of Auditing, 9(3), 201-219.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/rccc.v16n49.2449

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.