Aprendizado autorregulado em contabilidade: uma análise comparativa entre discentes de modalidade presencial e a distância

José Hilton Santos Aguiar, Antonio Carlos Ribeiro da Silva

Resumo


Esta pesquisa realizou uma análise comparativa do perfil de estudantes de Ciências Contábeis da modalidade presencial e a distância quanto ao uso de estratégias autorreguladas na aprendizagem. Por meio de uma amostra de 302 estudantes de duas Instituições de Ensino Superior privadas, localizadas na Bahia, foi verificado como a modalidade de ensino, semestre, idade e gênero podem ser associados à utilização de estratégias de aprendizado autorregulado. Os dados foram tratados por meio de testes de médias (teste t), análises descritivas e análise fatorial. Os resultados apontaram que as estratégias mais empregadas pelos estudantes de contabilidade foram as de estabelecimento de objetivos e planejamento e a de memorização. Ao explicar as estratégias autorreguladas, por meio da modalidade de ensino, semestre, idade e gênero, os resultados indicaram que as médias são significativamente diferentes para a modalidade de ensino e idade. O estudo contribui para repensar os modelos de ensino-aprendizagem pautados no armazenamento de informações com o propósito de que exista fomento ao desenvolvimento de habilidades autônomas que promovam o aprendizado permanente fundamentado no ensinar a aprender ou aprender a aprender, características indicadas por órgãos internacionais e necessárias na excelência profissional.

Palavras-chave


Contabilidade; Autorregulação; Aprendizagem; Ensino em Contabilidade.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Accounting Education Change Commission. (1990). Objectives of education for accountants: Position statement number one. Issues in Accounting Education, 5(1), 307–312.

American Institute Of Certified Public Accountants. (2000). Core Competency Framework for Entry into the Accounting Profession.

Arias, A. V., Barca Lozano, A., Gonzalez Cabanach, R., & Núñez Pérez, J. C. (1999). Las estrategias de aprendizaje revisión teórica y conceptual. Revista latinoamericana de Psicología, 31(3).

Barnard-Brak, L., Paton, V. O., & Lan, W. Y. (2010). Profiles in self-regulated learning in the online learning environment. The International Review of Research in Open and Distributed Learning, 11(1), 61-80.

Bembenutty, H. (2007). Self-regulation of learning and academic delay of gratification: Gender and ethnic differences among college students. Journal of advanced academics, 18(4), 586-616.

Bergamin, P. B., Ziska, S., Werlen, E., & Siegenthaler, E. (2012). The relationship between flexible and self-regulated learning in open and distance universities. The International Review of Research in Open and Distributed Learning, 13(2), 101-123.

Boruchovitch, E. (2004). A auto-regulação da aprendizagem e a escolarização inicial. Aprendizagem: processos psicológicos e o contexto social na escola, 2, 55-88.

Cavanaugh, T., Lamkin, M. L., & Hu, H. (2012). Using a Generalized Checklist to Improve Student Assignment Submission Times in an Online Course. Journal of Asynchronous Learning Networks, 16(4), 39-44.

Castel, A. D., Murayama, K., Friedman, M. C., McGillivray, S., & Link, I. (2013). Selecting valuable information to remember: Age-related differences and similarities in self-regulated learning. Psychology and Aging, 28(1), 232.

Castro, J.X., Miranda, G.J., & Leal, E.A. (2016). Estratégias de aprendizagem dos estudantes motivados. Advances in Scientific and Applied Accounting, 09(1), 080-097.

Castro, R. F. (2016). Autorregulação da aprendizagem no ensino superior a distância: o que dizem os estudantes?. Revista Brasileira de Ensino Superior, 2(2), 15-26.

Chen, S.Y., & Paul, R. (2003). Editorial: individual differences in web-based instruction—an overview. British Journal of Educational Technology, 34(4), 85-92.

Costa, J. J. M. (2001). Autoregulação da aprendizagem: para uma caracterização multidimensional do desempenho acadêmico. Dissertação de Doutoramento em Psicologia, especialização em Psicologia da Motivação e da Personalidade, não publicada, Faculdade de Psicologia e de Ciência da Educação da Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Dias, R.A., & Leite, L.S. (2010). Educação à distância: da legislação ao pedagógico. (2a ed.). Petrópolis: Vozes.

Eysenck, M.W., & Keane, M.T. (1994). Psicologia cognitiva: um manual introdutório. Porto Alegre: Artes Médicas.

Figueira, A. P. C. (1994). Em torno do rendimento escolar. Dissertação de Mestrado em Psicologia, não publicada, especialização em Psicologia Pedagógica, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Figueiredo, D. B., Filho, & Silva Júnior, J. A. D. (2010). Visão além do alcance: uma introdução à análise fatorial. Opinião pública, 16(1), 160-185.

Flavell, J. H. (1976). Metacognitive aspects of problem solving. The nature of intelligence, 231-235.

Frison, L. M. B., & de Moraes, M. A. C. (2010). As práticas de monitoria como possibilitadoras dos processos de autorregulação das aprendizagens discentes. Poíesis Pedagógica, 8(2), 144-158.

Gatti, B. A. (2013). Implicações e perspectivas da pesquisa educacional no Brasil cotemporâneo. Cadernos de pesquisa, (113), 65-81.

Gil, A. C. (1991). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, C. E. de S., & Vagula, E. (2012). Modificabilidade Cognitiva Estrutural De Reuven Feuerstein: Uma Perspectiva Educacional Voltada Para O Desenvolvimento. 9a ANPED SUL. Recuperado de http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/

paper/view/1106

Korkmaz, O., & Kaya, S. (2012). Adapting Online Self-Regulated Learning Scale into Turkish. Turkish Online Journal of Distance Education, 13(1), 52-67.

Jones, M. H., Alexander, J. M., & Estell, D. B. (2010). Homophily among peer groups members’ perceived self-regulated learning. The Journal of Experimental Education, 78(3), 378-394.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2004). Metodologia cientifica. (4a ed. rev. e ampl.). São Paulo, Brasil.

Lefrançois, G.R. (2008). Teorias da aprendizagem. São Paulo: Cengage Learning, Brasil.

Lima, R. N., Filho, & Bruni, A. L. (2012). Aprendizado Autorregulado em Contabilidade: Diagnóstico, Dimensões e Explicações. Anais do Encontro da Anpad (EnAnpad), Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 36.

Lima, N., Filho, Lima, G. A. S. F. de, & Bruni, A. L. (2015). Self-regulated learning in accounting: diagnosis, dimensions and explanations. BBR-Brazilian Business Review, 12(1).

Luca, M. M. M. De, Gomes, C. A. S., Corrêa, D. M. M. C., & Domingos, S. R. M. (2011). Participação Feminina na Produção Científica em Contabilidade Publicada nos Anais dos Eventos Enanpad, Congresso USP de Controladoria e Contabilidade e Congresso Anpcont. Revista de Contabilidade e Organizações, 5(11), 145–164.

Lynch, R., & Dembo, M. (2004). The relationship between self-regulation and online learning in a blended learning context. The International Review of Research in Open and Distributed Learning, 5(2).

Martin, A. J., & Dowson, M. (2009). Interpersonal relationships, motivation, engagement, and achievement: Yields for theory, current issues, and educational practice. Review of educational research, 79(1), 327-365.

Mayville, K. L. (2007). Knowledge construction, self-regulation, and technology strategies used by experienced online nursing students to actively engage in online learning. Tese (Doutorado em Filosofia), Universidade Capella.

Melchior, M. C. (1994). Avaliação pedagógica: função e necessidade. Porto Alegre: Mercado Aberto.

Menezes, I. G. (2006). Escala de Intenções Comportamentais de Comprometimento Organizacional (Eicco): Concepção, Desenvolvimento, Validação E Padronização. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Nascimento, M, & Junqueira, E. (2012). Análise do perfil do aluno de ciências contábeis na modalidade a distância e do seu desempenho na disciplina de contabilidade introdutória. Anais do Encontro da Anpad (EnAnpad), Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 29.

Niemi, H., Harju, V., Vivitsou, M., Viitanen, K., Multisilta, J., & Kuokkanen, A. (2014). Digital storytelling for 21st-century skills in virtual learning environments. Creative Education, 5(9), 657.

Pavesi, M. A. (2015). Análise da aprendizagem autorregulada de alunos de cursos à distância em função das áreas de conhecimento, faixa etária e sexo. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil.

Polydoro, S. A. J., & Azzi, R. G. (2009). Autorregulação da aprendizagem na perspectiva da teoria sociocognitiva: introduzindo modelos de investigação e intervenção. Psicologia da Educação, (29), 75-94.

Ribeiro, C. (2003). Metacognição: um apoio ao processo de aprendizagem. Psicologia: reflexão e crítica, 16(1), 109-116.

Richter, T., & Schmid, S. (2010). Epistemological beliefs and epistemic strategies in self-regulated learning. Metacognition and Learning, 5(1), 47-65.

Rosário, P. (1999). Variáveis Cognitivo-motivacionais na Aprendizagem: As “Abordagens ao Estudo” em alunos do Ensino Secundário. Tese (Doutorado em Educação), Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Rosário, P., Nunes, T., Magalhães, C., Rodrigues, A., Pinto, R., & Ferreira, P. (2010). Processos de auto-regulação da aprendizagem em alunos com insucesso no 1º ano de Universidade. Psicologia Escolar e Educacional, 14(2), 349-358.

Testa, M. G., & Luciano, E. M. (2010). A influência da autorregulação dos recursos de aprendizagem na efetividade dos cursos desenvolvidos em ambientes virtuais de aprendizagem na internet. REAd-Revista Eletrônica de Administração, 16(2), 481-513.

Thibodeaux, J., Deutsch, A., Kitsantas, A., & Winsler, A. (2016). First-Year College Students’ Time Use. Journal of Advanced Academics, 28(1), 5–27.

Schleifer, L. L., & Dull, R. B. (2009). Metacognition and performance in the accounting classroom. Issues in Accounting Education, 24(3), 339-367.

Schunk, D. H. (2001). Self-regulation through goal setting. ERIC Clearinghouse on Counseling and Student Service, University of North Carolina at Greensboro.

Simão, A. M. da V., & Frison, L. M. B. (2013). Autorregulação da aprendizagem: abordagens teóricas e desafios para as práticas em contextos educativos. Cadernos de Educação, (45), 02-20.

Sizoo, S., Malhotra, N. K., & Bearson, J. M. (2003). Preparing students for a distance learning environment: A comparison of learning strategies of in-class and distance learners. Journal of Educational Technology Systems, 31(3), 261-273.

Sternberg, R. J. (2013). Psicologia cognitiva (5a ed.). São Paulo: Cengage Learning.

Xu, M., Benson, S. N. K., Mudrey-Camino, R., & Steiner, R. P. (2010). The relationship between parental involvement,

self-regulated learning, and reading achievement of fifth graders: A path analysis using the ECLS-K database. Social Psychology of Education, 13(2), 237-269.

Zimmerman, B. J., & Martinez-Pons, M. (1986). Development of a structured interview for assessing student use of self-regulated learning strategies. American Educational Research Journal, 23, 614-628.

Zimmerman, B. J., Bonner, S., & Kovach, R. (1986). Developing self-regulated learners; Beyond achievement to self-efficacy. Washington: American Psychological Association.

Zimmerman, B. J. (2000). Self-efficacy: an essential motive to learn. Contemporary Educational Psychology, 25(1), 82-91.

Zimmerman, B. J. (2001). Theories of self-regulated learning and academic achievement: An overview and analysis. NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 25(1), p. 3-17.

Zimmerman, B. J. (2002). Becoming a self-regulated learner: An overview. Theory into practice, 41(2), 64-70.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n48.2374

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.