Análise da relação entre o desempenho acadêmico e as estratégias de aprendizagem de graduandos de Contabilidade do EAD

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16930/2237-766220223303

Palavras-chave:

Estilos de Aprendizagem, Desempenho Acadêmico, EAD, Ensino Superior, Ciências Contábeis

Resumo

Este estudo teve como objetivo identificar a relação existente entre as estratégias de aprendizagem adotadas por graduandos de contabilidade do Ensino a Distância (EAD) e seus respectivos desempenhos acadêmicos. Com a pandemia provocada pela Covid-19, várias Instituições de Ensino Superior (IES) precisaram investir em tecnologias que facilitam a introdução e disseminação do EAD. Apesar das similaridades de conteúdo entre o ensino presencial e o EAD, o processo de aprendizagem é distinto entre as modalidades, tornando-se necessário compreender as estratégias que ajudam a explicar o desempenho desses discentes. Para atingir o objetivo proposto pela pesquisa, foi conduzido um levantamento com 174 discentes do curso de Ciências Contábeis EAD de uma IES privada com sede na cidade de São Paulo. A análise dos dados contou com técnicas quantitativas, como teste de médias, análise de componentes principais e regressões lineares simples e múltiplas. A partir dos resultados da pesquisa, foi possível identificar uma correlação positiva entre as principais estratégias utilizadas pelos discentes e o desempenho no curso, corroborando com a literatura sobre o tema. Em especial, as estratégias cognitivas mostraram-se mais importantes para os estudantes da amostra da pesquisa. Os resultados do estudo ajudam a compreender como os discentes de contabilidade do EAD utilizam estratégias que ajudam no seu desempenho acadêmico, o que pode ser útil para os gestores de curso, estudantes da área, professores e para a condução de políticas educacionais pela classe contábil.

Referências

Acevedo, D., Torres, J. D., & Tirado, D. F. (2015). Análisis de los hábitos de estudio y motivación para el aprendizaje a distancia en alumnos de ingeniería de sistemas de la universidad de Cartagena (Colombia). Formación Universitaria, 8(5), 59-66. http://dx.doi.org/10.4067/S0718-50062015000500007 DOI: https://doi.org/10.4067/S0718-50062015000500007

Andrade, R. B. N. M., & Zerbini, T. (2019). Estilos de aprendizagem em Educação a Distância: diferenças e semelhanças conceituais. Revista Psicologia: Organizações & Trabalho, 20(3), 1150-1156. DOI: https://doi.org/10.17652/rpot/2020.3.17947

Bacan, A. R., Martins, G. H., & Santos, A. A. A. (2020) Adaptação ao ensino superior, estratégias de aprendizagem e motivação de alunos EAD. Psicologia: Ciência e Profissão, 40(e211509), 1-15. https://doi.org/10.1590/1982-3703003211509 DOI: https://doi.org/10.1590/1982-3703003211509

Beluce, A. C., & Oliveira, K. L. (2016) Escala de estratégias e motivação para aprendizagem em ambientes virtuais. Revista Brasileira de Educação, 21 (66). DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782016216631

Bicalho, R. N. M., & Oliveira, M. C. S. L. (2012). O processo dialógico de construção do conhecimento em fóruns de discussão. Interfaces – Comunicação, Saúde, Educação, 16(41), 469-483. https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000028 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000028

Boruchovitch, E. (1999). Estratégias de aprendizagem e desempenho escolar: considerações para a prática educacional, Psicologia: Reflexão Crítica, 12(2), 361-376. https://doi.org/10.1590/S0102-79721999000200008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-79721999000200008

Branco, L. S. A., Conte, E., & Habowski, A. C. (2020). Evasão na educação a distância: pontos e contrapontos à problemática. Avaliação, 25(1), 132-154. https://doi.org/10.1590/S1414-40772020000100008 DOI: https://doi.org/10.1590/s1414-40772020000100008

Bzuneck, J. A. (2010). Como motivar os alunos: sugestões práticas. In E. Boruchovitch; J. A. Bzuneck; S. É. R. Guimarães (Orgs.). Motivar para aprender: aplicações no contexto educativo. Petrópolis: Vozes, 13-42.

Caetano, C. C. R., Cardoso, T. A. O., Miranda, G. J., & Freitas, S. C. (2016). Desempenho no Enade em Ciências Contábeis: ensino a distância (EAD) versus presencial. Revista Universo Contábil, 11(4), 147-165. Recuperado de https://bu.furb.br/ojs/index.php/universocontabil/article/view/5047 DOI: https://doi.org/10.4270/ruc.2015436

Carswell, A. D., & Venkatesh, V. (2002). Learner outcomes in an asynchronous distance education environment. International Journal of Human-Computer Studies, 56, 475-494. DOI: https://doi.org/10.1006/ijhc.2002.1004

Cornacchione Junior, E. B., Cunha, J. V. A., De Luca, M. M. M.., & Ott, E. (2010). O bom é meu, o ruim é seu: perspectivas da teoria da atribuição sobre o desempenho acadêmico de alunos da graduação em Ciências Contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 21(53), 1-24, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1519-70772010000200004

Dhawan, S. (2020). Online learning: a panacea in the time of Covid-19 crisis. Journal of Educational Technology Systems, 49(1), 1-18. https://doi.org/10.1177%2F0047239520934018 DOI: https://doi.org/10.1177/0047239520934018

Fávero, L. P., & Belfiore, P. (2017). Análise de dados: estatística e modelagem multivariada com Excel®, SPSS® e Stata®. LCT.

Fisher, S. L., & Ford, J. K. (1998). Diferential efects of learner efort and goal orientation on two learning outcomes. Personnel Psychology, 51, 397-420. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1744-6570.1998.tb00731.x

Fiuza, P. J., Sarriera, J. C. & Bedin, L. M. (2013). Educação a distância: tradução, adaptação e validação da escala de motivação EMITICE. Psicologia Escolar e Educacional, 17(1), 45-53. https://doi.org/10.1590/S1413-85572013000100005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-85572013000100005

Fortes, F. A. M., & Nacarato, A. M. (2020). A implantação da EaD: Um estudo sobre os dispositivos legais e a expansão do curso de Pedagogia. Devir Educação, 4(2), 411-430. https://doi.org/10.30905/ded.v4i2.244 DOI: https://doi.org/10.30905/ded.v4i2.244

Giesbers, B. et al. (2013). Investigating the relations between motivation, tool use, participation, and performance in an e-learning course using web-videoconferencing. Computers in Human Behavior, 29(1), 285-292. DOI: https://doi.org/10.1016/j.chb.2012.09.005

Guri-Rosenblit, S. (2009). Distance education in digital age: common misconceptions and challenging tasks. Journal of Distance Education, 23(2), 105-122. Recuperado de https://www.ijede.ca/index.php/jde/article/view/627

Hartnett, M., George, A. S., & Dron, J. (2011) Being together: factors that unintentionally undermine motivation. Journal of Open, Flexible and Distance Learning, 15(1), 2-15.

Instituto Nacional de Estudo e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). (2019). Censo de Educação superior, Notas estatísticas – 2019, 12-20. Recuperado em 31 de janeiro, 2022 de https://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2020/Notas_Estatisticas_Censo_da_Educacao_Superior_2019.pdf

Kardash, C. M., & Amlund, J. T. (1991). Self-reported learning strategies and learning from expository text. Contemporary Educational Psychology, 16, 117-138. DOI: https://doi.org/10.1016/0361-476X(91)90032-G

Kashora, T., Van Der Poll, H. M., & Van Der Poll, J. A. (2016). E-learning and technologies for open distance learning in Management Accounting. Africa Education Review, 13(1), 1-19. https://doi.org/10.1080/18146627.2016.1186863 DOI: https://doi.org/10.1080/18146627.2016.1186863

Martins, G. A., & Domingues, O. (2014). Estatística Geral e Aplicada. Atlas.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia de investigação científica para ciências sociais aplicadas (2a ed.). Atlas.

Martins, L. B. & Zerbini, T. (2014) Escala de Estratégias de Aprendizagem: evidências de validade em contexto universitário híbrido, Psico-USF, 19(2), 317-328. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-82712014019002007

Mill, D. (2015). Gestão Estratégica de sistemas de educação a distância no Brasil e em Portugal: a propósito da flexibilidade educacional. Educação & Sociedade, 36(131), 407-426. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015122053 DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015122053

Ministério da Educação (MEC). (2022). Censo da educação superior 2019. https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-eindicadores/censo-da-educacao-superior/resultados

Mujica, A. D., Villalobos, M. V. P., Gutiérrez, A. B. B., Fernández-Castañón, A. C., & González-Pienda J. A. (2019). Affective and cognitive variables involved in structural prediction of university dropout. Psicothema, 31(4), 429-436.

Nasu, V. H., Silva, B. G., Borges, Y. M., & Melo, B. A. R. (2021). Variáveis institucionais explicativas do desempenho de estudantes de Ciências Contábeis e Administração. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 20, e3221. https://doi.org/10.16930/2237-766220213221 DOI: https://doi.org/10.16930/2237-7662202132211

Oliveira, K. L., Boruchovitch, E., & Santos, A. A. A. (2010) Escala de avaliação das estratégias de aprendizagem para o ensino fundamental – EAVAP-EF. São Paulo: Casa do Psicólogo, 15-20.

Palitot, M. D., Meireles, J. S., Brito, F. A. T., Silva, H. M. L., & Batista, A. T. (2017). A relação entre estratégia de aprendizagem e rendimento escolar no ensino médio. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, 2(2), 128-138. DOI: https://doi.org/10.24219/rpi.v2i2.456

Pintrich, P. R., & Garcia, T. (1993). Intra-individual diferences in students’ motivation and selfregulated learning. Zeitschrift fur Padagogische Psychologie, 7, 99-107.

Pintrich, P. R., Smith, D. A. F., Garcia, T., & McKeachie, W. J. (1993). Reliability and predictive validity of the Motivated Strategies for Learning Questionnaire (MSLQ). Educational and Psychological Measurement, 53, 801-813. DOI: https://doi.org/10.1177/0013164493053003024

Richardson, J. T. E. (1990). Reliability and replicability of the Approaches to Studying Questionnaire. Studies in Higher Education, 15, 155-168. DOI: https://doi.org/10.1080/03075079012331377481

Rosalin, B. C. M., Cruz, J. A. S., & Mattos, M. B. G. (2017). A importância do material didático no ensino a distância. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 21(n. esp. 1), 814-830. https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10453 DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10453

Ryan, A. M., & Pintrich, P. R. (1997). ‘Should I ask for help?’ The role of motivation and attitudes in adolescents’ help-seeking in math class. Journal of Educational Psychology, 89, 329-341. DOI: https://doi.org/10.1037/0022-0663.89.2.329

Silva, M. (2003), Criar e professorar um curso on-line: relato de experiência. In M. Silva (Org.). Educação on-line: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo: Loyola, p. 53-75.

Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp). (2022). Mapa do Ensino Superior no Brasil 2021. Recuperado de https://www.semesp.org.br/wp-content/uploads/2021/06/Mapa-do-Ensino SuperiorCompleto.pdf

Souza, S., Franco, V. S., & Costa, M. L. F. (2016). Educação a distância na ótica discente. Educação e Pesquisa, 42(1), 99-113. https://doi.org/10.1590/s1517-9702201603133875 DOI: https://doi.org/10.1590/s1517-9702201603133875

Versuti, F. M., Andrade, R. B. N. M., & Zerbini, T. (2020). Estratégias de aprendizagem em cursos ofertados à distância: diferença entre cursos de licenciatura extensão. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 36, e3631. https://dx.doi.org/10.1590/0102.3772e3631 DOI: https://doi.org/10.1590/0102.3772e3631

Wander, B., Gomes, M. Q., & Pinto, M. E. B. (2020). Avaliação da interação em fóruns de discussão na especialização de preceptoria em Medicina de Família e Comunidade a distância. Interfaces – Comunicação, Saúde, Educação, 24(Supl. 1), e190513. https://doi.org/10.1590/Interface.190513 DOI: https://doi.org/10.1590/interface.190513

Warr, P., & Allan, C. (1998). Learning strategies and occupational training. International Review of Industrial and Organizational Psychology, 13, 83-121.

Warr, P., Allan, C., & Birdi, K. (1999). Predicting three levels of training outcome. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 72(3), 351-375. https://doi.org/10.1348/096317999166725 DOI: https://doi.org/10.1348/096317999166725

Warr, P., & Downing, J. (2000). Learning strategies, learning anxiety and knowledge acquisition. British Journal Psychology, 91(3), 311- 333. https://doi.org/10.1348/000712600161853 DOI: https://doi.org/10.1348/000712600161853

Zerbini, T., & Abbad, G. (2008). Estratégias de aprendizagem em curso a distância: validação de uma escala. Psico-USF, 13(2), 177-187. https://doi.org/10.1590/S1413-82712008000200005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-82712008000200005

Zerbini, T., Abbad, G., Mourão, L., & Martins, L. B. (2015). Estratégias de aprendizagem em cursos corporativos a distância: como estudam os trabalhadores. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(4), 1024-1041. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-3703000312014

Zimmerman, B. J., & Martinez-Pons, M. (1986). Development of a structured interview for assessing student use of self-regulated learning strategies. American Educational Research Journal, 23, 614-628. DOI: https://doi.org/10.3102/00028312023004614

Publicado

31/08/2022

Como Citar

Durso, S. de O., & Decoster, S. R. A. (2022). Análise da relação entre o desempenho acadêmico e as estratégias de aprendizagem de graduandos de Contabilidade do EAD. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 21, e3303. https://doi.org/10.16930/2237-766220223303

Edição

Seção

Artigos