Eficiência na aplicação de recursos de royalties de petróleo: identificação dos municípios brasileiros de referência

Henrique Portulhak, Susana Cipriano Dias Raffaelli, Jorge Eduardo Scarpin

Resumo


Em um contexto que apresenta a oportunidade de discussão acadêmica sobre a qualidade do recebimento das receitas de royalties de petróleo e sobre a eficiência na aplicação desses recursos, esta investigação teve como objetivo identificar os municípios brasileiros receptores de royalties de petróleo que podem ser considerados referência na aplicação dos recursos orçamentários. A relevância do estudo reside nas discussões acadêmicas e políticas sobre o tema geradas a partir da descoberta de grandes reservas de petróleo no território brasileiro e as consequentes alterações na legislação sobre o modelo de partilha desses recursos. Utilizou-se o instrumento Data Envelopment Analysis, modelo CCR, para verificação da eficiência na alocação dos recursos públicos de 115 municípios localizados em toda a extensão territorial brasileira, considerando como variáveis-insumo as receitas tributárias e as receitas de transferências correntes, e como variável-produto o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, o que foi precedido por uma análise de clusters. Os resultados indicaram que mais de 70% dos municípios estudados possuem escore de eficiência abaixo de 0,4, sugerindo acentuada diferença entre os resultados alcançados pelos municípios benchmark e os demais municípios não localizados na fronteira de eficiência, o que coaduna com estudos anteriores que apontam indícios de que os recursos destinados para a minimização dos efeitos das externalidades negativas provenientes das atividades de extração de petróleo possam não estar gerando os resultados desejados quanto à melhoria no desenvolvimento humano de seus receptores.

Palavras-chave


Royalties do petróleo; Eficiência; Data Envelopment Analysis.

Texto completo:

PDF PDF (English) EPUB

Referências


Alvarenga, D. (2016). Arrecadação com royalties do petróleo cai 25% em 2015. Recuperado em 13 fevereiro, 2016, de http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/01/arrecadacao-com-royalties-do-petroleo-cai-25-em-2015.html

Arretche, M. (2004). Federalismo e políticas sociais no Brasil: problemas de coordenação e autonomia. São Paulo em Perspectiva, 18(2), 17–26. doi: 10.1590/S0102-88392004000200003

Atlas Brasil. (2016). Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. Recuperado em 10 fevereiro, 2016, de http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/

Baumol, W. J. (1972). On taxation and the control of externalities. The American Economic Review, 62(3), 307-322. doi: 10.2307/1803378

Borges, T., & Matias, M. (2011). Contabilidade Gerencial no setor público: o caso de Minas Gerais. Contabilidade Vista & Revista, 22(3), 73-98.

Caçador, S. B., & Monte, E. Z. (2013). Impactos dos royalties do petróleo nos indicadores de desenvolvimento dos municípios do Espírito Santo. Interações, 14(2), 267-278.

Carnicelli, L., & Postali, F. A. S. (2009). Rendas do petróleo e tributos locais: uma análise de propensity score. Encontro Nacional de Economia, Porto de Galinhas, PE, Brasil, 40. Recuperado de https://www.anpec.org.br/encontro/2012/inscricao/files_I/i4-fdc3484501e62a43bb676e8d282cc8f5.pdf

Casa Nova, S. P. de C., & Santos, A. dos. (2008). Aplicação da análise por envoltória de dados utilizando variáveis contábeis. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(3), 132-154.

Castro, D. P. de. (2011). Auditoria, contabilidade e controle interno no setor público (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Cetin, V. R., & Bahce, S. (2016). Measuring the efficiency of health systems of OECD countries by data envelopment analysis. Applied Economics, 48(37), 3497-3507.

Charnes, A., Cooper, W. W., & Rhodes, E. (1978). Measuring the efficiency of decision making units. European Journal of Operational Research, 2(6), 429-444.

Coombs, H., Hobbs, D., & Jenkins, E. (2005). Management Accounting: Principles and Applications. Londres: Sage.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em administração (7a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Costa, C. C. de M., Ferreira, M. A. M., Braga, M. J., & Abrantes, L. A. (2015). Fatores associados à eficiência na alocação de recursos públicos à luz do modelo de regressão quantílica. Revista de Administração Pública, 49(5), 1319-1347. doi: 10.1590/0034-7612130868

Estevez-Abe, M., Iversen, T., & Soskice, D. (1999). Social protection and the formation of skills – a reinterpretation of the welfare state. American Political Association Meeting (pp. 1-80), Atlanta, 95. doi: 10.1093/0199247757.001.0001

Farina, E. M. Q. Q., Azevedo, P. F., & Saez, M. S. M. (1997). Competitividade: mercado, estado e organizações. São Paulo: Singular.

Ferreira, C. M. de C., & Gomes, A. P. (2009). Introdução à análise envoltória de dados: teoria, modelos e aplicações. Viçosa/MG: Editora UFV.

Freitas, A. A. B. (2013). Rendas petrolíferas e indicadores sociais municipais: uma análise de eficiência relativa. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Frezatti, F. (2007). The “economic paradigm” in management accounting: Return on equity and the use of various management accounting artifacts in a Brazilian context. Managerial Auditing Journal, 22(5), 514-532. doi: 10.1108/02686900710750784

Froemming, D. S. (2015). A distribuição das rendas do petróleo e a eficiência na gestão financeira dos municípios do estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, São Paulo.

Giacomoni, J. (2012). Orçamento público (16a ed.). São Paulo: Atlas.

Givisiez, G. H. N., & Oliveira, E. L. de. (2011). Royalties do petróleo e educação: análise da eficiência da alocação. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 8(1), 31-54.

Hartwick, J. M. (1977) Intergenerational equity and the investing of rents from exhaustible resources. Americam Economic Review, 67(5), 972-974.

Higa, N., & Scarpin, J. E. (2016). Os impactos das receitas de royalties de recursos hídricos: um estudo comparativo entre os municípios brasileiros. ABRACICON Saber, 15, 26-37.

Hirschman, A. O. (1977). A generalized linkage approach to development, with special reference to staples. Economic Development and Cultural Change, 25, 67-97.

Hofstede, G. (1981). Management control of public and not-for-profit activities. Accounting, Organizations and Society, 6(3), 193-211. doi: 10.1016/0361-3682(81)90026-X

Horngren, C. T., Sundem, G. L., & Stratton, W. O. (2004). Contabilidade gerencial (12a ed.). São Paulo: Pearson.

Hotelling, H. (1931). The economics of exhaustible resources. Journal of Political Economy, 39(2), 137-175.

Jones, R., & Pendlebury, M. (2010). Public sector accounting (6a ed.). Harlow: Pearson.

Kaur, H., & Bhalla, G. S. (2018). Evaluating the resource use efficiency of government colleges in Punjab (India): A data envelopment analysis. International Journal of Law and Management, 60(3), 804-813.

Maciel, V. F., Piza, C. C. de T., & Penoff, R. N. (2009). Desigualdades regionais e bem-estar no brasil: quão eficiente tem sido a atividade tributária dos estados para a sociedade? Planejamento e Políticas Públicas, 33(2), 291-318.

Maia, F. F., Terra, D. C. T., & Matta, L. G. (2014). O novo sistema de partilha dos royalties do petróleo: avaliando o debate na mídia. Petróleo, Royalties & Região, 11(45), 4-7.

Martinez, A. L., & Reis, S. dos S. (2016). Impacto dos royalties do petróleo no índice de educação básica: análise do caso dos municípios capixabas. RACE – Revista de Administração, Contabilidade e Economia da UNOESC, 15(2), 505-530.

Martins, F., & Félix, R. (2017). Como a “maldição do petróleo” explica a crise de segurança no Rio de Janeiro. Recuperado em 25 setembro, 2019, de https://www.gazetadopovo.com.br/politica/republica/como-a-maldicao-do-petroleo-explica-a-crise-de-seguranca-no-rio-de-janeiro-90r3xzotjb9m49a9ob5h10sjt/

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2007). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Padoveze, C. L. (2012). Controladoria estratégica e operacional: conceitos, estrutura, aplicação (3a ed.). São Paulo: Cengage Learning.

Pamplona, N. (2016). ANP propõe novo cálculo dos royalties do petróleo. Recuperado em 13 fevereiro, 2016, de http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/01/1727694-anp-propoe-novo-calculo-de-royalties-do-petroleo.shtml

Pamplona, N. (2017). Rio apela ao Ministério de Minas e Energia por royalties do petróleo. Recuperado em 28 julho, 2017, de http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/04/1873737-rio-apela-ao-ministerio-de-minas-e-energia-por-royalties-do-petroleo.shtml

PNUD (2019). O que é o IDHM? Recuperado em 21 novembro, 2019, de https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/conceitos/o-que-e-o-idhm.html

Postali, F. A. S. (2007). Efeitos da distribuição de royalties do petróleo sobre o crescimento dos municípios no Brasil. Encontro Nacional de Economia, Recife, 35. Recuperado de http://www.anpec.org.br/encontro2007/artigos/A07A072.pdf

Postali, F. A. S. (2012). Rendas do petróleo e ineficiências administrativas nos municípios brasileiros. Tese de Livre Docência, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Postali, F. A. S., & Nishijima, M. (2011). Distribuição das rendas do petróleo e Indicadores de Desenvolvimento Municipal no Brasil nos anos 2000. Estudos Econômicos, 41(2), 463-485. doi: 10.1590/S0101-41612011000200010

Queiroz, C. R. A., & Postali, F. A. S. (2010). Royalties e arrecadação municipal : apontando ineficiências do sistema de divisão das rendas do petróleo no Brasil. Temas de Economia Aplicada, 12-16.

Reis, A. C., Rocha, P. S. de M. V., Ferreira, L. E. A., Correia, J. S. S., Alves, R. L., & Viana, M. (2005). Avaliação dos impactos dos royalties no desenvolvimento dos municípios arrecadadores da Bacia do Recôncavo. In 3 Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Petróleo e Gás. Salvador. Recuperado de http://www.portalabpg.org.br/PDPetro/3/trabalhos/IBP0561_05.pdf

Ribeiro, E. G., Teixeira, A., & Gutierrez, C. E. C. (2010). Impacto dos royalties do petróleo no PIB per capita dos municípios do estado do Espírito Santo, Brasil. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 12(34), 25-41.

Robinson, J. A., Torvik, R., & Verdier, T. (2006). Political foundations of the resource curse. Journal of Development Economics, 79(2), 447-468.

Rocchi, B., Landi, C., Stefani, G., Romano, S., & Cozzi, M. (2015). Escaping the resource curse in regional development: a case study on the allocation of oil royalties. International Journal of Sustainable Development, 18(1-2), 115-138.

Scarpin, J. E., & Slomski, V. (2007). Estudo dos fatores condicionantes do índice de desenvolvimento humano nos municípios do estado do Paraná: instrumento de controladoria para a tomada de decisões na gestão governamental. Revista de Administração Pública, 41(5), 909-933. doi: 10.1590/S0034-76122007000500006

Seabra, A. A. de, Freitas, G. P. de, Polette, M., & Casillas, T. Á. D. V. (2011). A promissora província petrolífera do pré-sal. Revista Direito GV, 7(1), 57-74. doi: 10.1590/S1808-24322011000100004

Sen, A. (2000). Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Serra, R. V., & Fernandes, A. C. (2005). A distribuição dos royalties petrolíferos no Brasil e os riscos de sua “financeirização.” Revista de Desenvolvimento Econômico, 7(11), 30-38.

Serra, R. V., Terra, D., & Pontes, C. (2006). Os municípios petro-rentistas fluminenses: gênese e ameaças. Revista Rio de Janeiro, (18-19), 59-85.

Si, L., & Qiao, H. (2017). Performance of Financial Expenditure in China’s basic science and math education: Panel data analysis based on CCR Model and BBC Model. Eurasia Journal of Mathematics Science and Technology Education, 13(8), 5217-5224.

Silva, J. C. B., & Lucena, A. V. (2011). Regulação social na indústria do petróleo do Brasil como fomentador do bem estar social e do desenvolvimento do país. Revista Jurídica Cognito Juris, 1(3), 103-107.

Silva, G. M. da, & França, V. L. A. (2009). Petróleo, royalties e pobreza. GeoTextos, 5(1), 143-164.

Souza, P. C. T., & Wilhelm, V. E. (2009). Uma introdução aos modelos DEA de eficiência técnica. Tuiuti: Ciência e Cultura, (42), 121-139.

Tesouro Nacional. (2016). Estados e municípios. Recuperado em 9 março, 2016, de http://www3.tesouro.fazenda.gov.br/estados_municipios

Tribunal de Contas da União. (2008). Transferências governamentais constitucionais. Brasília: TCU.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220202866

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional