Impacto da agressividade fiscal na rentabilidade das empresas de capital aberto listadas na B3

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-766220223229

Palavras-chave:

Planejamento Tributário, Agressividade Fiscal, Rentabilidade

Resumo

A prática da agressividade fiscal visa amenizar o alto custo com impostos ocasionado pela complexidade da legislação tributária, mira diminuir gastos tributários e maximizar o desempenho das organizações. O presente estudo analisa o impacto da agressividade fiscal na rentabilidade das empresas de capital aberto listadas na B3 no período de 2016 a 2020, posto que no contexto brasileiro, as evidências sobre a relação entre essa prática e a rentabilidade das empresas ainda são limitadas. A amostra final do estudo foi composta por 204 empresas brasileiras e as proxies utilizadas para a mensuração da agressividade fiscal foram o Book Tax Difference total (BTD) e Effective Tax Rate (ETR). Em relação às variáveis de rentabilidade, observou-se o retorno de investimentos, retorno para acionistas e atividades operacionais. A análise foi feita por meio de estatísticas descritivas, regressões múltiplas (com efeitos aleatórios) e quantílicas, sendo que os resultados encontrados não apresentaram consenso entre as proxies. Enquanto a BTD aponta que quanto maior a agressividade fiscal maior a rentabilidade, a ETR demonstra relação inversa. Em virtude de as proxies de agressividade fiscal não demonstrarem consenso nos resultados, não foi possível afirmar que maiores níveis de agressividade fiscal aumentam a rentabilidade das companhias abertas listadas na B3. Nesse sentido, as evidências empíricas permitem reflexões sobre o uso da agressividade fiscal no Brasil e a tomada de decisão dos gestores.

Referências

Araújo, R. A. M. (2017). Reflexo do nível de agressividade fiscal sobre a rentabilidade de empresas listadas na BM&FBOVESPA e NYSE. Dissertação, Universidade Federal da Paraíba.

Araújo, R. A. M., & Leite Filho, P. A. M. (2019). Reflexo do nível de agressividade fiscal sobre a rentabilidade das empresas listadas na B3 e NYSE. Revista Universo Contábil, 14(4), 115-136. DOI: https://doi.org/10.4270/ruc.2018430

Araújo, R. A. M., Santos, L. M. S., Leite Filho, P. A. M., & Camara, R. P. B. (2018). Agressividade Fiscal: uma comparação entre empresas listadas na NYSE e BM&FBOVESPA. Enfoque Reflexão Contábil, 37(1), 39-54. https://doi.org/10.4025/enfoque.v37i1.32926 DOI: https://doi.org/10.4025/enfoque.v37i1.32926

Arpini, P. C., Ritter, P. C., & Piccoli, M. R. (2020). Influência Da Agressividade Tributária No Desempenho Das Empresas Listadas Na B3. Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, São Paulo, 17.

Blaylock, B., Shevlin, T., & Wilson, R. J. (2012). Tax avoidance, large positive temporary book-tax differences, and earnings persistence. The Accounting Review, 87(1), 91-120. https://doi.org/10.2308/accr-10158 DOI: https://doi.org/10.2308/accr-10158

Braga, R., Nossa, V., & Marques, J. A. V. D. C. (2004). Uma proposta para a análise integrada da liquidez e rentabilidade das empresas. Revista Contabilidade & Finanças, 15, 51-64. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772004000400004 DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772004000400004

Carvalho, V. G. D. (2015). Influência das informações tributárias na previsão dos analistas financeiros do mercado de capitais brasileiro. Tese, Universidade de Brasília.

Chen, S., Chen, X., Cheng, Q., & Shevlin, T. (2010). Are family firms more tax aggressive than non-family firms? Journal of Financial Economics, 95(1), 41-61. https://doi.org/10.1016/j.jfineco.2009.02.003 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jfineco.2009.02.003

Desai, M. A., & Dharmapala, D. (2006). Corporate tax avoidance and high-powered incentives. Journal of Financial Economics, 79(1), 145-179. https://doi.org/10.1016/j.jfineco.2005.02.002 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jfineco.2005.02.002

Fávero, L. P., & Belfiore, P. (2017). Manual de análise de dados: estatística e modelagem multivariada com Excel®, SPSS® e Stata® (1a ed.). Elsevier Brasil.

Ferreira, M. P., Conegliam, L., Carmo, C. H. S., & Ribeiro, A. M. (2020). A Value Relevance dos Ativos Biológicos em Empresas Brasileiras de Capital Aberto: Uma Análise Incremental do Modelo de Ohlson. Custos e @gronegócio, 16(4), 185-204.

Frank, M. M., Lynch, L. J., & Rego, S. O. (2009). Tax Reporting Aggressiveness and Its Relation Financial Reporting. The Accounting Review, 84(2), 467-496. https://doi.org/10.2308/accr.2009.84.2.467 DOI: https://doi.org/10.2308/accr.2009.84.2.467

Frezatti, F., & Aguiar, A. B. D. (2007). Ebitda: possíveis impactos sobre o gerenciamento das empresas. Revista Universo Contábil, 3(3), 7-24.

Gebhart, M. S. (2017). Measuring Corporate Tax Avoidance - An Analysis of Different Measures. Junior Management Science, 2(2), 43-60. https://doi.org/10.5282/jums/v2i2pp43-60

Gupta, S., & Newberry, K. (1997). Determinants of the Variability in Corporate Effective Tax Rates : Evidence from Longitudinal Data. Journal of Accounting and Public Policy, 16(1), 1-34. https://doi.org/https://doi.org/10.1016/S0278-4254(96)00055-5 DOI: https://doi.org/10.1016/S0278-4254(96)00055-5

Hadi, A. S. (1994). A modification of a method for the detection of outliers in multivariate samples. Journal of the Royal Statistical Society: Series B (Methodological), 56(2), 393-396. DOI: https://doi.org/10.1111/j.2517-6161.1994.tb01988.x

Hanlon, M. (2005). The persistence and pricing of earnings, accruals, and cash flows when firms have large book‐tax differences. The Accounting Review, 80(1), 137-166. https://doi.org/10.2308/accr.2005.80.1.137 DOI: https://doi.org/10.2308/accr.2005.80.1.137

Hanlon, M., & Heitzman, S. (2010). A review of tax research. Journal of Accounting and Economics, 50(2-3), 127-178. https://doi.org/10.1016/j.jacceco.2010.09.002 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jacceco.2010.09.002

Gitman, L. J. (2010). Princípios de administração financeira (12a ed.). Pearson Prentice Hall.

Iudícibus, S. D. (2017). Análise de balanços (11a ed.). Atlas.

Katz, S. P., Khan, U., & Schmidt, A. (2013). Tax avoidance and future profitability. Columbia Business School Research Paper, (13-10). DOI: https://doi.org/10.2139/ssrn.2227149

Lietz, G. M. (2013). Tax avoidance vs. tax aggressiveness: A unifying conceptual framework. University of Münster. http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2363828 DOI: https://doi.org/10.2139/ssrn.2363828

Lisowsky, P., Robinson, L., & Schmidt, A. (2013). Do publicly disclosed tax reserves tell us about privately disclosed tax shelter activity? Journal of Accounting Research, 51(3), 583-629. https://doi.org/10.1111/joar.12003 DOI: https://doi.org/10.1111/joar.12003

Martinez, A. L. (2017). Agressividade tributária: um survey da literatura. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 11, 106-124. https://doi.org/10.17524/repec.v11i0.1724 DOI: https://doi.org/10.17524/repec.v11i0.1724

Martinez, A. L., & Martins, V. A. M. (2016). Alavancagem financeira e agressividade fiscal no Brasil. Revista de Contabilidade da UFBA, 10(3), 5-22. http://dx.doi.org/10.9771/rc-ufba.v10i3.18383 DOI: https://doi.org/10.9771/rc-ufba.v10i3.18383

Martinez, A. L., & Reinders, A. P. G. S. (2018). Qual o efeito da agressividade fiscal na rentabilidade futura? Uma análise das companhias abertas brasileiras. Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI, 5(1), 3-14. https://doi.org/10.26694/2358.1735.2018.v5ed16485 DOI: https://doi.org/10.26694/2358.1735.2018.v5ed16485

Martinez, A. L., & Silva, R. D. (2020). Empresas brasileiras de capital aberto que pagam menos impostos criam mais empregos? Revista Catarinense da Ciência Contábil, 19(1). 1-15. https://doi.org/10.16930/2237-766220202894 DOI: https://doi.org/10.16930/2237-766220202894

Martins, E., Miranda, G. J., & Diniz, J. A. (2019). Análise Didática das Demonstrações Contábeis (2a ed.). Atlas.

Mulyadi, M. S., & Anwar, Y. (2015). Corporate Governance, Earnings Management and Tax Management. Procedia Social and Behavioral Sciences, 177, 363-366. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2015.02.361 DOI: https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2015.02.361

Omar, N., & Zolkaflil, S. (2015). Profit Shifting and Earnings Management through Tax Haven Subsidiaries: an Exploratory Analysis of Multinational Companies. Procedia Economics and Finance, 28, 53-58. https://doi.org/10.1016/S2212-5671(15)01081-3 DOI: https://doi.org/10.1016/S2212-5671(15)01081-3

Ramos, A. V. R., Niveiros, S. I., & Carneiro Júnior, J. B. A. (2019). Planejamento tributário: análise bibliométrica dos artigos publicados na base Atena no período de 2012 a 2016. Desafio Online, 7(2), 355-376.

Receita Federal do Brasil (RFB). (2020, março). Carga Tributária no Brasil 2018: Análise por Tributos e Bases de Incidência. Brasília: Receita Federal do Brasil, 1-41. Recuperado em 26 de abril de 2022, de: https://www.gov.br/receitafederal/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/receitadata/estudos-e-tributarios-e-aduaneiros/estudos-e-estatisticas/carga-tributaria-no-brasil/ctb-2018-publicacao-v5.pdf

Ribeiro, A. M. (2014). Poder discricionário do gestor e comparabilidade dos relatórios financeiros: Uma análise dos efeitos da convergência do Brasil às IFRS. Tese, Universidade de São Paulo.

Santos, D. G., & Oliveira, A. S. (2020). Agressividade fiscal e a lucratividade nas empresas do setor de energia elétrica do Brasil. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 19(1), 1-18. DOI: https://doi.org/10.16930/2237-766220203044

Shackelford, D. A., & Shevlin, T. (2001). Empirical tax research in accounting. Journal of Accounting and Economics, 31(1-3), 321-387. DOI: https://doi.org/10.1016/S0165-4101(01)00022-2

Tang, T. Y. (2005). Book-tax differences, a proxy for earnings management and tax management-empirical evidence from China. The Australian National University. DOI: https://doi.org/10.2139/ssrn.872389

Wahab, N. S. A., & Holland, K. (2015). The persistence of book-tax differences. The British Accounting Review, 47(4), 339-350. https://doi.org/10.1016/j.bar.2014.06.002 DOI: https://doi.org/10.1016/j.bar.2014.06.002

Publicado

10/06/2022

Como Citar

Xavier, M. B., Theiss, V., & Ferreira, M. P. . (2022). Impacto da agressividade fiscal na rentabilidade das empresas de capital aberto listadas na B3. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 21, e3229. https://doi.org/10.16930/2237-766220223229

Edição

Seção

Artigos