Relação entre a republicação das demonstrações contábeis e o Audit Delay

Vanessa Chiudini, Paulo Roberto da Cunha, Leandro Marques

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo verificar a relação entre a republicação das demonstrações contábeis e o audit delay. Consiste em uma pesquisa descritiva, do tipo documental, com abordagem quantitativa. A população da pesquisa compreende 495 empresas listadas na BM&FBovespa. Foram selecionadas para a pesquisa as empresas que apresentaram o Relatório do Auditor Independente sobre as demonstrações contábeis da companhia, entre os anos de 2011 e 2016. Os dados foram analisados por meio de teste de médias e teste de correlação no software SPSS®. Os resultados indicam que há relação entre a republicação das demonstrações contábeis e o audit delay nos anos de 2011, 2012, 2015 e 2016, enquanto que para os anos de 2013 e 2014 tal relação não pôde ser confirmada. Em 2013, não houve diferença significativa no audit delay das empresas que publicaram ou republicaram as demonstrações contábeis. Já, em 2014, observou-se uma relação inversa ao esperado, um menor audit delay relacionado à republicação das demonstrações contábeis. Conclui-se, portanto, que no mercado brasileiro um maior atraso na liberação do relatório do auditor pode sinalizar maiores riscos para a realização da auditoria, dando indícios que as demonstrações podem ser republicadas. Maiores investigações são necessárias para explicar o resultado dissonante observado em 2014.

Palavras-chave


Republicação das Demonstrações Contábeis; Relatório do Auditor Independente; Audit Delay.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Angeli, P. P. T. (2008). Republicação das Demonstrações Contábeis: uma análise dos índices ROA, ROE e endividamento total em empresas brasileiras no período de 2000 a 2005. Dissertação Mestrado em Ciências Contábeis, Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, da Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Bills, K. L., Swanquist, Q. T., & Whited, R. L. (2015). Growing pains: Audit quality and office growth. Contemporary Accounting Research, 33(1), 288-313.

Bischoff, J., Finley, J., & Leblanc, D. (2008). Financial Statement Restatements: Causes and Effects. Tennessee CPA Journal. April.

Blankley, A. I., Hurtt, D. N., & MacGregor, J. E. (2014). The relationship between audit report lags and future restatements. Auditing: A Journal of Practice & Theory, 33(2), 27-57.

Brown, S. & Hillegeist, S. A. (2007). How disclosure quality affects the level of information asymmetry. Review of Accounting Studies, 12(2-3), 443-477.

Camargo, R. C. C. P. & Flach, L. (2016). Audit Report Lag e Expertise da Firma de Auditoria: Uma Análise com Empresas Listadas na BM&FBovespa. Advances in Scientific and Applied Accounting, 9(2), 181-203.

Chen, S., Goo, & Shen, Z. (2014). A Hbrid Approach of Stepwise Regression, Logistic Regression, Support Vector Machine, and Decision Tree for Forecasting Fraudulent Financial Statements. The Scientific World Journal, 2014, 1-10.

Comissão de Valores Mobiliários. (2018). Texto integral da Instrução CVM nº 480, de 7 dezembro de 2009 com as alterações introduzidas pelas Instruções CVM nº 488/10, 509/11, 511/11, 520/12, 525/12, 547/14, 552/14, 561/15, 567/15, 568/15, 569/15, 583/16, 584/17, 585/17, 586/17, 588/17, 595/18 e 596/18. Dispõe sobre o registro de emissores de valores mobiliários admitidos à negociação em mercados regulamentados de valores mobiliários. Rio de Janeiro.

Conselho Federal de Contabilidade. (2016a). NBC TA 200 (R1): Objetivos gerais do auditor independente e a condução da auditoria em conformidade com normas de auditoria. Brasília.

Conselho Federal de Contabilidade. (2016b). NBC TA 705: Modificações na opinião do auditor independente. Brasília.

Conselho Federal de Contabilidade. (2016c). NBC TA 706: Parágrafos de ênfase e parágrafos de outros assuntos no relatório do auditor independente. Brasília.

Damascena, L. G. & Paulo, E. (2013). Pareceres de Auditoria: um estudo das ressalvas e parágrafos de ênfases constantes nas demonstrações contábeis das companhias abertas brasileiras. Revista Universo Contábil, 9(3), 104-127.

Damascena, L. G., Firmino, J. E., & Paulo, E. (2011). Estudo sobre os pareceres de auditoria: análise dos parágrafos de ênfase e ressalvas constantes nas demonstrações contábeis das companhias listadas na Bovespa. Contabilidade Vista & Revista, 22(1), 125-154.

Dancey, C. & Reidy, J. (2006). Estatística Sem Matemática para Psicologia: Usando SPSS para Windows. Porto Alegre: Artmed.

Dantas, J. A., Chaves, S. M. T., Silva, M. R., & Carvalho, R. P. (2011). Determinações de recast/republicação de demonstrações financeiras pela CVM: o papel dos auditores independentes. Revista Universo Contábil, 7(2), 45-64.

Ettredge, M., Fuerherm, E. E., & Li, C. (2014). Fee pressure and audit quality. Accounting, Organizations and Society, 39(4), 247-263.

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva. F. L., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões (2a ed.) Rio de Janeiro: Elsevier.

Field, A. P. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Gil, A. C. (1999). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Hair, J. F., Jr., Babin, B. J., Money, A. H., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

He, L. & Chiang, H. (2013). Market Reaction to Financial Statemen Restatement: A Study on the Information and Insurance Role of Auditors. Advances in Management and Applied Economics, 3(4), 37-50.

Knechel, W. R., & J. L. Payne. (2001). Additional evidence on audit report lag. Auditing: A Journal of Practice & Theory 20(1): 137–146.

Knechel, W. R. & Sharma, D. S. (2012). Auditor-provided nonaudit services and audit effectiveness and efficiency: Evidence from pre-and post-SOX audit report lags. Auditing: A Journal of Practice & Theory, 31(4), 85-114.

Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (1976). Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Brasília, 15 de dezembro de 1976.

Magalhães, M. N. & Lima, A. C. P. (2005). Noções de Probabilidade e Estatística. São Paulo: EDUSP.

Marques, V. A., Amaral, H. F., Souza, A. A., Santos, K. L., & Rodrigues, P. H. (2017). Determinantes das Republicações no Mercado Brasileiro: Uma Análise a partir dos Incentivos ao Gerenciamento de Resultados. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 11(2), 191-213.

Martins, G. A & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Murcia, F. D. R. & Borba, J. A. (2005). Um estudo das fraudes contábeis sob duas óticas: Jornais econômicos versus periódicos acadêmicos no período de 2001-2004. Revista de Contabilidade do Mestrado de Ciências Contábeis da UERJ, 10(2), 99-114.

Murcia, F. D.R. & Carvalho, L. N. (2007). Conjecturas Acerca do Gerenciamento de Lucros, Republicação das Demonstrações Contábeis e Fraude Contábil. Contabilidade Vista & Revista, 18(4), 61-82.

Niyama, J. K. & Silva, C. A. T. (2011). Teoria da Contabilidade. (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Netto, F. H. & Pereira, C. C. (2011). Impacto da republicação de demonstrações financeiras no preço das ações de empresas brasileiras. Revista Contemporânea de Contabilidade, 7(14), 29-50.

O’Sullivan. (2000). The impact of board composition and ownership on audit quality: Evidence from large UK companies. The British Accounting Review, 32(4), 397-414.

Pereira, A. N. & Costa, F. M. (2012). Determinantes do atraso de auditoria externa (Audit Delay) em companhias brasileiras. Encontro da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração (ENANPAD), Rio de Janeiro (RJ).

Pereira, A. N. (2011). Determinantes do atraso de auditoria externa (Audit Delay) em companhias brasileiras. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, da Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Raupp, F. M. & Beuren, I. M. (2003). Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências Sociais. In Ilse M. Beuren (Org). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática (Cap. 3, pp. 76-97). São Paulo: Atlas.

Romanus, R. N., Maher, J. J., & Fleming, D. M. (2008). Auditor industry specialization, auditor changes, and accounting restatements. Accounting Horizons, 22(4), 389-413.

Santos, A. C., Souza, M. A., Machado, D. G., & Silva, R. P. (2009). Auditoria independente: um estudo dos pareceres emitidos sobre demonstrações contábeis de empresas brasileiras listadas na Bovespa e na Nyse. Revista Universo Contábil, 5(4).

Stevenson, W. J. (2001). Estatística aplicada a administração. Editora Harbra.

Teixeira, S. A., Politelo, L., & Klann, R. C. (2013). Fatores relacionados ao recast das demonstrações contábeis das companhias brasileiras de capital aberto. Encontro Nacional dos Cursos de Graduação em Administração, Florianópolis, SC, 24.

Terra, P. R. S., & De Lima, J. B. N. (2006). Governança corporativa e a reação do mercado de capitais à divulgação das accounting information. Revista Contabilidade & Finanças, 17(42), 35-49.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n51.2617

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional