Payout incremental e o modelo de três fatores de Fama e French

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-766220202906

Palavras-chave:

Avaliação de Portfólio, Formação de Carteiras, Modelo de Três Fatores de Fama e French, Payout Incremental, Dividendos.

Resumo

Este artigo buscou investigar se o modelo adaptado de Fama e French com a inclusão do fator Payout (F&F com Payout) permitiria melhor compreensão dos retornos das carteiras de companhias listadas na Brasil, Bolsa, Balcão entre o período de 2004 e 2018 do que o modelo de três fatores de Fama e French. O prêmio pelo fator Payout obtido pela diferença dos retornos entre as companhias que pagaram e aquelas que não pagaram Payout Incremental. Dessa forma, o modelo de quatro fatores é definido pela adição deste fator aos fatores prêmio pelo risco de mercado (RM-RF), prêmio pelo fator tamanho da companhia (SMB), definido pelo valor de mercado do patrimônio líquido, e o prêmio pelo fator Book-to-market (HML), que é um índice definido pela relação valor contábil e valor de mercado do patrimônio líquido. Esse modelo de quatro fatores teve seu poder explicativo testado pelo retorno de doze carteiras criadas a partir da ortogonalização de seus fatores de risco. Os resultados sugerem que o modelo de quatro fatores foi mais eficiente do que o modelo de três fatores em explicar o retorno de oito das carteiras formuladas, com destaque para uma capacidade explicativa de mais de 70% para as carteiras de menor valor (small) que não pagam dividendos e que pagam dividendos incrementais. Portanto assume um papel relevante para as decisões de investimentos em carteiras de ações que possuem distribuição de dividendos extremas. Além disso, o fator Payout foi significativo em nove das doze carteiras. Nas carteiras em que não houve pagamento de dividendos, seu impacto foi negativo, implicando dizer que quanto maior o retorno destas carteiras, menor é a probabilidade de existir um prêmio pelo fator Payout. Por sua vez, para as carteiras que pagaram dividendos mínimos e incrementais, existe relação direta com o retorno das carteias. Isto posto, esta pesquisa corrobora com as teorias da relevância dos dividendos de Lintner (1956) e Gordon (1959), na medida em que o modelo desenvolvido é relevante para os estudos de avaliação de portfólios.

Biografia do Autor

Kliver Lamarthine Alves Confessor, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Universidade Federal do Vale do São Francisco. Endereço: Rua Antônio Figueira Sampaio, 134 | Nossa Sra. De Graças | 56000-000 | Salgueiro, Pernambuco/PE | Brasil.

Joséte Florencio dos Santos, Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco. Endereço: Av. Professor Moraes Rego, 1235. Centro de Ciências Sociais Aplicadas | Cidade Universitária | 50670-901 | Recife, Pernambuco/PE | Brasil.

Referências

Almeida, L. A. G., Pereira, E. T., & Tavares, F. O. (2015). Determinantes da política de dividendos: evidência de Portugal. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17(54), 701-719. DOI: https://doi.org/10.7819/rbgn.v17i54.1943

Azevedo, V. G. (2014). Análise do impacto da inclusão do Fator Sustentabilidade Empresarial no Modelo de Três Fatores De Fama E French nas empresas negociadas na BM&FBOVESPA – um estudo empírico entre o período de 2006 e 2013. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Baker, H. K., & Powell, G. E. (1999). How corporate managers view dividend policy. Quarterly Journal of Business and Economics, 17-35.

Baker, H. K., Farrelly, G. E., & Edelman, R. B. (1985). Survey of Management Views on Dividend Policy. Financial Management, 14(14), 78-84. DOI: https://doi.org/10.2307/3665062

Carhart, M. M. (1997). On Persistence in Mutual Fund Performance. The Journal of Finance, 52(1), 57-81. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1997.tb03808.x

De Melo, F. J, & Da Fonseca, M. W. (2015). Política de dividendos no Brasil: uma análise na reação do mercado a anúncios de distribuição de proventos. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(27), 137-164. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n27p137

Decourt, R. F., & Procianoy, J. L. (2012). O Processo Decisório sobre a Distribuição de Lucros das Empresas Listadas na BM&FBOVESPA: Survey com CFOs. Revista Brasileira de Finanças, 10(4), 461-498. DOI: https://doi.org/10.12660/rbfin.v10n4.2012.4003

Fama, E. F., & French, K. R. (1992). The cross-section of expected stock returns. The Journal of Finance, 47(2), 427-465. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1992.tb04398.x

Galvão, K. S, Santos, J. F., & Araújo, J. M. (2018). Dividendos, juros sobre capital próprio e níveis de payout: Um estudo investigativo sobre a política de distribuição de dividendos adotada pelas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista Contemporânea de Contabilidade, 15(36), 3-30. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2018v15n36p3

Gordon, M. (1959). Dividends, earnings and stock prices. The Review of Economics and Statistics, 41(2), 99-105. DOI: https://doi.org/10.2307/1927792

Gordon, M. (1963). Optimal Investment and Financing Policy. The Journal of Finance, 28(2)264-272. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1963.tb00722.x

GUJARATI, D. N. Econometria básica. 4a. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006

Joode, N. V. W. (2011). The relationship between innovation and stock returns Does innovation explain stock market returns? 2011. 54 f. Dissertação de Mestrado, Departamento de Finanças da Faculdade de Economia e Administração, Tilburg University, Holanda.

Lagioia, U. C. T., Maciel, C. V., & Libonati, J. J. (2008). Aspectos pagamento de juros sobre o capital próprio x distribuição de dividendos pela óptica tributária. Anais do Congresso Brasileiro de Contabilidade, Gramado, RS, Brasil, 18.

Leite, M, Bogoni, N. M., & Hein, N. (2019). Revisitando os determinantes da distribuição de dividendos: uma análise em empresas brasileiras. Revista Ambiente Contábil, 11(1) 58-76. DOI: https://doi.org/10.21680/2176-9036.2019v11n1ID14152

Lintner, J. (1956). Distribution of incomes of corporations among dividends, retained earnings and taxes. American Economic Review, 46(2), 97-113.

Lintner, J. (1962). Dividends, earnings, leverage, stock prices and the supply of capital to corporations. The Review Economics and Statistics, 44(3), 243-269. DOI: https://doi.org/10.2307/1926397

Loss, L., & Sarlo Neto, A. (2006). O inter-relacionamento entre políticas de dividendos e de investimentos: estudo aplicado às companhias brasileiras negociadas na Bovespa. Revista Contabilidade & Finanças, 17(40), 52-66. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772006000100005

Malaga, F. K., & Securato, J. R. (2004). Aplicação do modelo de três fatores de Fama e French no mercado acionário brasileiro: um estudo empírico no período 1995-2003. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 28 de setembro de 2004.

Martins, A. I., & Fama, Rubens. (2012). What the studies conducted in Brazil regarding dividend policy reveal? RAE, 52(1), 24-40.

Miller, M., & Modigliani, F. (1961). Dividend policy, growth, and the valuation of share. Journal of Business, 40(4) 411-433. DOI: https://doi.org/10.1086/294442

Mussa, A., Rogers, P., & Securato, J. R. (2009). Modelos de retornos esperados no mercado brasileiro: testes empíricos utilizando metodologia preditiva. Revista de Ciências da Administração, 11(23), 192-216. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8077.2009v11n23p192

Neves, M. B. E., & Leal, R. P. C. (2003). Anomalias no Mercado de Ações e o Crescimento do PIB Brasileiro. Cadernos Discentes COPPEAD, 54(18), 5-31.

Ross, S. (1976). An Arbitrage Theory of Capital Asset Pricing. Journal of Economic Theory, 13(3), 341-360. DOI: https://doi.org/10.1016/0022-0531(76)90046-6

Santana, L. (2006). Relação entre Dividend Yield e retorno das ações abordando aspectos determinantes da política de dividendos: um estudo empírico em empresas ações negociadas na BOVESPA. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), Vitória.

Santos, J. O., Famá, R., & Mussa, A. (2012). A adição do fator de risco momento ao modelo de precificação de ativos dos três fatores de Fama & French aplicado ao mercado acionário brasileiro. Revista de Gestão REGE, 19(3), 453-472. DOI: https://doi.org/10.5700/rege473

Veiga, A. Z., Imbrosio, D. A., & Ferreira, L. F. (2008). Remuneração aos acionistas e os reflexos tributários no resultado da empresa: um estudo de caso em uma instituição financeira. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 7(19), 17-32. DOI: https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v7n19p17-32

Vieira, M. D. V., Maia, V. M., Klotzle, M. C., & Figueiredo, A. C. (2017). Modelo de Cinco Fatores de Risco: Precificando Carteiras Setoriais no Mercado Acionário Brasileiro. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 16(48), 86-104. DOI: https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n48.2376

Xiao, Y., Faff, R., Gharghori, P., & Lee, D. (2013). An empirical study of the world price of sustainability. Journal of Business Ethics, 114(2), 297-310. DOI: https://doi.org/10.1007/s10551-012-1342-2

Publicado

22/04/2020

Como Citar

Alves Confessor, K. L., & Santos, J. F. dos. (2020). Payout incremental e o modelo de três fatores de Fama e French. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 19. https://doi.org/10.16930/2237-766220202906

Edição

Seção

Artigos