Gestões Municipais no Brasil:

um estudo a partir do Índice de Efetividade das Gestões Municipais - IEGM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-766220213137

Palavras-chave:

Gestão Pública Municipal, Indicador de Desempenho da Gestão Pública Municipal, Índice de Efetividade das Gestões Municipais (IEGM)

Resumo

O objetivo deste artigo foi apontar os fatores determinantes da efetividade das gestões municipais no Brasil. Foi feita uma pesquisa quantitativa descritiva, com dados secundários de 2015 a 2017, disponíveis no Portal do Instituto Rui Barbosa – 11 variáveis correlacionadas com a efetividade da gestão. A amostra foram os municípios brasileiros. Os resultados foram estimados por regressão logística com dados em painel balanceado e interpretados pelo critério razões de chance. Os resultados apontaram que o tamanho da população e a reeleição do prefeito têm relação positiva e estatisticamente significante para explicar a efetividade da gestão; enquanto a quantidade de candidatos a prefeito e a reprovação das contas apontaram relação negativa e estatisticamente significante para explicar a efetividade. Ao abordar a efetividade das gestões municipais, este artigo preenche uma lacuna da literatura porque traz para o debate a relevância da fase de avaliação de uma gestão pública para aprimorar sua qualidade e/ou atenuar impactos negativos sobre a população.

Biografia do Autor

Leonardo Coelho de Araujo, Fucape Business School

Fucape Business School. Endereço: Rua Marcos Parente, 13, 1º Andar | Centro | 64600-106 | Picos/PI | Brasil.

João Eudes Bezerra Filho, Fucape Business School

Fucape Business School. Endereço: Rua Ana Camelo, 38 apto 2502 | Boa Viagem | 51.111-040 | Recife/PE | Brasil.

Arilda Teixeira, Fucape Business School

Fucape Business School. Endereço:  Avenida Fernando Ferrari, 1358 | Goiabeiras | 29075-053 | Vitória/ES | Brasil.

Fábio Motoki, Fucape Business School

Fucape Business School. Endereço: Earlham Rd, Norwich Business School, University of East Anglia, Norwich Research Park | CEPNR47TJ | Norwich/Norfolk | United Kingdom.

Referências

Aguiar, A. B. D., Teixeira, A. J. C., Nossa, V., & Gonzaga, R. P. (2012). Associação entre sistema de incentivos gerenciais e práticas de contabilidade gerencial. Revista de Administração de Empresas, 52(1), 40-54. Recuperado de http://www.producao.usp.br/handle/BDPI/38235 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902012000100004

Amaral, A. C. C. (2002). O princípio da eficiência no direito administrativo. Revista Diálogo Jurídico, (14).

Analoui, F. (1997). How effective are senior managers in the Romanian public sector? Journal of Management Development, 16(7), 502-516. Recuperado em 02 janeiro, 2018, de https://doi.org/10.1108/02621719710169602 DOI: https://doi.org/10.1108/02621719710169602

Andrews, R., & Walle, S. V. (2012). New public management and citizens’ perceptions of local service efficiency, responsiveness, equity and effectiveness. COCOPS Working Paper, (7).

Aucoin, P. (1990). Administrative Reform in Public Management: paradigms, principles, paradoxes and Pendulums. International Journal of Policy and Administration, 3(2), 115-137. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1468-0491.1990.tb00111.x

Behn, R. D. (2003). Why measure performance? Different purposes require different measures. Public Administration Review, 63(5), 586-606. DOI: https://doi.org/10.1111/1540-6210.00322

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (1988). Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2002. 427 p.

Broadbent, J., & Laughlin, R. (1997). Evaluating the New Public Management’ Reforms in the UK: a constitutional possibility. Public Administration, 75(3), 487-507. DOI: https://doi.org/10.1111/1467-9299.00071

Castro, R. B. (2006). Eficácia, eficiência e efetividade na administração pública. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 30.

Cioccari, D. (2015). Operação Lava Jato: escândalo, agendamento e enquadramento. Revista Alterjor, 12(2), 58-78.

Cohen, S. A. (1993). Defining and measuring effectiveness in public management. Public Productivity & Management Review, 17(1), 45-57. DOI: https://doi.org/10.2307/3381048

Confederação Nacional dos Municípios (CNM). (2015). Estudo Técnico: volume 7. Recuperado em 12 agosto, 2018, de https://www.cnm.org.br/cms/biblioteca/Estudos%20Tecnicos%20-%20Volume%207%20(2015).pdf/

Costa, F. L., & Castanhar, J. C. (2003). Evaluating public programs: methodological and conceptual challenges. Revista de Administração Pública, 37(5), 969.

Crisóstomo, V. L., Cavalcante, N. S. C., & Freitas, A. R. M. C. (2015). A LRF no trabalho de controle de contas públicas – um estudo de pareceres prévios conclusivos de contas de governos municipais. Revista Ambiente Contábil, 7(1), 233-253.

D’Abadia, B. M. (2015). A Problemática das Transferências Voluntárias. Consultoria Legislativa, Câmara dos Deputado, Brasília, DF, Brasil, 03.

Diamond, J., & Khemani, P. (2006). Introducing Financial Management Information Systems in Developing Countries OECD. Journal on Budgeting, 5(3). DOI: https://doi.org/10.1787/budget-v5-art20-en

Dunsire, A., & Hood, C. (1989). Cutback Management in Public Bureaucracies: popular theories and observed outcomes in whitehall. Cambridge University Press.

Dwyer, P. D., & Wilson, E. R. (1989). An empirical investigation of factors affecting the timeliness of reporting by municipalities. Journal of Accounting and Public Policy, 8(1), 29-55. DOI: https://doi.org/10.1016/0278-4254(89)90010-0

Favero, L. P. (2015). Análise de dados: modelos de regressão com Excel, Stata e SPSS. Rio de Janeiro. Editora Elsevier.

Ferraz, C., & Finan, F. (2007). Electoral accountability and corruption in local governments: evidence from audit reports. American Economic Review, 101(4), 1274-1311. DOI: https://doi.org/10.1257/aer.101.4.1274

Forsund, F. R. (2017). Measuring effectiveness of production in the public sector. Department of Economics, University of Oslo, Norway Norwegian Defence Research Establishment (FFI), Norway. DOI: https://doi.org/10.1016/j.omega.2016.12.007

Francisco, P. M. S. B., Donalisio, M. R., Barros, M. B. D. A., Cesar, C. L. G., Carandina, L., & Goldbaum, M. (2008). Medidas de associação em estudo transversal com delineamento complexo: razão de chances e razão de prevalência. Revista Brasileira de Epidemiologia, 11(3), 347-355. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2008000300002

Freitas, C. A. S. (2001). Auditoria de gestão e estratégia no setor público. Revista do Serviço Público, 52(4), 57-70. DOI: https://doi.org/10.21874/rsp.v52i4.314

Frey, K. (2000). Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e políticas públicas, (21), 211-259.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (2017). Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação – SIOPE. Recuperado em 10 janeiro, 2018, de www.fnde.gov.br/index.php/siope-relatorios-municipais.

Ghelman, S. (2006). Adaptando o balanced scorecard aos preceitos da nova gestão pública. Dissertação (Mestrado em Sistema de Gestão pela Qualidade Total) – Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Gomes, G. M., Dowell, M., & Cristina, M. (2000). Descentralização política, federalismo fiscal e criação de municípios: o que é mau para o econômico nem sempre é bom para o social. Texto para discussão, Brasília, nº 706, 2000.

Gonçalves, L. G., Funchal, B., & Bezerra Filho, J. E. (2017). The Influence of Political Cycles on Public Investments in Infrastructure: A Study of Brazilian States from 2003 to 2014. Revista de Administração Pública, 51(4), 462-481. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7612156337

Grateron, I. R. G. (1999). Auditoria de gestão: utilização de indicadores de gestão no setor público. Caderno de estudos, (21), 01-18. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-92511999000200002

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria Básica (5a ed.). São Paulo: AMGH Editora LTDA.

Hood, C. (1995). Emerging Issues in Public Administration. Public Administration, 73(1), 165-183. https://doi.org/10.1111/j.1467-9299.1995.tb00822.x DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-9299.1995.tb00822.x

Hood, C., & Jackson, M. (1994). Keys for locks in administrative argument. Administration & Society, 25(4), 467-488. DOI: https://doi.org/10.1177/009539979402500404

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2017). População. Recuperado em 08 dezembro, 2017, de www.ibge.gov.br/home

Instituto Rui Barbosa – IRB. (2016). 1º Anuário do IEGM Brasil 2016 (Índice de Efetividade da Gestão Municipal): aplicado aos Municípios Brasileiros. Minas Gerais. p. 7-13.

Instituto Rui Barbosa – IRB. (2017). Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM). Minas Gerais. Recuperado em 06 outubro, 2017, de http://iegm.irbcontas.org.br/index.php/site/dadosAbertos

Kösecik, M., Kapucu, N., & Sezer, Y. (2003). Becoming an effective public manager in the global world: District governors in Turkey. Ana Sayfa, 18(1), 105-129. Recuperado em 11 novembro, 2017, de https://iibfdergi.deu.edu.tr/index.php/cilt1-sayi1/article/view/141/pdf_132

Laswad, F., Fisher, R., & Oyelere, P. (2005). Determinants of voluntary Internet financial reporting by local government authorities. Journal of Accounting and Public Policy, 24(2), 101-121. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jaccpubpol.2004.12.006

Lei nº 11.653, de 7 de abril de 2008 (2008). Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. Diário Oficial da União, Brasília, DF, nº 67, terça-feira, 8 de abril de 2008. Seção 1, p. 5.

Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 (1964). Institui normas gerais de direito financeiro para Elaboração e Controle dos Orçamentos e Balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

Lei nº 10.180, de 06 de fevereiro de 2001 (2001). Organiza e disciplina os Sistemas de Planejamento e de Orçamento Federal, de Administração Financeira Federal, de Contabilidade Federal e de Controle Interno do Poder Executivo Federal. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

Markić, D. (2014). A Review on the Use of Performance Indicators in the Public Sector. University of Zagreb, Faculty of Organization and Informatics, Pavlinska 2, Varaždin. Croatia TEM Journal, 3(1), 22-28.

Mendes, M. (2004). Federalismo fiscal. In Arvate, P., & Biderman, C. (Org.). Economia do Setor Público no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Elsevier. pp. 421-461.

Malmegrim, M. L., & Michaud, C. (2003). Modelagem Organizacional para ação e controle estratégico: Guia Metodológico. Brasília:[s.n.].

Osborne, D., & Gaebler, T. (1992). Reinventing Government. New York, NY: Penguin Press, 405 pp. ISBN 045226942-3

Oliveira, K. V., & Carvalho, F. A. A. (2009). A contabilidade governamental e o calendário eleitoral: uma análise empírica sobre um painel de municípios do Rio de Janeiro no período 1998-2006. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(5), 121-141. DOI: https://doi.org/10.11606/rco.v3i5.34735

Osório, V. L. T. (2003). A utilização do balanced scorecard no aperfeiçoamento da administração pública gerencial: estudo de caso de uma autarquia municipal. Dissertação (Mestrado profissional em Gerência de Serviços), Curso de Pós Graduação em Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Pace, E. S. U., Basso, L. F. C., & Silva, M. A. D. (2003). Indicadores de desempenho como direcionadores de valor. Revista de Administração Contemporânea, 7(1), 37-65. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65552003000100003

Pereira, L. C. B. (2006). O paradoxo da esquerda no Brasil. Novos Estudos-CEBRAP, (74), 25-45. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-33002006000100003

Pollitt, C. (1996). Antistatist Reforms and New Administrative Directions: public administration in the United Kingdom. Public Administration Review, 56(1), 81-87. DOI: https://doi.org/10.2307/3110058

Power, M., & Laughlin, R. (1992). Critical theory and accounting. Critical Management Studies, 21(5), 441-465. DOI: https://doi.org/10.1016/0361-3682(95)00036-4

Rátis, S. P. N. (2012). Determinantes para o atraso na divulgação das contas públicas anuais dos municípios do Estado do Espírito Santo. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, da Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), Vitória.

Ryan, C., Stanley, T., & Nelson, M. (2002). Accountability disclosures by Queensland local government councils: 1997–1999. Financial Accountability & Management, 18(3), 261-289. DOI: https://doi.org/10.1111/1468-0408.00153

Sano, H., & Montenegro Filho, M. J. F. (2013). As técnicas de avaliação da eficiência, eficácia e efetividade na gestão pública e sua relevância para o desenvolvimento social e das ações públicas. Desenvolvimento em Questão, 11(22), 35-61. DOI: https://doi.org/10.21527/2237-6453.2013.22.35-61

Santos, K. G. B., & Santos, C. E. R. (2014). Dependência municipal das transferências do fundo de participação dos municípios: uma análise para os municípios do sul da Bahia entre 2008 e 2012. Anais da Semana do Economista da Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, BA, Brasil, 4.

Santos, G. F. Z., & Hoffmann, M. G. (2016). Em busca da efetividade na administração pública: proposição de uma metodologia para design e implementação de serviços públicos no município de Florianópolis. NAVUS – Revista de Gestão e Tecnologia, 6(1), 88-105. DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2016.v6n1.p88-105.349

Secretaria do Tesouro Nacional (Brasil) (2017). Finanças do Brasil – Receitas e Despesas dos Municípios (2012 e 2016). Recuperado em 12 janeiro, 2018, de http://www.tesouro.fazenda.gov.br/contas-anuais.

Tribunal de Contas do Estado de São Paulo – TCE/SP. (2017). Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM). São Paulo. Recuperado em 06 outubro, 2017, de https://www4.tce.sp.gov.br/6524-índice-aponta-efetividade-gestao-mais-4-mil-municípios-brasil.

Tribunal de Contas da União – TCU. (2000). Manual de Auditoria Operacional. Brasília. Recuperado em 19 dezembro, 2017, de www.portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId

Tribunal Superior Eleitoral (2018). Eleições Anteriores. Recuperado em 12 fevereiro, 2018, de www.tse.jus.br/eleicões/eleicoes-anteriores/.

Torres, M. D. F. (2004). Estado, democracia e administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV.

UNICEF. (1990). Guide for monitoring and evaluation: making a difference? New York: Unicef.

Velten, S. R. (2015). Determinantes da rejeição das prestações de contas anuais dos municípios capixabas pelo tribunal de contas do Estado do Espírito Santo. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, da Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), Vitória.

Wallace, G. (2013). Attributes of effective managers in the public health sector. Tasmânia: University of Tasmânia, August.

Publicado

14/04/2021

Como Citar

Araujo, L. C. de, Bezerra Filho, J. E., Teixeira, A., & Motoki, F. (2021). Gestões Municipais no Brasil: : um estudo a partir do Índice de Efetividade das Gestões Municipais - IEGM . Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 20, e3137. https://doi.org/10.16930/2237-766220213137

Edição

Seção

Artigos