Análise do impacto das variáveis macroeconômicas no desempenho econômico-financeiro das empresas dos setores de Consumo Cíclico e Não Cíclico da BM&FBovespa

Jardel Pandini, Diego Rafael Stüpp, Valkyrie Vieira Fabre

Resumo


Todas as empresas sofrem influência das variáveis macroeconômicas, de forma mais ou menos acentuada, uma vez que estão sujeitas às condições econômicas das regiões onde estão inseridas. Esse raciocínio não é diferente para empresas que vendem bens e serviços aos consumidores finais, tais como as empresas pertencentes ao setor de Consumo Cíclico (produção e venda de bens duráveis) e Não Cíclico (produção e venda de bens não duráveis) da BM&FBovespa. À luz da Teoria dos Ciclos Econômicos, o objetivo do presente trabalho foi verificar o impacto das variáveis macroeconômicas nos indicadores econômico-financeiros das empresas do setor de Consumo Cíclico e Não Cíclico da BM&FBovespa, uma vez que a teoria sugere que empresas do primeiro setor são mais afetadas por flutuações econômicas do que empresas do segundo setor. Nesse sentido, realizou-se uma pesquisa quantitativa, descritiva e com análise de dados documentais. O estudo utilizou-se do cálculo dos coeficientes de correlação canônica, com o auxílio do software estatístico SPSS (Statistical Package for the Social Sciences). A amostra da pesquisa consistiu em 103 empresas que negociam seus papéis na BM&FBovespa, divididas nos setores de Consumo Cíclico (64 empresas) e Consumo Não Cíclico (39 empresas). As conclusões do estudo apontam para uma aceitação da teoria de que empresas cíclicas são mais impactadas por variações na economia brasileira, uma vez que os resultados obtidos por meio da correlação canônica mostram que os indicadores econômico-financeiros das empresas do setor Cíclico estão mais correlacionados às variáveis macroeconômicas do que os indicadores das empresas Não Cíclicas.

Palavras-chave


Consumo Cíclico; Consumo Não Cíclico; Variáveis Macroeconômicas; Indicadores de desempenho.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Albuquerque, P. H. M., Silva, L. C., & Maluf, Y. S. (2014) Estimação da influência de variáveis macroeconômicas sobre o faturamento de organizações siderúrgicas usando o ARMAX. Gestão & Produção, 21(3), 648-659.

Banco Central do Brasil. Índices de inflação. Recuperado em 8 maio, 2016, de http://www.bcb.gov.br/pre/portalCidadao/indecon/indice_inflacao.asp?idPai=PORTALBCB

Bastos, D. D., Nakamura, W.T, & Basso, L. F. C. (2009). Determinantes da Estrutura de Capital das Companhias Abertas na América Latina: um estudo empírico considerando fatores macroeconômicos e institucionais. Revista de Administração Mackenzie, 10(6), 47-77.

Burns, A. F., & Mitchell, W. C. (1946). Measuring Business Cycles. New York: National Bureau of Economic Research Books.

Calixto, T. C., Oliveira, R., & Kretzer, J. (2015). O comportamento das indústrias cíclicas brasileiras pós-real. Semana de Ciências Econômicas, Guarapuava, 16.

Coelho, L. B. (2012). Efeitos de variáveis macroeconômicas no nível de liquidez de empresas brasileiras. Dissertação de Mestrado, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

Costa, A. E., Filho (2014). Incerteza e atividade econômica no Brasil. Economia Aplicada, 18, (3), 421-453.

Costa, C. T., & Gomes, F. P. (2011). Análise da variação do desempenho de empresas brasileiras. Organizações em Contexto, 7(13), 85-105.

Costa, G. P. C. L., Schmitt, F. O., Leite, P. A. M., Filho, Silva, C. A. T. (2011) O reflexo das variáveis macroeconômicas no nível de caixa evidenciado pelas empresas brasileiras listadas na Bovespa. Anais Congresso ANPCONT, Vitória, ES, Brasil, 5.

Dani, A. C., Padilha, D., Santos, C. A. dos, & Almeida-Santos, P. S. (2016). Effect of market timing in the capital structure of Latin America. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 6(3), 143-159.

Deleersnyder, B., Dekimpe, M. G., Sarvary, M., & Parker, P. M. (2003). Weathering tight economic times: the sales evolution of consumer durables over the business cycle. Quantitative Marketing and Economics, 2(4), 347-383.

Enqvist, J., Graham, M., & Nikkinen, J. (2014). The impact of working capital management on firm profitability in different business cycles: Evidence from Finland. Research in International Business and Finance, 32, 36-49.

Fabris, T. R., & Fontana, M. L. L. (2012). A relação existente entre os lucros das empresas de capital aberto e das variáveis macroeconômicas. Anais Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 9.

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. L., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Campus.

Frösén, J., Jaakkola, M., Churakova, I., & Tikkanen, H. (2016). Effective forms of market orientation across the business cycle: A longitudinal analysis of business-to-business firms. Industrial Marketing Management, 52, 91-99.

Haddow, A., Hare, C., & Hooley, J. (2013). Macroeconomic uncertainty: what is it, how can we measure it and why does it matter? Bank of England Quarterly Bulletin, p. Q2.

Hair, J. F., Anderson, R. E., Black, W. C., Babin, B. J., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contas Nacionais. Recuperado em 27 março, 2016, de http://brasilemsintese.ibge.gov.br/contas-nacionais.html

Koopmans, T. C. (1947). Measurement without theory. The Review of Economics and Statistics, 29(3), 161-172.

KPMG. (2008). O Brasil e as normas internacionais de contabilidade (IFRS). Recuperado em 5 maio 2016, de http://www.kpmg.com.br/publicacoes/audit/ifrs/folder_ifrs_perguntas_respostas.pdf

Kydland, F. E, & Prescott, E. C. (1982). Time to build and aggregate fluctuations. Econometrica – Journal of the Economy Society, 50(6), 1345-1370.

Long, J. B. J., & Plosser, C.I. (1983). Real business cycles. The Journal of Political Economy, 91(1), 39-69.

Lopes, P. F., Costa, D. F., Carvalho, F. M., & Castro, L. G., Filho (2016). Desempenho econômico e financeiro das empresas brasileiras de capital aberto: um estudo das crises de 2008 e 2012. Revista Universo Contábil, 12(1), 105-121.

Lucas, R. E. (1976). Understanding Business Cycles. Kiel Conference on Growth Without Inflation, Kiel, Alemanha.

Magro, C. B. D. (2012). Utilidade do orçamento empresarial nas indústrias catarinenses sob a ótica da teoria da dependência de recursos. Dissertação de Mestrado, Fundação Universidade Regional de Blumenau, SC, Brasil.

Mankiw, N. G. (1989). Real Business Cycles: A new keynesian perspective. The Journal of Economic Perspectives, 3(3), 79-90.

Matarazzo, D. C. (2008). Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial (6a ed.) São Paulo: Atlas.

Mitchell, W. C. (1913). Business Cycles. Berkeley: University of California Press.

Mitchell, W. C. (1927). Business Cycles: The Problem and Its Setting. New York: National Bureau of Economic Research Books.

Pindyck, R. S., & Rubinfeld, D. L. (2009). Microeconomia (7a ed.). Madrid: Pearson Prentice Hall.

Plosser, C. I. (1989). Understanding real business cycles. The Journal of Economic Perspectives, 3(3), 51-77.

Raupp, F. M., Beuren, I. M. (2014) Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In I. M. Beuren (Org.) Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Santos, E. S. (2011) Full IFRS x Lei 11.638 (1ª fase) x Lei 6.404: impacto esperado nos resultados de 2010 a partir das empresas que se anteciparam. Anais Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, São Paulo, SP, Brasil, 11.

Santos, F. M., Teixeira, A., & Dalmacio, F. Z. (2008). Impacto das flutuações econômicas no desempenho das empresas: estudo intra-setorial sob a perspectiva da teoria dos ciclos econômicos. Anais Congresso ANPCONT, Salvador, BA, Brasil, 2.

Sherman, H. (2001). The Business Cycles Theory of Wesley Mitchell. Journal of Economic Issues, 35(1), 85-97.

Schumpeter, J. A. (1939). Business Cycles: A Theoretical, Historical, and Statistical Analysis of the Capitalist Process. New York: McGraw-Hill Book Company.

Silva, A. C. R. (2010). Metodologia da pesquisa aplicada à contabilidade: orientações de estudos, projetos, artigos, relatórios, monografias, dissertações, teses. Atlas.

Stüpp, D. R. (2015). Previsão de insolvência a partir de indicadores contábeis: evidências de empresas listadas na BM&FBovespa nos anos 2004-2013. Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado de Santa Catarina, SC, Brasil.

Vasconcellos, M. A. S., & Garcia, M. E. (2014). Fundamentos de economia (5ª ed.). São Paulo: Saraiva.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n51.2606

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional