Efeitos do conservadorismo condicional decorrente da crise econômica sobre o investimento das companhias abertas brasileiras

Jailson Manoel Silva Duarte, Lauro Vinicio de Almeida Lima, Edilson Paulo, Renato Henrique Gurgel Mota

Resumo


A pesquisa teve como objetivo identificar a influência do conservadorismo sobre o nível de investimento das companhias abertas em razão da crise econômica brasileira de 2014-2017. A pesquisa foi pautada em uma análise empírica por intermédio de coleta de informações relativas às empresas não financeiras de capital aberto, listadas no Brasil, Bolsa, Balcão (B3), durante o período que compreendeu os exercícios de 2010 a 2018. Foi utilizado o modelo de Basu, ajustado para a mensuração do efeito da crise econômica brasileira no conservadorismo condicional das empresas. Em seguida, verificou-se a influência do nível de conservadorismo contábil destas, captado pelo modelo de Basu, nos investimentos em bens de capital das empresas. Os resultados indicam que, em períodos de crise econômica local, as empresas antecipam as futuras perdas aumentando o nível de conservadorismo. Esse comportamento conservador, entretanto, não foi capaz de mitigar os efeitos da crise, que influenciou negativamente o nível de investimentos de capital realizados pelas empresas brasileiras. Adicionalmente, observou-se que as empresas mais conservadoras reduzem significativamente seus investimentos em períodos de crise. Esses achados são relevantes para os investidores, pois estes podem considerar um comportamento conservador mais acentuado nos investimentos futuros das firmas. Cabe ressaltar também que os resultados da pesquisa podem auxiliar as políticas governamentais, no âmbito de que os gestores públicos busquem ações que viabilizem investimentos das empresas, minimizando os efeitos negativos da crise e permitindo um crescimento econômico mais rápido.

Palavras-chave


crise econômica brasileira; conservadorismo; investimentos.

Texto completo:

PDF PDF (English) ePUB

Referências


Al-Hroot, Y. A., Al-Qudah, L. A. M., & Alkharabsha, F. I. A. (2017). The effect of the global financial crisis on the level of accounting conservatism in commercial banks: Evidence from Jordan. International Journal of Business and Management, 12(2), 151-159.

Ahmed, A. S., & Duellman, S. (2011). Evidence on the role of accounting conservatism in monitoring managers’ investment decisions. Accounting & Finance, 51(3), 609-633.

Balakrishnan, K., Watts, R., & Zuo, L. (2016). The effect of accounting conservatism on corporate investment during the global financial crisis. Journal of Business Finance & Accounting, 43(5), 513-542.

Ball, R., & Shivakumar, L. (2005). Earnings quality in UK private firms: Comparative loss recognition timeliness. Journal of Accounting and Economics, 39(1), 83-128.

Barbosa Filho, F. D. H. (2017). A crise econômica de 2014/2017. Estudos Avançados, 31(89), 51-60.

Basu, S. (1997). The conservatism principle and the asymmetric timeliness of earnings. Journal of Accounting and Economics, 24(1), 3-37.

Biddle, G. C., & Hilary, G. (2006). Accounting quality and firm-level capital investment. The Accounting Review, 81(5), 963-982.

Biddle, G. C., Hilary, G., & Verdi, R. S. (2009). How does financial reporting quality relate to investment efficiency? Journal of Accounting and Economics, 48(2), 112-131.

Bushman, R. M., Piotroski, J. D., & Smith, A. J. (2011). Capital allocation and timely accounting recognition of economic losses. Journal of Business Finance & Accounting, 38(1‐2), 1-33.

Campello, M., Graham, J. R., & Harvey, C. R. (2010). The real effects of financial constraints: Evidence from a financial crisis. Journal of Financial Economics, 97(3), 470-487.

Coelho, A. C. D. (2007). Qualidade informacional e conservadorismo nos resultados contábeis publicados no Brasil. Tese de doutorado não publicada. Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Duchin, R., Ozbas, O., & Sensoy, B. A. (2010). Costly external finance, corporate investment, and the subprime mortgage credit crisis. Journal of Financial Economics, 97(3), 418-435.

Economatica. (2008). Manual. S. l.: Autor. Recuperado em 27 maio, 2019, de http://economatica.com/support/manual/portugues/whnjs.htm

Fonseca, P. C. D., Cunha, A. M., & Bichara, J. D. S. (2013). O Brasil na Era Lula: Retorno ao desenvolvimentismo? Nova Economia, 23(2), 403-428.

Giambiagi, F. (2011). Estabilização, reformas e desequilíbrios macroeconômicos: Os anos FHC. In F. Giambiagi (Org.), Economia brasileira contemporânea: 1945-2010 (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Greene, W. (2003). Econometric analysis (5th ed.). New Jersey, United States: Prentice Hall.

Gujarati, D. (2006). Econometria básica. Rio de Janeiro, RJ: Campus-Elsevier.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro. (2016). Contas nacionais trimestrais. Recuperado em 11 dezembro, 2016, de https://servicodados.ibge.gov.br/Download/Download.ashx?http=1&u=biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/2121/cnt_2013_4tri.pdf

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília, DF. (2016). Carta de conjuntura. Recuperado em 22 novembro, 2016, de http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=27921&Itemid=3

Kammler, E. L., & Alves, T. W. (2009). Análise da capacidade explicativa do investimento pelo ”q” de Tobin em empresas brasileiras de capital aberto. RAE Eletrônica, 8(2), 12.

Kothari, S. P., & Sloan, R. G. (1992). Information in prices about future earnings: Implications for earnings response coefficients. Journal of Accounting and Economics, 15(2), 143-171.

Lara, J. M. G., Osma, B. G., & Penalva, F. (2016). Accounting conservatism and firm investment efficiency. Journal of Accounting and Economics, 61(1), 221-238.

Lopes, H. C. (2018). O Brasil no novo milênio: Regulação, progresso técnico e novo desenvolvimentismo. Economia e Sociedade, 27(3), 1029-1052.

Novy, A. (2009). O retorno do Estado desenvolvimentista no Brasil. Indicadores Econômicos FEE, 36(4), 121-128.

Paulani, L. (2017). A experiência brasileira entre 2003 e 2014: Neodesenvolvimentismo? Cadernos do Desenvolvimento, 12(20), 135-155.

Santos, L. M., Costa, D. F., Alberto, J. G. C., Gonçalves, M. A., & de Faria, E. R. (2011). Análise do Q de Tobin como determinante do investimento das empresas brasileiras. FACES Journal, 10(3), 65-82.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220192774

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional