Uma análise do efeito carona (Free-Riding), num ambiente de shopping center, em período promocional de vendas

Flavia Zoboli Dalmacio, Laislla Obara Iwagase

Resumo


O objetivo geral deste estudo é analisar se o efeito carona (free-riding) ocorre num ambiente de shopping center, no período do Natal, em campanha promocional de vendas. O free-riding é definido como o efeito de atuação em que “um membro de um grupo obtém benefícios da membresia do grupo, porém não suporta um compartilhamento proporcional dos custos de prover tais benefícios” (Albanese & Van Fleet, 1985, p. 244). Esse efeito é observado sob perspectiva da Teoria Econômica da Regulação, segundo a qual a regulação é instituída principalmente para proteção e benefício do público em geral ou de alguma grande subclasse do público (Stigler, 1971). Para mensurá-lo, foi utilizada uma proxy dos benefícios usufruídos por agentes não (proporcionalmente) contribuintes com a intervenção, bem como aplicaram-se questionários por meio de entrevistas com gerentes de lojas/quiosques dos shopping centers. A partir dos resultados obtidos foi possível constatar evidências do uso dos benefícios da regulação por lojas/quiosques não participantes. Portanto, conclui-se que o free-riding de fato ocorre num ambiente de shopping center, no período do Natal, em campanha promocional de vendas.

Palavras-chave


Teoria da Regulação; Free-riders; Shopping center.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Albanese, R. & Van Fleet, D. D. (1985). Rational behavior in groups: The freeriding tendency. The Academy of Management Review, 10(2), 244-255.

Bakos, Y. (2001). The emerging landscape for retail e-commerce. Journal of Economic Perspectives, 15(1), 69-80.

Buchanan, J. M. (1965). Ethical rules expected values, and large numbers. Ethics, 76, 1-13.

Carlton, D. W. & Chevalier, J. A. (2001). Free riding and sales strategies for the Internet. The Journal of Industrial Economics, 49(4), 441-461.

Castro, L. T., Neves, M. F., & Scare, R. F. (2015). Eficiência de representação das associações de produtores de cana-de-açúcar no Brasil. Organizações Rurais & Agroindustriais, 17(3), 383-397.

Ceribeli, H. B. & Conte, G. M. (2016). Análise do comportamento caronista no comércio eletrônico. Nucleus, 13(1).

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2016). Conheça o CPC. Recuperado em 20 setembro, 2016, de http://www.cpc.org.br/CPC/CPC/Conheca-CPC

Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (2016). Fale conosco. Recuperado em 09 setembro, 2016, de https://www.detran.sp.gov.br/wps/portal/portaldetran/detran/atendi mento/faleconosco

Dias, S. W. (2014). O desafio do varejo multicanal: comportamento free-riding do consumidor. Tese de Doutorado em Ciências, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Downs, A. (1999). Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: Edusp.

Farhat, S. (2007). Lobby. O que é. Como se faz: ética e transparência na representação junto a governos. São Paulo: Peirópolis.

Fiani, R. (2004). Afinal, a quais interesses serve a regulação? Campinas: Economia e Sociedade, 13(2), 81-105.

Friedman, M. (1975). There's No Such Thing As a Free Lunch. Open Court.

Gremaud, A. P. (2003). Manual de Economia. Organizadores: Diva Benevides Pinho e Marcos Antônio Sandoval de Vasconcellos (4a ed.). São Paulo: Saraiva.

Jensen, M. C. & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics.

Leite, J. R. M. (2010). CNPI, CFA, CEI: saiba mais sobre os certificados para profissionais do mercado. Recuperado em 31 agosto, 2016, de http://www.infomoney.com.br/mercados/noticia/1769087/cnpi-c/fa-cei-saiba-mais-sobre-certificados-para-profissionais-mercado

Mankiw, N. G. (2006). Introdução à Economia (3a ed.). São Paulo: Thomson Learning.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1999.

Mckenzie, R. B. & Tullock, G. (1978). Modern political economy: An introduction to economics. New York: McGraw-Hill.

Moreno, A. C. (2014). Veja como tirar o certificado de proficiência em inglês. Recuperado em 31 agosto, 2016, de http://g1.globo.com/educacao/noticia/2012/07/veja-como-tirar-o-certificado-de-proficiencia-em-ingles.html

O’Neill, B. (2010). Resolvendo o "problema" do carona. Recuperado em 20 maio, 2016, de http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=724

Olson, M. (1965). The logic of collective action: Public goods and the theory of groups. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Shin, J. (2007). How Does Free Riding on Customer Service Affect Competition? Marketing Science, 26(4), 488-503.

Silva, A. D. & Brito, E. P. Z. (2013). Incerteza, racionalidade limitada e comportamento oportunista: um estudo na indústria brasileira. RAM, Revista de Administração Mackenzie, 14(1), 176-201.

Simonsen, M. H. & Cysne, R. P. (2009). Macroeconomia (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Slack, N., Chambers, S., & Johnston, R. (2002). Administração da produção (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Spahn, S. (2013). Cross-channel free-riding consumer behavior in a multichannel environment: An investigation of shopping motives, sociodemographics and product categories. Journal of Retailing and Consumer Services, 20(6), 570-578.

Stigler, G. J. (1971). The Theory of Economic Regulation. The Bell Journal of Economics and Management Science, 2(1), 3-21.

Stigler, G. J. (1974). Free Riders and Collective Action: An Appendix to Theories of Economic Regulation. The Bell Journal of Economics and Management Science, 5(2), 359-365.

Stroebe, W. & Frey, B. S. (1982). Self-interest and collective action: The economics and psychology of public goods. British Journal of Social Psychology, 21, 121-137.

Tullock, G., Seldon, A., & Gordon, L. B. (2002). Government failure: a primer in public choice. Catho Institute, Washigton D. C.

Van Baal, S. & Dach, C. (2005). Free-riding and customer retention across retailer’s channels. Journal of Interactive Marketing, 19, 75-85.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n52.2670

Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional