Economias de escala na saúde suplementar brasileira

um caminho alternativo para ampliar a lucratividade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-766220213194

Palavras-chave:

Despesas Administrativas, Economias de Escala, Lucratividade, OPS

Resumo

A baixa lucratividade tem sido responsável pela insolvência de um grande número de operadoras de planos de saúde (OPS) nos últimos anos, o que requer, cada vez mais, que essas entidades avaliem quais serviços podem ser otimizados sem comprometer suas atividades finalísticas. Uma resposta para esse problema pode estar no adequado dimensionamento das atividades-meio. Sendo assim, o objetivo do presente estudo é analisar as economias de escala nas atividades-meio das operadoras de planos de saúde brasileiras. Na vigência de tais economias pode-se considerar que as operadoras possuem margem para diluírem suas despesas de cunho administrativo, sugerindo que a lucratividade pode ser ampliada sem a necessidade de grandes aumentos nos preços, o que pode garantir a sobrevivência das empresas do setor sem penalizar seus clientes. Para tanto, foram estimadas regressões de dados em painel com Efeitos Aleatórios (EA), Efeitos Fixos (EF) e pooled, considerando 5.185 observações para o período 2011-2018. Os resultados encontrados pela estimação da função de custo total foram favoráveis à hipótese de economias de escala no setor de saúde suplementar. Também foi possível verificar que o tipo de operadora e a localização geográfica da sede administrativa dessas entidades contribuem com o efeito escala em maior ou menor grau. Esses resultados evidenciam que as economias de escala existentes no setor podem contribuir de forma relevante para a manutenção operacional e financeira de diversas OPS, trazendo uma alternativa para mitigar a baixa lucratividade dessas empresas.

Referências

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2019). Dados e Indicadores do Setor. Recuperado em 28 novembro, 2019 de http://www.ans.gov.br/perfil-do-setor/dados-e-indicadores-do-setor

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2021a). ANS Tabeb – Informações em Saúde Suplementar. Recuperado em 04 agosto, 2021 de http://www.ans.gov.br/anstabnet/cgi-bin/dh?dados/tabnet_cc.def

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2021b). Operadoras em Regime Especial de Liquidação e Falência. Recuperado em 02 abril, 2021 de https://www.ans.gov.br/component/regimeespecial/index.php?registro_ans=&registro=&uf=&numero=&publicacao=Igual+a&dataPublicacao=&status=1&pesquisar=&acao=pesquisar&option=com_regimeespecial&origin=&post=index.php%3Foption%3Dcom_regimeespecial%26view%3Dconsulta&view=consulta&limit=20

Araújo, A. A. S., & Silva, J. R. S. (2018). Análise de tendência de sinistralidade e impacto na diminuição do número de operadoras de saúde suplementar no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 23(8), 2763-2770. doi: 10.1590/1413-81232018238.20572016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018238.20572016

Avelar, E. A., Souza, A. S., Ferreira, C, G., Silva, S. A. L., & Souza, A. A. (2020). Efeitos da regulação da agência nacional de saúde suplementar (ANS) sobre a distribuição de resultados em operadoras de planos de saúde. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 8(3), 73-90. doi: 10.22478/ufpb.2318-1001.2020v8n3.48259 DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-1001.2020v8n3.48259

Azzoni, C. R. (2013). Concentration and inequality across Brazilian regions. In J. R. Cuadrado-Roura, & P. Aroca (Eds.). Regional problems and policies in Latin America. Heidelberg: Springer. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-642-39674-8_10

Bernardelli, L. V., Kortt, M. A., & Dollery, B. (2019). Economies of scale and brazilian local government expenditure: evidence from the State of Paraná. Local Government Studies, 46(3), 436-458. doi: 10.1080/03003930.2019.1635018 DOI: https://doi.org/10.1080/03003930.2019.1635018

Bernet, P. M., & Singh, S. (2015). Economies of scale in the production of public health services: an analysis of local health districts in florida. American Journal of Public Health, 105(Suppl 2), 260-267. doi: 10.2105/AJPH.2014.302350 DOI: https://doi.org/10.2105/AJPH.2014.302350

Besanko, D., Dranove, D., Shanley, M., & Schaefer, S. (2009). A Economia da Estratégia (3a ed.). Bookman Editora.

Born, P. H., Hughen, L., & Sirmans, E. T. (2020). The impact of market power and economies of scale on large group health insurer profitability. Journal of Insurance Issues, 43(2), 1-21.

Caetano, M. A, Boueri, R, & Sachsida, A. (2015). Economias de escala e escopo na previdência complementar fechada brasileira. Economia Aplicada, São Paulo, 19(3), 481-505. doi: 10.1590/1413-8050/ea132623 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-8050/ea132623

Cunha, C. M. P. (2018). Sponsor bias in pension fund administrative expenses: The Brazilian experience. Brazilian Administration Review, 15(1), e170072. doi: 10.1590/1807- 7692bar2018170072 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-7692bar2018170072

Freeman, M., Savva, N., & Scholtes, S. (2020). Economies of scale and scope in hospitals: an empirical study of volume spillovers. Management Science, 67(2), 1-25. doi: 10.1287/mnsc.2019.3572 DOI: https://doi.org/10.1287/mnsc.2019.3572

Fujita, M., Krugman, P., & Venables, A. (1999). The spatial economy: cities, regions, and international trade. Cambridge: MIT Press. DOI: https://doi.org/10.7551/mitpress/6389.001.0001

Garrison, R. H., Noreen, E. W., & Brewer, P. C. (2013). Contabilidade Gerencial (14a ed.). Porto Alegre: AMGH Ed.

Griffin, D., & Tversky, A. (1992). The weighing of evidence and the determinants of confidence. Cognitive Psychology, 24(3), 411-435. doi: 10.1016/0010-0285(92)90013-R DOI: https://doi.org/10.1016/0010-0285(92)90013-R

Guimarães, A. L. S., & Alves, W. O. (2009). Prevendo a insolvência de operadoras de saúde. Revista de Administração de Empresas, 49(4), 459-471. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902009000400009

Gujarati, D. N, & Porter, D. C. (2011). Econometria Básica (5a ed.). Porto Alegre: AMGH Ed.

Hogendorn, J. S. (1975). O mercado na economia moderna: uma introdução à microeconomia. Rio de Janeiro: Zahar.

Huber, P. J. (1967). The behavior of maximum likelihood estimates under nonstandard conditions. Proceedings of the Fifth Berkeley Symposium on Mathematical Statistics and Probability, University of California, Berkeley.

Lei nº 10.185, de 12 de fevereiro de 2001 (2001). Dispõe sobre a especialização das sociedades seguradoras em planos privados de assistência à saúde e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 fev. 2001. Seção 1, p. 3, 2001.

Lima, R. C. A., & Lima, J. P. R. (2016). Distribuição do PIB per capita nas microrregiões brasileiras: uma análise exploratória espacial. Planejamento e Políticas Públicas, 47, 305-329. Recuperado em 22 outubro, 2020 de http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/7376

Lima, R. C. A., & Silveira Neto, R. M. (2017). Secession of municipalities and economies of scale: evidence from Brazil. Journal of Regional Science, 58(1), 159-180. doi: 10.1111/jors.12348 DOI: https://doi.org/10.1111/jors.12348

Mas-colell, A., Whinston, M., & Green, J. (1995). Microeconomic theory. Oxford: Oxford University Press.

Oliveira, A. F. C. S., Amaral, H. F., & Silva, J. A. B. B. (2003). Estudo empírico sobre economias de escala dos bancos no Brasil. Revista de Economia e Administração, 2(1), 46-66. DOI: https://doi.org/10.11132/rea.2002.31

Pindyck, R., & Rubinfeld, D. (2013). Microeconomia (8a ed.). São Paulo: Person.

Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) nº 39, de 27 de outubro de 2000. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Resolução Normativa (RN) nº 137, de 14 de novembro de 2006. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Resolução Normativa (RN) nº 435, de 23 de novembro de 2018. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Sancovschi, M., Macedo, M. A. S., & Silva, J. A. (2014). Análise das intervenções da Agência Nacional de Saúde (ANS) através dos índices de desempenho da saúde suplementar. Revista de Contabilidade, Gestão e Governança, 17(2), 118-136. Recuperado em 02 maio, 2020 de https://www.revistacgg.org/contabil/article/view/663

Silva, V. V., & Loebel, E. (2016). Análise do desempenho econômico-financeiro de operadoras de planos privados de saúde do setor de saúde brasileira. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 13(3), 2-21.doi: 10.21450/rahis.v13i3.3619 DOI: https://doi.org/10.21450/rahis.v13i3.3619

Silva, G. A. B., Saraiva, E. V., Ferreira, G. J. S. N., Peixoto Júnior, R. M., & Ferreira, L. F. (2020). Capacidade no sistema de saúde dos municípios do Rio de Janeiro: infraestrutura para enfrentar o COVID-19. Revista de Administração Pública, 54(4), 578-594. doi: 10.1590/0034-761220200128 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200128

Sindicato das Empresas de Seguro e Resseguro (SINDSEGSP) (2013). Operadoras de saúde falam em reajuste maior em 2013. Recuperado em 27 janeiro, 2021 de http://www.sindsegsp.org.br/site/noticia-texto.aspx?id=8947

Teixeira, R. F. A. P., & Rodrigues, A. (2021). Economias de escala nas entidades fechadas de previdência complementar brasileiras: existe um tamanho ótimo? Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, 18(46), 97-112. doi: 10.5007/2175-8069.2021.e70701 DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2021.e70701

Varian, H. (2015). Microeconomia: uma abordagem moderna (9a ed.). Rio de Janeiro: GEN Atlas.

Vendruscolo, M. I., & Alves, T. W. (2009). Estudo da economia de escala do setor de telecomunicações móveis do Brasil pós-privatizações. Revista Contabilidade & Finanças, 20(49), 63-78. doi: 10.1590/S1519-70772009000100005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772009000100005

Wessels, W. J. (2002). Microeconomia: teoria e aplicações. São Paulo: Saraiva.

White, H. (1980). A heteroskedasticity-consistent covariance matrix estimator and a direct test for heteroskedasticity. Econometrica, 48(4), 817-838. doi: 10.2307/1912934 DOI: https://doi.org/10.2307/1912934

Publicado

19/11/2021

Como Citar

Teixeira, R. F. A. P., Rodrigues, A., & Lima, R. F. . (2021). Economias de escala na saúde suplementar brasileira: um caminho alternativo para ampliar a lucratividade. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 20, e3194. https://doi.org/10.16930/2237-766220213194

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)