Cost Stickiness nos governos locais de Santa Catarina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-766220213148

Palavras-chave:

Comportamento dos custos, Cost stickiness, Assimetria dos custos, Custos públicos, Governo local

Resumo

O comportamento assimétrico dos custos teve nova abordagem, a partir de 2003, com o surgimento da Teoria dos Cost Stickiness (TCS) e, por ser algo recente, ainda restam dúvidas sobre sua aplicação no setor público. Neste sentido, o presente estudo tem como objetivo analisar o comportamento dos custos nos governos locais de Santa Catarina, na perspectiva dos cost stickiness. Trata-se de uma pesquisa empírica, quantitativa e documental, que utilizou como população os 295 municípios catarinenses, durante o lapso temporal de 20 anos, cuja transposição do modelo de análise foi adaptada para o setor público. Os custos foram agrupados em blocos, com a proposição de nove modelos de regressão com dados em painel, dos quais oito corroboram o fenômeno cost stickiness. Ainda, os resultados indicam similaridade com o fenômeno flypaper, típico do setor público, que utiliza parte da receita para o cálculo da assimetria, em que, dos três tipos de análises realizadas, a utilização da receita vinculada é a que resultou em maior sticky. Por fim, oferece subsídios para a aplicação da TCS ao setor público, mesmo se tratando de um fenômeno típico de entidades com fins lucrativos, e conclui que, com a utilização da receita fracionada (assim como no fênomeno flypaper) para os governos locais de Santa Catarina, o comportamento dos custos aparenta maior grudência.

Referências

Anderson, M. C., Banker, R. D., & Janakiraman, S. N. (2003). Are selling, general, and administrative costs “sticky”? Journal of accounting research, 41(1), 47-63. https://doi.org/10.1111/1475-679X.00095 DOI: https://doi.org/10.1111/1475-679X.00095

Barbetta, P.A. (2011). Estatística aplicada às Ciências Sociais. (7a. ed.) Florianópolis: UFSC.

Bracci, E., Humphrey, C., Moll, J., & Steccolini, I. (2015). Public sector accounting, accountability and austerity: more than balancing the books? Accounting, Auditing & Accountability Journal, 28(6), 878-908. https://doi.org/10.1108/AAAJ-06-2015-2090 DOI: https://doi.org/10.1108/AAAJ-06-2015-2090

Gamkhar, S., & Oates, W. (1996). Asymmetries in the response to increases and decreases in intergovernmental grants: some empirical findings. National tax journal, 49(4), 501-512. DOI: https://doi.org/10.1086/NTJ41789223

Gennari, E., & Messina, G. (2014). How sticky are local expenditures in Italy? Assessing the relevance of the “flypaper effect” through municipal data. International tax and public finance, 21(2), 324 -344. https://doi.org/10.1007/s10797-013-9269-9 DOI: https://doi.org/10.1007/s10797-013-9269-9

Gujarati, D. (2006). Econometria Básica. (4a. ed.) Rio de Janeiro: Elsevier.

Helden, J. V., & Uddin, S. (2016). Public sector management accounting in emerging economies: a literature review. Critical Perspectives on Accounting, 41, 34-62. https://doi.org/10.1016/j.cpa.2016.01.001 DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2016.01.001

Hosomi, S., & Nagasawa, S. (2018). Empirical study on asymmetric cost behavior: analysis of the sticky costs of local public enterprises. Asia-Pacific Management Accounting Journal (APMAJ), 13(2), 55-82.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2019). Sistema Nacional de índices de Preço ao Consumidor. Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA e Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC. Recuperado de https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/snipc.

Kandil, M. (2001). Asymmetry in the effects of US government spending shocks: Evidence and implications. The Quarterly Review of Economics and Finance, 41(2), 137-165. https://doi.org/10.1016/S1062-9769(00)00066-1 DOI: https://doi.org/10.1016/S1062-9769(00)00066-1

Lago-Penãs, S. (2008). Local governments asymmetric reactions to grants: causes and consequences. Public Finance Review, 36(2), 219-235. https://doi.org/10.1177/1091142107299596 DOI: https://doi.org/10.1177/1091142107299596

Levaggi, R., & Zanolla, R. (2003). Flypaper effect and sluggishness: evidence from regional health expenditure in Italy. International Tax and Public Finance, 10, 535-547. https://doi.org/10.1023/A:1026118222901. DOI: https://doi.org/10.1023/A:1026118222901

Medeiros, O. R., Costa, P. S., & Silva, C. A. T. (2005). Testes empíricos sobre o comportamento assimétrico dos custos nas empresas brasileiras. Revista Contabilidade e Finanças, 16(38), 47-56. https://doi.org/10.1590/S1519-70772005000200005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772005000200005

Portaria MOG nº 42, de 14 de abril de 1999 (1999). Atualiza a discriminação da despesa por funções de que tratam o inciso I, do § 1º, do artigo 2º, e § 2º, do artigo 8º, ambos da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964; estabelece os conceitos de função, subfunção, programa, projeto, atividade, operações especiais, e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=182092

Richartz, F., & Borgert, A. (2020). Fatores explicativos para o comportamento assimétrico dos custos das empresas listadas na B3. Revista Universo Contábil, 16 (3). https://doi:10.4270/ruc20203XX

Sakurai, S. N. (2013). Efeitos assimétricos das transferências governamentais sobre os gastos públicos locais: evidências em painel para os municípios brasileiros. Pesquisa e Planejamento Econômico, 43(2), 309-332.

Santos, R. S., Ribeiro, E. M., Ribeiro, M. M., & Pinto, F. L. B. (2017). Administração política e políticas públicas: em busca de uma nova abordagem teórico-metodológica para a (re)interpretação das relações sociais de produção, circulação e distribuição. Cadernos EBAPE.BR, 15(4), 939-959. http://dx.doi.org/10.1590/1679-395155017. DOI: https://doi.org/10.1590/1679-395155017

Suzart, J. A. S. (2012). Sistema federal brasileiro de custos: uma análise comparativa à luz das recomendações da IFAC. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 2(3), 39-55.

Suzart, J. A. S., Zuccolotto, R., & Rocha, D.G. (2018). Federalismo fiscal e as transferências intergovernamentais: um estudo exploratório com os municípios brasileiros. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(1), 127-145. http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2018110107 DOI: https://doi.org/10.14392/asaa.2018110107

Volden, C. (1999). Asymmetric effects of intergovernmental grants: analysis and implications for U.S. welfare policy. Publius: the journal of federalism, 29(3), 51-73. https://doi.org/10.1093/oxfordjournals.pubjof.a030037 DOI: https://doi.org/10.1093/oxfordjournals.pubjof.a030037

Wu, T. C., Young, C., Yu, C. & Hsu, H. (2020). Are governmental expenditures also sticky? Evidence from the operating expenditures of public schools. Applied Economics, 52(16), 1763-1776. https://doi.org/10.1080/00036846.2019.1678731 DOI: https://doi.org/10.1080/00036846.2019.1678731

Publicado

25/06/2021

Como Citar

Campagnoni, M. ., Fabre, V. V. ., Borgert, A. ., & Rover, S. (2021). Cost Stickiness nos governos locais de Santa Catarina . Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 20, e3148. https://doi.org/10.16930/2237-766220213148

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>