Performance dos Fundos de Investimento em Cotas no Brasil

Dermeval Martins Borges Junior, Rodrigo Fernandes Malaquias

Resumo


Dentre as modalidades de fundos existentes, estão os Fundos de Investimento em Cotas (FICs). São fundos que adquirem participações de outros fundos em vez de investir diretamente em ativos do mercado. Além de oferecer as vantagens inerentes aos fundos tradicionais, o FIC possibilita a expansão das opções de investimento, uma vez que sua estrutura permite acessar diversos outros fundos com baixo investimento inicial. Por outro lado, a estrutura dos FICs apresenta taxas e custos que podem afetar negativamente sua performance. Diante disso, o objetivo deste estudo consiste em analisar a performance dos FICs brasileiros, em comparação aos demais fundos. A partir de uma amostra composta por 1.723 fundos de ações, com dados disponíveis para o período de janeiro de 2005 até março de 2016, utilizou-se a análise de regressão para atingir o objetivo do trabalho. Os resultados indicaram melhores indicadores de performance (Índice de Sharpe) para os FICs, em comparação aos demais fundos da amostra.

Palavras-chave


Investidores Institucionais; Fundos de Cotas; Fundos de Fundos.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Agarwal, V. & Kale, J. R. (2007). On the relative performance of multi-strategy and funds of hedge funds. Journal of Investment Management, 5(3), 41.

Aggarwal, R., Sharma, M., & Prashar, E. (2012). Fund of Funds Company Indices: Performance Analysis and Maximizing the Coefficient of Determination. The Journal of Private Equity, 16(1), 100.

Aiken, A. L., Clifford, C. P., & Ellis, J. (2015). The Value of Funds of Hedge Funds: Evidence from Their Holdings. Management Science, 61(10), 2415-2429.

Amenc, N. & Vaissié, M. (2006). Determinants of Funds of Hedge Funds' Performance. The Journal of Investing, 15(4), 46-52.

Ammann, M. & Moerth, P. (2008). Performance of Funds of Hedge Funds. The Journal of Wealth Management, 11(1), 46-63.

Amo, A. V., Harasty, H., & Hillion, P. (2007). Diversification benefits of funds of hedge funds: Identifying the optimal number of hedge funds. The Journal of Alternative Investments, 10(2), 10.

Ang, A., Rhodes-Kropf, M. & Zhao, R. (2008). Do funds-of-funds deserve their fees-on-fees? (No. w13944). National Bureau of Economic Research.

Assali, N. A. (2008). Análise de desempenho e características de fundos de fundos multigestores do mercado Brasileiro no período de setembro/1998 a Agosto/2007. Dissertação de Mestrado em Finanças e Economia Empresarial, Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas – EESP-FGV, São Paulo, SP, Brasil.

Bertin, W. J. & Prather, L. (2009). Management structure and the performance of funds of mutual funds. Journal of business research, 62(12), 1364-1369.

Borges, E. C. & Martelanc, R. (2015). Sorte ou habilidade: uma avaliação dos fundos de investimento no Brasil. Revista de Administração, 50(2), 196-207.

Brands, S. & Gallagher, D. R. (2005). Portfolio selection, diversification and fund‐of‐funds: a note. Accounting & Finance, 45(2), 185-197.

Brown, S. J., Goetzmann, W. N., & Liang, B. (2003). Fees on fees in funds of funds (No. w9464). National Bureau of Economic Research.

Brown, S. J., Gregoriou, G. N., & Pascalau, R. (2012). Diversification in funds of hedge funds: Is it possible to overdiversify?. Review of Asset Pricing Studies, 2(1), 89-110.

Cotrim, F. M. (2012). Um estudo sobre a capacidade de gestores de fundos multigestor adicionarem valor aos cotistas. Dissertação de Mestrado em Finanças e Economia Empresarial, Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas – EPGE-FGV, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Dai, N. & Shawky, H. A. (2010). Diversification Strategies and the Performance of Funds of Hedge Funds. Available at SSRN 1719749.

Denvir, E. & Hutson, E. (2006). The performance and diversification benefits of funds of hedge funds. Journal of International Financial Markets, Institutions and Money, 16(1), 4-22.

Edelman, D., Fung, W., Hsieh, D. A., & Naik, N. Y. (2012). Funds of hedge funds: performance, risk and capital formation 2005 to 2010. Financial Markets and Portfolio Management, 26(1), 87-108.

Fothergill, M. & Coke, C. (2001). Funds of Hedge Funds: An Introduction to Multi-Manager Funds. The Journal of Alternative Investments, 4(2), 7-16.

Füss, R., Kaiser, D. G., & Strittmatter, A. (2009). Measuring funds of hedge funds performance using quantile regressions: Do experience and size matter?. The Journal of Alternative Investments, 12(2), 41.

Garay, U., Hernández, M., & Rivillo, C. (2017). Variables microeconómicas de los fondos de fondos de cobertura (FFC) y su desempeño durante la crisis financiera global 2008-2009. Revista Finanzas y Política Económica, 9(2), 373-396.

Geranio, M. & Zanotti, G. (2005). Can mutual funds characteristics explain fees?. Journal of Multinational Financial Management, 15(4), 354-376.

Gregoriou, G. N. (2006). Funds of Hedge Funds: Performance, Assessment, Diversification, and Statistical Properties. Elsevier, 2011.

Gresch, N. & Von Wyss, R. (2011). Private Equity Funds of Funds vs. Funds: A Performance Comparison. The Journal of Private Equity, 14(2), 43.

Hair, J. F., Jr., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2015). Os fundos de investimento no Brasil de 2008 a 2013: institucionalidades e interfaces com a política econômica.

Instrução CVM n. 409, de 18 de agosto de 2004. Dispõe sobre a constituição, a administração, o funcionamento e a divulgação de informações dos fundos de investimento. Rio de Janeiro: Comissão de Valores Mobiliários.

Instrução CVM n. 411, de 26 de novembro de 2004. Altera a Instrução CVM n. 409, de 18 de agosto de 2004. Rio de Janeiro: Comissão de Valores Mobiliários.

Instrução CVM n. 413, de 30 de dezembro de 2004. Altera a Instrução CVM n. 409, de 18 de agosto de 2004. Rio de Janeiro: Comissão de Valores Mobiliários.

Investment Company Institute (US). (2014). Investment Company Fact Book. Investment Company Institute. Recuperado de https://www.ici.org/pdf/2014_factbook.pdf

Joaquim, G. P. G. & Moura, M. L. (2011). Performance and Persistence of Brazilian Hedge Funds during the Financial Crisis. Revista Brasileira de Finanças, 9(4), 465-488.

Leusin, L. M. C. (2006). Análise de Fundo de Fundos: Um estudo para o caso brasileiro (Dissertação de Mestrado Profissional em Finanças e Economia Empresarial). Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas – EPGE-FGV, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Li, H., Zhang, X., & Zhao, R. (2011). Investing in talents: Manager characteristics and hedge fund performances. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 46(01), 59-82.

Malaquias, R. F. & Eid, W., Jr. E. (2014). Fundos multimercados: desempenho, determinantes do desempenho e efeito moderador. Revista de Administração Mackenzie, 15(4), 135.

Malaquias, R. F. & Mamede, S. D. P. N. (2015). Efeito Calendário e Finanças Comportamentais no Segmento de Fundos Multimercados. Revista de Administração Contemporânea, 19, 98.

Milan, P. L. A. B. & Eid, W., Jr. (2014). Elevada Rotatividade de Carteiras e o Desempenho dos Fundos de Investimento em Ações. Revista Brasileira de Finanças, 12(4), 469-497.

Milani, B., Ceretta, P. S., Barba, F. G. de., & Casarin, F. (2010). Fundos de Investimento Brasileiros: a influência dos momentos superiores na avaliação de desempenho. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, 10(36), 289-303.

Reddy, G., Brady, P., & Patel, K. (2007). Are Funds of Funds Simply Multi-Strategy Managers with Extra Fees?. The Journal of Alternative Investments,10(3), 49.

Rocco, L. U. (2009). Uma análise de desempenho dos fundos multimercados com renda variável e alavancagem no Brasil durante o período entre 2002-2007. Monografia de Conclusão de Curso de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Shawky, H. A. & Wang, Y. (2014). Liquidity Risk and Economies of Scale in Funds of Hedge Funds. The Journal of Alternative Investments, 17(2), 51.

Sialm, C., Sun, Z., & Zheng, L. (2013). Home bias and local contagion: Evidence from funds of hedge funds (No. w19570). National Bureau of Economic Research.

Turner, C. (2004). International Funds: A practical guide to their establishment and operations. Elsevier, Oxford.

Varga, G. & Wengert, M. (2011). A indústria de fundos de investimentos no Brasil. Revista de Economia e Administração, 10(1).




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n51.2568

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional