Práticas de Disclosure Voluntário das Empresas do Setor Elétrico: Uma Análise a Partir do Modelo de Murcia - DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v12n35p48-62

Autores

  • Tiago Lucimar da Silva Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (SC)
  • Luiz Alberton Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (SC)
  • Ernesto Fernando Rodrigues Vicente Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (SC)

Palavras-chave:

Disclosure voluntário, Setor elétrico, BM&FBOVESPA.

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo identificar as principais práticas de  disclosure voluntário das empresas do setor elétrico, listadas na BM&FBOVESPA, e criar um ranking de maiores níveis de divulgação voluntária entre estas empresas. Neste intuito, elaborou-se uma métrica composta por 6 (seis) categorias e 39 (trinta e nove) subcategorias: ambiente de negócios (8), atividade operacional (7), aspectos estratégicos (8), informações financeiras (5), índices financeiros (4) e governança corporativa (7). Utilizando a técnica de análise de conteúdo, a pesquisa foi realizada a partir das Demonstrações Financeiras Padronizadas (DFP), do exercício findo em 2010 das empresas do setor elétrico, listadas na BM&FBOVESPA. A amostra totalizou as 66 empresas (100%) do segmento econômico Utilidade Pública / Energia Elétrica. Contudo, apenas 65 companhias puderam ser analisadas, devido à ausência de publicação das informações até a data de término da pesquisa. As empresas, que compõem o ranking das melhores práticas de disclosure voluntário, são: Copel; Cemig; Cemig Distribuição e Eletrobrás. As informações com maior nível de evidenciação são: principais mercados de atuação (62), principais acionistas (61) e identificação dos riscos do negócio (59). Os itens menos divulgados foram: indicadores de liquidez (5), projeções (6), perspectivas de novos mercados que a empresa pretende atuar (6) e discussão da concorrência (7). Na análise dos dados ficou evidente a grande variabilidade quanto ao nível de disclosure voluntário das empresas do setor elétrico. Algumas empresas evidenciam um número significativo de informações, enquanto outras se atentaram apenas em cumprir o que é exigido por lei e divulgam poucas informações de forma voluntária.

Biografia do Autor

Tiago Lucimar da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (SC)

Mestrando em Contabilidade no Programa de Pós-Graduação em Contabilidade pela UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina.
Registro CRC: SC-035679/O-4

Luiz Alberton, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (SC)

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Professor do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade na UFSC.
Registro CRC: SC-024005/O

Ernesto Fernando Rodrigues Vicente, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (SC)

Doutor em Administração pela USP - Universidade de São Paulo.  Professor do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade na UFSC.
Registro CRC: SP-207683/O-T

Downloads

Como Citar

Silva, T. L. da, Alberton, L., & Vicente, E. F. R. (2013). Práticas de Disclosure Voluntário das Empresas do Setor Elétrico: Uma Análise a Partir do Modelo de Murcia - DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v12n35p48-62. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 12(35), p. 48–62. Recuperado de https://revista.crcsc.org.br/index.php/CRCSC/article/view/1691

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>