Impacto da introdução de market makers nas negociações das Brazilian Depositary Receipts

João Eduardo Ribeiro, Antônio Artur de Souza, Gabriel Augusto de Carvalho, Hudson Fernandes Amaral

Resumo


O presente estudo se propõe a analisar o efeito gerado na liquidez das Brazilian Depositary Receipts (BDRs) com a introdução de market makers para esses ativos. A amostra desse estudo foi composta pelas BDRs com pelo menos 200 dias de negociações anteriores e posteriores à contratação dos market makers, chegando-se assim ao número final de 42 BDRs entre os anos de 2010 e 2017. Para os ativos da amostra foram obtidas as séries históricas das proxies de liquidez (bid-ask-spread, número de negócios e volume), posteriormente foi estimado um modelo AR(1) para cada BDR e então empregado o teste de Chow para se verificar a estabilidade dos parâmetros dos modelos. Os resultados encontrados na análise do teste de Chow apontaram que, para um nível de confiança de 99%, 29 BDRs, ou seja, 69% das BDRs estudadas, tiveram mudanças abruptas e estatisticamente significativas no bid-ask-spread, 23 BDRs (55%) apresentaram mudanças significativas no número de negócios e 22 BDRs (52%) apresentaram mudanças significativas no volume. Ao flexibilizar o nível de confiança para 95%, 32 BDRs (76%) apresentaram mudanças no bid-ask-spread, 29 BDRs (69%) apresentaram mudanças no número de negócios e 29 BDRs, ou seja, 69% tiveram mudanças estatisticamente significativas no volume. Esse resultado apresenta, portanto, fortes evidências sobre a influência dos market makers na liquidez de mercado das BDRs, mostrando que a contratação de formadores de mercado pode aumentar a liquidez e contribuir de maneira significativa com as negociações desses papéis.

Palavras-chave


Market Makers; Liquidez; Teste de Chow; Brazilian Depositary Receipts.

Texto completo:

PDF PDF (English) EPUB

Referências


Ambrozini, M. A., Gaio, L. E., Bonacim, C. A. G., & Cicconi, E. G. (2009). Impacto dos formadores de mercado sobre a Liquidez das Ações Negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Contabilidade Vista & Revista, 20(3), 15-38.

Amihud, Y., & Mendelson, H. (1986). Asset pricing and the bid-ask spread. Journal of financial Economics, 17(2), 223-249.

Amihud, Y., & Mendelson, H. (1991). Liquidity, asset prices and financial policy. Financial Analysts Journal, 47(6), 56-66.

Amihud, Y., & Mendelson, H. (2008). Liquidity, the value of the firm, and corporate finance. Journal of Applied Corporate Finance, 20(2), 32-45.

Amihud, Y., & Mendelson, H. (1987). Trading mechanisms and stock returns: An empirical investigation. The Journal of Finance, 42(3), 533-553.

Banz, R. W. (1981). The relationship between return and market value of common stocks. Journal of Financial Economics, 9(1), 3-18.

Box, G. E., & Jenkis, G. M. (1970). Time series analysis for casting and control. San Francisco, Holden Day (44), 575.

Brasil Bolsa Balcão (B3). BDRs – Brazilian Depositary Receipts. Recuperado em 11 dezembro, 2017, de http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/listagem/bdrs-brazilian-depositary-receipts/.

Chordia, T., Subrahmanyam, A., & Anshuman, V. R. (2001). Trading activity and expected stock returns. Journal of financial Economics, 59(1), 3-32.

Chow, G. C. (1960). Tests of equality between sets of coefficients in two linear regressions. Econometrica: Journal of the Econometric Society, 28(6), 591-605.

Clark-Joseph, A. D., Ye, M., & Zi, C. (2017). Designated market makers still matter: Evidence from two natural experiments. Journal of Financial Economics, 126(3), 652-667.

Copeland, T. E., & Galai, D. (1983). Information effects on the bid‐ask spread. The Journal of Finance, 38(5), 1457-1469.

Correia, L. F., Amaral, H. F., & Bressan, A. A. (2008). O efeito da liquidez sobre a rentabilidade de mercado das ações negociadas no mercado acionário brasileiro. BASE–Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 5(2), 109-119.

Costa, A. C., & Salles, A. A. (2010, Setembro). Um Exame da Influência do Formador de Mercado no Risco de Liquidez de Ações Negociadas. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, São Carlos, SP, Brasil, 30

Demsetz, H. (1968). The cost of transacting. The quarterly journal of economics, 82(1), 33-53.

Fama, E. F. (1970). Efficient capital markets: A review of theory and empirical work. The journal of Finance, 25(2), 383-417.

Fama, E. F. (1991). Efficient capital markets: II. The journal of finance, 46(5), 1575-1617.

Garman, M. B. (1976). Market microstructure. Journal of Financial Economics, 3(3), 257-275.

Glosten, L. R. (1989). Insider trading, liquidity, and the role of the monopolist specialist. Journal of Business, 62(2), 211-235.

Glosten, L. R., & Milgrom, P. R. (1985). Bid, ask and transaction prices in a specialist market with heterogeneously informed traders. Journal of financial economics, 14(1), 71-100.

Jun, S. G., Marathe, A., & Shawky, H. A. (2003). Liquidity and stock returns in emerging equity markets. Emerging Markets Review, 4(1), 1-24.

Kyle, A. S. (1985). Continuous auctions and insider trading. Econometrica: Journal of the Econometric Society, 53(6), 1315-1335.

Machado, M. A. V., & Medeiros, O. R. (2011). Modelos de precificação de ativos e o efeito liquidez: evidências empíricas no mercado acionário brasileiro. Revista Brasileira de Finanças, 9(3).

Madhavan, A. (2000). Market microstructure: A survey. Journal of Financial Markets, 3(3), 205-258.

Markowitz, H. (1952). Portfolio selection. The journal of finance, 7(1), 77-91.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2007). Metodologia da investigação científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo, Brasil: Atlas.

Morais, I. A., & Portugal, M. S. (1999). Modelagem e previsão de volatilidade determinística e estocástica para a série do Ibovespa. Journal of Economic Literature, 29(3), 303-341.

Neves, L. C. (2007). Estudo Empírico sobre o Comportamento do retorno e da liquidez média das ações no Mercado Acionário Brasileiro das Empresas que emitiram ADRs na NYSE e das que aderiram ao Novo Mercado. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil.

O’Hara, M. (1995). Market Microstructure Theory. (1a. ed.). Cambridge: Blackwell Publishers.

Pereira, A. J., Neto. (2006). Testes de estrutura ótima de capital em empresas brasileiras: o efeito de liquidez, desempenho do mercado acionário e assimetria de informação nas decisões de financiamento. Tese de Doutorado, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

Perlin, M. (2013). Os efeitos da introdução de agentes de liquidez no mercado acionário brasileiro. Revista Brasileira de Finanças, 11(2), 281-304.

Perotti, P., & Rindi, B. (2010). Market makers as information providers: The natural experiment of STAR. Journal of Empirical Finance, 17(5), 895-917.

Radner, R. (1979). Rational expectations equilibrium: Generic existence and the information revealed by prices. Econometrica: Journal of the Econometric Society, 655-678.

Rogers, P., & Mamede, S. D. P. N. (2014). Ineficiência informacional e/ou valor da liquidez? Estudo da atuação dos formadores de mercado no Brasil. Anais do Encontro Brasileiro de Finanças. Recife, PE, Brasil, 14.

Sanvitto, M. A. (2011). Formadores de mercado como agentes provedores de liquidez e de valor: um confronto entre teoria e realidade. Monografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Silva, V. A. D. (2012). Uma análise sobre a liquidez e a volatilidade das ações de empresas que contrataram formadores de mercado. Monografia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Siqueira, L. S., Amaral, H. F., & Correia, L. F. (2017). The effect of asymmetric information risk on returns of stocks traded on the BM&FBOVESPA. Revista Contabilidade & Finanças, 28(75), 425-444.

Stoll, H. R. (1978). The supply of dealer services in securities markets. The Journal of Finance, 33(4), 1133-1151.

Venkataraman, K., & Waisburd, A. C. (2007). The value of the designated market maker. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 42(3), 735-758.

Vieira, K. M., & Milach, F. T. (2008). Liquidez/Iliquidez no Mercado Brasileiro: Comportamento no Período 1995-2005 e suas Relações com o Retorno. BASE–Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 5(3), 5-16.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220192804

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional