A Teoria Institucional aplicada à Contabilidade Gerencial: análise da contribuição teórica e metodológica de publicações internacionais ocorridas no período de 2006 a 2015

José Luiz Vailatti, Fabricia da silva Rosa, Ernesto Fernando Rodrigues Vicente

Resumo


O objetivo da presente pesquisa é analisar as abordagens e metodologias utilizadas em pesquisas internacionais, que utilizaram a Teoria Institucional para avaliar aspectos de mudanças na utilização de práticas de contabilidade gerencial no período de 2006 a 2015. O trabalho caracteriza-se como descritivo com abordagem quantitativa. Utiliza-se um processo estruturado de revisão de literatura por meio de pesquisas nas bases EBSCO, EMERALD, SCOPUS, SCIELO, WEB OF SCIENCE. Foram identificados 21 artigos no período de 2006 a 2015, que estão alinhados com os eixos da pesquisa “Teoria Institucional” e “Contabilidade Gerencial”. Foi realizada uma pesquisa bibliométrica para identificar a distribuição anual dos artigos por periódicos, natureza dos objetivos, número de autores por periódicos, abordagem teórica utilizada, abordagem do problema, técnicas de pesquisa, técnica de coleta de informações. Os resultados revelaram que a abordagem da Nova Sociologia Institucional dominou o cenário do estudo sobre mudanças em contabilidade gerencial. Todos os três processos de isomorfismo institucional parecem moldar o campo organizacional da pesquisa em contabilidade. Foi identificado um pequeno número de pesquisas que utilizaram a abordagem da Velha Economia Institucional e nenhuma que tivesse utilizado a abordagem da Nova Economia Institucional. Mesmo poucas, destacou-se o crescimento das pesquisas que utilizaram a abordagem da Velha Economia Institucional e que avaliam as mudanças ocorridas em contabilidade gerencial do ponto de vista da organização.

Palavras-chave


Teoria Institucional; Contabilidade; Contabilidade Gerencial.

Referências


Beuren, I. M. (2014). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática (1a ed.). São Paulo: Atlas.

Bogt, H. J. T., & Helden, G. J. V. (2011). The role of consultant-researchers in the design and implementation process of a programme budget in a local government organization. Management Accounting Research, 22, 56-64.

Burns, J., & Scapens, R. W. (2000). Conceptualizing management accounting change: an institutional framework. Management Accounting Research, 11, 3-25.

Cunha, P. R. D., Santos, V. D., & Beuren, I. M. (2015). Artigos de periódicos internacionais que relacionam teoria institucional com contabilidade gerencial. Revista Perspectivas Contemporâneas, 10 (2), 01-23.

Dimaggio, P. J., & Powell, W. W. (1983). The Iron Cage Revisited: Institutional Isomorphism and Collective Rationality in Organizational Fields. American Sociological Review, 48, 147-160.

Englund, H., & Gerdin, J. (2008). Structuration theory and mediating concepts: Pitfalls and implications for management accounting research. Critical Perspectives on Accounting, 19, 1122-1134.

Frezatti, F., Rocha, W., Nascimento A. R. & Junqueira, E. (2009). Controle Gerencial: Uma Abordagem da Contabilidade Gerencial no Contexto Econômico, Comportamental e Sociológico (1ª. ed.). São Paulo: Atlas.

Furubotn, E. G. (2001). The new institutional economics and the theory of the firm. Journal of Economic Behavior & Organization, 45, 133-153.

Guerreiro, R., Frezatti, F., Lopes, A. B., & Pereira, C. A. (2005). O entendimento da contabilidade gerencial sob a ótica da teoria institucional. O & S, 12 (35), 91-106.

Hodgson, G. M. (1998). On the evolution of Thorstein Veblen's evolutionary economics. Cambridge Journal of Economics, 36, 415-431.

Pereira, F. A. (2012). A evolução da teoria institucional nos estudos organizacionais: um campo de pesquisa a ser explorado. Organizações em contexto. 8 (16). 275-295.

Quinn, M. (2011). Routines in management accounting research: Further exploration. Journal of Accounting and Organizational Change, 7. 337-357.

Reis, L. G. (2011). Tendências de Estudos em Contabilidade Gerencial, sob a Ótica da Teoria Institucional. In C. Parisi & E. Megliorini (Org.). Contabilidade Gerencial. (1ª Ed. Cap. 15, pp. 331-346). São Paulo: Atlas.

Richardson, R. J. (2012). Pesquisa Social: métodos e técnicas (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Scapens, W. R. (1994).Never mind the gap: towards na institutional perspective on management accounting practice. Management Accounting Research, 5, 301-321.

Vandenberg, P. (2002). North's Institutionalism and the prospect of combining theoretical approaches. Cambridge Journal of Economics, 26, 217-235.

Veblen, T. (1898). Why is Economics not an Evolutionary Science? Oxford University Press, 12, 376-397.

Veblen, T. (1919). The Place of Science in Modern Civilization and Other Essays. New York.

Youssef, M. A. (2013). Management accounting change in an Egyptian organization: An institutional analysis. Journal of Accounting and Organizational Change, 9, 50-73.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n47p97-111



Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.