Abordagens de avaliação de ativos intangíveis: uma revisão da literatura

Autores

  • Stephanie Kalynka Rocha Silveira Universidade Federal de Santa Catarina
  • Darci Schnorrenberger Universidade Federal de Santa Catarina
  • Valdirene Gasparetto Universidade Federal de Santa Catarina
  • Rogério João Lunkes Lunkes

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n47p9-25

Palavras-chave:

Ativos Intangíveis, Abordagens de avaliação, Categorias, Enquadramento.

Resumo

O objetivo deste estudo consiste em analisar as abordagens de avaliação de ativos intangíveis apresentadas na literatura nacional e internacional. Para tanto, fez-se uso de uma base filosófica construtivista e do Knowledge Development Process - Constructivist (ProKnow-C) como instrumento de intervenção para revisão da literatura. No levantamento realizado nas bases: (i) EBSCO; (ii) ProQuest; (iii) Scopus; (iv) Science Direct e (v) Spell encontrou-se o total de 1.672 artigos utilizando as palavras: Capital Intelectual ou Ativo Intangível e Organização em seu (i) título, (ii) resumo ou (iii) palavras-chave. A partir do aprimoramento da pesquisa com os critérios (i) exclusão de artigos repetidos/ redundantes; (ii) alinhamento dos artigos ao tema quanto ao título; (iii) reconhecimento científico dos artigos; (iv) alinhamento dos artigos ao tema quanto aos resumos e (v) disponibilidade dos artigos na íntegra, chegou-se a um Portfólio Bibliográfico (PB) composto de 28 artigos. Na análise desse PB, identificou-se o total de 41 abordagens de avaliação de ativos intangíveis. Skandia Navigator foi a abordagem mais citada, totalizando 13% das citações. Constatou-se também as categorias e o enquadramento de cada abordagem, identificando-se que existem algumas lacunas de pesquisas envolvendo as abordagens de avaliação.

Biografia do Autor

Stephanie Kalynka Rocha Silveira, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda em Contabilidade pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é Coordenadora de Contabilidade na Fundação Educacional do Município de São José, Diretora Geral de Auditoria no Centro Universitário Municipal de São José e Professora no Centro Universitário Estácio Santa Catarina. Endereço: Fundação Educacional Municipal, Avenida Acioni Souza Filho | Praia Comprida | 88103790 | São José/SC | Brasil.

Darci Schnorrenberger, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Gestão de Negócios pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é professor Associado do curso de Ciências Contábeis e do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina. Endereço: Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Ciências Contábeis, Campus-Trindade-CSE/CCN, Trindade | 88040-970 | Florianópolis/SC | Brasil.

 

Valdirene Gasparetto, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora da Universidade Federal de Santa Catarina, atuando no curso de graduação e no programa de pós-graduação. Endereço: Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Ciências Contábeis, Campus-Trindade-CSE/CCN, Trindade | 88040-970 | Florianópolis/SC | Brasil.

 

Rogério João Lunkes, Lunkes

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor da Universidade Federal de Santa Catarina. Endereço: Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Ciências Contábeis, Campus-Trindade-CSE/CCN, Trindade | 88040-970 | Florianópolis/SC | Brasil.

Referências

Antunes, M. T. P. (2006). A Controladoria e o Capital Intelectual: um estudo empírico sobre sua gestão. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 17(41).

Antunes, M. T. P., & Martins, E. (2002). Capital intelectual: verdades e mitos. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 13(29).

Antunes, M. T. P., & Martins, E. (2007). Capital intelectual: seu entendimento e seus impactos no desempenho de grandes empresas brasileiras. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 4(1).

Barbosa, J. G. P., & Gomes, J. S. (2002). Um estudo exploratório do controle gerencial de ativos e recursos intangíveis em empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 6(2).

Boedker, C., Guthrie, J., & Cuganesan, S. (2005). An integrated framework for visualising intellectual capital. Journal of Intellectual Capital, 6(4), 510-527.

Carvalho, F. N. de, & Ensslin, S. R. (2006). A evidenciação voluntária do Capital Intelectual: um estudo revisionista do contexto internacional. Contabilidade Vista & Revista, 17(4).

Ensslin, S. R., Ensslin, L., Kremer, A. W., Chaves, L. C. & Borgert, A. (2014). Comportamentos dos custos: seleção de referencial teórico e análise bibliométrica. Revista de Contabilidade do Mestrado de Ciências Contábeis da UERJ. 19(3).

Francini, W. S. (2002). A gestão do conhecimento: conectando estratégia e valor para a empresa. RAE-eletrônica, 1(2).

Gallon, A. V., Souza, F. C. de, Rover, S., & Ensslin, S. R. (2008). Um estudo reflexivo da produção científica em capital intelectual. Revista de Administração Mackenzie, 9(4).

García-Meca, E., & Martínez, I. (2007). The use of intellectual capital information in investment decisions: An empirical study using analyst reports. The International Journal of Accounting, 42(1), 57-81.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Hidalgo, R. L., García-Meca, E., & Martínez, I. (2011). Corporate governance and intellectual capital disclosure. Journal of Business Ethics, 100(3), 483-495.

Jacobsen, K., Hofman-Bang, P., & Nordby Jr, R. (2005). The IC Rating™ model by Intellectual Capital Sweden. Journal of Intellectual Capital, 6(4), 570-587.

Joia, L. A. (2001). Medindo o capital intelectual. Revista de Administração de Empresas, 41(2).

Kang, H. H., & Gray, S. J. (2011). Reporting intangible assets: Voluntary disclosure practices of top emerging market companies. The international journal of accounting, 46(4), 402-423.

Kannan, G., & Aulbur, W. G. (2004). Intellectual capital: Measurement effectiveness. Journal of Intellectual Capital, 5(3), 389-413.

Kayo, E. K., Kimura, H., Basso, L. F. C., & Krauter, E. (2006). Os fatores determinantes da intangibilidade. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, 7(3), 112-130.

Kim, D., & Kumar, V. (2009) A framework for prioritization of intellectual capital indicators in R&D. Journal of Intellectual Capital, 10(2), 277-293.

Leitner, K. (2005). Managing and reporting intangible assets in research technology organisations. R and D Management, 35(2).

Kumar, G. (2013). Voluntary disclosures of intangibles information by US-listed Asian companies. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, 22(2), 109-118.

Leitner, K. & Warden, C. (2004). Managing and reporting knowledge-based resources and processes in research organizations: specifics, lessons learned and perspectives. Management Accounting Research, 15(1), 33-51.

Lev, B. (2001) Intangibles: Management, measurement, and reporting. Brookings Institution Press, Washington, D.C.

Lev, B., & Daum, J. H. (2004). The dominance of intangible assets: consequences for enterprise management and corporate reporting. Measuring Business Excellence, 8(1), 6-17.

Lima, A. C., & Carmona, C. U. (2011). Determinantes da formação do Capital Intelectual nas empresas produtoras de Tecnologia da Informação e Comunicação. Revista de Administração Mackenzie, 12(1).

Macagnan, C. B. (2009). Voluntary disclosure of intangible resources and stock profitability. Intangible Capital, 5(1).

Macagnan, C. B., & Fontana, F. B. (2013). Factors explaining the level of voluntary human capital disclosure in the Brazilian capital market. Intangible Capital.

Manfred, B., & Kay, A. (2007). The German guideline for intellectual capital reporting: method and experiences. Journal of Intellectual Capital, 8(4), 563-576.

Oliveira, J. M. de, & Beuren, I. M. (2003). O tratamento contábil do capital intelectual em empresas com valor de mercado superior ao valor contábil. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 14(32).

Oliveira, L., Rodrigues, L. L., & Craig, R. (2006). Firm-specific determinants of intangibles reporting: evidence from the Portuguese stock market. Journal of Human Resource Costing & Accounting, 10(1), 11-33.

Oliveira, L., Rodrigues, L. L. & Craig, R. (2010). Intellectual capital reporting in sustainability reports. Journal of Intellectual Capital, 11(4), 575-594.

Ortiz, M. A. A. (2009). Analysis and Valuation of Intellectual Capital According to Its Contex. Journal of Intellectual Capital, 10(3), 451-482.

Pablos, P. O. de. (2003). Intellectual capital reporting in Spain: a comparative view. Journal of Intellectual Capital, 4(1).

Perez; M. M., & Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista Contabilidade & Finanças - USP, (40), 7-24.

Ramirez, Y. (2010). Intellectual capital models in Spanish public sector. Journal of Intellectual Capital, 11(2), 248-264.

Roos, G., & Roos, J. (1997). Measuring your company's intellectual performance. Long Range Planning, 30(3), 413-426.

Santos, J. L. (2002). Ativos intangíveis. ConTexto, Porto Alegre, 2(2), 1-14.

Santos, J. L., & Schmidt, P. (2003). Ativos intangíveis: análise das principais alterações introduzidas pelos FAS 141 e 142. ConTexto, Porto Alegre, 3(4), 1-18.

Seetharaman, A., Low, K. T., & Saravanan, A. S. (2004). Comparative justification on intellectual capital. Journal of Intellectual Capital, 5(4), 522-539.

Schnorrenberger, D. (2005). Identificando e avaliando os ativos intangíveis de uma organização visando seu gerenciamento: uma ilustração na área econômico-financeira. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Sveiby, K. E. (1997). The Intangible Assets Monitor. Journal of Human Resource Costing & Accounting, 2(1), 73-97.

Sveiby, K. E. (2001). Methods for Measuring Intangible Assets. Recuperado em 01 de julho, 2016, de http://www.sveiby.com/articles/IntangibleMethods.htm.

Teh, C. C., Kayo, E. K., & Kimura, H. (2008). Marcas, patentes e criação de valor. Revista de Administração Mackenzie, 9(1).

Usoff, C. A., Thibodeau, J. C., & Burnaby, P. (2002). The importance of intellectual capital and its effect on performance measurement systems. Managerial Auditing Journal, 17(½), 9-15.

Vergauwen, P. G., & Van Alem, F. JC. (2005). Annual report IC disclosures in the Netherlands, France and Germany. Journal of Intellectual Capital, 6(1), 89-104.

Wernke, R., & Bornia, A. C. (2003). Estudo de caso aplicando modelo para identificação de potenciais geradores de intangíveis. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, 14(33), 45-64.

Zéghal, D., & Maaloul, A. (2011). The accounting treatment of intangibles – A critical review of the literature. Accounting Forum, 35(4), 262-274.

Publicado

28/04/2017

Como Citar

Silveira, S. K. R., Schnorrenberger, D., Gasparetto, V., & Lunkes, R. J. (2017). Abordagens de avaliação de ativos intangíveis: uma revisão da literatura. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 16(47). https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n47p9-25

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)