Nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative (GRI)

Autores

  • Daniela Di Domenico Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ)
  • Lidiane Tormem Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ)
  • Sady Mazzioni Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ)

DOI:

https://doi.org/10.16930/rccc.v16n49.2401

Palavras-chave:

Responsabilidade socioambiental, Relatórios de sustentabilidade, GRI.

Resumo

O objetivo do artigo é analisar o nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative (GRI) nas empresas listadas na BM&FBovespa. Nesse sentido, realizou-se pesquisa descritiva com procedimentos de coleta documental e abordagem quantitativa. A amostra analisada ficou composta por 93 empresas listadas na BM&FBovespa, que divulgaram o relatório de sustentabilidade no ano de 2014 em conformidade com o modelo GRI. Os resultados mostram que à medida em que há maior complexidade nas informações, que compreendem os grupos de indicadores apresentados nos relatórios de sustentabilidade, reduz o nível de evidenciação pelas empresas. Com relação ao nível de evidenciação, percebe-se que o maior grupo de empresas se concentra com baixa evidenciação. Representa cerca de 30% das empresas analisadas, atendendo até 50 itens dos 150 que o relatório propõe. Quanto ao setor econômico, utilidade pública apresentou maior nível de evidenciação nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o modelo GRI. Conclui-se que, embora tenha havido aumento na divulgação dos relatórios de sustentabilidade, as empresas ainda carecem de adaptação para atender aos indicadores do GRI, melhorando a qualidade dos relatórios divulgados e elevando a transparência aos diversos públicos de interesse.

Biografia do Autor

Daniela Di Domenico, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ)

Mestra em Ciências Contábeis pela FURB. Professora no Curso de Ciências Contábeis da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Endereço: Avenida Senador Attílio Fontana, 591 E, Bloco R, EFAPI | 89809000 | Chapecó/SC | Brasil.

Lidiane Tormem, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ)

Bacharela em Ciências Contábeis pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Endereço: Avenida Senador Attílio Fontana, 591 E, Bloco R, EFAPI | 89809000 | Chapecó/SC | Brasil.

Sady Mazzioni, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ)

Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela FURB. Professor no Mestrado em Ciências Contábeis e Administração da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Endereço: Avenida Senador Attílio Fontana, 591 E, Bloco R, EFAPI | 89809000 | Chapecó/SC | Brasil.

Referências

Bauer, M. M., & Naime, R. (2012). Estado da arte da evidenciação social e ambiental voluntária. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 2(2), 39-60.

Beuren, I. M., Di Domenico, D., & Cordeiro, A. (2013). Análise dos indicadores do Environmental Management Accounting evidenciados no Global Reporting Initiative. Revista Gestão Organizacional, 6(2), 21-35.

Beuren, I. M., Nascimento, S., & Rocha, I. (2013). Nível de evidenciação ambiental e desempenho econômico de empresas: aplicando a análise envoltória de dados. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 5(1),198-226.

Boff, M. L., & Beuren, I. M. (2012). Termos ambientais e sociais nos relatórios da administração. Pretexto, 13(2), 9-27.

Borges, A. P., Rosa, F. S., & Ensslin, S. R. (2010). Evidenciação voluntária das práticas ambientais: um estudo nas grandes empresas brasileiras de papel e celulose. Produção, 20(3), 404-417.

Carneiro, J. E., De Luca, M. M. M., & Oliveira, M. C. (2008). Análise das Informações Ambientais Evidenciadas nas Demonstrações Financeiras das Empresas Petroquímicas Brasileiras listadas na Bovespa. Revista Contabilidade Vista e Revista, 19(3), 39-67.

Carreira, F. A., & Palma, C. M. (2012). Análise comparativa dos relatórios de sustentabilidade das empresas brasileiras, espanholas, portuguesas e Andorra. Revista Universo Contábil, 8(4),140-166.

Cavalcanti, G. H., Almeida, K. K. N., Almeida, S. R., & Limeira, M. P. (2009). Divulgação de informações contábeis ambientais das empresas brasileira do setor de utilidade pública: um estudo sobre o grau de aderência as normas brasileiras de contabilidade. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, 4(2), 104-118.

Cong, Y., & Freedman, M. (2011). Corporate governance and environmental performance and disclosure. Advances in Accounting, incorporating Advances in International Accounting, 27(1), 223–232.

Di Domenico, D., Dal Magro, C. B., Mazzioni, S., Preis, M. B., & Klann, R. C. (2016). Determinantes do nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 4(2), 4-30.

Di Domenico, D., & Lavarda, C. E. F. (2013). Características das empresas de capital aberto e os indicadores da contabilidade de gestão ambiental (CGA). Anais do Congresso Brasileiro De Custos, Uberlândia, MG, Brasil, 10.

Di Domenico, D., Mazzioni, S., Gubiani, C. A., Kronbauer, N. B., & Vilani, L. (2015). Práticas de responsabilidade socioambiental nas empresas de capital aberto de Santa Catarina listadas na BM&FBovespa. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 14(42), 70-84.

Freitas, D. P. S., & Oleiro W. N. (2011). Contabilidade ambiental: a evidenciação nas demonstrações financeiras das empresas listadas na BM&F Bovespa. REUNIR – Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 1(2), 65-81.

Gallon, A. V., Beuren, I. M., & Hein, N. (2007). Análise da Relação entre Evidenciação nos Relatórios da Administração e o nível de Governança das Empresas na BOVESPA. Revista de Informação Contábil, 1(2), 18-41.

Global Reporting Initiative. (2015). Padrões de Relatórios de Sustentabilidade. Recuperado em 15 outubro, 2015, de http://www.globalreporting.org

Global Reporting Initiative. (2016). Padrões de Relatórios de Sustentabilidade. Recuperado em 09 abril, 2016, de http://www.globalreporting.org

Gonçalves, R. S., Weffort, E. F. J., Peleias, I. R., & Gonçalves, A. O. (2008). Social Evidenciação das empresas brasileiras listadas na NYSE e na BOVESPA: sua relação com os níveis de governança corporativa. Revista Contemporânea de Contabilidade, 1(9), 71-94.

Guimarães, D. A., Rech, I. J., Cunha, M. F., & Pereira, I. V. (2014). Análise do nível de evidenciação de informações ambientais apresentado pelas empresas abertas que exploram atividades agropecuárias. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 2(3), 6-23.

Holanda, A. P., Cardoso, V. I. C., Oliveira, J. D., & Luca, M. M. M. (2012). Investimentos em responsabilidade social: análise comparativa das empresas concessionárias de serviços públicos e não concessionárias listadas no ISE, da BM&FBovespa. Pensar contábil, 14(53), 26-34.

Lima, K. P. S., Cunha, D. R., Morreira, F. G. L., & Porte, M. S. (2012). Contabilidade ambiental: um estudo sobre a evidenciação das informações ambientais nas demonstrações contábeis das grandes empresas brasileiras. Revista Eletrônica de Administração, 11(1), 1-14.

Martins, A. S. R., Quintana, A. C., Jacques, F. V. S., & Machado, D. P. (2013). O balanço social como instrumento para a sociedade: um estudo na Universidade Federal do Rio Grande. Revista Contemporânea de Contabilidade, 10(19), 49-70.

Mazzioni, S., Di Domenico, D., & Zanin, A. A evidenciação da prática corporativa de ações de responsabilidade social com o uso do balanço social. (2010). Revista Catarinense da Ciência Contábil, 9(27), 43-59.

Medeiros, A. F., Souza, E. F., Franzin, S. F. L., Almeida, F. M., & Souza, C. H. M. (2013). Desenvolvimento e Sustentabilidade Ambiental: análise das diretrizes da política nacional de desenvolvimento regional. Linkania, 1(8), 37-57.

Miranda, W. B., & Malaquias, R. F. (2013). Análise do nível de evidenciação ambiental de empresas brasileiras que negociam ADRS na bolsa de valores de Nova Iorque (NYSE). Revista Ambiente Contábil, 5(1), 93-111.

Nobre, F. S., & Ribeiro, R. E. M. (2013). Cognição e sustentabilidade: estudos de casos múltiplos no Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBovespa. RAC - Revista de Administração Contemporânea, 17(4), 499-517.

Nogueira, E. P.L., & Faria, A. C. (2012). Sustentabilidade nos principais bancos brasileiros: uma análise sob a ótica da Global Reporting Initiative. Revista Universo Contábil, 8(4), 119-139.

Pereira, G.; Carvalho, F. N., & Parente, E. G. V. (2011). Desempenho econômico e evidenciação ambiental: análise das empresas que receberam o Prêmio Rumo à Credibilidade 2010. Revista Catarinense de Ciência Contábil, 10(30), 9-26.

Pereira, N. S. P., Pereira, C. A., Monteiro, R. P., & Paixão, J. M., Filho. (2015). Relatórios de sustentabilidade: ferramenta de interface no desempenho social, econômico e ambiental das organizações. Revista de Auditoria Governança e Contabilidade - RAGC, 3(5), 55-70.

Rodrigues, J. J. M., & Duarte, M. M. R. F. R. (2011). Relato das responsabilidades social, ambiente e competitividade: enquadramento teórico. Revista Universo Contábil, 7(4), 138-155.

Rosa, F. S., Ensslin, S. R., Ensslin, L., & Lunkes, R. J. (2011). Gestão da evidenciação ambiental: um estudo sobre as potencialidades e oportunidades do tema. Engenharia Sanitária e Ambiental, 26(1), 157-166.

Santos, A. P. T. (2014). A Sustentabilidade Ambiental dentro das organizações. RevInter - Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, 7(3), 69-100.

Santos, M. S., Silva, T. L., & Lorandi, J. A. (2014). Evidenciação ambiental – análise da aderência ao relatório de responsabilidade socioambiental da ANEEL pelas companhias do setor elétrico listadas na BM&FBovespa. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 2(2) 126-147.

Sartori, S., Ensslin, L., Campo, L. M. S., & Ensslin, S. R. (2014). Mapeamento do estado da arte do tema sustentabilidade ambiental direcionado para a tecnologia de informação. TransInformação, 26(1), 77-89.

Scarpin, M. R. S., Walter, S. A., Mondini, V. E. D., & Roncon, A. (2013). Sustentabilidade empresarial: análise de caso à luz da teoria da estratégia como pratica. Revista de Gestão Social e Ambiental, 7(2), 87-100.

Siche, R., Agostinho, F., Ortega, E., & Romeiro, A. (2007). Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente & Sociedade, 10(2), 137-148.

Silva, T. L., Vicente, E. F. R., Pfitscher, E. D., & Rosa, F. S. (2013). Environmental Disclosure – informações sobre resíduos sólidos divulgadas pelas empresas potencialmente poluidoras listadas na BM&FBOVESPA. Revista Ambiente Contábil, 5(2), 229-249.

Tomé, I. M., & Bresciani, L. P. (2015). Explicitação e análise de modelos de sustentabilidade de empresas de gestão ambiental baseados em MORPH. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 5(1), 21-38.

Publicado

11/12/2017

Como Citar

Di Domenico, D., Tormem, L., & Mazzioni, S. (2017). Nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative (GRI). Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 16(49). https://doi.org/10.16930/rccc.v16n49.2401

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>