Influência da propriedade familiar na estrutura e custo de capital das empresas brasileiras

Roberto Wildner, Ieda Margarete Oro, David Rodrigo Petry

Resumo


Este estudo mensura a influência da propriedade na estrutura de capital das empresas familiares, comparando com as empresas não familiares, listadas na B3. As relações existentes entre estas variáveis são alvo de discussões e não há na literatura um consenso quanto à influência exercida pela gestão familiar na estrutura de capital. Para tanto, este estudo caracteriza-se como descritivo com abordagem quantitativa. Os dados foram resgatados da base de dados Economatica e a amostra consistiu de 269 empresas entre as familiares e não familiares. A revisão de literatura gerou 6 hipóteses que observaram as dimensões de propriedade, endividamento e custo de capital. Os dados foram tratados e analisados com auxílio do software SPSS, mediante estatística descritiva, correlação e regressão linear. Os resultados demonstram que o Endividamento a Longo Prazo e o Endividamento Total apresentaram coeficientes negativos, o que denota uma relação inversamente proporcional entre eles e a gestão familiar. Na regressão, os resutados apontam que as dimensões de propriedade na gestão familiar e a concentração acionária influenciam significativamente no endividamento das empresas. Denota-se uma tendência de que essa influência em empresas familiares torna-se mais significativa quando avaliada em aspectos de longo prazo. Mesmo com essa característica, empresas familiares tendem a apresentar-se menos endividadas se comparadas às demais. O controle acionário nelas não se mostrou significante nas análises propostas. E a relação entre gestão familiar, concentração acionária e controle acionário com o custo de capital não demonstrou significância, divergindo de outros estudos que evidenciaram significativas influências nessas relações. Ao final são apresentadas limitações e sugestões para novas investigações.

Palavras-chave


Propriedade Familiar; Estrutura de Capital; Custo de Capital; Endividamento.

Texto completo:

PDF PDF (English) EPUB

Referências


Adams, R., Almeida, H. A., & Ferreira, D. (2009). Understanding the relationship between founder-CEOs and firmperformance. Journal of Empirical Finance, 16, 136-150.

Anderson, R. C., Mansi, S. A., & Reeb, D. M. (2003). Founding family ownership and the agency cost of debt. Journal of Financial Economics, 68, 263-285.

Anderson, R. C., & Reeb, D. M. (2003). Founding-Family Ownership, Corporate diversification, and firm leverage. Journal of Law and Economics, 46, 653-684.

Aronoff, C. E., McClure, S. L., & Ward, J. L. (2011). Family business succession: the final test for greatness. Marietta: Family Enterprise.

Assaf, A., Nt. (2012). Finanças corporativas e valor. São Paulo: Atlas.

Bastos, D. D., & Nakamura, W. T. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas no Brasil, México e Chile no período 2001-2006. Revista Contabilidade & Finanças, 20(50), 75-94.

Bernhoeft, R. (2004, janeiro 29). Evolução na empresa familiar. Gazeta Mercantil, São Paulo.

Bethlem, A. (2004). Estratégia empresarial: conceitos, processos e administração estratégica (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Carvalhal da Silva, A. L. (2006). Governança corporativa e sucesso empresarial: melhores práticas para aumentar o valor da firma. São Paulo: Saraiva.

Charbel, S., Elie, B., & Georges, S. (2013). Impact of family involvement in ownership management and direction on financial performance of the Lebanese firms. International Strategic Management Review, 1(1), 30-41.

Claessens, S., Djankov, S., & Lang, L. H. P. (2000). The separation of ownership and control in East Asian corporations. Journal of Financial Economics, 58(1-2), 81-112.

Claessens, S., Djankov, S., Fan, J. P. H., & Lang, L. H. P. (2002). Disentangling the incentive and entrenchment effects of large shareholdings. Journal of Finance, 57, 2741-2771.

Correa, C. A., Basso, L. F. C., & Nakamura, W. T. (2013). Estrutura de Capital das Maiores Empresas Brasileiras: Análise Empírica das Teorias de Pecking Order e Tradeoff, Usando Panel Data. Revista de Administração Mackenzie, 14(4), 106-133.

Correia, T. S., Costa, I. L. S., & Lucena, W. G. L. (2017). O Impacto da Governança corporativa: Conselho de Administração, Estrutura de Propriedade e Controle e as Informações Socioambientais nas Companhias Abertas. Teoria e Prática em Administração, 7(2), 156-182.

Crisóstomo, V. L., & Pinheiro, B. G. (2015). Estrutura de Capital e concentração de propriedade da empresa brasileira. Revista de Finanças Aplicadas, 4, 1-30.

Dal Vesco, D. G., & Beuren, I. M. (2015). Influência da estrutura de propriedade e dos interlocking entre proprietários no desempenho das empresas. Revista Contabilidade Vista e Revista, 26(3), 49-79.

Dyer, G. W. (1988). Culture and continuity in the Family firms. Family Bussiness Review, 1(1), 37-50.

Erbetta, F., Menozzi, A., Corbetta, G., & Fraquelli, G. (2013). Assessing family firm performance using frontier analysis techniques: Evidence from Italian manufacturing industries. Journal of Family Business Strategy, 4(2), 106-117.

Faccio, M., & Lang, L. (2002). The Ultimate Ownership of Western European Corporations. Journal of Financial Economics, 65(3), 365-395.

Fonseca, C. V. C., & Silveira, R. L. F. (2016). Governança corporativa e custo de capital de terceiros: evidências entre empresas brasileiras de capital aberto. Revista Eletrônica de Administração, 83(1), 106-133.

Gao, N., & Jain, B. A. (2011). Founder CEO management and the long-run investment performance of IPO firms. Journal of Banking & Finance, 35, 1669-1682.

Gitman, L. J., & Madura, J. (2003). Administração financeira: uma abordagem gerencial (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

González, M., Guzmán, A., Pombo, C., & Trujillo, M.-A. (2013). Family firms and debt: Risk aversion versus risk of losing control. Journal of Business Research, 6.

Guerrero, L. M. O., & Barrios, M. A. (2013). Gerencia de las empresas familiares y no familiares: análisis comparativo. Estudios Gerenciales, 29, 293-302.

Hair, J. F., Jr., William, B., Babin, B., & Anderson, R. (2009). Análise multivariada de dados (6a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hautz, J., Mayer, M. C. J., & Stadler, C. (2013). Ownership identify and concetration: A study of their joint impacto n corporate diversification. British Journal of Management, 24, 102-126.

Hsu, H-H., Lin, C-H., & Tsao, S-M. (2018). Founding family and auditor choice: evidence from Taiwan. Corp Govern Int Rev, 26, 118-142.

Kayo, E. K., Brunaldi, E. O., & Aldrighi, D. M. (2018). Capital Structure Adjustment in Brazilian Family Firms, Revista de Administração Contemporânea, 22(1), 92-114.

La Porta, R., Lopez-De-Silanes, F., & Shleifer, A. (1999). Corporate owernship around the world. Journal of Finance, 54(2), 471-517.

Lanzarin, J. (2017). Influência da estrutura de propriedade e da gestão familiar no custo de financiamento da dívida de companhias abertas. Dissertação de Mestrado, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Chapecó, Santa Catarina, Brasil.

López-Gracia, J., & Sánchez-Andújar, S. (2007). Financial Structure of the Family Business: Evidence From a Group of Small Spanish Firms. Family Business Review, 20(4), 269-287.

McConaughy, D., Matthews, C. H., & Fialko, A. S. (2001). Founding family controlled firms: performance, risk and value. Journal of Small Business Management, 39(1), 31-49.

Moura, G. D. de. (2014). Influência da estrutura de propriedade e da gestão familiar no posicionamento em fusões e aquisições. Tese de Doutorado, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, Santa Catarina, Brasil.

Moura, G. D., & Beuren, I. M. (2017). Influência da estrutura de propriedade e do gerenciamento familiar sobre o posicionamento em fusões e aquisições. Revista Faculdad de Ciencias Económicas, 25(1), 129-149.

Oro, I. M., Beuren, I. M., & Hein, N. (2009). Análise da relação entre a estrutura de capital e o lucro operacional nas diversas gerações de empresas familiares brasileiras. Revista Contabilidade Vista & Revista, 20(1), 67-94.

Oro, I. M., Beuren, I. M., & Hein, N. (2009). Análise da eficiência de empresas familiares brasileiras. Revista de Administração de Empresas Eletrônica, 8(2).

Ribeiro, F., Colauto, R. D., & Clemente, A. (2016). Determinantes da Formação de Board Interlocking no Mercado de Capitais Brasileiro. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 10(4), 398-415.

Sampaio, R. B. Q., Lima, B. C. C., Cabral, A. C. A., & Paula, A. L. B. de. (2014). A governança corporativa e o retorno das ações de empresas de controle familiar e de controle não familiar no Brasil. Revista de Gestão, 21(2), 219-234.

San Martin Reyna, J. M., & Duran-Encalada, J. A. (2012). The relationship among family business, corporate governance and firm performance: Evidence from the Mexican stock exchange. Journal of Family Business Strategy, 3(2), 106-117.

Segura, L. C., Formigoni, H., & Merofa, P. A. (2013). Um estudo sobre a influência do controle e gestão familiar no endividamento das empresas abertas brasileiras. Anais eletrônicos do Congresso Brasileiro de Custos, Uberlândia, 20.

Segura, L. C., Oliveira, C. G., Olyveira, M. G. A. S., & Souza, S. A. Uma análise do endividamento das empresas familiares brasileiras nos diversos setores da economia. Anais eletrônicos do Semead – Seminário de Administração, São Paulo, 16.

Villalonga, B., & Amit, R. (2006). How do family ownership, management and control affect firm value? Journal of Financial Economics, 80(2), 385-417.

Young, S. D., & O’ Byrne, S. F. (2003). EVA e gestão baseada em valor: guia prático para implementação. São Paulo: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220202913

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional