Auditoria em Bancos: relação entre os assuntos citados em modificação de opinião, ênfase e PAA

Lucas Rodrigues Santana, Francielle Jesus Silva, José Alves Dantas, Ducineli Regis Botelho

Resumo


Este estudo teve por objetivo verificar a relação entre os assuntos citados como base para modificação de opinião, parágrafos de ênfase e principais assuntos de auditoria (PAA), nos trabalhos de auditoria realizados nos bancos brasileiros. Utilizando a técnica de análise de conteúdo, foram examinados os relatórios emitidos pelos auditores sobre as demonstrações de 134 Instituições Bancárias brasileiras, no período de 2007 a 2016, totalizando 746 relatórios. Os resultados dos exames revelaram que os assuntos relativos a créditos tributários, provisões passivas e questões atuariais são diretamente associados entre aqueles utilizados como base para opinião modificada, parágrafo de ênfase e PAA. A continuidade operacional é destaque tanto para modificação de opinião quanto ênfase, mas não como PAA. Como comportamento assimétrico destacam-se os assuntos mais citados para modificação de opinião (arrendamento mercantil) e como PAA (provisão para perdas em operações de crédito), que têm pouca relevância nos demais tópicos. A pesquisa contribui para o desenvolvimento da literatura nacional sobre auditoria, na medida em que avalia a associação entre os assuntos que têm merecido maior atenção dos auditores independentes na preparação dos seus relatórios sobre as demonstrações dos bancos brasileiros, seja como modificação de opinião, ênfase ou PAA – abordagem ainda não explorada na literatura sobre o tema.

Palavras-chave


Auditoria; Relatório de Auditoria; Opinião Modificada; Ênfase; PAA.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Bardin, L. (2010). Análise de Conteúdo (4a ed.). Lisboa: Edições 70.

Basel Committee on Banking Supervision (BCBS). (2002). The relationship between banking supervisors and banks’ external auditors. Disponível em Recuperado de http://www.bis.org/publ/bcbs87.pdf

Bédard, J., Gonthier-Besacier, N., & Schatt, A. (2014). Costs and benefits of reporting Key Audit Matters in the audit report: The French experience. In International Symposium on Audit Research. Available at: http://documents. escdijon. eu/pdf/cig2014/ACTESDUCOLLOQUE/BEDARD_GONTHIER_BESACIER_SCHATT. pdf

Castro, R. L. C., Vasconcelos, J. P. B., & Dantas, J. A. (2017). Impactos das Normas Internacionais de Auditoria nos Relatórios dos Auditores sobre as Demonstrações Financeiras dos Bancos Brasileiros. Revista Ambiente Contábil, 9(1), 1-20.

Christensen, B. E., Glover, S. M., & Wolfe, C. J. (2014). Do critical audit matter paragraphs in the audit report change nonprofessional investors' decision to invest? Auditing: A Journal of Practice & Theory, 33(4), 71-93.

Damascena, L. G., & Paulo, E. (2013). Pareceres de Auditoria: Um Estudo das Ressalvas e Parágrafos de Ênfase Constantes nas Demonstrações Contábeis das Companhias Abertas Brasileiras. Revista Universo Contábil, 9(3), 104-127.

Dantas, J. A., & de Medeiros, O. R. (2015). Determinantes de qualidade da auditoria independente em bancos. Revista Contabilidade & Finanças, 26(67), 43-56.

Financial Reporting Council (FRC) - (2015). Extended Auditors´ Reports – A review of experience in the first year. Recuperado em 10 junho, 2018, em https://www.cafr.ro/uploads/3.%20Extended-auditors-reports-0773.pdf

Financial Reporting Council (FRC) - (2016). Extended Auditors´ Reports – A further review of experience. Recuperado em 10 junho, 2018, em https://www.frc.org.uk/getattachment/76641d68-c739-45ac-a251-cabbfd2397e0/Report-on-the-Second-Year-Experience-of-Extended-Auditors-Reports-Jan-2016.pdf

Gallo, G., & Nicolini, D. (2002). Basilea II y la fragilidad bancaria en países emergentes. Caso Peruano 1997-2000. Lima: Universidad del Pacífico.

Girotto, M. (2016). Normas do Novo Relatório do Auditor Independente são publicadas pelo CFC. Recuperado de http://cfc.org.br/noticias/normas-do-novo-relatorio-do-auditor-independente-sao-publicadas-pelo-cfc/

Gold, A., Gronewold, U., & Pott, C. (2012). The ISA 700 auditor's report and the audit expectation gap–Do explanations matter? International Journal of Auditing, 16(3), 286-307.

Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (IBRACON). (2017). A experiência da aplicação do Novo Relatório do auditor. São Paulo: Ibracon.

International Auditing and Assurance Standards Board (IAASB). (2016). More Informative Auditors´ Reports – What Audit Committees and Finance Executives Need to Know. Recuperado em 10 junho, 2018, em https://www.ifac.org/publications-resources/more-informative-auditors-reports-what-audit-committees-and-finance

International Federation of Accountants (IFAC). (2012). Apoio da IFAC a um conjunto único de normas de Auditoria: Auditorias de Entidades de Pequeno e Médio Porte. Recuperado de http://www.ibracon.com.br/downloads/pdf/policyPositionPaper_2_Final.pdf

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.

Kanagaretnam, K., Krishnan, G. V., & Lobo, G. J. (2010). An empirical analysis of auditor independence in the banking industry. The Accounting Review, 85(6), 2011-2046.

Marques, V. A., & Souza, M. K. P . (2017). Principais Assuntos de Auditoria e Opinião sobre o Risco de Descontinuidade: Uma Análise das Empresas do Ibovespa. RIC - Revista de Informação Contábil, 11(4), 1-22.

Mendonça, M. M., Costa, F. M., Galdi, F. C., & Funchal, B. (2010). O impacto da Lei Sarbanes-Oxley (SOX) na qualidade do lucro das empresas brasileiras que emitiram ADRs. Revista Contabilidade & Finanças, 21(52).

Murcia, D. F., Borba, J. A., & Schiehll, E. (2008). Relevância dos Red Flags na Avaliação do Risco de Fraudes nas Demonstrações Contábeis: a Percepção de Auditores Independentes Brasileiros. Revista Universo Contábil, 4(1), 25-45.

Patrocínio, E. A., Coutinho, R. S., Reina, D. R. M., & Reina, D. (2017). Relatório de Opinião dos Auditores nas Empresas do Novo Mercado: Principais Motivos de Ressalvas e de Parágrafos de Ênfase. RAGC, 5(21).

Pereira, J. M. (2006). Gestão do risco operacional: uma avaliação do novo Acordo de Capitais - Basiléia II. Revista Contemporânea de Contabilidade, 1(6), 103-124.

Pereira, F. R., Machado, N. V., & Pinheiro, L. E. (2017). Auditoria Contábil: Um estudo acerca da relação entre o relatório dos auditores e as características da empresa auditada. Anais do Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, São Paulo, Brasil, 14.

Peres, L. J., & Peters, M. R. S. (2017). Relatório de Auditoria com modificação e a troca da administração em companhias listadas. Revista Científica Hermes, (18), 292-303.

PricewaterhouseCoopers (PwC) (2016). Demonstrações financeiras e sinopses normativa e legislativa 2016/2017 (26a ed.). São Paulo: PricewaterhouseCoopers.

Public Company Oversight Board (PCAOB). (2002). AS 1001: Responsibilities and Functions of the Independent Auditor. Recuperado de https://pcaobus.org/Standards/Auditing/Pages/AS1001.aspx

Rocha, D. (2016). Contagem regressiva para o novo relatório de auditoria. Revista RI – Relação com Investidores, 207.

Santos, F. P. (2008). A relação entre o parecer de auditoria e a troca de auditores: uma investigação nas instituições financeiras. Dissertação de mestrado, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Silvestre, A. O., Sprenger, K., & Kronbauer, C. A. (2016). Relatório Modificado de Auditoria : Análise Pré e Pós-Convergência aos Padrões Internacionais. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 15(44), 75-85.

Spathis, C. T. (2003). Audit qualification, firm litigation, and financial information: an empirical analysis in Greece. International Journal of Auditing, 7(1), 71-85.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220192832

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional