Entropia da informação e ranking das empresas do IBOVESPA

a relevância da inovação ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-766220223246

Palavras-chave:

Indicadores, Desempenho, Entropia, Ranking, Ibovespa

Resumo

Este estudo analisa os pesos de indicadores multidimensionais de desempenho para determinar o ranking das empresas listadas no índice Bovespa. Trata-se de uma pesquisa quantitativa por meio do método multicritério entropia da informação, em que os indicadores das dimensões ambiental, social, de governança, econômico-financeira e de mercado foram obtidos pela base de dados Refinitiv Eikon. Assim, foi possível estabelecer os pesos dos indicadores para cada ano com a finalidade de determinar os rankings das empresas em nível setorial e geral. A variável inovação ambiental foi responsável pela maior relevância informacional, enquanto os indicadores como retorno sobre patrimônio líquido e alavancagem financeira obtiveram os menores pesos. Quanto ao ranking, a Renner ocupou a primeira colocação, o que torna possível inferir que essa companhia vem se destacando nos indicadores retratados com maior peso. Além disso, os setores de comunicação e utilidade pública apresentaram as maiores pontuações médias, ao passo que os segmentos de saúde e energia tiveram os menores desempenhos em média. Esses resultados indicam a relevância da prestação de informações corporativas para alcançar os investidores, cada vez mais preocupados com boas práticas de gestão e com indicadores socioambientais. Ademais, os achados sugerem que inovar em questões ambientais não consiste em uma prioridade para as empresas da amostra, suscitando o questionamento se essas organizações visualizam a legitimidade ou retornos de inovações bem-sucedidas como recompensas dos investimentos realizados. A pesquisa contribui ao apontar que empresas com melhores práticas ambientais poderão obter mais benefícios, assim como a sociedade, diante da qualidade de vida e da preservação ambiental.

Referências

Almeida-Santos, P. S., Rocha, I., & Hein, N. (2014). Utilização da entropia informacional na seleção de indicadores financeiros mais relevantes para tomada de decisão no setor público: o caso dos estados brasileiros. Perspectivas em Ciência da Informação, 19(2), 83-105. DOI: 10.1590/1981-5344/1780 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5344/1780

Aras, G., & Yıldırım, F. M. (2021). Development of capitals in integrated reporting and weighting representative indicators with entropy approach. Social Responsibility Journal. DOI: 10.1108/SRJ-11-2020-0447 DOI: https://doi.org/10.1108/SRJ-11-2020-0447

Atan, R., Alam, M. M., Said, J. & Zamri, M. (2018). The impacts of environmental, social, and governance factors on firm performance: panel study of Malaysian companies. Management of Environmental Quality, 29(2), 182-194. DOI: 10.1108/MEQ-03-2017-0033 DOI: https://doi.org/10.1108/MEQ-03-2017-0033

Bachmann, R. K. B., Carneiro, L. M., & Espejo, M. M. S. B. (2013). Evidenciação de informações ambientais: proposta de um indicador a partir da percepção de especialistas. Revista de Contabilidade e Organizações, 7(17), 33-44. DOI: 10.11606/rco.v7i17.56666 DOI: https://doi.org/10.11606/rco.v7i17.56666

Barbosa, I. & Cabral-Cardoso, C. (2010). Equality and diversity rhetoric: one size fits all? Globalization and the Portuguese context. Equality, Diversity and Inclusion: an International Journal, 29(1), 97-112, DOI: 10.1108/02610151011019237 DOI: https://doi.org/10.1108/02610151011019237

Beuren, I. M., Cunha, P. R., Theiss, V., & Cordeiro, A. (2013). Percepção dos discentes da disciplina de contabilidade introdutória: uma análise por meio da entropia informacional em diferentes cursos de graduação. Revista de Contabilidade e Organizações, 7(19), 70-85, DOI: 10.11606/rco.v7i19.62890 DOI: https://doi.org/10.11606/rco.v7i19.62890

Bititci, U., Garengo, P., Dörfler, V., & Nudurupati, S. (2012). Performance measurement: challenges for tomorrow. International Journal of Management Reviews, 14(3), 305-327. DOI:10.1111/j.1468-2370.2011.00318.x DOI: https://doi.org/10.1111/j.1468-2370.2011.00318.x

Brito, R. P. de., & Brito, L. A. L. (2012). Vantagem competitiva e sua relação com o desempenho: uma abordagem baseada em valor. Revista administração contemporânea, 16(3), 360-380. DOI: 10.1590/S1415-65552012000300003 DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65552012000300003

Cannella, A. A., Park, J. H., & Lee, H. U. (2008). Top Management Team Functional Background Diversity and Firm Performance: Examining the Roles of Team Member Colocation and Environmental Uncertainty. Academy of Management Journal, 51(4), 768-784. DOI: 10.2307/20159538 DOI: https://doi.org/10.5465/AMJ.2008.33665310

Degenhart, L., Vogt, M., Hein, N., & Rosa, F. S. (2016). Ranking setorial do grau de evidenciação ambiental das empresas brasileiras listadas no IBrX‐100. REGE - Revista de Gestão, 23(4), 326-337. DOI: 10.1016/j.rege.2016.07.002 DOI: https://doi.org/10.1016/j.rege.2016.07.002

Degenhart, L., Vogt, M., Hein, N., Rosa, F. S., & Brizolla, M. M. B. (2019). Disclosure ranking of environmental impacts of Brazilian companies: analysis using multicriteria methods. Environmental Quality Management, 29(1), 155-167. DOI: 10.1016/j.rege.2016.07.002 DOI: https://doi.org/10.1002/tqem.21649

Del Bosco, B., & Misani, N. (2016). The effect of cross-listing on the environmental, social, and governance performance of firms. Journal of World Business, 51(6), 977-990. DOI: 10.1016/j.jwb.2016.08.002 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jwb.2016.08.002

Deng, H. (2015). Multicriteria analysis for benchmarking sustainability development. Benchmarking: An International Journal, 22(5), 791-807. DOI:10.1108/BIJ-07-2013-0072 DOI: https://doi.org/10.1108/BIJ-07-2013-0072

Di Domenico, D., Tormem, L., & Mazzioni, S. (2017). Nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative (GRI). Revista Catarinense da Ciência Contábil, 16(49). DOI: 10.16930/rccc.v16n49.2401 DOI: https://doi.org/10.16930/rccc.v16n49.2401

Douek, D., & Angelo, C. F. (2021). Desempenho de Ativos Imobiliários: Perspectivas da Governança Ambiental, Social e Corporativa no Brasil. Latin American Real Estate Society (LARES). DOI: https://doi.org/10.15396/LARES-2021-4DQA

Duque-Grisales, E., & Aguilera-Caracuel, J. (2021). Environmental, social and governance (ESG) scores and financial performance of multilatinas: Moderating effects of geographic international diversification and financial slack. Journal of Business Ethics, 168(2), 315-334. DOI: 10.1007/s10551-019-04177-w DOI: https://doi.org/10.1007/s10551-019-04177-w

Eliwa, Y., Aboud, A., & Saleh, A. (2021). ESG practices and the cost of debt: Evidence from EU countries. Critical Perspectives on Accounting, 79, 102097. DOI: 10.1016/j.cpa.2019.102097 DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2019.102097

Esteban-Sanchez, P., La Cuesta-Gonzalez, M., & Paredes-Gazquez, J. D. (2017). Corporate Social Performance and its relation with Corporate Financial Performance: International evidence in the banking industry. Journal of Cleaner Production, 162, 1102-1110. DOI: 10.1016/j.jclepro.2017.06.127 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2017.06.127

Freire, M. M. A., & Albuquerque Filho, A. R. (2022). Influência da responsabilidade social corporativa na qualidade das demonstrações contábeis de empresas brasileiras. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 21, 1-17. DOI: https://doi.org/10.16930/2237-7662202232231

Furtado, L. L., Antonovz, T., Correa, M. D., da Silva, O. A. D. P., & Panhoca, L. (2019). Relação entre Sustentabilidade e Inovação: Uma análise da legitimidade organizacional das empresas do setor elétrico brasileiro. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 18, 1-16. DOI: https://doi.org/10.16930/2237-766220192807

Hartmann, J. & Uhlenbruck, K. (2015). National institutional antecedents to corporate environmental performance. Journal of World Business, 50(4), 729-741. DOI: 10.1016/j.jwb.2015.02.001 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jwb.2015.02.001

Hein, N., Vogt, M., Degenhart, L., Haussmann, D. C. S., & Kroenke, A. (2020). Ranking de criação de valor das empresas sul-americanas Estudo Multicritério a Partir dos Métodos DP2 e VIKOR. Desenvolvimento em questão, 18(50), 308-324. DOI: 10.21527/2237-6453.2020.50.308-324 DOI: https://doi.org/10.21527/2237-6453.2020.50.308-324

Jacintho, V., & Kroenke, A. (2021). Indicadores econômico-financeiros de empresas brasileiras: uma comparação entre setores. Revista Ambiente Contábil, 13(1), 90-113. DOI: 10.21680/2176-9036.2021v13n1ID19365 DOI: https://doi.org/10.21680/2176-9036.2021v13n1ID19365

Jakimowicz, A., & Rzeczkowski, D. (2019). Do barriers to innovation impact changes in innovation activities of firms during business cycle? The effect of the Polish green island. Equilibrium. Quarterly Journal of Economics and Economic Policy, 14(4), 631-676. DOI: 10.24136/eq.2019.030 DOI: https://doi.org/10.24136/eq.2019.030

Li, T. T., Wang, K., Sueyoshi, T., & Wang, D. D. (2021). ESG: Research Progress and Future Prospects. Sustainability, 13(21), 116-63. DOI: 10.3390/su132111663 DOI: https://doi.org/10.3390/su132111663

Liu, X., & Anbumozhi, V. (2009). Determinant factors of corporate environmental information disclosure: an empirical study of Chinese listed companies. Journal of Cleaner Production, 17(6), 593-600. DOI: 10.1016/j.jclepro.2008.10.001 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2008.10.001

Macedo, M. A. da S., Corrar, L. J., & Siqueira, J. R. M. de. (2012). Comparative analysis of the accounting and financial performance of socially and environmentally responsible companies in Brazil. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 9(1), 13-26. DOI: 10.4013/base.2012.91.02 DOI: https://doi.org/10.4013/base.2012.91.02

Madrigal, M. H., Guzmán, B. A., & Guzmán, C. A. (2015). Determinants of corporate risk disclosure in large Spanish companies: a snapshot. Contaduría y Administración, 60(4), 757-775. DOI: 10.1016/j.cya.2015.05.014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cya.2015.05.014

Maghsoodi, A. I., Abouhamzeh, G., Khalilzadeh, M., Zavadskas, E. K. (2018). Ranking and selecting the best performance appraisal method using the MULTIMOORA approach integrated Shannon's entropy Front. Bus. Res. China, 12(1), 2-21. DOI: 10.1186/s11782-017-0022-6 DOI: https://doi.org/10.1186/s11782-017-0022-6

Marcos, C., Nascimento, J. C., De Nez, E., & Kroenke, A. (2018). Desempenho Econômico-Financeiro e o Grau de Internacionalização de Empresas Listadas no Novo Mercado da B3. Revista Contabilidade e Controladoria, 10(2). DOI: 10.5380/rcc.v10i2.62879 DOI: https://doi.org/10.5380/rcc.v10i2.62879

Miralles-Quirós, M. M., Miralles-Quirós, J. L., & Valente-Gonçalves, L. M. (2018). The value relevance of environmental, social, and governance performance: The Brazilian case. Sustainability, 10(3), 574. DOI: 10.3390/su10030574 DOI: https://doi.org/10.3390/su10030574

Refinitiv. (2020). Environmental, Social and Governance (ESG) scores from Refinitiv. Recuperado em setembro, 2021, de: https://www.refinitiv.com/en/sustainable-finance/esg-scores.

Ryszawska, B. (2016). Sustainability transition needs sustainable finance. Copernican Journal of Finance and Accounting, 5(1), 185-194. DOI: 10.12775/CJFA.2016.011 DOI: https://doi.org/10.12775/CJFA.2016.011

Silva, A., Sulzbach, C., Hein, N., & Kroenke, A. (2015). Estratégia mista da teoria dos jogos: formação de ranking empresarial. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 33-55. DOI: 10.19177/reen.v8e1201532-55 DOI: https://doi.org/10.19177/reen.v8e1201532-55

Tarmuji, I., Tarmuji, N. H., & Maelah, R. (2016). The Impact of Environmental, Social and Governance Practices (ESG) on Economic Performance: Evidence from ESG Score. International Journal of Trade, Economics and Finance, 7(3), 67-74. DOI: 10.1016/j.procs.2017.11.310 DOI: https://doi.org/10.18178/ijtef.2016.7.3.501

Theiss, V., Kreuzberg, F., Beck, F., & Hein, N. (2014). Ranking do Índice Brasil de Inovação (IBI) nas Atividades Industriais e Extrativas da Região Sul do Brasil. Revista de Administração e Inovação, 11(3), 79-100. DOI: 10.1016/j.procs.2017.11.310 DOI: https://doi.org/10.11606/rai.v11i3.100216

Velte, P. (2017). Does ESG performance have an impact on financial performance? Evidence from Germany. Journal of Global Responsibility, 8(2), 169-178. DOI: 10.1108/JGR-11-2016-0029 DOI: https://doi.org/10.1108/JGR-11-2016-0029

Vogt, M., Degenhart, L., Hein, N., & Rosa, F. S. (2018). Análise das informações ambientais evidenciadas nos relatórios de sustentabilidade e relatórios anuais sobre efluentes líquidos das empresas brasileiras. Revista de administração, contabilidade e economia, 17(1), 55-78. DOI: 10.18593/race.v17i1.12929 DOI: https://doi.org/10.18593/race.v17i1.12929

Zaniboni, N. C., & Montini, A. A. (2017). O efeito do ambiente macroeconômico em empresas inovadoras. Revista Pretexto, 120-131. DOI: 10.21714/pretexto.v18i1.4150 DOI: https://doi.org/10.21714/pretexto.v18i1.4150

Publicado

24/06/2022

Como Citar

Ferreira, L. B. G. R., Silva, C. T. da ., Viana, L. F. C. ., & Meurer, T. (2022). Entropia da informação e ranking das empresas do IBOVESPA: a relevância da inovação ambiental. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 21, e3246. https://doi.org/10.16930/2237-766220223246

Edição

Seção

Artigos