Teoria dos recursos cognitivos e capital humano: a influência do grau de instrução formal na gestão dos municípios da região sul do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-766220192828

Palavras-chave:

Capital humano, Instrução formal, Gestão municipal.

Resumo

Utilizando como alicerce as teorias do Capital Humano e dos Recursos Cognitivos, este estudo objetivou verificar a influência do grau de instrução formal na gestão dos municípios da região Sul do Brasil. Para tanto, um modelo econométrico foi criado para a análise dos dados, tendo como variável dependente o Índice de Desempenho Fiscal (IDF), formada pela Arrecadação Própria (AP) de cada município dividida por sua respectiva Despesa Líquida (DL), e como variável explicativa o Grau de Escolaridade (GE) de cada prefeito eleito em uma escala de “Lê e escreve” até “Superior completo”, além de outros importantes índices como variáveis de controle. Destacam-se o PIB e a População, além da Idade do Prefeito, todas influenciando positivamente o desempenho fiscal do município, embora em um grau menor. Outro ponto importante é o poder explicativo do modelo, com um R² de 0,2454, muito superior a pesquisas envolvendo o complexo fenômeno do desempenho municipal. Como no Brasil a exigência para concorrer e assumir cargos eletivos é apenas saber ler e escrever e se sabendo que a educação é um caminho essencial para o desenvolvimento de qualquer país, este artigo visa aumentar o conhecimento sobre o tema, com intenção de provocar os eleitores a ampliar sua análise sobre os candidatos, ponderando sobre suas qualidades no campo da educação formal. Ao final, conclui-se que o grau de educação influencia positivamente o IDF, indicando que em cidades com gestores com maior nível educacional, o desempenho fiscal tende a ser maior.

Biografia do Autor

André Sekunda Gallina, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Endereço: Rua Campos do Jordão, 106, Jardim Ipê | 85869-680 | Foz do Iguaçu/PR | Brasil.

Arlos Eleodoro Seixas Risden Junior, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Endereço: Rua Aluísio Ferreira de Souza, 765 | Jardim Florença | 85867-295 | Foz do Iguaçu/PR | Brasil.

Júlio César Ferreira, Universidade Vale dos Rios dos Sinos

Universidade Vale dos Rios dos Sinos. Endereço: Rua Belarmino de Mendonça, 816| Centro | 85851-100 | Foz do Iguaçu/PR | Brasil.

Referências

Avellaneda, C. N. (2008). Municipal performance: does mayoral quality matter?. Journal of Public Administration Research and Theory, 19(2), 285-312. DOI: https://doi.org/10.1093/jopart/mun001

Becker, G. S. (1994). Human capital revisited. In Human Capital: A Theoretical and Empirical Analysis with Special Reference to Education (3a,pp. 15-28). The university of Chicago press. DOI: https://doi.org/10.7208/chicago/9780226041223.001.0001

Charron, N., Dahlström, C., Fazekas, M., & Lapuente, V. (2017). Careers, Connections, and Corruption Risks: Investigating the impact of bureaucratic meritocracy on public procurement processes. The Journal of Politics, 79(1), 89-104. DOI: https://doi.org/10.1086/687209

Cunha, L. A. M. (2011). A satisfação laboral e o compromisso organizacional dos colaboradores de uma empresa de comércio e reparação automóvel (Doctoral dissertation).

Dahlström, C., Lapuente, V., & Teorell, J. (2012). The merit of meritocratization: Politics, bureaucracy, and the institutional deterrents of corruption. Political Research Quarterly, 65(3), 656-668. DOI: https://doi.org/10.1177/1065912911408109

Fiedler, F. E., & Garcia, J. E. (1987). New approaches to effective leadership: Cognitive resources and organizational performance. John Wiley & Sons.

Fiedler, F. E., & Gibson, F. (2001). Determinants of effective utilization of leader abilities. Concepts for Air Force Leadership, 24(2), 171-176.

Gingerich, D. W. (2013). Political institutions and party-directed corruption in South America: Stealing for the team. Cambridge University Press. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781139628983

Gomes, R. C., Alfinito, S., & Albuquerque, P. H. M. (2013). Analyzing local government financial performance: evidence from Brasilian municipalities 2005-2008. Revista de Administração Comtemporânea, 17(6), 704-719. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65552013000600005

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria Básica-5. Amgh Editora.

Iseri, S. S., da Silva, L. P. M., & Silva, M. A. C. (2012). Consumo consciente-a percepção de acadêmicos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Anais do Sciencult, 3(1), 219-228.

Jackson, M. K., & Matusitiz, J. (2017). Understanding Somali Piracy through cognitive resources theory. Africa Review, 9(1), 1-12. DOI: https://doi.org/10.1080/09744053.2016.1239931

Leite, M., Brighenti, J., Silva, T. P., & Júnior, N. C. A. C. (2015). Aspectos cognitivos no desempenho financeiro empresarial de companhias brasileiras e chilenas. Congreso Iberoamericano de Contabilidad de Gestión, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, 9.

Miller, G. J., & Whitford, A. B. (2006). The principal's moral hazard: Constraints on the use of incentives in hierarchy. Journal of Public Administration Research and Theory, 17(2), 213-233. DOI: https://doi.org/10.1093/jopart/mul004

Müller, M., de Fátima Rauski, E., Eyng, I. S., & Moreira, J. (2005). Comprometimento organizacional: um estudo de caso no supermercado “Beta”. Revista Gestão Industrial, 1(4). DOI: https://doi.org/10.3895/S1808-04482005000400010

Murphy, S. E., Blyth, D., & Fiedler, F. E. (1992). Cognitive resource theory and the utilization of the leader’s and group member’s technical competence. Leadership quarterly, 3(3), 237- 55. DOI: https://doi.org/10.1016/1048-9843(92)90014-7

Postali, F. A. S., & Nishijima, M. (2011). Distribuição das rendas do petróleo e indicadores de desenvolvimento municipal no Brasil nos anos 2000S. Estudos Econômicos, 41(2), 463-485. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-41612011000200010

Rauch, J. E., & Evans, P. B. (2000). Bureaucratic structure and bureaucratic performance in less developed countries. Journal of public economics, 75(1), 49-71. DOI: https://doi.org/10.1016/S0047-2727(99)00044-4

Silva, J. E., & Filho, M. A. S. (2018). A Influência do Grau de Instrução do Gestor Público no Desempenho Financeiro dos Municípios. USP International Conference in Accounting, 17.

Tingjin, L. (2012). The promotion logic of prefecture-level mayors in China. China: An International Journal, 10(3), 86-109.

Viana, G., & Lima, J. F. D. (2010). The human capital theory and the economic grouth. Interações (Campo Grande), 11(2), 137-148. DOI: https://doi.org/10.1590/S1518-70122010000200003

Publicado

13/05/2019

Como Citar

Gallina, A. S., Risden Junior, A. E. S., & Ferreira, J. C. (2019). Teoria dos recursos cognitivos e capital humano: a influência do grau de instrução formal na gestão dos municípios da região sul do Brasil. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 18, 1–14. https://doi.org/10.16930/2237-766220192828

Edição

Seção

Artigos