Capital humano e sua relação com o desempenho organizacional em empresas prestadoras de serviços contábeis

Suzete Antonieta Lizote, Cláudia Silva Ribeiro Alves, Miguel Angel Verdinelli, José Carlos Terres

Resumo


Na atualidade o valor das empresas não pode ser estimado apenas pelos seus ativos tangíveis. A geração e aquisição de conhecimento são fundamentais para a obtenção de vantagens competitivas, pelo que cresce a importância do capital intelectual da organização. Nesse contexto a pesquisa objetiva analisar se o capital humano (CH) que as empresas prestadoras de serviços contábeis dispõem se relaciona positivamente com seu desempenho organizacional (DO). Metodologicamente, a pesquisa se caracteriza como quantitativa e de natureza aplicada, com os dados empíricos obtidos com questionário numa amostra intencional. Levantaram-se dados de ambos os constructos e dos respondentes e suas empresas. Os métodos estatísticos foram o teste t e a análise de variância para as comparações de médias. Empregou-se também a análise fatorial exploratória e confirmatória e a modelagem em equações estruturais para avaliar a relação conjecturada. Os resultados obtidos mostraram que os respondentes têm percepções estatisticamente iguais para ambos os constructos ao considerar o gênero e o tipo de gestão que a firma possui, mas houve diferenças para a percepção do desempenho segundo seu tamanho. Empresas maiores declaram ter maior desempenho. A hipótese que o CH se relaciona positiva e significativamente com o DO foi confirmada.

Palavras-chave


Capital Humano; Desempenho; Contabilidade.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Backes, N. A., Silva, W. V. da, Adão, W. J., & Corso, J. M. D. (2009). Indicadores contábeis mais apropriados para mensurar o desempenho financeiro das empresas listadas na BOVESPA. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 2(1), 117-135.

Bontis, N. (2001). Assessing knowledge assets: a review of the models used to measure intellectual capital. International Journal of Management Review, 3(1), 41-60.

Bontis, N., Dragonetti, N., Jacobsen, K., & Roos, G. (1999). The knowledge toolbox: a review of the tools available to measure and manage intangible resources. European Management Journal, 17(4), 391-402.

Bontis, N., Keow, W. C. C., & Richardson, S. (2000). Intellectual capital and business performance in Malaysian industries. Journal of Intellectual Capital, 1(1), 85-100.

Bortoluzzi, S. C., Ensslin, S. R., & Ensslin, L. (2010). Avaliação de desempenho dos aspectos tangíveis e intangíveis da área de mercado: estudo de caso em uma média empresa industrial. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 12(37), 425-446.

Brooking, A. (1996). Intellectual capital: core asset for the third millennium enterprise. Boston: Thomson Publishing Inc.

Cassol, A., Zapalai, J., & Cintra, R. F. (2017). Capacidade absortiva como propulsora da inovação em empresas incubadas em Santa Catarina. Revista Ciência da Administração, 23(1), 9-41.

Chakravarthy, B. S. (1996). Measuring strategic performance. Management Journal, 7(5), 437-447.

Churchill, G. A., Jr. (1979). A paradigm for developing better measures of marketing constructs. Journal of Marketing Research, 16(1), 64-74.

Cohen, W. M., & Levinthal, D. A. (1990). Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, 35(1), 128-152.

Coleman, J. S. (1988). Social capital in the creation of human capital. The American Journal of Sociology, 94, Supplement, 95-120.

Curado, C., & Bontis, N. (2007). Managing intellectual capital: the MIC matrix. International Journal of Knowledge and Learning, 3(2), 316-328, 2007.

Dani, A. C., Santos, C. A., Kaveski, I. D. S., & Cunha, P. R. (2017). Características do conselho de administração e o desempenho empresarial das empresas listadas no Novo Mercado. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(1), 29-47.

De Castro, G. M., & Sáez, P. L. (2008). Intellectual capital in high-tech firms: the case of Spain. Journal of Intellectual Capital, 9(1), 25-36.

Edvinsson, L., & Malone, M. S. (1997). Intellectual capital at Skandia. Long Range Planning, 30(3), 266-373.

Edvinsson, L., & Malone, M. S. (1998). Capital intelectual. São Paulo: Makron Books.

Finney, S. J., & Distefano, C. (2006). Non-normal and categorical data in structural equation modeling. In: Hancok, G. R., &

Mueleer, R. O. Structural equation modeling: a second course. Charlotte, NC: Information Age Publ.

Florin, J. (2005). Is venture capital worth it? Effects on firm performance and founder returns. Journal of Business Venturing, 20(1), 113-136.

Gil, A. L., & Arnosti, C. M. (2007). Balanço intelectual: a estratégia com projetos de mudanças e o reconhecimento dos talentos humanos. São Paulo: Saraiva.

Gracioli, C., Godoy, L. P., Lorenzett, D. B., & Godoy, T. P. (2012). Capital intelectual: uma ferramenta inovadora na busca por vantagens competitivas. Revista de Administração e Inovação, 9(4), 96-120.

Gunasekaran, A., & Kobu, B. (2007). Performance measures and metrics in logistics and supply chain management: a review of recent literature (1995-2004) for research and applications. International Journal of Production Research, 45(2), 2819-2840.

Hair, J. F., Jr., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham R. L. (2009). Análise multivariada de dados. (6a ed.) Porto Alegre: Bookman.

Harris, R. J. (1975). A primer of multivariate statistics. New York: Academic Press.

Hoque, Z. (2005). Linking environmental uncertainty to non-financial performance measures and performance: a research note. The British Accounting Review, 37, 471-481.

Huang, C. J., & Liu, C. J. (2005). Exploration for the relationship between innovation, IT and performance. Journal of Intellectual Capital, 6(2), 237-252.

Igarashi, D. C. C., Ensslin, S. R., Ensslin, L., & Paladini, E. P. (2008). A qualidade do ensino sob o viés da avaliação de um programa de pós-graduação em contabilidade: proposta de estruturação de um modelo híbrido. RAUSP, 43(2), 117-137.

Kamukama, N., Ahiauzu, A., & Ntayi, J. M. (2010). Intellectual capital and financial performance in Uganda´s microfinance institutions. African Journal of Acconting, Economics, Finance and Banking Research, 6(6), 17-31.

Kline, R. B. (2011). Principles and practice of structural equation modeling. (3a ed), New York/London: The Guilford Press.

Lopes Costa, J. A. (2012). Capital intelectual e desempenho organizacional no sector hoteleiro português (nut ii Lisboa). Tese (doutorado europeu), Universidad de Extremadura, Espanha.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2007). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Mcadam, R., & Baile, B. (2002). Business performance measures and alignment impacto in strategy: the role of business improvement models. International Journal of Operations & Production Management, 22(9), 972-996.

Neely, A., Gregory, M., & Platts, K. (2005). Performance measurement system design: a literature review and research agenda. International Journal of Operations & Production Management, 25(12), 1228-1263.

Oliveira, J. M., & Beuren, I. M. (2003). O tratamento contábil do capital intelectual em empresas com valor de mercado superior ao valor contábil. Revista Contabilidade & Finanças, 32, 81-98.

Pelham, A. M., & Wilson, D. T. (1996). A longitudinal study of the impact of market structure, firm structure, strategy, and market orientation culture on dimensions of small- firm performance. Journal of Academy of Marketing Science, 24(1), 27-43.

Perez, M. M., & Famá; R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista Contabilidade e Finanças, 17(40), 7-24.

Perin, M. G., & Sampaio, C. H. (1999). Performance empresarial: uma comparação entre indicadores subjetivos e objetivos. Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós Graduação e Pesquisa em Administração, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 23.

Rahman, S. (2012). The role of intellectual capital in determining differences between stock market and financial performance. International Research Journal of Finance and Economics, 89(1), 46-77.

Sainaghi, R., & Baggio, R. (2013). Structural social capital and hotel performance: is there a link? International Journal of Hospitality Management, accept 12 november 213 (last version before print).

Seleim, A., Ashour, A., & Bontis, N. (2007). Human capital and organizational performance: a study of Egyptian software companies. Management Decision, 45(4), 789-801.

Sena, T. S., & Petri, S. M. (2011). A relevância do cliente para um escritório de contabilidade: uma abordagem à compreensão do capital intelectual. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 10(28), p. 41-57.

Sharabati, A. A. (2013). A the relationship between human capital and Jordanian Pharmaceutical organizations' business performance. International Journal of Academic Research in Business and Social Sciences, 3(1), 260-279.

Silva, R. Da, Bilich F., & Gomes, L. F. A. M. (2002). Avaliação, mensuração e otimização de ativos intangíveis: utilização de método de apoio multicritério no capital intelectual. In: Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 36.

Stewart, T. (1998). Capital intelectual: a nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro: Campus.

Sveiby, K. E. (1998). A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus.

Unger, J. M., Rauch, A., Frese, M., & Rosenbusch, N. (2011). Human capital and entrepreneurial success: a meta-analytical review. Journal of Business Venturing, 26(3), 341-358.

Vergara, S. C. (1998). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Wernke, R., Lembeck, M., & Bornia, A. C. (2003). As considerações e comentários acerca do capital intelectual. Revista da FAE, 6(1), 15-26.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n48.2373

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.