Uma análise do efeito carona (Free-Riding), num ambiente de shopping center, em período promocional de vendas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n52.2670

Palavras-chave:

Teoria da Regulação, Free-riders, Shopping center.

Resumo

O objetivo geral deste estudo é analisar se o efeito carona (free-riding) ocorre num ambiente de shopping center, no período do Natal, em campanha promocional de vendas. O free-riding é definido como o efeito de atuação em que “um membro de um grupo obtém benefícios da membresia do grupo, porém não suporta um compartilhamento proporcional dos custos de prover tais benefícios” (Albanese & Van Fleet, 1985, p. 244). Esse efeito é observado sob perspectiva da Teoria Econômica da Regulação, segundo a qual a regulação é instituída principalmente para proteção e benefício do público em geral ou de alguma grande subclasse do público (Stigler, 1971). Para mensurá-lo, foi utilizada uma proxy dos benefícios usufruídos por agentes não (proporcionalmente) contribuintes com a intervenção, bem como aplicaram-se questionários por meio de entrevistas com gerentes de lojas/quiosques dos shopping centers. A partir dos resultados obtidos foi possível constatar evidências do uso dos benefícios da regulação por lojas/quiosques não participantes. Portanto, conclui-se que o free-riding de fato ocorre num ambiente de shopping center, no período do Natal, em campanha promocional de vendas.

Biografia do Autor

Flavia Zoboli Dalmacio, Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo. Endereço: Av. Bandeirantes, 3.900, Monte Alegre | 14.040-905 | Ribeirão Preto/SP | Brasil.

Laislla Obara Iwagase, Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo. Endereço: Av. Bandeirantes, 3.900, Monte Alegre | 14.040-905 | Ribeirão Preto/SP | Brasil.

Referências

Albanese, R. & Van Fleet, D. D. (1985). Rational behavior in groups: The freeriding tendency. The Academy of Management Review, 10(2), 244-255. DOI: https://doi.org/10.5465/amr.1985.4278118

Bakos, Y. (2001). The emerging landscape for retail e-commerce. Journal of Economic Perspectives, 15(1), 69-80. DOI: https://doi.org/10.1257/jep.15.1.69

Buchanan, J. M. (1965). Ethical rules expected values, and large numbers. Ethics, 76, 1-13. DOI: https://doi.org/10.1086/291559

Carlton, D. W. & Chevalier, J. A. (2001). Free riding and sales strategies for the Internet. The Journal of Industrial Economics, 49(4), 441-461. DOI: https://doi.org/10.1111/1467-6451.00157

Castro, L. T., Neves, M. F., & Scare, R. F. (2015). Eficiência de representação das associações de produtores de cana-de-açúcar no Brasil. Organizações Rurais & Agroindustriais, 17(3), 383-397.

Ceribeli, H. B. & Conte, G. M. (2016). Análise do comportamento caronista no comércio eletrônico. Nucleus, 13(1). DOI: https://doi.org/10.3738/1982.2278.1447

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2016). Conheça o CPC. Recuperado em 20 setembro, 2016, de http://www.cpc.org.br/CPC/CPC/Conheca-CPC

Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (2016). Fale conosco. Recuperado em 09 setembro, 2016, de https://www.detran.sp.gov.br/wps/portal/portaldetran/detran/atendi mento/faleconosco

Dias, S. W. (2014). O desafio do varejo multicanal: comportamento free-riding do consumidor. Tese de Doutorado em Ciências, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Downs, A. (1999). Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: Edusp.

Farhat, S. (2007). Lobby. O que é. Como se faz: ética e transparência na representação junto a governos. São Paulo: Peirópolis.

Fiani, R. (2004). Afinal, a quais interesses serve a regulação? Campinas: Economia e Sociedade, 13(2), 81-105.

Friedman, M. (1975). There's No Such Thing As a Free Lunch. Open Court.

Gremaud, A. P. (2003). Manual de Economia. Organizadores: Diva Benevides Pinho e Marcos Antônio Sandoval de Vasconcellos (4a ed.). São Paulo: Saraiva.

Jensen, M. C. & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics. DOI: https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

Leite, J. R. M. (2010). CNPI, CFA, CEI: saiba mais sobre os certificados para profissionais do mercado. Recuperado em 31 agosto, 2016, de http://www.infomoney.com.br/mercados/noticia/1769087/cnpi-c/fa-cei-saiba-mais-sobre-certificados-para-profissionais-mercado

Mankiw, N. G. (2006). Introdução à Economia (3a ed.). São Paulo: Thomson Learning.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1999.

Mckenzie, R. B. & Tullock, G. (1978). Modern political economy: An introduction to economics. New York: McGraw-Hill.

Moreno, A. C. (2014). Veja como tirar o certificado de proficiência em inglês. Recuperado em 31 agosto, 2016, de http://g1.globo.com/educacao/noticia/2012/07/veja-como-tirar-o-certificado-de-proficiencia-em-ingles.html

O’Neill, B. (2010). Resolvendo o "problema" do carona. Recuperado em 20 maio, 2016, de http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=724

Olson, M. (1965). The logic of collective action: Public goods and the theory of groups. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Shin, J. (2007). How Does Free Riding on Customer Service Affect Competition? Marketing Science, 26(4), 488-503. DOI: https://doi.org/10.1287/mksc.1060.0252

Silva, A. D. & Brito, E. P. Z. (2013). Incerteza, racionalidade limitada e comportamento oportunista: um estudo na indústria brasileira. RAM, Revista de Administração Mackenzie, 14(1), 176-201. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-69712013000100008

Simonsen, M. H. & Cysne, R. P. (2009). Macroeconomia (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Slack, N., Chambers, S., & Johnston, R. (2002). Administração da produção (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Spahn, S. (2013). Cross-channel free-riding consumer behavior in a multichannel environment: An investigation of shopping motives, sociodemographics and product categories. Journal of Retailing and Consumer Services, 20(6), 570-578. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jretconser.2013.07.006

Stigler, G. J. (1971). The Theory of Economic Regulation. The Bell Journal of Economics and Management Science, 2(1), 3-21. DOI: https://doi.org/10.2307/3003160

Stigler, G. J. (1974). Free Riders and Collective Action: An Appendix to Theories of Economic Regulation. The Bell Journal of Economics and Management Science, 5(2), 359-365. DOI: https://doi.org/10.2307/3003114

Stroebe, W. & Frey, B. S. (1982). Self-interest and collective action: The economics and psychology of public goods. British Journal of Social Psychology, 21, 121-137. DOI: https://doi.org/10.1111/j.2044-8309.1982.tb00521.x

Tullock, G., Seldon, A., & Gordon, L. B. (2002). Government failure: a primer in public choice. Catho Institute, Washigton D. C.

Van Baal, S. & Dach, C. (2005). Free-riding and customer retention across retailer’s channels. Journal of Interactive Marketing, 19, 75-85. DOI: https://doi.org/10.1002/dir.20036

Publicado

11/10/2018

Como Citar

Dalmacio, F. Z., & Iwagase, L. O. (2018). Uma análise do efeito carona (Free-Riding), num ambiente de shopping center, em período promocional de vendas. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 17(52). https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n52.2670