Influência do posicionamento estratégico na adoção de práticas gerenciais financeiras no contexto de pequenas indústrias

Rodney Wernke, Ivone Junges, Valentina Pires de Barros

Resumo


O objetivo do estudo foi identificar a influência do posicionamento estratégico na adoção de ferramentas gerenciais financeiras no contexto de pequenas indústrias da microrregião da Amurel e, adicionalmente, buscar resposta para hipótese acerca da possibilidade de que o nível de utilização das práticas de gestão financeira seja igual nas empresas de pequeno porte, independentemente do posicionamento estratégico adotado. Foi utilizada metodologia classificável como descritiva e quantitativa, sendo que a coleta de dados ocorreu por meio de questionário fundamentado na Teoria da Contingência, na análise do posicionamento estratégico e nas ferramentas gerenciais financeiras dos quatro estágios elencados pela International Federation of Accountants. Como resultados, têm-se que as práticas gerenciais do primeiro e do segundo estágio são as mais utilizadas (com média 55,91% e 69,32%, respectivamente), se comparadas com os instrumentos integrantes do terceiro (40%) e do quarto estágio (44,46%). A principal contribuição do estudo consiste em apontar evidência estatística de que o posicionamento estratégico escolhido por indústrias de pequeno porte não afeta o nível de utilização das ferramentas financeiras nesse contexto empresarial.

Palavras-chave


Posicionamento estratégico; Ferramentas gerenciais; Pequenas indústrias

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Abdel Al, S. F., & McLellan, J. D. (2013). Strategy and management accounting practices alignment and its effects on organizational performance. Journal of Accounting Business and Management, 20(1), 1-27.

Abdel-Kader, M., & Luther, R. (2006). Management accounting practices in the British food and drinks industry. British Food Journal, 108(5), 36-357.

Abdel-Kader, M., & Luther, R. (2008). The impact of firm characteristics on management accounting practices: a UK-based empirical analysis. The British Accounting Review, 40(1), 2-27.

Ahmad, K. (2014). The adoption of management accounting practices in Malaysian small and medium size enterprises. Asian Social Science, 7(2), 236-249.

Almeida, K. K. N., & Callado, A. A. C. (2018). Relação entre o poder do cliente e práticas de contabilidade gerencial. Revista Gestão Organizacional – RGO, 11(2), 61-78.

Almeida, F. M. de, Valadares, J. L., & Sediyama, G. A. (2017). A contribuição do empreendedorismo para o crescimento econômico dos estados brasileiros. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 6(3), 466-494.

Andrade, M. M. de. (2002). Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação: noções práticas (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Beuren, I. M., & Fiorentin, M. (2014). Influência de fatores contingenciais nos atributos do sistema de contabilidade gerencial: um estudo em empresas têxteis do Estado do Rio Grande do Sul. Revista de Ciências da Administração, 16(38), 196-212.

Bruni, A. L. (2012). SPSS: guia prático para pesquisadores. São Paulo: Atlas.

Callado, A. A. C. (2016). Relações entre o número de indicadores de desempenho utilizados e fatores contingenciais: evidências do contexto de uma cadeia agroalimentar de suprimentos. Revista Contabilidade Vista & Revista, 27(2), 48-63.

Castro, J. A. F. (2015). Contingency factors that influence the design of organizational structure. Journal of Business, 2(2), 38-56.

Chenhall, R. H., & Langfield-Smith, K. (1998). Adoption and benefits of management accounting practices: an Australian study. Management Accounting Research, 9(1), 1-19.

Chenhall, R. H., & Chapman, C. S. (2006). Theorising and testing fit in contingency research on management control systems. In Z. Hoque (ed.). Methodological issues in accounting research: theories, methods and issues (pp. 35-52). London: Spiramus Press.

Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, 28(2-3), 127-168.

Chenhall, R. H. (2006). Theorizing contingencies in management control systems research. In C. S. Chapman, A. G. Hopwood, & M. D. Shields (org.). Handbooks of Management Accounting Research, 1 (pp. 263-205), London: Elsevier.

Dalchiavon, A., Wernke, R., & Zanin, A. (2017). Práticas de controladoria utilizadas em cooperativa central de crédito: estudo de caso. Revista de Gestão e Organizações Cooperativas – RGC, 4(8), 13-32.

Dalmoro, M., & Vieira, K. M. (2013). Dilemas na construção de escalas tipo Likert: o número de itens e a disposição influenciam nos resultados? Revista Gestão Organizacional – RGO, 6(ed. especial), 161-174.

Donaldson, L. (2012). Teoria da contingência estrutural. In S. R. Clegg, C. Hardy, & W. R. Nord, Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas.

Donaldson, L. (2001). The contingency theory of organizations. London: Sage.

Gil, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Honorio, F. M. M., & Bonemberger, S. Z. (2019). Aplicação de ferramentas de apoio gerencial contábil em uma microempresa de confecções. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 8(1), 201-218.

International Federation of Accountants. (1998). International Management Accounting Practice Statement: Management Accounting Concepts. New York.

Jordão, R. V. D., & Souza, A. A. (2013). Aquisição de empresas como fator de mudança no sistema de controle gerencial: uma análise estratégica sob a perspectiva da Teoria Contingencial. Revista Universo Contábil, 9(3), 75-103.

Joshi, P. L. (2001). The international diffusion of new management accounting practices: the case of India. Journal of International Accounting, Auditing & Taxation, 10(1), 85-109.

Junqueira, E., Dutra E. V., Zanquetto Filho, H., & Gonzaga, R. P. (2016). Efeito das escolhas estratégicas e dos sistemas de controle gerencial no desempenho organizacional. Revista Contabilidade & Finanças, 27(72), 334-348.

Klein, L., & Almeida, L. B. de. (2017). A influência dos fatores contingenciais na adoção de práticas de contabilidade gerencial nas indústrias paranaenses. Revista Universo Contábil, 13(3), 90-119.

Lavarda, C. E. F., & Gorla, M. C. (2012). Estudo bibliométrico sobre a teoria contingencial aplicada à pesquisa orçamentária. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 12.

Leite, E. G. (2013). Adoção de práticas de controladoria por empresas atuantes no Brasil: um estudo sob a ótica da teoria da contingência. Dissertação Mestrado em Controladoria e Finanças, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, Brasil.

Leite, E. G., Diehl, C. A., & Manvailer, R. H. M. (2015). Práticas de controladoria, desempenho e fatores contingenciais: um estudo em empresas atuantes no Brasil. Revista Universo Contábil, 11(2), 85-107.

Maletic, D., Maletic, M., Al-Najjar, B., Gotzamani, K., Gianni, M., Kalinowski, T., Gomiscek, B. (2017). Contingency factors influencing implementation of physical asset management practices. Organizacija, 50(1), 3-16.

Malik, K., & Jasinska-Biliczak, A. (2018). Innovations and other processes as identifiers of contemporary trends in the sustainable development of SMEs: the case of emerging regional economies. Sustainability, 10(5), 1361.

Mclellan, J. D. (2014). Management accounting theory and practice: measuring the gap in United States Business. Journal of Accounting, Business & Management, 21(1), 53-68.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (2010). Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Moterle, S., Wernke, R., & Junges, I. (2019). Conhecimento sobre gestão financeira dos dirigentes de pequenas empresas do sul de Santa Catarina. Revista de Administração, Contabilidade e Economia – RACE, 18(1), 1-26.

Nigri, G., & Baldo, M. (2018). Sustainability reporting and performance measurement systems: how do small-and medium-sized benefit corporations manage integration? Sustainability, 10(12), 1-17.

Oro, I. M., & Lavarda, C. E. F. (2019). Interface dos sistemas de controle gerencial com a estratégia e medidas de desempenho em empresa familiar. Revista Contabilidade e Finanças, 30(79), 14-27.

Otley, D. (2016). The contingency theory of management accounting and control: 1980-2014. Management Accounting Research, 31(june), 45-62.

Panosso, A., Camanho, R. R., Espejo, M. M. dos S. B., & Abbas, K. (2017). Influência das ferramentas de controle gerencial no desempenho: estudo empírico em empresas industriais paranaenses. Enfoque: Reflexão Contábil, 36(2), 1-17.

Pavlatos, O., & Paggios, I. (2009). Management accounting practices in the Greek hospitality industry. Managerial Auditing Journal, 24(1), 81-98.

Porter, M. (1991). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência (8a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Rauen, F. (2015). Roteiros de iniciação científica: os primeiros passos da pesquisa científica desde a concepção até a produção e a apresentação. Palhoça: Editora Unisul.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Rufatto, I. (2018). Níveis de utilização e de importância das práticas de controladoria adotadas por cooperativas agrícolas paranaenses. 2018. Dissertação Mestrado em Ciências Contábeis e Administração, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Chapecó, SC, Brasil.

Santos, V., Dorow, D. R., & Beuren, I. M. (2016). Práticas gerenciais de micro e pequenas empresas. Revista Ambiente Contábil, 8(1), 153-186.

Santos, V., Corrêa, N. L., Beuren, I. M., & Gomes, T. (2019). Relação entre ciclo de vida organizacional e uso de instrumentos de contabilidade gerencial. Enfoque: Reflexão Contábil, 39(2), 67-85.

Scapens, R. W. (2006). Understanding management accounting practices: a personal journey. The British Accounting Review, 38(1), 1-30.

Siska, L. (2016). The contingency factors affecting management accounting in czech companies. Acta Universitatis Agriculturae et Silviculturae Mendelianae Brunensis, 64(4), 1383-1392.

Sulaiman, M., Ahmad, N. N. N., & Alwi, N. (2004). Management accounting practices in selected Asian countries: a review of the literature. Managerial Auditing Journal, 19(4), 493-508.

Triola, M. F. (2005). Introdução à estatística (9a ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Van Der Stede, W. A. (2000). The relationship between two consequences of budgetary controls: budgetary slack creation and managerial short-term orientation. Accounting, Organizations and Society, 25(6), 609-622.

Valeriano, C. E. B. (2012). Ciclo de vida organizacional e artefatos de contabilidade gerencial: uma investigação nas 250 pequenas e médias empresas que mais cresceram no Brasil entre 2008 e 2010. Dissertação Mestrado em Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220202990

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional