Um estudo de risco das cooperativas de crédito brasileiras com base no beta contábil

Igor Costa Teixeira, Vinicius Mothé Maia, Rudolph Fabiano Alves Pedroza Teixeira

Resumo


O cooperativismo de crédito é especialmente importante para diversos municípios brasileiros que não dispõem de acesso ao crédito bancário. Torna-se relevante analisar como os indicadores contábeis propostos pelo sistema PEARLS se relacionam com o risco das cooperativas, impactando diretamente o desenvolvimento de áreas carentes. O objetivo desta pesquisa foi investigar se os indicadores contábeis propostos pelo sistema PEARLS apresentam relação com o risco das cooperativas de crédito brasileiras. Caso tal hipótese seja confirmada, pode-se afirmar que as informações contábeis contidas nesses indicadores são úteis para auxiliar seus usuários na tomada de decisões. Para tanto, foi construído um modelo econométrico tendo como variável dependente o beta contábil das cooperativas (risco) explicado pelos indicadores contábeis PEARLS. Os resultados apontaram para uma relação positiva e significativa entre o risco de uma cooperativa e seus depósitos totais, sua provisão para estimativa de créditos de liquidação duvidosa (inadimplência), e suas despesas operacionais. Além disso, todas as variáveis foram relevantes para explicar o risco das cooperativas de crédito. Isso sugere que as informações contábeis presentes nos indicadores PEARLS são úteis para auxiliar seus usuários a tomarem decisões quanto à avaliação de risco dessas entidades. Essa constatação é relevante, pois a eventual insolvência das cooperativas de crédito impacta não somente os cooperados, mas também as localidades onde estão inseridas.

Palavras-chave


Cooperativismo; Cooperativa de Crédito; Beta Contábil; Risco

Texto completo:

PDF PDF (English) EPUB

Referências


Almada, S. R., Abreu, M. C. S., Cunha, L.T., Silva Filho, J. C. L. (2011). Desafios para a formação de cooperativas agrícolas na cadeia de suprimento de biodiesel no estado do Ceará. Revista Reuna, 16(4), 13-26.

Amaral Jr, J. B., & Távora Jr, J. L. (2010). Uma análise do uso de redes neurais para a avaliação do risco de crédito de empresas. Revista do BNDES, 34, 133-180.

Amorim, A. L. G. C., Lima, I. S., & Pimenta Junior, T. (2014). Informação Contábil e Beta de Mercado. Revista Universo Contábil, 10(4), 128-143.

Amorim, A. L. G. C., Lima, I. S., & Murcia, F. D. R. (2012). Análise da relação entre as informações contábeis e o risco sistemático no mercado brasileiro. Revista de Contabilidade e Finanças, 23(60), 199-211.

Antunes, G. A., & Guedes, G. R. (2006). Risco de insolvência e risco sistemático: relação teórica não verificada na Bovespa. Revista de Administração de Empresas, 46(edição especial), 58-71.

Ball, R., & Brown, P. (1969). Portfolio theory and accounting theory. Journal of Accounting Research, 7(2), 300-323.

Banco Central do Brasil (BACEN) (2019). If.Data. Recuperado em 28 agosto, 2019, de https://www3.bcb.gov.br/ifdata/

Banco Central do Brasil (BACEN) (2018). Participação das cooperativas no mercado de crédito. Estudos Especiais do Banco Central nº 14, 2018.

Beaver, W. H., Kettler, P., & Scholes, M. (1970). The association between market determined and accounting determined risk measures. The Accounting Review, 45(4), 654-681.

Beaver, W. H., & Manegold, J. (1975). The association between market-determined and accounting determined measures of systematic risk: some further evidence. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 10(2), 231-284.

Bowman, R. G. (1979). The theoretical relationship between systematic risk and financial (accounting) variables. The Journal of Finance, 34(3), 917-630.

Black, F. (1972) Capital Market Equilibrium with Restricted Borrowing. The Journal of Business, 45(3), 444-455.

Breen, W. J., & Lerner, E. M. (1973). Corporate financial strategies and market measures of risk and return. Journal of Finance, 28(2), 339-351.

Bressan, V. G. F., Braga, M. J., Bressan, A. A., & Resende Filho, M. A. (2010). Uma proposta de indicadores contábeis aplicados às cooperativas de crédito brasileiras. Revista de Contabilidade e Controladoria, 2(4), 58-80.

Bressan, V. G. F., Braga, M. J., Bressan, A. A., & Resende Filho, M. A. R. (2011). Uma aplicação do sistema PEARLS às cooperativas de crédito brasileiras. Revista de Administração, 46(3), 258-274.

Bressan, V. G. F., Lopes, A. L. M., & Menezes, M. R. (2013). Análise de eficiência das cooperativas de crédito brasileiras utilizando informações contábeis. Anais do Congresso Integrado de Contabilidade, Governador Valadares, Minas Gerais, de 24 a 25 de outubro de 2013, 1.

Bressan, V. G. F., Bressan, A. A., Oliveira, P. H. M., & Braga, M. J. (2014). Quais indicadores contábeis financeiros do sistema PEARLS são relevantes para análise de insolvência das cooperativas centrais de crédito no Brasil? Revista Contabilidade Vista & Revista, 25(1), 74-98.

Damodaram, A. (1997). Avaliação de Investimentos. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Dantas, J. A., Micheletto, M. A., Cardoso, F. A., & Freire, A. A. P. F. S. (2017). Perdas em créditos nos bancos brasileiros: modelos de perdas esperadas e de perdas incorridas e impactos da IFRS 9. Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(2), 156-175.

Dechow, P. M., Ge, W., & Schrand, C. (2010). Understanding earnings quality: a review of the proxies, their determinants and their consequences. Journal of Accounting and Economics, 50, 344-401.

Duarte, F. C. L., & Lucena, W. G. L. (2018). A qualidade da informação contábil e a precificação do retorno em excesso no mercado brasileiro de capitais. Revista Contemporânea de Contabilidade, 35(15), 161-178.

Edwards, P. J., & Bowen, P. A. (2005). Risk Management in Project Organization. University of New South, Australia: Wales Press Ltd.

Elgers, P. (1980). Accounting based risk predictions: a re-examination. The Accounting Review, 55(3), 389-408.

Fagundes, J.A, Lirio, L.A.C, Ciupak, C & Lavarda, C.E.F (2008). Análise das demonstrações contábeis: Reflexos da conjuntura econômico-social no patrimônio de uma cooperativa de crédito – Sicredi Ouro Verde. ConTexto, 8(13).

Fávero, L. P. (2015). Análise de dados: modelos de regressão com Excel, Stata e SPSS. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Fernandes, A. L. M., Galdi, F. C., Teixeira, A. M. C., & Teixeira, A.C.C. (2008). Teste de aderência entre o beta contábil e o beta de mercado: uma aplicação prática no mercado brasileiro. Anais do Congresso Brasileiro de Contabilidade, Gramado, Rio Grande do Sul, 18.

Ferreira, M. A. M., Gonçalves, R. M. L., & Braga, M. J. (2007). Investigação do desempenho das cooperativas de crédito de Minas Gerais por meio da análise envoltória de dados (DEA). Economia Aplicada, 11(3), 1-14.

Gonçalves, W. D. B., & Lemes, S. (2018). A Relação dos Gastos com P&D com a Qualidade da Informação Contábil. Contabilidade Vista & Revista, 29(2), 68-95.

Gonedes, N. (1973). Evidence on the information content of accounting massages: accounting based and market-based estimate of systematic risk. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 8(3), 407-444.

Gozer, I. C., Gimenes, R. M.T., Menezes, E. A., Albuquerque, A. R. P. L., & Isotani, S. (2014). Avaliação de insolvência em cooperativas de crédito: uma aplicação de redes neurais artificiais e do sistema PEARLS. Informe GEPEC, 18(1), 6-30.

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria básica (5a ed., p. 924). Rio de Janeiro, RJ: AMGH.

Jacques, E. R., & Gonçalves, F.O. (2016). Cooperativas de crédito no Brasil: evolução e impacto sobre a renda dos municípios brasileiros. Economia e Sociedade, 25(2), 489-509.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1993). Putting the balanced scorecard to work. Harvard Business Review, 71(5), 134-142.

Lei n° 5.764 de 16 de dezembro de 1971 (1971). Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas. Recuperado em 04 março, 2019, de https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109412/lei-5764-71

Lima, S. V., Ilha, H. F., & Galdi, F. C. Construção empírica e análise teórica do beta contábil: uma investigação no mercado acionário brasileiro sob a ótica de diferentes pressupostos econométricos. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, USP, São Paulo, SP, Brasil, 2009.

Lintner, J. (1965). The valuation of risk assets and the selection of risky investments in stock portfolios and capital budgets. The Review of Economics and Statistics, 47(1), 13-37.

Lev, B., & Kunitzky, S. (1974). On the association between smoothing measures and the risk of common stocks. The Accounting Review, 49(2), 259-270.

Markowitz, H. M. (1952). Portfolio selection. Journal of Finance, 7(1), 77-91.

Markowitz, H. M. (1959). Portfolio selection: efficient diversification of investment. New York: John Wiley & Sons.

Mossin, J. (1966). Equilibrium in a Capital Asset Market, Econometrica, 34(4), 768-783.

Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) (2019). O que é cooperativismo? Recuperado em 04 março, 2019, de https://www.ocb.org.br/o-que-e-cooperativismo

Pagnussatt, A. (2004). Guia do cooperativismo de crédito. Porto Alegre: Sagra Luzzatto.

Paulo, E. (2007). Manipulação das informações contábeis: uma análise teórica e empírica sobre os modelos operacionais de detecção de gerenciamento de resultados. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Departamento de Contabilidade e Atuária, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Portal do Cooperativismo Financeiro. Dados consolidados dos Sistemas Cooperativos. Recuperado em 26 janeiro, 2019, de https://cooperativismodecredito.coop.br/cenario-mundial/cenario-brasileiro/dados-consolidados-dos-sistemas-cooperativos/

Rodrigues, R. N., Silva, F. D. C., Libonati, J. J., & Pereira, D. M. V. G. (2008). Beta contábil versus beta CAPM: uma investigação empírica no mercado financeiro brasileiro. Revista de Contabilidade da UFBA, 2(1), 40-51.

Resolução CMN 2.099 de 1994. Recuperado em 31 maio, 2020, de http://www.bcb.gov.br

Santos, D. C. D., Guimarães, G. O. M., & Macedo, M. A. S. (2019). Gerenciamento Tributário e Qualidade da Informação Contábil: Análise do Impacto da Agressividade Tributária na Capacidade Informacional do Lucro para o Mercado Brasileiro de Capitais. Pensar Contábil, 21(74), 3-10.

Securato, J. R. (1993). Decisões financeiras em condições de risco. São Paulo: Atlas.

Sehn, C. F. & Carlini Junior, R. J. (2007). Inadimplência no sistema financeiro de habitação: um estudo junto à Caixa Econômica Federal. Revista de Administração Mackenzie, 8(2), 59-84.

Sharp, W. F. (1964). Capital asset prices: a theory of market equilibrium under conditions of risk. Jornal of Finance, 19(3), 425-442.

Silva, N. G., Cardoso, T. A. O., Martins, L. N. N., Marena, R. C. F., & Oliveira, T. V. M. (2018). Cooperativa de crédito versus bancos: uma análise comparativa de custo e investimentos em crédito rural. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, 10(2), 103-119.

Silva, A., Padilha, E. S., & Silva, T. P. (2015). Análise da performance econômico-financeira das 25 maiores cooperativas de crédito do Brasil. Desenvolvimento em Questão, 13(32), 303-333.

Vallim, E. L., Macedo, M. A. S., & Kolozsvari, A. C. (2019). Qualidade da Informação Contábil: o Impacto das Diferenças Temporais do Alongamento dos 'Accruals' em sua Capacidade Preditiva. Pensar Contábil, 21(76), 3-9.

Vasconcelos, R.W.B. (2006). Identificação de indicadores econômico-financeiros para análise de cooperativas de crédito, singulares ou centrais. Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação (DESIG), Banco Central do Brasil. Belo Horizonte: BCB, 2006. Não publicado.

Watts, R. L., & Zimmerman, J. L. (1986). Positive accounting theory. Englewood Cliffs: Prentice Hall.

World Council of Credit Unions (WOCCU) (2019). Pearls Monitoring System. Recuperado em 09 fevereiro, 2019, de https://www.woccu.org/documents/pearls_monograph




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220203025

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional