Avaliação da capacidade de julgamento & tomada de decisão baseado nas Normas Internacionais de Contabilidade

Ieda Margarete Oro, Roberto Carlos Klann

Resumo


As normas internacionais vigentes evidenciam a necessidade do julgamento e tomada de decisão dos profissionais da contabilidade nas questões que envolvem o reconhecimento e a mensuração dos fatos contábeis. O objetivo deste estudo é avaliar a capacidade de julgamento e tomada de decisão de acadêmicos de ciências contábeis na resolução de questões que envolvem as normas internacionais. Em função das características do estudo, buscou-se, no desenvolvimento da análise, a associação com as heurísticas clássicas da tomada de decisão: representatividade, disponibilidade, ancoragem e ajuste. A pesquisa caracteriza-se como um estudo exploratório, survey com abordagem quantitativa. A amostra consistiu de 97 alunos do curso de graduação em Ciências Contábeis de uma universidade de Santa Catarina. O questionário selecionou 6 questões que envolvem julgamento e tomada de decisão e integram provas do Conselho Federal de Contabilidade. Na análise das heurísticas, que envolvem o julgamento e a tomada de decisão, constatou-se maior uso das heurísticas da disponibilidade e ancoragem e ajuste nas questões analisadas. A média percentual de acertos nas seis questões foi considerada baixa, contudo, não invalida os resultados, mas chama a atenção para o grau de racionalidade limitada nas decisões. É preciso ressaltar que os vieses cognitivos podem ser provocados pelo uso das heurísticas. Os achados da pesquisa revelam pontos significativos e que reforçam a importância do julgamento e tomada de decisão na formação acadêmica, como habilidade do Contador.

Palavras-chave


Julgamento; Tomada de Decisão; Heurísticas; Normas Internacionais de Contabilidade.

Referências


Bazerman, M. H. (2004). Processo decisório: para os cursos de administração e economia. Rio de Janeiro: Elsevier.

Birnberg, J.G. (2011). A Proposed Framework for Behavioral Accounting Research. Behavioral Research in Accounting, 23(1), 1-43.

Birnberg, J. G, Luft, J., & Shields, M. (2007). Psychology Theory in Management Accounting Research. In C. S. Chapman, A. Hopwood, M. Shields (Orgs.). Handbook of Management Accounting Research.

César, A.M.V.C.; Akamine Junior, A. & Perez, G. (2011, julho). Processos cognitivos envolvidos na estimativa de metas orçamentárias: um estudo nas áreas de logística e do Transporte Rodoviário de Cargas. Anais do Congresso Usp de Contabilidade e Controladoria, São Paulo, SP, Brasil, 11.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2009). Pronunciamento Técnico CPC 30: Receitas. Brasília, 2009. Recuperado em 10 agosto, 2012, de http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-Emitidos/Pronunciamentos

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2009). Pronunciamento Técnico CPC 36 (R1): Demonstrações consolidadas. Brasília. Recuperado em 10 agosto, 2012, de http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-Emitidos/Pronunciamentos

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2009). Pronunciamento Técnico CPC 17: Contratos de construção - mensuração. Brasília. Recuperado em 10 agosto, 2012, de http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-Emitidos/Pronunciamentos.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2009). Pronunciamento Técnico CPC PME (R1): IFRS para PMEs. Brasília. Recuperado em 10 agosto, 2012, de http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-Emitidos/Pronunciamentos

Comitê de Pronunciamentos Contábei (2010). Pronunciamento Técnico CPC 07 (R1): Subvenção governamental. Brasília. Recuperado em 10 agosto, 2012, de http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-Emitidos/Pronunciamentos

Conselho Federal de Contabilidade (2012). Exame de Qualificação Técnica e Exame de Suficiência. Recuperado em 10 agosto, 2012, de http://www.portalcfc.org.br/coordenadorias/desenvolvimento_profissional/exames/exame_de_qualificacao_tecnica/

Creswel, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (2a. ed.). Porto Alegre: Artmed.

Dantas, J.A., Niyama, J. K., Rodrigues, F. F., & Mendes, P. C. (2010). Normatização contábil baseada em princípios ou em regras? Benefícios, custos, oportunidades e riscos. Revista de Contabilidade e Organizações, 4(9), 3-29.

Dantas, M. M. & Macedo, M. A. (2013). O Processo Decisório no Ambiente Contábil: um estudo à luz da Teoria dos Prospectos. Revista de Contabilidade & Controladoria, 5 (3), 47-65.

Dorow, A., Macedo Júnior, J. S., Nunes, P., Reina, D., & Maximiniano, D. R. (2010). A heurística da ancoragem e a tomada de decisão sob risco em investimentos imobiliários. Contabilidade, Gestão e Governança, 13(3), 86-101.

Ernest Young & Fipecafi (2010). Manual de Normas Internacionais de Contabilidade. IFRS versus normas brasileiras. São Paulo: Atlas.

Eysenck, M. W., & Keane, M.T. (2007). Manual de psicologia cognitiva. (5a ed.). Porto Alegre: Artes médicas.

Gomes, L. F. A. M. (2007). Teoria da decisão. São Paulo: Thomson Learning.

Hastie, A. (2001). Problems for judgment and decision-making. Rev. Psychol, 52, 653-683.

Iudícibus, S. de, Martins, E., Gelbcke, E.R., & Santos, A. dos. (2010). Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas.

Kaufmann, A. (1981). A ciência da tomada de decisão. Uma introdução à praxiologia. Rio de Janeiro: Zahar editores.

Kahneman, D. & Tversky, A. (1979). Prospect Theory: An Analysis of Decision under Risk.

Econometrica, 47(2), 263-292.

LIima, D.H.S.de (2007). Efeito formulação e contabilidade: uma análise da influência da contabilidade na forma de apresentação dos demonstrativos e relatórios contábeis sobre o processo decisório dos usuários de informações contábeis. Dissertação de mestrado. Programa Pós-Graduação em Ciências Contábeis da UnB, UFPA e UFRN. Natal-RN, Brasil. Recuperado em 28 julho, 2012, de http://repositorio.unb.br/handle/10482/1222

Cardoso, R. L.& Oyadomari, J.C (2010, setembro) A informação contábil e a fixação funcional: um estudo experimental considerando as alterações da lei 11.638/07. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, Brasil, 34.

Macedo, M. A. S., & Fontes, P. V. S. (2009). Análise do Comportamento Decisório de Analistas Contábil-Financeiros: um estudo com base na Teoria da Racionalidade Limitada. Revista Contemporânea de Contabilidade. 11(1), 159-186.

Maia, K. I. C. (2012). O ensino de julgamento e tomada de decisão nos cursos de graduação em ciências contábeis no Brasil. Dissertação de mestrado. Escola Brasileira de Administração Pública e Empresas- EBAPE – FGV. São Paulo, Brasil. Recuperado em 29 julho, 2012, de http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/9909

Marin, R.(2009). Aplicação de um modelo cognitivo para análise de tomada de decisão em um ambiente de desenvolvimento orçamentário. Dissertação de mestrado. Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo, Brasil. Recuperado em 25 julho, 2012, de http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2672

Martins, E., Martins, V.A., & Martins, E.A. (2007). Normatização contábil: ensaio sobre sua evolução e o papel do CPC. Revista de Informação Contábil, 1(1), 7-30.

Matlin, M. W. (2003). Psicologia cognitiva. (5a ed). Rio de Janeiro: LTC.

Moreira, F. S., Firmino, J. E., Santos, A. R. D., Silva, J. D. G., & Silva, M. C. (2015). Qualidade da Auditoria no Brasil: Um Estudo do Julgamento dos Auditores Independentes na Aderência do Ajuste a Valor Presente nas Companhias de Construção e Engenharia Listadas na BM&F-Bovespa. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 10(1), 62-80.

Niyama, J. K., Botelho, D. R., Correa, B. M., & Santana, C. M. (2008). Conhecimento de contabilidade internacional nos cursos de graduação em ciências contábeis: estudo da oferta nas instituições de ensino superior das capitais brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(2), 100-117.

Pinto, P. S. B. (2012). O processo de decisão em ambiente contábil sob a ótica da Teoria dos Prospectos. Dissertação de mestrado. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro- RJ, Brasil. Recuperado em 23 abril, 2013, de http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UERJ_d03183a841aca8fa81e8ed07312f3b1c

Robbins, S. P. (2004). Comportamento Organizacional. (9a ed.). São Paulo: Prentice Hall.

Silva, A. C., & Gonçalves, R.C.M.G. (2006, julho). Caracterização do uso de sistemas de controle orçamentário: um estudo multicaso. Anais do Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, São Paulo, USP, Brasil, 6.

Sternberg, R. J. (2010). Psicologia cognitiva. (5a ed). Rio de Janeiro: Cengage Learning.

Xavier Filho, J. L. J., Dias, S. A., França, F. M., Silva, A. C. B., & Vasconcelos, A. F. (2015). A importância dos conhecimentos contábeis para os discentes em administração: uma análise a partir de influentes de julgamento. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 5(1) 77-104.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n47p51-68



Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, Florianópolis, SC, Brasil. eISSN: 2237-7662, ISSN: 1808-3781


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.