Discriminação salarial de gênero e a percepção dos agentes: análise na profissão de controller

Marcia Zanievicz Silva, Alice Carolina Ames, Mikaéli da Silva Giordani

Resumo


O estudo objetivou evidenciar aspectos de discriminação salarial de gênero na atuação de controllers e descrever, por meio do discurso dos agentes, como estes percebem as práticas discriminatórias. Para tanto, realizou-se uma pesquisa exploratória, com abordagem mista. A população abrangeu os profissionais controllers do Brasil com perfis ativos na rede de contatos profissionais LinkedIn® no ano de 2018. Os dados foram coletados por meio de questionários e entrevistas com profissionais. Para análise quantitativa foi realizado o Teste de Levene e o Teste T de Student e para análise qualitativa dos dados foi utilizado a análise do discurso. Destaca-se que a discriminação de gênero foi percebida na profissão de controller, por meio das dificuldades em relação ao exercício da profissão, que envolvem aspectos como carga horário e assédio sexual. As contribuições que esta pesquisa apresenta se referem a profissão e a percepção dos agentes frente a desigualdades. Ainda, para organizações, os resultados podem sinalizar reflexões para mudanças e até mesmo estimular outras empresas a fortalecerem a equidade entre homens e mulheres.

Palavras-chave


Discriminação salarial; Gênero; Profissão de Controller.

Texto completo:

PDF PDF (English) EPUB

Referências


Araújo, V. F., & Ribeiro, E. P. (2001). Diferenciais de salários por gênero no Brasil: uma análise regional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Economia.

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2015). Pesquisa Qualitativa, com Texto, Imagem e Som: um manual prático. (Vol. 1, 13a ed.). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Bernd, D. C., Anzilago, M., & Beuren, I. M. (2017). Presença do Gênero Feminino entre os Discentes dos Programas de Pós-Graduação de Ciências Contábeis no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 11(4).

Blau, F. D., & Kahn, L. M. (1994). Rising wage inequality and the US gender gap. The American Economic Review, 84(2), 23-28.

Bradley, H. (1999). Gender and power in the workplace: Analysing the impact of economic change. Basingstoke: Macmillan.

Brighenti, J., Jacomossi, F., & da Silva, M. Z. (2015). Desigualdades de gênero na atuação de contadores e auditores no mercado de trabalho catarinense. Enfoque: Reflexão Contábil, 34(2), 109-122.

Broadbent, J., & Kirkham, L. (2008). Glass ceilings, glass cliffs or new worlds? Revisiting gender and accounting. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(4), 465-473.

Burke, M. D. R. J. (1994). Women in management: Current research issues. Sage.

Cambota, J. N., & Pontes, P. A. (2007). Desigualdade de rendimentos por gênero intraocupações no Brasil, em 2004. Revista de economia contemporânea, 11(2), 331-350.

Carnegie, G. D., & Lehman, C. (2012). We've come a long way! Maybe! Re‐imagining gender and accounting. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 25(2), 256-294.

Carrieri, A. D. P., Diniz, A. P. R., Souza, E. M. D., & Menezes, R. S. S. (2013). Gender and work: representations of femininities and masculinities in the view of women Brazilian executives. BAR-Brazilian Administration Review, 10(3), 281-303.

Cavazotte, F. D. S. C. N., Oliveira, L. B. de, & Miranda, L. C. de (2010). Desigualdade de gênero no trabalho: reflexos nas atitudes das mulheres e em sua intenção de deixar a empresa. Revista de Administração-RAUSP, 45(1).

Conselho Federal de Contabilidade (2019). Estatísticas. Recuperado de https://cfc.org.br/fiscalizacao-etica-e-disciplina/estatisticas/

Dal Magro, C. B., Carpes, A. D., Vergini, D., & Silva, M. Z. (2018). Glass ceiling em cargos de board e seu impacto no desempenho organizacional. Revista Contemporânea de Contabilidade, 15(34), 158-180.

Dambrin, C., & Lambert, C. (2012). Who is she and who are we? A reflexive journey in research into the rarity of women in the highest ranks of accountancy. Critical Perspectives on Accounting, 23(1), 1-16.

Dwyer, P. D., & Roberts, R. W. (2004). The contemporary gender agenda of the US public accounting profession: embracing feminism or maintaining empire? Critical Perspectives on Accounting, 15(1), 159-177.

Farjaudon, A. L., & Morales, J. (2013). In search of consensus: The role of accounting in the definition and reproduction of dominant interests. Critical Perspectives on Accounting, 24(2), 154-171.

Flynn, A., Earlie, E. K., & Cross, C. (2015). Gender equality in the accounting profession: one size fits all. Gender in Management: An International Journal, 30(6), 479-499.

Gomes, C. V., de Souza, P., & Lunkes, R. J. (2014). El perfil profesional de controlar impulsada por las empresas brasileñas. Revista de Globalización, Competitividad y Gobernabilidad, 8(1), 34.

Guerreiro, R., Frezatti, F., & Casado, T. (2006). Em busca de um melhor entendimento da contabilidade gerencial através da integração de conceitos da psicologia, cultura organizacional e teoria institucional. Revista Contabilidade & Finanças-USP, 17.

Haussmann, D. C. S., Vogt, M., Nelson, H., & da Silva, M. Z. (2018). Desigualdades de gênero no mercado de trabalho brasileiro: uma análise na área de ciências sociais aplicadas. Enfoque, 37(3), 129.

Haynes, K. (2013). Sexuality and sexual symbolism as processes of gendered identity formation: An autoethnography of an accounting firm. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 26(3), 374-398.

Haynes, K. (2017). Accounting as gendering and gendered: A review of 25 years of critical accounting research on gender. Critical Perspectives on Accounting, 43, 110-124.

Hofstede, G. (1991). Cultures and organizations. Intercultural cooperation and its importance for survival. Software of the mind. London: McGraw-Hill.

Kirkham, L. M. (1992). Integrating herstory and history in accountancy. Accounting, Organizations and Society, 17(3-4), 287-297.

Kirkham, L. M., & Loft, A. (1993). Gender and the construction of the professional accountant. Accounting, Organizations and Society, 18(6), 507-558.

Král, B., Mikołajewicz, G., Šoljaková, L., & Nowicki, J. (2017). Professional Competences of Controllers: The Case of Poland. European Financial and Accounting Journal, 2017(2), 17-40.

Lehman, C. R. (1992). “Herstory” in accounting: The first eighty years. Accounting, Organizations and Society, 17(3-4), 261-285.

Lunkes, R. J., Schnorrenberger, D., Gasparetto, V., & Vicente, E. F. R. (2009). The controllership functions in the united states, Germany and Brazil. Revista Universo Contabil, 5(4), 63.

Madalozzo, R. (2010). Occupational segregation and the gender wage gap in Brazil: an empirical analysis. Economia aplicada, 14(2), 147-168.

Mahindra, A. (2019). Recuperado em fevereiro, 2019, de https://twitter.com/anandmahindra/status/1092675489586569216?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1092675489586569216&ref_url=https%3A%2F%2Fwww.criatives.com.br%2F2019%2F03%2Fbilionario-indiano-faz-publicacao-sobre-o-trabalho-das-mulheres-sem-reconhecimento-e-viraliza-na-internet%2F

Marlow, S., & Carter, S. (2004). Accounting for change: Professional status, gender disadvantage and self-employment. Women in Management Review, 19(1), 5-17.

Montano, J. L. A., Donoso, J. A., Hassall, T., & Joyce, J. (2001). Vocational skills in the accounting professional profile: the Chartered Institute of Management Accountants (CIMA) employers' opinion. Accounting Education, 10(3), 299-313.

Oro, I. M., Beuren, I. M., & Carpes, A. M. S. (2013). Competências e habilidades exigidas do controller e a proposição para sua formação acadêmica. Contabilidade Vista & Revista, 24(1).

Pettit, B., & Hook, J. (2002). The structure of women's employment in comparative perspective. Social Forces, 84(2), 779-801.

Silva, S. M. C. D. (2016). Tetos de vitrais: gênero e raça na contabilidade no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Scott, A. J. (1987). The semiconductor industry in South-East Asia: Organization, location and the international division of labour. Regional Studies, 21(2), 143-159.

Young, J. J. (2013). (En) gendering sustainability. Critical Perspectives on Accounting, 26, 67-75.

Weber, J. (2011). The development of controller tasks: explaining the nature of controllership and its changes. Journal of Management Control, 22(1), 25-46.

Whiting, R. H., & Wright, C. (2001). Explaining gender inequity in the New Zealand accounting profession. The British Accounting Review, 33(2), 191-222.

Wiggers, N., Lunkes, R. J., & de Souza, P. (2015). Controller: estudo sobre a relação entre funções, salário e formação acadêmica. Enfoque: Reflexão Contábil, 34(2), 1-14.

Zoni, L., & Kenneth, M. (2007). Controller involvement in management: an empirical study in large Italian corporations. Journal of Accounting & Organizational Change, 3(1), 29-42.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220202908

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional