Investigação da presença de elementos da avaliação de desempenho na geração de aprendizagem organizacional: um estudo de caso

Sandra Mara Iesbik Valmorbida, Sandra Rolim Ensslin

Resumo


Esta pesquisa investigou a presença dos elementos da Avaliação de Desempenho (AD) na geração de Aprendizagem Organizacional, pela percepção dos envolvidos no processo. Trata-se de um estudo de caso, com entrevistas de três pessoas diretamente envolvidas com o desenho, implementação, uso e retroalimentação do sistema. As entrevistas semiestruturadas foram orientadas pela literatura de base que aponta a presença dos elementos. Analisando as falas dos entrevistados, verifica-se que o sistema de AD foi construído num ciclo contínuo de reflexão, visto que as experiências de planejamento estratégico anteriores não prosperaram. Pela percepção dos entrevistados o sistema possibilitou à organização se dar conta da realidade, detectar e corrigir problemas existentes e, antes, não conhecidos. Assim, pode-se pensar em ações de melhorias. Ademais, ficou evidente que a comunicação permeou todo o processo de AD, pois explicitou o que se desejava com a construção de métricas e direcionou o estabelecimento de metas. Estas, fomentaram a utilização das informações para gestão e garantiram feedback oportuno, permitindo a comparação dos resultados obtidos com aqueles esperados, definidos pelas metas colocadas. Esse feedback proporcionou a participação de todos os envolvidos, fazendo com que a organização pudesse verificar o alcance dos seus objetivos estratégicos, periodicamente retroalimentar o sistema, revisando sua estratégia, e rever suas crenças, comportamentos e ações, tornando a organização mais preparada para as mudanças ambientais. Por fim, pode-se concluir que a aprendizagem é percebida pelos gestores quando conseguem evidenciar o que a organização desejava atingir, refletir sobre a adequação dos objetivos perseguidos e demonstrar que a colaboração se dá em aperfeiçoar rotinas já desenvolvidas na organização. Também quando conseguem identificar o que é importante mensurar, parametrizar as metas, com esses dados, e instrumentalizar o feedback, de forma que possibilite analisar os resultados, comparando-os com as metas estabelecidas. E sobretudo, quando é possível confiar nas informações para balizar decisões.

Palavras-chave


Avaliação de desempenho; Aprendizagem organizacional; Elementos geradores de aprendizagem

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Alvesson, M. (2003). Beyond neopositivists, romantics, and localists: A reflexive approach to interviews in organizational research. Academy of management review, 28(1), 13-33.

Amaratunga, D., & Baldry, D. (2002). Moving from performance measurement to performance management. Facilities, 20(5/6), 217-223.

Amaratunga, D., Baldry, D., & Sarshar, M. (2000). Assessment of facilities management performance – what next? Facilities, 18(1/2),66-75.

Argote, L. (2011). Organizational learning research: Past, present and future. Management Learning, 42(4), 439-446.

Argyris, C. (1977a). Double Looping Learning in organizations. Harvard Business Review, (Sept./Oct.), 115-125.

Argyris, C. (1977b). Organizational learning and management information systems. Accounting, Organizations and Society, 2(2), 113-123.

Batac, J., & Carassus, D. (2009). Interactions between control and organizational learning in the case of a municipality: A comparative study with Kloot (1997). Management Accounting Research, 20(2), 102-116.

Bido, D. S., Godoy, A. S., Araujo, B. F. V. B. de, & Louback, J. C. (2010). Articulação entre as aprendizagens individual, grupal e organizacional: um estudo no ambiente industrial. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 11(2), 68-95.

Bititci, U. S., Garengo, P., Ates, A., & Nudurupati, S. S. (2015). Value of maturity models in performance measurement. International Journal of Production Research, 53(10), 3062-3085.

Brudan, A. (2010). Rediscovering performance management: Systems, learning and integration. Measuring Business Excellence, 14(1), 109-123.

Buckmaster, N. (1999). Associations between outcome measurement, accountability and learning for non-profit organizations. International Journal of Public Sector Management, 12(2), 186-197.

Canonico, P., De Nito, E., Esposito, V., Martinez, M., Mercurio, L., & Iacono, M. P. (2015). The boundaries of a performance management system between learning and control. Measuring Business Excellence, 19(3), 7-21.

Coad, A. (1996). Smart work and hard work: explicating a learning orientation in strategic management accounting. Management Accounting Research, 7(4), 387-408.

Cucchi, M. B., & Barcellos, P. F. P. (2018). O Papel da Liderança no Processo de Mudança e Aprendizagem Organizacional: Estudo Multicaso nas Empresas Duradouras do Setor Metalmecânico de Marau, RS, Brasil. Pensamento & Realidade, 33(4), 97-122.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2006). O Planejamento da Pesquisa Qualitativa: Teorias e Abordagens (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Kloot, L. (1997). Organizational learning and management control systems: responding to environmental change. Management Accounting Research, 8(1), 47-73.

Leitch, C., Harrison, R., Burgoyne, J. G., & Blantern, C. (1996). Learning organizations: the measurement of company performance. Journal of European Industrial Training, 20(1), 31-44.

Lukka, K., & Modell, S. (2010). Validation in interpretive management accounting research. Accounting, Organizations and Society, 35(2010), 462-477.

Moynihan, D. P. (2005). Goal-based learning and the future of performance management. Public Administration Review, 65(2), 203-216.

Oliver, J. (2009). Continuous improvement: Role of organizational learning mechanisms. International Journal of Quality and Reliability Management, 26(6), 546-563.

Oyadomari, J. C. T, Pedrique, A. L., Bido, D. S., & Rezende, A. J. (2014). Uso do controle gerencial e decisões em organizações de saúde brasileiras: um estudo exploratorio. Brazilian Business Review, 11(2), 1-34.

Pekkola, S., Hildén, S., & Rämö, J. (2015). A maturity model for evaluating an organization’s reflective practices. Measuring Business Excellence, 19(4), 17-29.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F. & Lucio, M. D. P. B. (2013). Metodologia da Pesquisa 5. ed. Porto Alegre: Penso Editora, 2013. 624 p.

Senge, P. M., & Sterman, J. D. (1992). Systems thinking and organizational learning: Acting locally and thinking globally in the organization of the future. European Journal of Operational Research, 59(1), 137-150.

Shurafa, R., & Mohamed, R. B. (2016). Management control system, organizational learning, and firm's performance: An empirical study from developing economy. International Journal of Advanced and Applied Sciences, 3(10), 79-88.

Simons, R. (1990). The role of management control systems in creating competitive advantage: New perspectives. Accounting, Organizations and Society, 15(1), 127-143.

Twining, P., Heller, R. S., Nussbaum, M., & Tsai, C. C. (2016). Some guidance on conducting and reporting qualitative studies. Computers & Education, 106, 1-9.

Valmorbida, S. M. I., & Ensslin, L. (2016). Construção de Conhecimento sobre Avaliação de Desempenho para Gestão Organizacional: uma Investigação nas Pesquisas Científicas Internacionais. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(28), 123-148.

Vergara, S. C. (2009). Métodos de coleta de dados no campo. São Paulo: Atlas.

Wouters, M. (2009). A developmental approach to performance measures - Results from a longitudinal case study. European Management Journal, 27(1), 64-78.

Yeo, R. (2002). From individual to team learning: practical perspectives on the learning organisation. Team Performance Management: An International Journal, 8(7/8), 157-170.

Yeo, R. (2003a). Linking organisational learning to organisational performance and success: Singapore case studies. Leadership & Organization Development Journal, 24(2), 70-83.

Yeo, R. (2003b). The tangibles and intangibles of organisational performance. Team Performance Management: An International Journal, 9, 199-204.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos (5a ed.) Porto Alegre: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220203047

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional