Índice de Disclosure Ambiental (IDA): análise da aplicação de indicador desenvolvido a partir da ótica de especialistas no Brasil

Stella Maris Lima Altoé, Luiz Panhoca, Márcia Maria dos Santos Bortolocci Espejo

Resumo


As empresas preocupam-se em divulgar informações ambientais com a finalidade de transmitirem aos stakeholders uma “imagem” ambientalmente correta. O estudo objetiva aplicar o Índice de Disclosure Ambiental (IDA) aos Relatórios de Sustentabilidade no setor de papel e celulose no Brasil. Tal indicador foi desenvolvido por Bachmann, Carneiro e Espejo (2013), por meio da técnica Delphi, com pesquisadores brasileiros da área de sustentabilidade. Caracterizada como descritiva e exploratória, a análise de conteúdo foi realizada com o auxílio do software Atlas.ti a partir da categorização do IDA. Os resultados demonstraram que os Relatórios de Sustentabilidade contemplam tanto as categorias como os itens que compõem o IDA, com ressalva para a Cia. Melhoramentos de São Paulo que não evidenciou excertos da categoria informações financeiras ambientais. Os achados indicam que a Celulose Irani foi a organização cujo disclosure ambiental estava mais alinhado ao indicador proposto por Bachmann et al. (2013), apresentando um percentual de 71% de evidenciação (IDA segregado), seguido pela Fibria Celulose (64%), Klabin (50%) e Cia. Melhoramentos de São Paulo (36%). Conclui-se que os resultados desta pesquisa fortalecem o IDA, favorecendo a consolidação teórica e empírica dos aspectos de disclosure ambiental, ao mesmo tempo em que propõem uma maior amplitude da discussão no escopo internacional sobre a validade desse indicador voltado à sustentabilidade. Portanto, observa-se a relevância das organizações desenvolverem projetos, indicadores e terem iniciativas direcionadas à evidenciação das informações ambientais, considerando que os investimentos relacionados à redução dos impactos ambientais são benéficos à entidade e a todas as partes interessadas na informação.

Palavras-chave


Índice de Disclosure Ambiental (IDA); Relatório de Sustentabilidade; Análise de Conteúdo.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Aaker, D. A. (2001). Administração estratégica de mercado (7a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Ashcroft, P. A. (2012). Extent of environmental disclosure of US and Canadian firms by annual report location. Advances in Accounting, 28(2), 279-292.

Bachmann, R. K., Carneiro, L. M., & Espejo, M. M. dos S. B. (2013). Evidenciação de informações ambientais: proposta de um indicador a partir da percepção de especialistas. Revista de Contabilidade e Organizações, 7(17), 36-47.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo (3a ed.). Lisboa: Edições 70.

Beuren, I. M., Santos, V. dos, & Gubiani, C. A. (2013). Informações ambientais evidenciadas no relatório da administração pelas empresas do setor elétrico listadas no ISE. BASE-Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 10(1), 55-68.

BM&FBovespa. (2014). Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE).

Borba, J. A., Rover, S., & Múrcia, F. D. (2006). Do Brazilian corporations disclose environmental information? Evidences from financial statement published in the New York Securities Exchange and in the Bolsa de Valores de São Paulo. In Asian Pacific Conference, Maui,18.

Borges, A. P., Rosa, F. S. D., & Ensslin, S. R. (2010). Evidenciação voluntária das práticas ambientais: um estudo nas grandes empresas brasileiras de papel e celulose. Produção On Line, 20(3), 404-417.

Comissão de Valores Mobiliários (CVM). (1987, 28 de dezembro). Parecer de orientação nº 15, de 28 de dezembro de 1987.

Conselho Federal de Contabilidade (CFC). (2004). Resolução CFC nº 1.003/04. Aprova a NBC T 15 – Informações de natureza social e ambiental. Brasília, DF.

Costa, R. S., & Marion, J. C. (2007). A uniformidade na evidenciação das informações ambientais. Revista Contabilidade e Finanças, 18(43), 20-33.

Dalmoro, M., Venturini, J. C., & Pereira, B. A. D. (2009). Marketing verde: responsabilidade social e ambiental integradas na envolvente de marketing. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 11(30), 38-52.

Fauzi, H. (2009). Corporate social and financial performance: empirical evidence from American companies. Globsyn Management Journal, Forthcoming.

Gasparino, M. F., & Ribeiro, M. de S. (2007). Análise de relatórios de sustentabilidade, com ênfase na GRI comparação entre empresas do setor de papel e celulose dos EUA e Brasil. Revista de Gestão Social e Ambiental, 1(1), 102-115.

Gray, R., & Bebbington, J. (2001). Accounting for the Environment. Sage.

Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (IBRACON). (1996). NPA 11 - Normas e procedimentos de auditoria – Balanço e ecologia. São Paulo, Ibracon.

Kassai, J. R., Ha, H., & Carvalho, L. N. (2011). Diálogo IFRS e GRI para o Desenvolvimento Sustentável. In Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, 35.

Lei n.º 6.404, de 15 de dezembro de 1976 atualizada (1976, 15 de dezembro). Dispõe sobre as sociedades por ações. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

Lei n.º 11.638, de 28 de dezembro de 2007 (2007, 28 de dezembro). Altera e revoga os dispositivos da Lei n.º 6.404/76 e Lei n.º 6.385/76 e estende as sociedades de grande porte disposições relativas a elaboração de divulgação das Demonstrações Financeiras. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

Lu, Y., & Abeysekera, I. (2014). Stakeholders' power, corporate characteristics, and social and environmental disclosure: evidence from China. Journal of Cleaner Production, 64, 426-436.

Momin, M. A. (2013). Social and environmental NGOs’ perceptions of corporate social disclosures: the case of Bangladesh. Accounting Forum, 37(2), 150-161.

Múrcia, F. D. R., Rover, S., Lima, I., Fávero, L. P. L., & Lima, G. A. S. F. de. (2008). ‘Disclosure Verde’ nas demonstrações contábeis: características da informação ambiental e possíveis explicações para a divulgação voluntária. Contabilidade, Revista UnB Contábil, 11, 260-278.

Múrcia, F. D. R., & Santos, A. (2009). Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário das companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 3(2), 72-95.

Nascimento, A. R. do, Santos, A. dos, Salotti, B., & Múrcia, F. D. (2009). Disclosure social e ambiental: análise das pesquisas científicas veiculadas em periódicos de língua inglesa. Contabilidade Vista & Revista, 20(1), 15-40.

Nossa, V. (2002). Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.

Porter, M. E. (1993). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus.

Relatório de Sustentabilidade Celulose Irani. (2013). Recuperado em 10 de outubro de 2014, de http://extranet.irani.com.br/relatorio-de-sustentabilidade-2013/

Relatório de Sustentabilidade Cia Melhoramentos de São Paulo. (2013). Recuperado em 10 de outubro de 2014, de https://drive.google.com/file/d/0B_lC4QOQUPzLZWR1RjVscUluR0U/edit?usp=sharing

Relatório de Sustentabilidade Fibria Celulose. (2013). Recuperado em 10 de outubro de 2014, de http://www.fibria.com.br/relatorio2013/shared/relatorio-de-2013-firmes-no-rumo-7abr2014.pdf

Relatório de Sustentabilidade Klabin (2013). Recuperado em 10 de outubro de 2014, de http://rs.klabin.com.br/

Ribeiro, M. S. (1992). Contabilidade e meio ambiente. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo.

Rover, S., Múrcia, F. D., Borba, J. A., & Vicente, E. F. R. (2008). Divulgação de informações ambientais nas demonstrações contábeis: um estudo exploratório sobre o disclosure das empresas brasileiras pertencentes a setores de alto impacto ambiental. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(3), 53-72.

Roumeliotis, L. P. C., & Alperstedt, G. D. P (2014). Princípios e indicadores ambientais nos relatórios de sustentabilidade das empresas de energia elétrica de Santa Catarina: uma análise baseada na Global Reporting Initiative. In Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, 38.

Schaltegger, S., & Burritt, R. (2000). Contemporary environmental accounting: issues, concepts and practice. Greenleaf Publishing.

Souza, M. A. de, Rásia, K. A., & Jacques, F. V. da S. (2010). Evidenciação de informações ambientais pelas empresas integrantes do índice de sustentabilidade empresarial – ISE. Revista de Contabilidade e Controladoria, 2(1), 51-139.

Tachizawa, T. (2002). Gestão ambiental e responsabilidade social. São Paulo: Atlas.

Yamamoto, M. M., & Salotti, B. M. (2006). Informação contábil: estudos sobre a sua divulgação no mercado de capitais. São Paulo: Atlas.

Zeng, S. X., Xu, X. D., Dong, Z. Y., & Tam, V. W. Y. (2010). Towards corporate environmental information disclosure: an empirical study in China. Journal of Cleaner Production, 18,1142-1148.

Zhongfu, Y., Jianhui, J., & Pinglin, H. (2011). The study on the correlation between environmental information disclosure and economic performance with empirical data from the manufacturing industries at Shanghai Stock Exchange in China. Energy Procedia, 5, 1218-1224.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n48.2402

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.