Framework estratégico para sustentação da vantagem competitiva em empresas de serviços contábeis: análise da complementaridade entre as perspectivas de Porter e das capacidades dinâmicas

Rodrigo Rengel, Marino Luiz Eyerkaufer, Darci Schnorrenberger

Resumo


Este estudo objetiva desenvolver um framework estratégico para sustentação da vantagem competitiva a partir do consenso entre os gestores de empresas de serviços contábeis em relação ao conjunto de elementos da perspectiva teórica de Porter e das Capacidades Dinâmicas (CDs). O estudo é descritivo, de análise quantitativa, com amostra de 38 empresas prestadoras de serviços contábeis, cujas respostas foram obtidas majoritariamente de proprietários, diretores, gerentes, supervisores e coordenadores com poder de tomada de decisão. Os resultados apresentaram consenso entre os profissionais de empresas prestadoras de serviços contábeis perante a complementariedade entre as teorias. Além disto, os resultados apresentam certo nivelamento perante estratégias de diferenciação no mercado do Alto Vale do Itajaí. Com isso, conclui-se que não houve predominância de consenso das práticas internas das organizações sobre nenhum dos dois modelos teóricos analisados neste estudo. Destaca-se a complementariedade entre as teorias, a qual seria estabelecida na visão dos elementos externos e internos para tomada de decisões estratégicas, destarte, desenvolveu-se um modelo de gestão para sustentação da vantagem competitiva fundamentado nas teorias de base do presente estudo.

Palavras-chave


Framework Estratégico; Empresas de Serviços Contábeis; Vantagem competitiva; Teoria de Porter; Teoria das Capacidades Dinâmicas.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Albanese, D. E., Briozzo, A., Argañaraz. A., & Vigier, H. (2013). Determinantes de la tercerización del servicio de información contable en las PYMEs: el caso de la Argentina. Revista de Administração Mackenzie, 14(5), 201-229.

Andreeva, T., & Chaika, V. (2006). Dynamic capabilities: what they need to be dynamic? [Working Paper, 10 (E)] St. Petersburg State University, São Petersburgo.

Barbosa, F. V. (1999). Competitividade: conceitos gerais. In S. B. Rodrigues. Competitividade, alianças estratégicas e gerência internacional. São Paulo: Atlas.

Bebber, S., Graciola, A. P., Souza, A. V. O., Nodari, C. H., Olea, P. M., & Dorion, E. C. H. (2016). Inovação como estratégia de diferenciação: Produção de vinho Kosher no Vale dos Vinhedos. Desenvolvimento em questão, 14(37), 202-230.

Beuren, I. M., & Oro, I. (2014). M. Relação entre estratégia de diferenciação e inovação, e Sistemas de Controle Gerencial. Revista de Administração Contemporânea, 18(3), 285-310.

Brito, R. P., & Brito, L. A. L. (2012). Vantagem Competitiva, Criação de valor e seus efeitos sobre o Desempenho. REA, 52(1), 70-84.

Brown, T. (2008). Design thinking. Harvard business review, 86(6).

Brown, T. (2009). Change by design: how design thinking transforms organizations and inspires innovation. New York: HarperCollins.

Burghetti, B. S. (2010). Perspectivas estratégicas para grandes consumidores industriais frente às mudanças regulatórias com a inclusão do livre acesso às redes de distribuição de gás natural canalizado no Estado de São Paulo. Dissertação Programa de Pós-Graduação em Energia, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Collis, D. J. (1994). Research Note: How Valuable are Organizational Capabilities? Strategic Management Journal, 15, 143-152.

D’Aveni, R.A., Dagnino, G.B., & Smith, K.G. (2010). The age of temporary advantage. Strategic Management Journal, 3, 1371-1385.

Dallabona, L. F. (2014). Influência de variáveis contingenciais na relação do estilo de liderança à folga organizacional em indústrias têxteis de Santa Catarina. Tese Doutorado em Ciências Contábeis e Administração, Universidade Regional do Blumenau - FURB, Blumenau, Brasil.

Deluca, M., & Souza, M. R. (2004). Varejo supermercadista da Grande Florianópolis: uma análise das cinco forças competitivas de Porter. Revista de Negócios, 9(1), 51-60.

Eckert, A., Milan, G. S., Mecca, M. S., & Nunes, G. P. (2013). Fatores determinantes para a retenção de clientes em escritórios de contabilidade: um estudo multicaso realizado em uma cidade da Serra Gaúcha. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 6(3), 50-78.

Eisenhardt, K., & Martin, J. (2000). Dynamic capabilities: what are they? Strategic Management Journal, 21(10), 1105-1121.

Faoro, R. R., Olea, P. M., Roesch, S. M. A., & Abreu, M. F. (2014). Diferenciação e foco para obtenção de vantagem competitiva: o caso da Beta Sistemas. Revista Eletrônica de Administração, 20(3), 838-856.

Ferreira, L. C. B. (2010). Ach Brito born again global. Dissertação de Mestrado em Economia e Gestão Internacional, Faculdade de Economia Universidade do Porto – FEP, Porto, Portugal.

Garcia, A. E. G. (2017). A inteligência competitiva e o desenvolvimento de Capacidades Dinâmicas nas organizações. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 16(1), 69-90.

Ghemawat, P. (2000). A estratégia e o cenário dos negócios. Porto Alegre: Bookman.

Harreld, J., O’reilly, C. A., & Tuschman, M. L. (2007). Dynamic Capabilities at IBM: Driving Strategy into Action. California Management Review, 49, 21-43.

Hayes, R. H., Wheelwright, S. C., & Clark, K. B. (1988). Dynamic manufacturing: Creating the learning organization. New York Free Press, 429, 27-95.

Helfat, C. E., Finkelstein, S., Mitchell, W., Peteraf, M. A., Singh, H., Teece, D. J., & Winter, S. G. (2007). Dynamic capabilities: understanding strategic change in organizations. Oxford: Blackwell Publishing.

Hogarth, R., & Michaud, C. (1991). Longevity of business firms: a four-stage framework. Fontainebleau: INSEAD.

Kotler, P. (2005). Marketing essencial: conceitos, estratégias e casos. São Paulo: Prentice Hall.

Leite, J. B., & Porsse, M. (2003). Competição baseada em competências e aprendizagem organizacional: em busca da vantagem competitiva. Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, 121-141.

Marcus, A. A., & Anderson, M. H. (2006). A General Dynamic Capability: Does It Propagate Business and Social Competencies in the Retail Food Industry? Journal Of Management Studies, 43(1), 19-46.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da Investigação Cientifica. Editora Atlas.

Miranda, K. D. L. G. (2009). As Cinco Forças de Porter e a estratégia como diferencial competitivo: estudo de caso em correspondentes bancários do banco BMG em João Pessoa/PB. Monografia do Curso de Graduação em Administração, Universidade Federal da Paraíba, UFPB, João Pessoa, Brasil.

Nelson, R., & Winter, S. (1982). Na evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University Press.

Oening, K. S. (2010). Pluralismo teórico na gestão estratégica: a compreensão da vantagem competitiva a partir da harmonização de perspectivas antagônicas. Revista de Negócios, 15(29), 45-56.

Penrose, E. T. (1959). The Theory of the Grown of the Firm. Oxford: Brasil Blackwell.

Pereira, M. C. C. (2005). Empresas de serviços contábeis condicionantes estratégicas para uma atuação empreendedora. Pensar Contábil, 7(29), 1-14.

Porter, M. E. (1980). Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors.

Porter, M. E. (1999). Competição = On Competition: Estratégias competitivas essenciais. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. (10a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (1990). The core competence of the corporation. Harvard Business Review, 66, 79-91.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2014). Metodologias de custos utilizadas nas maiores indústrias do setor têxtil do Estado de Santa Catarina. Revista Ciências Administrativas, 17(3).

Rumelt, R. P., Schendel D. E., & Teece, D. J. (1994). Fundamental Issues in Strategy. Harvard Business School Press.

Sales, A. S. (2011). Avaliação de uma empresa do setor gráfico a partir do modelo das Cinco Forças de Porter. Monografia apresentada ao curso de Administração, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB, João Pessoa, Brasil.

Schumpeter, J. A. (1934). The Theory of Economic Development: An Inquiry into Profits, Capital, Credit, Interest, and Business Cycle. Harvard University Press.

Semuel, H., Siagian, H., & Octavia, (2016). S. The effect of leadership and innovation on differentiation strategy and company performance. 7th International Conference on Intercultural Education “Education, Health and ICT for a Transcultural World”, 237.

Shigunov, T. R. Z., & Shigunov, A. R. (2003). A qualidade dos serviços contábeis como ferramenta de Gestão para os escritórios de contabilidade. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa (RECADM), 2(1).

Sirmon, D. G., Hitt, M. A., Arregle, J. L., & Campbell, J.T., (2010). The dynamic interplay of capability strengths and weaknesses: investigating the bases of temporary competitive advantage. Strategic Management Journal, 31, 1386-1409.

Teece, D. J. (1976). The multinational corporation and the resource cost of international technology transfer. Cambridge, MA: Ballinger.

Teece, D. J. (1986). Profiting from technological innovation: implications for integration, collaboration, licensing and public policy. Research Policy, 15(6), 285-305.

Teece, D. J. (1988). Technological change and the nature of the firm. In G. Dosi, C. Freeman, R. Nelson, G. Silverberg, & L. Soete (Eds.), Technical change and economic theory. New York: Pinter Publishers.

Teece, D. J. (2012). Dynamic Capabilities: Routines versus Entrepreneurial Action. Journal of Management Studies, 49, 1395-1401.

Teece, D. J., Pisano, G., & Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, 18(7), 509-533.

Thompson Jr., A., & Strickland III, A. J. (2000). Planejamento estratégico: elaboração, implementação e execução. São Paulo: Pioneira.

Tondolo, V. A. G., & Bitencourt, C. C. (2014). Compreendendo as capacidades dinâmicas a partir de seus antecedentes, processos e resultados. Brazilian Business Review, 11(5), 124-147.

Vasconcelos, F. C., & Cyrino, A. B. (2000). Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas, 40(4), 20-37.

Wierman, M. J., & Tastle, W. J. (2005). Consensus and dissention: theory and properties, in Fuzzy Information Processing Society, NAFIPS. Annual Meeting of the North American, 75-79.

Wiernan, M. J., & Tastle, W. J. (2007). Consensus and dissention: A measure of ordinal dispersion. International Journal of Approximate Reasoning, 45(3), 531-545.

Winter, S. (2003). Understanding dynamic capabilities. Strategic Management Journal, 24, 991-995.

Zahra, S. A., & George, G. (2002). Absortive capacity: a review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, 27(2), 185-203.

Zahra, S. A., Sapienza, H. J., & Davidsson, P. (2006). Entrepreneurship and Dynamic Capabilities: a Review, Model and Research Agenda. Journal of Management Studies, 43(4), 917-955.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220192839

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional