Antecipação de recebíveis nos bancos vrs factorings: uma análise das diferenças entre as taxas cobradas e suas possíveis causas

Autores

  • Tatieli Borges Machado Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
  • Alex Mussoi Ribeiro Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n51.2554

Palavras-chave:

Bancos, Factoring, Fator ANFAC, D-Cohen.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar a diferença entre as taxas médias utilizadas por bancos comerciais e empresas de fomento (factoring) na negociação de recebíveis das empresas no cenário brasileiro. As variáveis analisadas foram as taxas efetivas médias aplicadas pelas instituições financeiras e pelas companhias de fomento na compra de duplicatas e cheques, entre os anos de 2012 e 2016. Os testes estatísticos utilizados foram o de médias paramétrico para amostras independentes, a estatística D-Cohen e a análise de correlação. Os dados utilizados da pesquisa foram obtidos no site do Banco Central do Brasil (BACEN) e da Associação Nacional de Fomento Comercial (ANFAC). Os resultados evidenciam uma diferença de 1,35% a maior no fator ANFAC em relação às taxas médias cobradas pelos bancos. A estatística D-Cohen comprova que tal diferença é significativa e relevante. Com base na correlação foi possível inferir que uma possível causa para tal diferença reside nos métodos adotados entre os modelos de análise do risco de crédito utilizados em tais entidades e o ambiente menos burocrático e mais flexível em que as factorings atuam. As contribuições obtidas com esta pesquisa permitem direcionar os usuários que buscam a antecipação de recebíveis como modalidade de crédito e diminuem um pouco a carência de estudos relacionados com as agências de fomento no Brasil, principalmente dentro de uma perspectiva empírica.

Biografia do Autor

Tatieli Borges Machado, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pós-Graduanda em Auditoria Contábil e Controladoria pelo Instituto de Consultoria Empresarial e Pós Graduação (ICEP). Endereço: Rua Manoel Rosa, 116 | Areias | São José/SC | Brasil.

Alex Mussoi Ribeiro, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP). Professor Adjunto e Pesquisador da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Endereço: Campus Reitor João David Ferreira Lima CCN/CSE, 115 | Trindade | Florianópolis/SC | Brasil.

Referências

Anjos, L.C.M., Miranda, L.C., Silva, D.J.C.,& Freitas, A.R.F. (2012). Uso da Contabilidade para Obtenção de Financiamento pelas Micro e Pequenas Empresas: Um Estudo a Partir da Percepção dos Gestores. Revista Universo Contábil, 8(1), 86-104. DOI: https://doi.org/10.4270/ruc.2012106

Araújo, V.S. & Machado, M.A.V. (2007). Gestão do Capital de Giro de Pequenas Empresas. Rev. Cent. Admin. 13(1), 48-61.

Associação Nacional de Fomento Comercial (ANFAC). (2017). Recuperado em 7 fevereiro, 2017, dehttp://www.anfac.com.br/v3/

Banco Central do Brasil (BACEN)(2017). Recuperado em 7 fevereiro, 2017, de http://www.bcb.gov.br/pt-br/#!/home

Batista, R. S., & Junior, J. F. B. R. (2012). A importância do Factoring para pequenas e médias empresas. Veredas Favip - Revista Eletrônica de Ciências, 5(1), 75-85.

Brito, G. A. S., Assaf, A. A., Neto & Corrar, L. J. (2009). Sistema de classificação de risco de crédito: uma aplicação a companhias abertas no Brasil. Revista Contabilidade e Finanças, 20(51), 28-43. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772009000300003

Brito, G. A. S. & Assaf, A. A., Neto (2008a). Modelo de classificação de risco de crédito de empresas. Revista Contabilidade e Finanças, 19(46), 18-29. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772008000100003

Brito, G. A. S. & Assaf, A. A., Neto (2008b). Modelo de risco para carteiras de créditos corporativos. Revista de Administração, 43(3), 263-274.

Capelletto, L. R. & Corrar, L. J. (2008). Índices de risco sistêmico para o setor bancário. Revista Contabilidade e Finanças, 19(47), 6-18. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772008000200002

Cohen, J. (1988), Statiscal Power Analysis for the Behavioral Siences (2a ed.). New York: Lawrence Erlbaum Associates.

Cochrane, T. M. C. (2005, Julho 15). As empresas de factoring e as micro e pequenas e médias empresas: parceiras. Jornal o povo. Recuperado em 02 fevereiro, 2017, de http://www.planejamentotributario.ufc.br/

Dantas, J. A., Rodrigues, F. F, Rodrigues, J. M.,& Capelletto, L. R. (2010). Determinantes do grau de evidenciação de risco de crédito pelos bancos brasileiros. Revista Contabilidade e Finanças, 21(52). DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772010000100002

Decker, S.R.F. & Gomes, M.C. (2014). Análise de Crédito Utilizando Mapas Cognitivos como Instrumento de Apoio ao Processo Decisório em uma Empresa de Factoring. Revista Produção Online, 14(3), 822-836. DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v14i3.1454

Diário do comércio (2016). Crise abre oportunidade para empresas de factoring. Restrições de crédito tem levado gestores a recorrer à modalidade. Recuperado em 02 fevereiro, 2017, de http://www.diariodocomercio.com.br/noticia.php?tit=crise_abre_oportunidades_para_empresas_de_factoring&id=172753

Dodl, A. V. B. (2006). A atividade de factoring no mercado brasileiro. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Eckert, A.,Rizzon, F., Mecca, M.S.,&Biasio, R. (2015). Motivações, Vantagens e Desvantagens da Captação de Recursos Financeiros em Factoring: Um Estudo de Caso. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, 9(2), 61-78.

Falcão, G. J. (2001). Legislação que regula as empresas de fomento mercantil (“factoring”) no Brasil (p. 4). Recuperado em 25 março, 2017, de http://bd.camara.gov.br/bd/discover

Gitman, L. J. &Zutter, C.J. (2012). Principles of Managerial Finance(13aed.).Boston: Prentice Hall.

Gonçalves, E. B., Gouvêa, M. A.,&Mantovani, D. M. N. (2013). Análise de risco de crédito com o uso de regressão logística. Revista Contemporânea de Contabilidade, 10(20), 139-160. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2013v10n20p139

Gonçalves, G. de A. (2012). Factoring como alternativa fonte de recursos para o capital de giro da empresas. Graduação em Ciências Contábeis, Faculdade Cearense, Fortaleza, CE, Brasil.

Goulart, A. M. C., & Paulo, E. (2011). Factoring. In I. S. Lima, G. A. S. F. de Lima, &R. C. Pimentel (Org). Curso de Mercado Financeiro (Cap. 9, pp 289-315). São Paulo: Atlas.

Hull, J. C. (2015). Risk Management and Financial Institutions (4aed.).New Jersey: John Wiley& Sons Inc.

InternationalAccounting Standards Board (IASB) (2014). International Financial Reporting Standards (9). Financial Instruments.

Jorion, P. (2011). Financial Risk Manager Handbook(6aed.).New Jersey: John Wiley & Sons Inc.

Katayama, D. M. (2003). Modelos de Crédito Aplicados a Empresas de Factoring. Graduação em Administração de Empresas, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Lei nº 9.430/96, de 27 de Dezembro de 1996 (1996). Dispõe sobre a legislação tributária federal, as contribuições para a seguridade social, o processo administrativo de consulta e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 5 janeiro, 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9430.htm

Leite, L. L. (2011). Factoring no Brasil (12a ed., pp. 221-225). São Paulo: Atlas.

Lima, M. V. A., Ensslin, L.,&Montibeller G., Neto (2008). Modelo multicritério para gerenciamento de risco por uma empresa de factoring. Revista de Economia e Administração, 7(3), 328-340. DOI: https://doi.org/10.11132/rea.2002.199

Palmuti, C. R. & Picchiai, D. (2012). Mensuração do risco de crédito por meio de análise estatística multivariada. Revista Economia, 26(2), 7-22.

Rotta, B.L. & Lima, J.F. (2006). O Perfil das Empresas de Factoring na Cidade de Toledo (PR). Revista de Ciências Empresarias da UNIPAR, 7(2), 185-194.

Santos, C. dos (2014). Proposta de planejamento estratégico para uma pequena empresa de Factoring de São José – SC. Graduação em Administração, Centro Universitário de São José, São José, SC, Brasil.

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (SEBRAE-SP). (2014). Causa Mortis: o sucesso e o fracasso das empresas nos primeiros cinco anos de vida. Recuperado em 08 Janeiro, 2016, de http://www.sebraesp.com.br/arquivos_site/biblioteca/EstudosPesquisas/mortalidade/causa_mortis_2014.pdf

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (SEBRAE-SP). (2010). Doze anos de monitoramento da sobrevivência e mortalidade de empresas. Recuperado em 08 Janeiro, 2016, de http://www.sebraesp.com.br/arquivos_site/biblioteca/EstudosPesquisas/mortalidade/mortalidade_12_anos.pdf

Schrickel, W. K. (1997). Análise de Crédito: Concessão e Gerência de Empréstimos (3a ed., p. 25). São Paulo: Atlas.

Securato, J. R. (2002). Crédito: análise e avaliação do risco. São Paulo: Saint Paul.

Securato, J. R. & Famá, R. (1997).Um procedimento para a decisão de crédito pelos bancos. Revista de Administração Contemporânea, 1(1). DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65551997000100006

Silva, José Pereira. (2014). Gestão e análise do risco de crédito (8a ed.). São Paulo: Atlas.

Silveira, M. da (2010). Como as empresas de Factoring podem funcionar como apoio ao crescimento das Micros e Pequenas Empresas brasileiras. Graduação em Ciências Contábeis, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Sindicato das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring do Estado de São Paulo (SINFAC SP). (2010). O que é Factoring?. Recuperado em 18 Janeiro, 2017, de, http://www.sinfac-sp.com.br/v2/content.php?id_page=27

Souza, J. M. de (2015). Análise das Informações sobre o Risco de Crédito: Estudo de cão do Banco Santander. Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Stabile, H. H. (2012). Factoring: Um Estudo Desse Mecanismo de Apoio às Pequenas e Médias Empresas. Caderno de Administração Universidade Estadual de Maringá, 20(2), 38-50.

Taylor, M. (2013). Global Banks and Financial Intermediaries. InG. Caprio Jr. (Org.) Handbook of Key Global Financial Markets, Institutions and Infrastructure (Cap. 33, pp. 357 – 366). London: Elsevier. DOI: https://doi.org/10.1016/B978-0-12-397873-8.00045-1

Wloch, A. P. (2006). A utilização dos serviços de factoring na região de Tubarão-SC: um estudo de caso. Pós-graduação em MBA Gestão Empresarial, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Tubarão, SC, Brasil.

Wolf, F. M. (2008). As práticas de análise para concessão de crédito numa empresa de fomento mercantil (factoring). Graduação em Ciências Contábeis, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Publicado

08/08/2018

Como Citar

Machado, T. B., & Ribeiro, A. M. (2018). Antecipação de recebíveis nos bancos vrs factorings: uma análise das diferenças entre as taxas cobradas e suas possíveis causas. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 17(51). https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n51.2554

Edição

Seção

Artigos