Evidências de isomorfismo na gestão de custos de entidades sem fins lucrativos do Brasil

Danilo José Campos Coelho, Antônio André Cunha Callado

Resumo


Esta pesquisa objetivou analisar evidências de isomorfismo nos hábitos, rotinas e sistemas de custeio da gestão de custos das 100 melhores entidades sem fins lucrativos do Brasil em 2017, listadas pelo Instituto DOAR e pela Revista Época. O estudo caracteriza-se como exploratório-descritivo, de abordagem quantitativa. A coleta de dados deu-se mediante survey. Todas as 100 entidades foram contatadas e somente 30 destas responderam ao questionário. Analisou-se a relação entre as variáveis de agrupamento referentes ao perfil das entidades e dos respondentes, bem como as variáveis pertinentes aos sistemas de custeio dos hábitos e rotinas da gestão de custos e aos benefícios e dificuldades encontradas na gestão de custos, para encontrar evidências de isomorfismo. Os resultados do teste de correlação de Spearman, ao nível de confiança de 95%, apontam evidências de isomorfismo na gestão de custos das entidades analisadas.

Palavras-chave


Isomorfismo; Gestão de Custos; Entidades Sem Fins Lucrativos

Texto completo:

PDF PDF (English) ePUB

Referências


Aguiar, A. B. de, & Martins, G. de A. (2006). A teoria das estruturas organizacionais de mintzberg e a gestão estratégica de custos: um estudo nas ongs paulistas. Revista Contabilidade & Finanças da USP, Edição Comemorativa, 51-64.

Almada, M. A. S., Souza, P. C., & Laia, A. O. (2016). Aplicação do custeio variável e análise custo-volume-lucro numa indústria de ração animal: um estudo de caso. Custos e Agronegócio on line, 12(4), 72-89.

Alyahya, M., Hijazi, H., & Harvey, H. (2018). Explaining the accreditation process from the institutional isomorphism perspective: a case study of Jordanian primary healthcare centers. The International Journal of Health Planning and Management, 33(1), 102-120.

Anderson, S. W. & Dekker, H. C. (2009). Strategic cost management in supply chains, part 1: structural cost management. Accounting Horizons, 23(2), 201-220.

Araújo, A. M. P., Salgado, A. L., Bonacim, C. A. G., & Girioli, L. S. (2007). Controles internos e entidade do terceiro setor: a influência da estrutura organizacional. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, João Pessoa, PB, Brasil, 14.

Arvidson, M. (2018). Change and tensions in non-profit organizations: beyond the isomorphism trajectory. Voluntas: International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, 29(5), 1-13.

Barragan, L. G., Weffort, E. F. J., & Aranha, M. P. S. (2006). O processo de gestão de riscos e controles internos nas entidades sem fins lucrativos como uma ferramenta para redução de custos. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Belo Horizonte, MG, Brasil, 13.

Berner, C. C. A. (2016). Práticas de gestão em organizações do terceiro setor: um estudo aplicado a Angola. Dissertação de Mestrado, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, Portugal.

Beuren, I. M. (1993). Evolução histórica da contabilidade de custos. Contabilidade Vista & Revista, 5(1), 61-66.

Boff, M. L., Beuren, I. M., & Guerreiro, R. (2008). Institucionalização de hábitos e rotinas da controladoria em empresas do Estado de Santa Catarina. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Curitiba, PR, Brasil,15.

Bruni, A. L. (2008). Estatística aplicada à gestão empresarial (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Burns, J. & Scapens, R. W. (2000). Conceptualizing management accounting change: an institutional framework. Management Accounting Research, 11(1), 3-25.

Callado, A. A. C. & Pinho, M. A. B. de. (2014). Evidências de isomorfismo mimético sobre práticas de gestão de custos entre micro e pequenas empresas de diferentes setores de atividade. Revista Contabilidade Vista & Revista, 25(2), 119-137.

Callado, A. A. C., Callado, A. L. C., & Almeida, M. A. (2014). Isomorfismo e práticas de gestão de custos: um estudo empírico entre empresas do porto digital a partir da teoria institucional. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 4(1), 204-217.

Cavalcanti, M. A. do N., Ferreira, H. M. C., & Araújo, A. O. (2013). Análise do posicionamento estratégico para implementação da gestão estratégica de custos: um estudo de caso em uma empresa do setor de beneficiamento de aço inoxidável. Revista Ambiente Contábil, 5(1), 75-92.

Chua, W. F. (1986). Radical developments in accounting thought. The Accounting Review, 61(4), 601-632.

Claeyé, F. & Jackson, T. (2012). The iron cage re-revisited: institutional isomorphism in non-profit organisations in south africa. Journal of International Development, 24(5), 602-622.

Cunha, H. P. (2008). Gestão estratégica aplicada em organizações do terceiro setor: uma mudança de paradigma. Sitientibus, 39, 191-205.

Cunha, P. R. da, Santos, V. dos, & Beuren, I. M. (2010).Traços de artigos que relacionam a teoria institucional com a contabilidade gerencial: estudos em periódicos internacionais. Anais do Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

Diehl, C. A. (2006). Gestão estratégica de custos: identificando o alinhamento estratégico em uma empresa de segurança. Contabilidade Vista & Revista, 17(1), 69-97.

Dimaggio, P. J., & Powell, W. W. (2005). A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, 45(2), 74-89.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Guerreiro, R., Pereira, C. A., & Frezatti, F. (2008). Aplicação do modelo de burns e scapens para avaliação do processo de institucionalização da contabilidade gerencial. Organizações & Sociedade, 15(44), 45-68.

Guerreiro, R., Pereira, C. A., Rezende, A. J. (2006). Em busca do entendimento da formação dos hábitos e das rotinas da contabilidade gerencial: um estudo de caso. Revista de Administração Mackenzie, 7(2), 78-101.

Guidi, A. C., Morgan, L., Montebelo, M. I., & Corrêa, D. A. (2017). Cost management in micro and small companies in the mining sector. Revista de Negócios, 22(2), 48-64.

Hair Jr., J. F., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hared, B. A., Abdullah, Z., & Huque, S. M. R. (2013). Management control systems: a review of literature and a theoretical framework for future researches. European Journal of Business and Management, 5(26), 1-13.

Henri, J.-F., Boiral, O., & Roy, M.-J. (2015). Strategic cost management and performance: the case of environmental costs. The British Accounting Review, 48(2), 269-282.

Instituto Doar. (2017). 100 melhores ONGs do Brasil edição 2017. Recuperado em 9 maio, 2018, de: http://www.institutodoar.org/100-melhores-ongs-do-brasil-edicao-2017/

Junqueira, F. & Sousa Filho, R. de C. (1999). Custos: uma abordagem histórica. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis Da UERJ, 4(1), 46-49.

Langfield-Smith, K. (2008). Strategic management accounting: how far have we come in 25 years? Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(2), 204-228.

Lauschner, M. A. & Beuren, I. M. (2004). Gestão estratégica de custos. Contabilidade Vista & Revista, 15(2), 53-84.

Leiter, J. (2005). Structural isomorphism in australian nonprofit organizations. Voluntas: International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, 16(1), 1-31.

Limongi, B., Imeton, L. da S., & Laffin, M. (2007). Sistemas de custeio utilizados por organizações do terceiro setor: estudo de multicasos em cidades catarinenses. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, João Pessoa, PB, Brasil, 14.

Lopez, F. G. (2018). Perfil das organizações da sociedade civil no Brasil. Brasília: Ipea. Recuperado em 23 julho, 2018, de: https://mapaosc.ipea.gov.br/pdf/publicacao-IPEA-perfil-osc-Brasil.pdf

Major, M. J. (2009). Reflexão sobre a investigação em contabilidade de gestão. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão online, 8(1), 43-50.

Malaquias, F. F. de O. & Malaquias, R. F. (2014). Gestão de custos e gestão logística: o papel dos sistemas de informação. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 4(2), 93-111.

Marconi, M. de A. & Lakatos, E. M. (2002). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Marinho, S. V., Alberton, A., Goulart, M. A., Mueller, A., & Bittencourt, M. (2011). Gestão de custos em empresas de desenvolvimento de software de santa catarina: uma pesquisa exploratória. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ (online), 16(3), 2-19.

Martins, G. de A. & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Martins, O. S., Pedrosa Neto, C., & Araújo, A. O. (2008). A gestão estratégica de custos nas organizações do terceiro setor: um estudo de caso no estado da paraíba. Contabilidade Vista & Revista, 19(2), 61-84.

Oliveira, C. E. de, Pereira, R. C. B., Martins, I., & Souza, R. (2017). Um estudo acerca da utilização de instrumentos da controladoria em entidade hospitalar do terceiro setor. Revista Gestão, Inovação e Negócios, 3(1), 22-38.

Pereira, F. R., Jones, G. D. C., Silva, V. R. da., & Pereira, M. M. (2015). Perfil dos controllers e suas atribuições: um estudo em um grupo corporativo de referência no brasil. Anais do Congresso UFSC de Iniciação Científica em Contabilidade, Florianópolis, SC, Brasil, 6.

Porter, M. (1979). How competitive forces shape strategy. Harvard Business Review, 57(2), 137-145.

Ramanath, R. (2009). Limits to institutional isomorphism examining internal processes in NGO-government interactions. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, 38(1), 51-76.

Ramos, A. F., Policário, S. M., Gouveia, A. G. P., & Deorce, R. B. (2017). Gestão de custos aplicada ao terceiro setor: estudo de caso na APAE de Governador Valadares. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Florianópolis, SC, Brasil, 24.

Ribeiro, R. R. M., Zagoto, A. C., Santos, A. M. F. dos, Gonçalves, M. N., Oliveira, N. C., & Mattiello, K. (2015). Gestão estratégica de custos em organização do terceiro setor: o caso do lar Escola da Criança de Maringá. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 22.

Richardson, R. J. (2009). Pesquisa social: métodos e técnicas (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Scarpin, J. E. & Santos, A. C. dos. (2012). Práticas de custeio no terceiro setor: investigação sob a perspectiva da teoria da demanda, de sua adoção e relação com a accountability da organização. Estudo & Debate, 19(2), 7-27.

Shank, J. K. (1989). Strategic cost management: new wine, or just new bottles? Journal of Management Accounting Research, 1(Fall), 47-65.

Shortridge, R. T. & Smith, P. A. (2009). Understanding the changes in accounting thought. Research in Accounting Regulation, 21(1), 11-18.

Souza, M. A. de., Rasia, K. A., & Almeida, L. B. de. (2015). Práticas de gestão estratégica de custos adotadas por empresas brasileiras de segmentos do agronegócio. Custos e Agronegócio on line, 11(3), 116-143.

Souza, M. A., Schnorr, C., & Ferreira, F. B. (2013). Práticas de gestão de custos logísticos: estudo de caso de uma empresa do setor alimentício. Revista Contemporânea de Contabilidade, 10(19), 3-32.

Souza, M. A., Silva, E. J., & Pilz, N. (2010). Práticas de gestão estratégica de custos: um estudo em uma empresa multinacional brasileira. Revista de Contabilidade e Organizações, 4(9), 145-167.

Spessato, G., & Bezerra, F. A. (2008). Utilização das abordagens positiva e normativa nas pesquisas em contabilidade. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Curitiba, PR, Brasil, 15.

Stevenson, W. J. (1981). Estatística aplicada à administração. São Paulo: Harbra.

Verbruggen, S., Christiaens, J., & Milis, K. (2011). Can resource dependence and coercive isomorphism explain nonprofit organizations’ compliance with reporting standards?. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, 40(1), 5-32.

Vieira, E. P., Maciel, E. R., & Ribas, M. (2009). A relevância da gestão de custos e sua efetividade no sistema de informações contábil gerencial. ConTexto, 9(16), 1-23.

Wrubel, F., Diehl, C. A., & Ott, E. (2010). Informações sobre gestão estratégica de custos divulgadas por companhias abertas brasileiras. Revista Contemporânea de Contabilidade, 7(13), 127-150.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220192757

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional