Percepção dos analistas financeiros sobre a relevância da informação contábil no setor elétrico

Amanda Medeiros Martins, Adolfo Henrique Coutinho e Silva

Resumo


O objetivo desta pesquisa é analisar as percepções dos analistas de investimentos e analistas de crédito quanto à utilidade das informações contábeis societárias e regulatórias do setor elétrico. Para tanto, foram enviados questionários, no período de fevereiro a abril de 2017, para 56 analistas financeiros indicados nos sites das concessionárias de energia elétrica. A taxa de resposta foi de 46%, ou seja, a pesquisa obteve 26 respondentes, dos quais 14 são analistas de investimento e 12 analistas de crédito. Os resultados evidenciaram que: i) os itens da demonstração de resultado são mais relevantes que os itens do balanço patrimonial; ii) os analistas de investimento consideram a Demonstração do Resultado do Exercício regulatória mais adequada para suas análises do que os analistas de crédito e similares; iii) a percepção do prejuízo para a análise devido ao atraso na divulgação das demonstrações regulatórias foi maior para os analistas de investimento do que para os analistas de crédito e iv) o atual formato de divulgação (uma demonstração contábil societária e outra regulatória) das informações financeiras das empresas de energia elétrica não é considerado o ideal para os analistas financeiros.

Palavras-chave


Relevância da Informação; Contabilidade Regulatória; Contabilidade Societária; Setor Elétrico

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Agência Nacional de Energia Elétrica (2010). Resolução Normativa nº 396, de 23 de fevereiro de 2010. Recuperado de http://www.aneel.gov.br/

Agência Nacional de Energia Elétrica (2014). Resolução Normativa nº 605, de 11 de março de 2014. Recuperado de http://www.aneel.gov.br/

Antunes, M. T. P., & Leite, R. S. (2008). Divulgação de informações sobre ativos intangíveis e sua utilidade para analistas de investimentos. Revista Universo Contábil, 4(4), 22-38.

Bartlett, S. A., & Chandler, R. A. (1997). The corporate report and the private shareholder: Lee and Tweedie 20 years on. British Accounting Review, 29, 245-61.

Boff, L. H., Procianoy, J. L., & Hoppen, N. (2006). O uso de informações por analistas de investimento na avaliação de empresas: à procura de padrões. RAC, 10(4), 169-192.

Bouwman, M. J., Frishkoff, P., & Frishkoff, P. A. (1995). The relevance of GAAP-based information: A case study exploring some uses and limitations. Accouting Horizons, 4(9), 22-47.

Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei nº 6.404/76, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br

Campbell, D., & Slack, R. (2008). Narrative reporting: analysts’ perceptions of its value and relevance. London: Association of Chartered Certified Accountants, Report n. 104.

Cascino, S., Clatworthy, M., Osma, B. G; Gassen, J., Imam, S., & Jeanjean, T. (2016). Professional investors and the decision usefulness of financial reporting. Institute of Chartered Accountants of Scotland (ICAS) and European Financial Reporting Advisory Group (EFRAG).

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2012). Estrutura conceitual – CPC 00 R1. Recuperado de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC 00_R1.pdf

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2009). Interpretação técnica ICPC 01 – Contratos de concessão. Recuperado de http://www.cpc.org.br/pdf/ICPC01_R1.pdf

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2010). Orientação OCPC 05 – Contratos de concessão. Recuperado de http://www.cpc.org.br/

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2014). Orientação OCPC 08 – Reconhecimento de determinantes ativos e passivos nos relatórios contábil-financeiros de propósito geral das distribuidoras de energia elétrica. Recuperado de http://www.cpc.org.br/

Comissão de Valores Mobiliários (2014). Deliberação Normativa nº 727. Novembro de 2014. Recuperado de http://www.cvm.gov.br/ /legislacao/

Gomes, M. E. R. (2013). Estudo do impacto da adoção da ICPC 01 nas decisões gerenciais considerando as normas societárias e regulatórias nas empresas de transmissão de energia elétrica do Brasil. Dissertação (Mestrado), Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

Ho, S. M., & Wong, K S. (2001). A study of corporate disclosure practice and effectiveness in Hong Kong. Journal of International Financial Management and Accounting, 12(1), 75-102.

Hodge, F. D. (2003). "Investors' perceptions of earnings quality, auditor independence, and the usefulness of audited financial information." Accounting Horizons, 37-48.

Hoppe, A. A. (2012). Estudo sobre as diferenças de práticas contábeis nas demonstrações contábeis societárias e regulatórias de distribuidoras de energia elétrica no Brasil. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis e Atuariais), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Morton, J. R. (1974). Qualitative Objectives of Financial Accounting: A Comment on Relevance and Understandability. Journal Of Accounting Research, 12(2), 288-298.

Ohara, E. H. (2014). Finanças do setor elétrico: demonstrações societárias vs regulatórias. Monografia (Especialização) - Curso de Perícia Contábil, AVM Faculdade Integrada, Brasília.

Ribeiro, M. G. C., Macedo, M. A. S., & Marques, J. A. V. C. (2012). Análise da relevância de indicadores financeiros e não financeiros na avaliação de desempenho organizacional: um estudo exploratório no setor brasileiro de distribuição de energia elétrica. Revista de Contabilidade e Organizações, 6(15), 61-79.

Ribeiro, R. (2016). O que pensam os contadores e reguladores sobre as diferenças da contabilidade societária e da contabilidade regulatória do setor elétrico no Brasil após a emissão da OCPC 08. Dissertação (Mestrado) - Curso de PPGCC, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Zimmerman, J. L. (2013). Myth: external financial reporting quality has a first-order effect on firm value. Accounting Horizons, American Accounting Association, 27(4), 887-894.

Zoysa, A. de, & Rudkin, K. (2010). An investigation of perceptions of company annual report users in Sri Lanka. Int Journal of Emerging Mkts, 5(2), 183-202.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n50.2506

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional