Nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative (GRI)

Daniela Di Domenico, Lidiane Tormem, Sady Mazzioni

Resumo


O objetivo do artigo é analisar o nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative (GRI) nas empresas listadas na BM&FBovespa. Nesse sentido, realizou-se pesquisa descritiva com procedimentos de coleta documental e abordagem quantitativa. A amostra analisada ficou composta por 93 empresas listadas na BM&FBovespa, que divulgaram o relatório de sustentabilidade no ano de 2014 em conformidade com o modelo GRI. Os resultados mostram que à medida em que há maior complexidade nas informações, que compreendem os grupos de indicadores apresentados nos relatórios de sustentabilidade, reduz o nível de evidenciação pelas empresas. Com relação ao nível de evidenciação, percebe-se que o maior grupo de empresas se concentra com baixa evidenciação. Representa cerca de 30% das empresas analisadas, atendendo até 50 itens dos 150 que o relatório propõe. Quanto ao setor econômico, utilidade pública apresentou maior nível de evidenciação nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o modelo GRI. Conclui-se que, embora tenha havido aumento na divulgação dos relatórios de sustentabilidade, as empresas ainda carecem de adaptação para atender aos indicadores do GRI, melhorando a qualidade dos relatórios divulgados e elevando a transparência aos diversos públicos de interesse.

Palavras-chave


Responsabilidade socioambiental; Relatórios de sustentabilidade; GRI.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Bauer, M. M., & Naime, R. (2012). Estado da arte da evidenciação social e ambiental voluntária. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 2(2), 39-60.

Beuren, I. M., Di Domenico, D., & Cordeiro, A. (2013). Análise dos indicadores do Environmental Management Accounting evidenciados no Global Reporting Initiative. Revista Gestão Organizacional, 6(2), 21-35.

Beuren, I. M., Nascimento, S., & Rocha, I. (2013). Nível de evidenciação ambiental e desempenho econômico de empresas: aplicando a análise envoltória de dados. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 5(1),198-226.

Boff, M. L., & Beuren, I. M. (2012). Termos ambientais e sociais nos relatórios da administração. Pretexto, 13(2), 9-27.

Borges, A. P., Rosa, F. S., & Ensslin, S. R. (2010). Evidenciação voluntária das práticas ambientais: um estudo nas grandes empresas brasileiras de papel e celulose. Produção, 20(3), 404-417.

Carneiro, J. E., De Luca, M. M. M., & Oliveira, M. C. (2008). Análise das Informações Ambientais Evidenciadas nas Demonstrações Financeiras das Empresas Petroquímicas Brasileiras listadas na Bovespa. Revista Contabilidade Vista e Revista, 19(3), 39-67.

Carreira, F. A., & Palma, C. M. (2012). Análise comparativa dos relatórios de sustentabilidade das empresas brasileiras, espanholas, portuguesas e Andorra. Revista Universo Contábil, 8(4),140-166.

Cavalcanti, G. H., Almeida, K. K. N., Almeida, S. R., & Limeira, M. P. (2009). Divulgação de informações contábeis ambientais das empresas brasileira do setor de utilidade pública: um estudo sobre o grau de aderência as normas brasileiras de contabilidade. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, 4(2), 104-118.

Cong, Y., & Freedman, M. (2011). Corporate governance and environmental performance and disclosure. Advances in Accounting, incorporating Advances in International Accounting, 27(1), 223–232.

Di Domenico, D., Dal Magro, C. B., Mazzioni, S., Preis, M. B., & Klann, R. C. (2016). Determinantes do nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 4(2), 4-30.

Di Domenico, D., & Lavarda, C. E. F. (2013). Características das empresas de capital aberto e os indicadores da contabilidade de gestão ambiental (CGA). Anais do Congresso Brasileiro De Custos, Uberlândia, MG, Brasil, 10.

Di Domenico, D., Mazzioni, S., Gubiani, C. A., Kronbauer, N. B., & Vilani, L. (2015). Práticas de responsabilidade socioambiental nas empresas de capital aberto de Santa Catarina listadas na BM&FBovespa. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 14(42), 70-84.

Freitas, D. P. S., & Oleiro W. N. (2011). Contabilidade ambiental: a evidenciação nas demonstrações financeiras das empresas listadas na BM&F Bovespa. REUNIR – Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 1(2), 65-81.

Gallon, A. V., Beuren, I. M., & Hein, N. (2007). Análise da Relação entre Evidenciação nos Relatórios da Administração e o nível de Governança das Empresas na BOVESPA. Revista de Informação Contábil, 1(2), 18-41.

Global Reporting Initiative. (2015). Padrões de Relatórios de Sustentabilidade. Recuperado em 15 outubro, 2015, de http://www.globalreporting.org

Global Reporting Initiative. (2016). Padrões de Relatórios de Sustentabilidade. Recuperado em 09 abril, 2016, de http://www.globalreporting.org

Gonçalves, R. S., Weffort, E. F. J., Peleias, I. R., & Gonçalves, A. O. (2008). Social Evidenciação das empresas brasileiras listadas na NYSE e na BOVESPA: sua relação com os níveis de governança corporativa. Revista Contemporânea de Contabilidade, 1(9), 71-94.

Guimarães, D. A., Rech, I. J., Cunha, M. F., & Pereira, I. V. (2014). Análise do nível de evidenciação de informações ambientais apresentado pelas empresas abertas que exploram atividades agropecuárias. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 2(3), 6-23.

Holanda, A. P., Cardoso, V. I. C., Oliveira, J. D., & Luca, M. M. M. (2012). Investimentos em responsabilidade social: análise comparativa das empresas concessionárias de serviços públicos e não concessionárias listadas no ISE, da BM&FBovespa. Pensar contábil, 14(53), 26-34.

Lima, K. P. S., Cunha, D. R., Morreira, F. G. L., & Porte, M. S. (2012). Contabilidade ambiental: um estudo sobre a evidenciação das informações ambientais nas demonstrações contábeis das grandes empresas brasileiras. Revista Eletrônica de Administração, 11(1), 1-14.

Martins, A. S. R., Quintana, A. C., Jacques, F. V. S., & Machado, D. P. (2013). O balanço social como instrumento para a sociedade: um estudo na Universidade Federal do Rio Grande. Revista Contemporânea de Contabilidade, 10(19), 49-70.

Mazzioni, S., Di Domenico, D., & Zanin, A. A evidenciação da prática corporativa de ações de responsabilidade social com o uso do balanço social. (2010). Revista Catarinense da Ciência Contábil, 9(27), 43-59.

Medeiros, A. F., Souza, E. F., Franzin, S. F. L., Almeida, F. M., & Souza, C. H. M. (2013). Desenvolvimento e Sustentabilidade Ambiental: análise das diretrizes da política nacional de desenvolvimento regional. Linkania, 1(8), 37-57.

Miranda, W. B., & Malaquias, R. F. (2013). Análise do nível de evidenciação ambiental de empresas brasileiras que negociam ADRS na bolsa de valores de Nova Iorque (NYSE). Revista Ambiente Contábil, 5(1), 93-111.

Nobre, F. S., & Ribeiro, R. E. M. (2013). Cognição e sustentabilidade: estudos de casos múltiplos no Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBovespa. RAC - Revista de Administração Contemporânea, 17(4), 499-517.

Nogueira, E. P.L., & Faria, A. C. (2012). Sustentabilidade nos principais bancos brasileiros: uma análise sob a ótica da Global Reporting Initiative. Revista Universo Contábil, 8(4), 119-139.

Pereira, G.; Carvalho, F. N., & Parente, E. G. V. (2011). Desempenho econômico e evidenciação ambiental: análise das empresas que receberam o Prêmio Rumo à Credibilidade 2010. Revista Catarinense de Ciência Contábil, 10(30), 9-26.

Pereira, N. S. P., Pereira, C. A., Monteiro, R. P., & Paixão, J. M., Filho. (2015). Relatórios de sustentabilidade: ferramenta de interface no desempenho social, econômico e ambiental das organizações. Revista de Auditoria Governança e Contabilidade - RAGC, 3(5), 55-70.

Rodrigues, J. J. M., & Duarte, M. M. R. F. R. (2011). Relato das responsabilidades social, ambiente e competitividade: enquadramento teórico. Revista Universo Contábil, 7(4), 138-155.

Rosa, F. S., Ensslin, S. R., Ensslin, L., & Lunkes, R. J. (2011). Gestão da evidenciação ambiental: um estudo sobre as potencialidades e oportunidades do tema. Engenharia Sanitária e Ambiental, 26(1), 157-166.

Santos, A. P. T. (2014). A Sustentabilidade Ambiental dentro das organizações. RevInter - Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, 7(3), 69-100.

Santos, M. S., Silva, T. L., & Lorandi, J. A. (2014). Evidenciação ambiental – análise da aderência ao relatório de responsabilidade socioambiental da ANEEL pelas companhias do setor elétrico listadas na BM&FBovespa. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 2(2) 126-147.

Sartori, S., Ensslin, L., Campo, L. M. S., & Ensslin, S. R. (2014). Mapeamento do estado da arte do tema sustentabilidade ambiental direcionado para a tecnologia de informação. TransInformação, 26(1), 77-89.

Scarpin, M. R. S., Walter, S. A., Mondini, V. E. D., & Roncon, A. (2013). Sustentabilidade empresarial: análise de caso à luz da teoria da estratégia como pratica. Revista de Gestão Social e Ambiental, 7(2), 87-100.

Siche, R., Agostinho, F., Ortega, E., & Romeiro, A. (2007). Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente & Sociedade, 10(2), 137-148.

Silva, T. L., Vicente, E. F. R., Pfitscher, E. D., & Rosa, F. S. (2013). Environmental Disclosure – informações sobre resíduos sólidos divulgadas pelas empresas potencialmente poluidoras listadas na BM&FBOVESPA. Revista Ambiente Contábil, 5(2), 229-249.

Tomé, I. M., & Bresciani, L. P. (2015). Explicitação e análise de modelos de sustentabilidade de empresas de gestão ambiental baseados em MORPH. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 5(1), 21-38.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/rccc.v16n49.2401

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional