Avaliação de empresas: aspectos objetivos na verificação de valor econômico de ativos intangíveis

Nivaldo João dos Santos

Resumo


Neste artigo discute-se aspectos objetivos na determinação de valor econômico para os elementos intangíveis criados pela empresa. Tais elementos, abrigados sob a denominação de capital intelectual, goodwill, ou fundo de comércio, são representados pela marca, pelo bom atendimento aos clientes e pela localização privilegiada do negócio, dentre outros. Trata-se de estudo de caso de avaliação de empresa e negócio dentro da indústria automotiva, localizada na Região Sul do Brasil, envolvendo determinação judicial. Os procedimentos metodológicos envolveram a avaliação econômica da empresa sob dois aspectos: a) como um conjunto de elementos patrimoniais e b) como um negócio gerador de saldos de caixa livre ao longo dos anos. Foi evidenciado que o refinamento das informações sobre os ativos operacionais e a adequada compreensão dos custos e despesas pertinentes ao negócio em particular é indispensável para a determinação do justo valor da empresa e oferece mais objetividade ao cálculo do valor econômico referente ao conjunto de elementos intangíveis criados.

Palavras-chave


Avaliação de empresas; Capital intelectual; Avaliação de goodwill; Fundo de comércio; Ativos intangíveis.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Axile-Ortiz, M. A. (2013). Perceiving the value of intangible assets in context. Journal of Business Research, 66, 417-424.

Chareonsuk, C., Chansa-ngavej, C. (2010). Intangible asset management framework: an empirical evidence. Industrial Management & Data Systems, 110(7), 1094-1112.

Churyk, N.T., Mantzke, K.L. (2008). The relation between purchased goodwill and target characteristics. Academy of Accounting and Financial Studies Journal, 12(3), 19-18.

Clarkson, G. (2000). Intellectual asset valuation. Harvard Business School. 9 (-801-192), 1-23.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2010). Pronunciamento Técnico CPC 04: Ativo Intangível. Brasília. Recuperado de http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/187_CPC_04_R1_rev%2008.pdf

Damodaran, A. (2007), Avaliação de empresas (2a ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Harris, R. S. (1997).Valuing companies: an overview of analytical aproaches. University of Virginia - Darden Business Publishing. UV0107. Charlottesville, VA.

Hawkins, D. F. (2002). Basic ratio analysis end equity valuation. Boston. Harvard Business School, 9,185-149.

Helfert, E. A. (2000). Técnicas de análise financeira: um guia prático para medir o desempenho dos negócios (9a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hendriksen, S. E., & Breda, M. F. V. (1992). Accounting theory (5nd ed.) Illinois: Irwin.

Lei nº 10.406, de 10 de Janeiro de 2002 (2002). Institui o código civil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10406.htm

Lei nº 13.105, de 16 de Março de 2015 (2015). Institui o código de processo civil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm

Leitner, P. (2005). Measure twice, cut once: creating and measuring value in the private firm. Strategic Finance, 87(3). 26-32.

Lorenz, D., & Lützkendorf, T. (2008). Sustainability in property valuation: theory and practice. Journal of Property Investment & Finance, 26(6), 482-521.

Luerhman, T. A. (2006). Note corporate valuation and market multiples. Boston. Harvard Business School, 9, 206-039.

Ornelas, M. M. G. (2003). Avaliação de sociedades: apuração de haveres em processos judiciais (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Rabianski J. S. (1996). Going-concern value, market value, and intangible value. The Appraisal Journal, 64, 183-194.

Robert, M. J. (2006). Valuation concepts: evaluating opportunity. Boston. Harvard Business School Publishing.

Ross, S. A., Westerfield. W., & Jaffe, J.F. (2007). Administração financeira (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Sá, A. L. (2000) Ativo intangível e potencialidades dos capitais. Revista Brasileira de Contabilidade, 125, 46-53.

Santos, N. J. (2011). Metodologia para determinação do valor econômico de empresas de capital fechado em processos de apuração de haveres de sócio. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Verginis, C. S., & Taylor, S. J. (2004). Stakeholders’ perceptions of the DCF method in hotel valuations. Property Management, 22(5), 358-376.

Watson, R. (2010) Small and medium size enterprises and the knowledge economy. Journal of Financial Regulation and Compliance, 18(2), 131-143.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n50.2522

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.