Relatório de sustentabilidade e desempenho das firmas brasileiras de capital aberto

Dermeval Martins Borges Junior

Resumo


O objetivo deste trabalho foi analisar a associação entre a publicação do relatório de sustentabilidade e o desempenho das empresas abertas brasileiras. Foram coletados dados sobre a publicação do relatório de sustentabilidade das empresas abertas brasileiras listadas na bolsa de valores do Brasil (B3), bem como para variáveis relativas às características das firmas, a saber: desempenho, tamanho e alavancagem. A amostra do estudo contou com todas as empresas abertas brasileiras listadas na B3, exceto as financeiras, por suas especificidades contábeis, com dados disponíveis no período de 2012 a 2016, as quais totalizaram 1.889 observações. Dentre os resultados, observou-se que as empresas que publicam relatório de sustentabilidade possuem médias superiores para as medidas de desempenho, tamanho e alavancagem em relação às firmas que não publicam tal documento. Além disso, os coeficientes de correlação para as variáveis estudadas, dentre outros aspectos, indicaram uma associação positiva e estatisticamente significativa entre a publicação do relatório de sustentabilidade e o desempenho, tamanho da firma e alavancagem financeira.

Palavras-chave


Relatório de sustentabilidade; Disclosure socioambiental; Desempenho

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Baldini, M., Maso, L. D., Liberatore, G., Mazzi, F., & Terzani, S. (2018). Role of country and firm-level determinants in environmental, social, and governance disclosure. Journal of Business Ethics, 150(1), 79-98.

Bansal, P., & Roth, K. (2000). Why companies go green: a model of ecological responsiveness. Academy of Management Journal, 43(4), 717-736.

BM&FBovespa. (2016). Relate ou Explique para Relatório de Sustentabilidade ou Integrado: um case brasileiro de sucesso. BM&FBovespa, 2016. Recuperado em 28 julho, 2018, de http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/institucional/sustentabilidade/nas-empresas/relate-ou-explique/

Braga, J. P., Oliveira, J. R. S., & Salotti, B. M. (2009). Determinants of Level of Environmental Disclosure in the financial statements of Brazilian Companies. Revista de Contabilidade da UFBA, 3(3), 81-95.

Buhr, N. (2002). A structuration view on the initiation of environmental reports. Critical Perspectives on Accounting, 13(1), 17-38.

Calixto, L. A. (2013). A divulgação de relatórios de sustentabilidade na América Latina: um estudo comparativo. Revista de Administração, 48(4), 828-842.

Conceição, S. H., Dourado, G. B., Baqueiro, A. G., Freire, S., & Brito, P. C. (2011). Fatores determinantes no disclosure em Responsabilidade Social Corporativa (RSC): um estudo qualitativo e quantitativo com empresas listadas na Bovespa. Gestão & Produção, 18(3), 461-472.

Dhaliwal, D. S., Li, O. Z., Tsang, A., & Yang, Y. G. (2011). Voluntary Nonfinancial Disclosure and the Cost of Equity Capital: The Initiation of Corporate Social Responsibility Reporting. The Accounting Review, 86(1), 59-100.

Dienes, D., Sassen, R., & Fischer, J. (2016). What are the drivers of sustainability reporting? A systematic review. Sustainability Accounting, Management and Policy Journal, 7(2), 154-189.

European Sustainable Investment Forum. (2014). European SRI Study 2014. Belgium.

Fatemi, A., Glaum, M., & Kaiser, S. (2017). ESG performance and firm value: The moderating role of disclosure. Global Finance Journal, In Press.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC.

Gil, A. C. (2002). Como Elaborar Projetos de Pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Gray, R., & Milne, M. J. (2002). Sustainability Reporting: Who’s Kidding Whom?. Accountability Transparency Sustainability, 1-5.

Halme, M., & Huse, M. (1997). The influence of corporate governance, industry and country factors on environmental reporting. Scandinavian Journal of Management, 13(2), 137-157.

Jones, S., Frost, G., Loftus, J., & Van Der Laan, S. (2007). An Empirical Examination of the Market Returns and Financial Performance of Entities Engaged in Sustainability Reporting. Australian Accounting Review, 17(41), 78-87.

Laskar, N. Impact of corporate sustainability reporting on firm performance: an empirical examination in Asia. (2018). Journal of Asia Business Studies, 12(4), 571-593.

Magness, V. (2006). Strategic posture, financial performance and environmental disclosure: an empirical test of legitimacy theory. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 19(4), 540-563.

Martínez-Ferrero, J., Garcia-Sanchez, I. M., & Cuadrado-Ballesteros, B. (2015). Effect of Financial Reporting Quality on Sustainability Information Disclosure. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 22(1), 45-64.

McWilliams, A., & Siegel, D. (2000). Corporate social responsibility and financial performance: correlation or misspecification?. Strategic Management Journal, 21(5), 603-609.

Michelon, G., Pilonato, S., & Ricceri, F. (2015). CSR reporting practices and the quality of disclosure: An empirical analysis. Critical Perspectives on Accounting, 33(1), 59-78.

Rover, S., Tomazzia, E. C., Murcia, F. D., & Borba, J. A. (2012). Explicações para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando a análise de regressão em painel. Revista de Administração, 47(2), 217-230.

Stolowy, H., Paugam, L. (2018). The expansion of non-financial reporting: an exploratory. Accounting and Business Research, 48(5), 525-548.

Sun, N., Salama, A., Hussainey, K., & Habbash, M. (2010). Corporate environmental disclosure, corporate governance and earnings management. Managerial Auditing Journal, 25(7), 679-700.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220192779

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional