Framework estratégico para sustentação da vantagem competitiva em empresas de serviços contábeis: análise da complementaridade entre as perspectivas de Porter e das capacidades dinâmicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-766220192839

Palavras-chave:

Framework Estratégico, Empresas de Serviços Contábeis, Vantagem competitiva, Teoria de Porter, Teoria das Capacidades Dinâmicas.

Resumo

Este estudo objetiva desenvolver um framework estratégico para sustentação da vantagem competitiva a partir do consenso entre os gestores de empresas de serviços contábeis em relação ao conjunto de elementos da perspectiva teórica de Porter e das Capacidades Dinâmicas (CDs). O estudo é descritivo, de análise quantitativa, com amostra de 38 empresas prestadoras de serviços contábeis, cujas respostas foram obtidas majoritariamente de proprietários, diretores, gerentes, supervisores e coordenadores com poder de tomada de decisão. Os resultados apresentaram consenso entre os profissionais de empresas prestadoras de serviços contábeis perante a complementariedade entre as teorias. Além disto, os resultados apresentam certo nivelamento perante estratégias de diferenciação no mercado do Alto Vale do Itajaí. Com isso, conclui-se que não houve predominância de consenso das práticas internas das organizações sobre nenhum dos dois modelos teóricos analisados neste estudo. Destaca-se a complementariedade entre as teorias, a qual seria estabelecida na visão dos elementos externos e internos para tomada de decisões estratégicas, destarte, desenvolveu-se um modelo de gestão para sustentação da vantagem competitiva fundamentado nas teorias de base do presente estudo.

Biografia do Autor

Rodrigo Rengel, Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Federal de Santa Catarina. Endereço: Rua Jornalista Tito Carvalho, nº 101, bloco C1, apto 202 | Carvoeira | 88040-480 | Florianópolis/SC | Brasil.

Marino Luiz Eyerkaufer, Universidade do Estado de Santa Caratina

Universidade do Estado de Santa Catarina. Endereço: Rua José Bonifácio, nº 263 | Bela Vista | 89140-000 | Ibirama/SC | Brasil.

Darci Schnorrenberger, Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Federal de Santa Catarina. Endereço: Rua Manoel Pizzolati, nº 247, Bloco A10, Apto 14 | Jardim Atlântico | 88095-360 | Florianópolis/SC | Brasil.

Referências

Albanese, D. E., Briozzo, A., Argañaraz. A., & Vigier, H. (2013). Determinantes de la tercerización del servicio de información contable en las PYMEs: el caso de la Argentina. Revista de Administração Mackenzie, 14(5), 201-229. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-69712013000500008

Andreeva, T., & Chaika, V. (2006). Dynamic capabilities: what they need to be dynamic? [Working Paper, 10 (E)] St. Petersburg State University, São Petersburgo.

Barbosa, F. V. (1999). Competitividade: conceitos gerais. In S. B. Rodrigues. Competitividade, alianças estratégicas e gerência internacional. São Paulo: Atlas.

Bebber, S., Graciola, A. P., Souza, A. V. O., Nodari, C. H., Olea, P. M., & Dorion, E. C. H. (2016). Inovação como estratégia de diferenciação: Produção de vinho Kosher no Vale dos Vinhedos. Desenvolvimento em questão, 14(37), 202-230. DOI: https://doi.org/10.21527/2237-6453.2016.37.202-230

Beuren, I. M., & Oro, I. (2014). M. Relação entre estratégia de diferenciação e inovação, e Sistemas de Controle Gerencial. Revista de Administração Contemporânea, 18(3), 285-310. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-7849rac20141394

Brito, R. P., & Brito, L. A. L. (2012). Vantagem Competitiva, Criação de valor e seus efeitos sobre o Desempenho. REA, 52(1), 70-84. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902012000100006

Brown, T. (2008). Design thinking. Harvard business review, 86(6).

Brown, T. (2009). Change by design: how design thinking transforms organizations and inspires innovation. New York: HarperCollins.

Burghetti, B. S. (2010). Perspectivas estratégicas para grandes consumidores industriais frente às mudanças regulatórias com a inclusão do livre acesso às redes de distribuição de gás natural canalizado no Estado de São Paulo. Dissertação Programa de Pós-Graduação em Energia, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Collis, D. J. (1994). Research Note: How Valuable are Organizational Capabilities? Strategic Management Journal, 15, 143-152. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.4250150910

D’Aveni, R.A., Dagnino, G.B., & Smith, K.G. (2010). The age of temporary advantage. Strategic Management Journal, 3, 1371-1385. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.897

Dallabona, L. F. (2014). Influência de variáveis contingenciais na relação do estilo de liderança à folga organizacional em indústrias têxteis de Santa Catarina. Tese Doutorado em Ciências Contábeis e Administração, Universidade Regional do Blumenau - FURB, Blumenau, Brasil.

Deluca, M., & Souza, M. R. (2004). Varejo supermercadista da Grande Florianópolis: uma análise das cinco forças competitivas de Porter. Revista de Negócios, 9(1), 51-60.

Eckert, A., Milan, G. S., Mecca, M. S., & Nunes, G. P. (2013). Fatores determinantes para a retenção de clientes em escritórios de contabilidade: um estudo multicaso realizado em uma cidade da Serra Gaúcha. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 6(3), 50-78. DOI: https://doi.org/10.19177/reen.v6e3201350-78

Eisenhardt, K., & Martin, J. (2000). Dynamic capabilities: what are they? Strategic Management Journal, 21(10), 1105-1121. DOI: https://doi.org/10.1002/1097-0266(200010/11)21:10/11<1105::AID-SMJ133>3.0.CO;2-E

Faoro, R. R., Olea, P. M., Roesch, S. M. A., & Abreu, M. F. (2014). Diferenciação e foco para obtenção de vantagem competitiva: o caso da Beta Sistemas. Revista Eletrônica de Administração, 20(3), 838-856. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-2311.0322013.43244

Ferreira, L. C. B. (2010). Ach Brito born again global. Dissertação de Mestrado em Economia e Gestão Internacional, Faculdade de Economia Universidade do Porto – FEP, Porto, Portugal.

Garcia, A. E. G. (2017). A inteligência competitiva e o desenvolvimento de Capacidades Dinâmicas nas organizações. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 16(1), 69-90. DOI: https://doi.org/10.5585/riae.v16i1.2439

Ghemawat, P. (2000). A estratégia e o cenário dos negócios. Porto Alegre: Bookman.

Harreld, J., O’reilly, C. A., & Tuschman, M. L. (2007). Dynamic Capabilities at IBM: Driving Strategy into Action. California Management Review, 49, 21-43. DOI: https://doi.org/10.2307/41166404

Hayes, R. H., Wheelwright, S. C., & Clark, K. B. (1988). Dynamic manufacturing: Creating the learning organization. New York Free Press, 429, 27-95.

Helfat, C. E., Finkelstein, S., Mitchell, W., Peteraf, M. A., Singh, H., Teece, D. J., & Winter, S. G. (2007). Dynamic capabilities: understanding strategic change in organizations. Oxford: Blackwell Publishing.

Hogarth, R., & Michaud, C. (1991). Longevity of business firms: a four-stage framework. Fontainebleau: INSEAD.

Kotler, P. (2005). Marketing essencial: conceitos, estratégias e casos. São Paulo: Prentice Hall.

Leite, J. B., & Porsse, M. (2003). Competição baseada em competências e aprendizagem organizacional: em busca da vantagem competitiva. Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, 121-141. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65552003000500007

Marcus, A. A., & Anderson, M. H. (2006). A General Dynamic Capability: Does It Propagate Business and Social Competencies in the Retail Food Industry? Journal Of Management Studies, 43(1), 19-46. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-6486.2006.00581.x

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da Investigação Cientifica. Editora Atlas.

Miranda, K. D. L. G. (2009). As Cinco Forças de Porter e a estratégia como diferencial competitivo: estudo de caso em correspondentes bancários do banco BMG em João Pessoa/PB. Monografia do Curso de Graduação em Administração, Universidade Federal da Paraíba, UFPB, João Pessoa, Brasil.

Nelson, R., & Winter, S. (1982). Na evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University Press.

Oening, K. S. (2010). Pluralismo teórico na gestão estratégica: a compreensão da vantagem competitiva a partir da harmonização de perspectivas antagônicas. Revista de Negócios, 15(29), 45-56. DOI: https://doi.org/10.7867/1980-4431.2010v15n1p45-56

Penrose, E. T. (1959). The Theory of the Grown of the Firm. Oxford: Brasil Blackwell.

Pereira, M. C. C. (2005). Empresas de serviços contábeis condicionantes estratégicas para uma atuação empreendedora. Pensar Contábil, 7(29), 1-14.

Porter, M. E. (1980). Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors.

Porter, M. E. (1999). Competição = On Competition: Estratégias competitivas essenciais. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. (10a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (1990). The core competence of the corporation. Harvard Business Review, 66, 79-91.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2014). Metodologias de custos utilizadas nas maiores indústrias do setor têxtil do Estado de Santa Catarina. Revista Ciências Administrativas, 17(3).

Rumelt, R. P., Schendel D. E., & Teece, D. J. (1994). Fundamental Issues in Strategy. Harvard Business School Press.

Sales, A. S. (2011). Avaliação de uma empresa do setor gráfico a partir do modelo das Cinco Forças de Porter. Monografia apresentada ao curso de Administração, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB, João Pessoa, Brasil.

Schumpeter, J. A. (1934). The Theory of Economic Development: An Inquiry into Profits, Capital, Credit, Interest, and Business Cycle. Harvard University Press.

Semuel, H., Siagian, H., & Octavia, (2016). S. The effect of leadership and innovation on differentiation strategy and company performance. 7th International Conference on Intercultural Education “Education, Health and ICT for a Transcultural World”, 237. DOI: https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2017.02.171

Shigunov, T. R. Z., & Shigunov, A. R. (2003). A qualidade dos serviços contábeis como ferramenta de Gestão para os escritórios de contabilidade. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa (RECADM), 2(1). DOI: https://doi.org/10.5329/RECADM.20030201001

Sirmon, D. G., Hitt, M. A., Arregle, J. L., & Campbell, J.T., (2010). The dynamic interplay of capability strengths and weaknesses: investigating the bases of temporary competitive advantage. Strategic Management Journal, 31, 1386-1409. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.893

Teece, D. J. (1976). The multinational corporation and the resource cost of international technology transfer. Cambridge, MA: Ballinger.

Teece, D. J. (1986). Profiting from technological innovation: implications for integration, collaboration, licensing and public policy. Research Policy, 15(6), 285-305. DOI: https://doi.org/10.1016/0048-7333(86)90027-2

Teece, D. J. (1988). Technological change and the nature of the firm. In G. Dosi, C. Freeman, R. Nelson, G. Silverberg, & L. Soete (Eds.), Technical change and economic theory. New York: Pinter Publishers.

Teece, D. J. (2012). Dynamic Capabilities: Routines versus Entrepreneurial Action. Journal of Management Studies, 49, 1395-1401. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-6486.2012.01080.x

Teece, D. J., Pisano, G., & Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, 18(7), 509-533. DOI: https://doi.org/10.1002/(SICI)1097-0266(199708)18:7<509::AID-SMJ882>3.0.CO;2-Z

Thompson Jr., A., & Strickland III, A. J. (2000). Planejamento estratégico: elaboração, implementação e execução. São Paulo: Pioneira.

Tondolo, V. A. G., & Bitencourt, C. C. (2014). Compreendendo as capacidades dinâmicas a partir de seus antecedentes, processos e resultados. Brazilian Business Review, 11(5), 124-147.

Vasconcelos, F. C., & Cyrino, A. B. (2000). Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas, 40(4), 20-37. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902000000400003

Wierman, M. J., & Tastle, W. J. (2005). Consensus and dissention: theory and properties, in Fuzzy Information Processing Society, NAFIPS. Annual Meeting of the North American, 75-79.

Wiernan, M. J., & Tastle, W. J. (2007). Consensus and dissention: A measure of ordinal dispersion. International Journal of Approximate Reasoning, 45(3), 531-545. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ijar.2006.06.024

Winter, S. (2003). Understanding dynamic capabilities. Strategic Management Journal, 24, 991-995. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.318

Zahra, S. A., & George, G. (2002). Absortive capacity: a review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, 27(2), 185-203. DOI: https://doi.org/10.5465/amr.2002.6587995

Zahra, S. A., Sapienza, H. J., & Davidsson, P. (2006). Entrepreneurship and Dynamic Capabilities: a Review, Model and Research Agenda. Journal of Management Studies, 43(4), 917-955. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-6486.2006.00616.x

Publicado

13/05/2019

Como Citar

Rengel, R., Eyerkaufer, M. L., & Schnorrenberger, D. (2019). Framework estratégico para sustentação da vantagem competitiva em empresas de serviços contábeis: análise da complementaridade entre as perspectivas de Porter e das capacidades dinâmicas. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 18, 1–19. https://doi.org/10.16930/2237-766220192839

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)