Relação entre fluxos de caixa livres e níveis de governança corporativa à luz da teoria da agência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-766220213206

Palavras-chave:

Fluxos de Caixa Livres, Teoria da agência, Governança Corporativa

Resumo

Esta pesquisa analisa a relação entre os Fluxos de Caixa Livres (FCLs) e os diferentes níveis de Governança Corporativa presentes no mercado acionário brasileiro. Para tanto, a amostra foi composta por 212 empresas brasileiras de capital aberto listadas na Brasil, Bolsa, Balcão [B]³, no período de 2010 a 2018. A metodologia consistiu na estimação de uma regressão para dados em painel, com a utilização do modelo para efeitos aleatórios, estimando-se por mínimos quadrados generalizados (generalized least square - GLS) e assumindo os ajustes para autocorrelação e erros padrão robustos para heterocedasticidade. Os resultados encontrados, para a amostra estudada, sugerem que os níveis de Governança Corporativa apresentam relação positiva com os FCLs. Em sinergia, quando comparadas ao nível Tradicional da [B]³, as empresas listadas nos níveis Novo Mercado e Nível 2 tendem a apresentar maiores valores de FCL. Acrescenta-se, ainda, que, quanto maior o tamanho das empresas e quanto maior o retorno sobre o patrimônio líquido, maiores tendem a ser os FCLs, assim como empresas em estágios de amadurecimento tendem a apresentar menores valores de FCLs. A relevância desta pesquisa pauta-se em analisar, em um mercado acionário sujeito a imperfeições, fatores que possam afetar decisões sobre o nível de manutenção de caixa das empresas, mais especificamente ao avaliar como os mecanismos de Governança Corporativa relacionam-se com a teoria dos FCLs, num contexto de potencial conflito de interesses.

Referências

Arruda, G. S., Madruga, S. R., & Freitas Junior, N. I. (2008). A governança corporativa e a teoria da agência em consonância com a controladoria. Revista de Administração da UFSM, 1(1), 71-84. DOI: https://doi.org/10.5902/19834659570

Avelar, E. A., Cunha, N. G., Boina, T. M., & Souza, A. A. (2015). Teoria dos Fluxos de Caixa Livres: uma Análise no Mercado Acionário Brasileiro. Anais Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, 15.

Baltagi, B. H. (2005). Econometric analysis of panel data (3a ed.). New York: John Wiley & Sons.

Brasil, Bolsa, Balcão, ([B]³) (2019). Segmentos de listagem. Recuperado em 28 novembro, 2019, de http://www.b3.com.br/pt_br/produtos-e-servicos/solucoes-para-emissores/segmentos-de-listagem/bovespa-mais/

Chi, J. D., & Lee, D. S. (2010). The conditional nature of the value of corporate governance. Journal of Banking and Finance, 34(2), 350-361. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jbankfin.2009.08.001

Dittmar, A., & Mahrt-Smith, J. (2007). Corporate governance and the value of cash holdings. Journal of financial economics, 83(3), 599-634. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jfineco.2005.12.006

Dylewski, C. (2010). Determinantes do nível de caixa das empresas: análise de amostra de países da América Latina. Dissertação (Mestrado Profissional em Finanças e Economia), Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, Brasil.

Fávero, L. P. L., Belfiore, P., Silva, F. L., & Chan, B. L. (2009). Análise de Dados: Modelagem Multivariada para Tomada de Decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Ferreira, C. O., Ferreira, P. O., Lamounier, W. M., & Avelar, E. A. (2021). Fluxos de caixa livres e endividamento em operadoras de planos de saúde. ForScience, 9(1), e00865. DOI: https://doi.org/10.29069/forscience.2021v9n1.e865

Ferreira, M. A., & Vilela, A. S. (2004). Why do firms hold cash? Evidence from EMU countries. European Financial Management, 10(2), 295-319. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1354-7798.2004.00251.x

Francis, B., Hasan, I., Song, L., & Waisman, M. (2013). Corporate governance and investment-cash flow sensitivity: Evidence from emerging markets. Emerging Markets Review, 15, 57-71. http://doi.org/10.1016/j.ememar.2012.08.002 DOI: https://doi.org/10.1016/j.ememar.2012.08.002

Gelbecke, E. R., Santos, A., Iudícibus, S., & Martins, E. (2018). Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais e do CPC. (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011) Econometria Básica (5a ed.). Porto Alegre: AMGH Editora Ltda.

Gujarati, D.N. (2006). Econometria Básica. Rio de Janeiro: Elsevier.

Gupta, G., Mahakud, J., & Verma, V. (2021), CEO's education and investment–cash flow sensitivity: an empirical investigation. International Journal of Managerial Finance, 17(4), 589-618. https://doi.org/10.1108/IJMF-01-2020-0020 DOI: https://doi.org/10.1108/IJMF-01-2020-0020

Hedlund, P. R., Zaluski, F. C., Siqueira, C. S., Silva, P. R., Brizolla, M. M. B., Gomes, C. M., & Mueller, A. A. (2021). A Relação entre Governança Corporativa e Teoria da Agência no Gerenciamento de Conflitos. Gestão e Sociedade, 15(41), 4144-4162. DOI: https://doi.org/10.21171/ges.v15i41.3383

Huu Nguyen, A., Thuy Doan, D., & Ha Nguyen, L. (2020). Corporate governance and agency cost: Empirical evidence from Vietnam. Journal of Risk and Financial Management, 13(5), 103. DOI: https://doi.org/10.3390/jrfm13050103

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC (2019). Governança Corporativa. Recuperado de https://www.ibgc.org.br/conhecimento/governanca-corporativa.

Jensen, M. C. (1986). Agency Costs of Free Cash Flow, Corporate Finance, and Takeovers. American Economic Review, 76(2), 323-329.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency cost and ownership, structure. Journal of Financial Economics, 3, 305-360. DOI: https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

Johnston, J., & DiNardo, J. (2001). Métodos econométricos (4a Ed.). Portugal: Mcgraw-Hill.

Keynes, J. M. (1936). The general theory of employment, interest, and money. Springer.

Klann, R. C., Gomes, E. C. O., Greuel, M. A., & Bezerra, F. A. (2014). Influência do Risco Moral e da Accountability nas tomadas de decisões. Contabilidade Vista & Revista, 25(1), 99-118.

Lambright, K. T. (2009). Agency theory and beyond: Contracted providers’ motivations to properly use service monitoring tools. Journal of Public Administration Research and Theory, 19, 207-227. DOI: https://doi.org/10.1093/jopart/mun009

Lang, L. H. P., Stulz, R. M., & Walkling, R. A. (1991). A test of the free cash flow hypothesis. Journal of Financial Economics, 29, 315-335. DOI: https://doi.org/10.1016/0304-405X(91)90005-5

Lerner, A. F. (2019). Relação do fluxo de caixa livre com o desempenho econômico e os custos de agência. Dissertação (Mestrado em Ciencias Econômicas), UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil.

Lerner, A. F., & Victor, F. G. (2020). Análise da Influência do Fluxo de Caixa Livre nos Indicadores de Desempenho Econômico em Companhias Abertas Brasileiras. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, 10(1), 1-23. DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-23.1227

Li, M., & Song, L. (2018). Corporate governance, accounting information environment and investment-cash flow sensitivity. International Journal of Accounting & Information Management, 26(4), 492-507. https://doi.org/10.1108/IJAIM-04-2017-0049 DOI: https://doi.org/10.1108/IJAIM-04-2017-0049

Lodi, J. B. (2000). Governança Corporativa. Rio de Janeiro: Campus.

Machado, J. H., & Galdi, F. C. (2021). Ativos Intangíveis e Estrutura de Propriedade: Evidências no Mercado Brasileiro. Anais do USP International Conference in Accounting, São Paulo, SP, Brasil, 21.

Macho-Stadler, I., & Pérez-Castrillo, J. D. (2001). An introduction to the economics of information: incentives and contracts. Oxford University Press on Demand.

Martin, N. C., Santos, L. R., & Dias Filho, J. M. (2004). Governança Empresarial, Riscos e Controles Internos: A Emergência de um Novo Modelo de Controladoria. Revista Contabilidade & Finanças, 34(1), 7-22. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772004000100001

McKnight, P. J., & Weir, C. (2009). Agency costs, corporate governance mechanisms and ownership structure in large UK publicly quoted companies: A panel data analysis. The Quarterly Review of Economics and Finance, 49(2),139-58. DOI: https://doi.org/10.1016/j.qref.2007.09.008

Modigliani, F., & Miller, M. H. (1958). The cost of capital, corporation finance and the theory of investment. The American, 1, 3.

Oliveira, F. B., & Fontes Filho, J. R. (2021). Mudanças nas configurações de governança corporativa e relações de agência: uma análise longitudinal em empresa de capital fechado. Cadernos EBAPE, 19, 510-523. DOI: https://doi.org/10.1590/1679-395120200107

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2008). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In I. M. Beuren (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em Contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Sehrawat, N. K., Kumar, A., Lohia, N., Bansal, S., & Agarwal, T. (2019). Impact of Corporate Governance on Earnings Management: Large Sample Evidence from India. Asian Economic and Financial Review, 9(12), 1335. DOI: https://doi.org/10.18488/journal.aefr.2019.912.1335.1345

Shleifer, A., & Vishny, R.W. (1997). A Survey of Corporate Governance. The Journal of Finance. Recuperado em 27 novembro, 2019, de https://scholar.harvard.edu/files/shleifer/files/surveycorpgov.pdf DOI: https://doi.org/10.3386/w5554

Silva, B. A. O., Caixe, D. F., & Krauter, E. (2019). Governança Corporativa e Sensibilidade Investimento-Fluxo de Caixa no Brasil. Revista Brasileira de Finanças, 17(2), 72-86. DOI: https://doi.org/10.12660/rbfin.v17n2.2019.78083

Sprenger, C., & Lazareva, O. (2021). Corporate governance and investment-cash flow sensitivity: Evidence from Russian unlisted firms. Journal of Comparative Economics, 49(3), september. https://doi.org/10.1016/j.jce.2021.05.004 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jce.2021.05.004

Waly, N. A., Sasongko, N., & Achyani, F. (2021). Effect of Free Cash Flow, Enterprise Risk Management Disclosure and Sustainability Report on Company Value With Corporate Governance as Moderating Variable. SENTRALISASI, 10(2), 140-146.

Wang, G. Y. (2010). The impacts of free cash flows and agency costs on firm performance. Journal of Service Science and Management, 3(Dec), 408-418. DOI: https://doi.org/10.4236/jssm.2010.34047

Yeo, H. J. (2018). Role of free cash flows in making investment and dividend decisions: The case of the shipping industry. The Asian Journal of Shipping and Logistics, 34(2), 113-118. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ajsl.2018.06.007

Zhang, X. (2020). Corporate Governance and Agency Costs of Free Cash Flow in Acquisitions (Doctoral dissertation), Concordia University.

Publicado

30/11/2021

Como Citar

Araújo, G. A. de, Corrêa, L. A. ., Bressan, V. G. F. ., Barbosa Neto, J. E. ., & Avelino, B. C. . (2021). Relação entre fluxos de caixa livres e níveis de governança corporativa à luz da teoria da agência. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 20, e3206. https://doi.org/10.16930/2237-766220213206

Edição

Seção

Artigos