Agressividade fiscal e a lucratividade nas empresas do setor de energia elétrica do Brasil

Daniel Gomes dos Santos, Alan Santos de Oliveira

Resumo


Este estudo teve por objetivo analisar a influência da agressividade fiscal na capacidade de gerar lucro nas empresas do setor de energia elétrica listadas na B3 no período de 2013 a 2018. Trata-se de pesquisa descritiva, quantitativa, documental e bibliográfica. A amostra conta com 37 empresas durante o período estudado, formando um total de 222 observações. Foram utilizadas a BTD (Book Tax Differences) e a GAAP ETR (Generally Accepted Accounting Principles, Effective Tax Rate) como métrica de agressividade fiscal e a ML (Margem Líquida), o ROA (Return on Assets) e o ROI (Return on Investment) como indicadores de lucratividade. Os resultados foram alcançados por meio de estatística descritiva dos dados, análise de regressão linear, na qual foi aplicado um modelo de painel com efeitos aleatórios, e análise de regressão quantílica. Com o resultado detectou-se que, de maneira geral, quanto maior o nível de agressividade fiscal, maiores os índices de lucratividade. Esse estudo visa contribuir para que as empresas do setor de energia elétrica verifiquem a eficiência da utilização de um planejamento tributário agressivo, dando suporte à tomada de decisão.

Palavras-chave


Agressividade Fiscal; Lucratividade; Planejamento Tributário

Texto completo:

PDF PDF (English) EPUB

Referências


Araújo, R., & Leite Filho, P. (2018). Reflexo do nível de agressividade fiscal sobre a rentabilidade de empresas listadas na B3 e NYSE. Revista Universo Contábil, 14(4), 115-136. doi:10.4270/ruc.2018430

Assaf Neto, A. (2012). Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro (10a ed.). São Paulo: Atlas.

Brito, L. A. L., & Vasconcelos, F. C. de. (2004). A heterogeneidade do desempenho, suas causas e o conceito de vantagem competitiva: proposta de uma métrica. Revista de Administração Contemporânea, 8(spe), 107-129. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552004000500007

Carvalho, V. G. (2015). Influência das informações tributárias na previsão dos analistas financeiros do mercado de capitais brasileiro. Tese de doutorado em contabilidade, Programa Multi-institucional e Inter-Regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (UnB/UFPB/UFRN), Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Castro, J. K., & Flach, L. (2013). O gerenciamento tributário relacionado ao desempenho das empresas: um estudo nas empresas listadas no nível 1 de governança corporativa da BM&F BOVESPA. SEMEAD Seminários em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 16.

Chen, S., Chen, X., Cheng, Q., & Shevlin, T. (2010). Are family firms more aggressive than non-family firms? Journal of Financial Economics, 95, 41-61.

Chytis, E., Tasios S., & Gerantonis N. (2018, junho). Tax avoidance and corporate governance attributes: Evidence from listed companies. 15th International Conference on Enterprise, Systems, Accounting, Logistics and Management, Kefalonia, Greece, 24-26. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/326128323

Desai, M. A., & Dharmapala, D. (2006). Corporate tax avoidance and High-powered incentives. Jornal of Financial Economics, 79, 145-179.

Duarte, F. C. L., Girão, L. F. A. P., & Paulo, E. (2017). Avaliando Modelos Lineares de Value Relevance: Eles Captam o que Deveriam Captar? Revista de Administração Contemporânea, 21(spe), 110-134. https://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac2017160202

Dunbar, A., Higgins, D., Phillips, J., & Plesko, G. (2010). “What Do Measures of Tax Aggressiveness Measure?” Proceedings of the 103rd Annual Conference on Taxation, 18-26. National Tax Association, Washington, DC, USA.

Ferreira, F. R., Martinez, A. L., Costa, F. M., & Passamani, R. R. (2012). Book-tax differences e gerenciamento de resultados no mercado de ações do Brasil. Revista de Administração de Empresas, 52(5), 488-501. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902012000500002

Formigoni, H., Antunes, M. T. P., & Paulo, E. (2009). Diferença entre o Lucro Contábil e Lucro Tributável: uma análise sobre o Gerenciamento de Resultados Contábeis e Gerenciamento Tributário nas companhias abertas brasileiras. Brazilian Business Review, 6(1), 44-61.

Frank, M. M., Lynch, L. J., & Rego, S. O. (2009). Tax reporting aggressiveness and its relation to aggressive financial reporting. The Accounting Review, 84(2), 467-496.

Gitman, L. J. (2010). Princípios da administração financeira (12a ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Guimarães, G., Macedo, M. A., & Cruz, C. (2016). Análise da Alíquota Efetiva de Tributos Sobre o Lucro no Brasil: Um Estudo com foco na ETRt e na ETRc. Enfoque: Reflexão Contábil, 35. doi: https://doi.org/10.4025/enfoque.v35i1.30570

Gupta, S., & Newberry, K. (1997). Determinants of the variability in corporate effective tax rates: evidence from longitudinal data. Journal of Accounting and Public Policy, 16, 1-34.

Hanlon, M., & Heitzman, S. (2010). A review of tax research. Journal of Accounting and Economics, 50(2-3), 127-178.

Hanlon, M. (2005). The Persistence and Pricing of Earnings, Accruals, and Cash Flows When Firms Have Large Book-Tax Differences. The Accounting Review, 80. doi: https://doi.org/10.2308/accr.2005.80.1.137

Hanlon, M., & Slemrod, J. (2007). What does tax aggressiveness signal? Evidence from stock price reactions to news about tax aggressiveness. Journal of Public Economics, 93, 126-141. doi: http://ssrn.com/abstract=975252

Kassai, J. R., Kassai, S., Santos, A., & Assaf Neto, A. (2000). Retorno de investimento: abordagem matemática e contábil do lucro empresarial (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Katz, S., Khan, U., & Schmidt, A. P. (2013). Tax avoidance and future profitability. Columbia Business School Research Paper. (13-10). doi: http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2227149

Li, O. Z., Liu, H., & Ni, C. (2017). Controlling Shareholders Incentive and Corporate Tax Avoidance: A Natural Experiment in China. Journal of Business Finance & Accounting, 44(5-6), 697-727.

Lietz, G. (2013). Tax Avoidance vs. Tax Aggressiveness: A Unifying Conceptual Framework. Working Paper, University of Münster.

Lopes, T. (2012). Custos Políticos Tributários: O Impacto do Tamanho na Alíquota Tributária Efetiva. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Machado, A. P. (2011). A verdadeira alíquota dos tributos incidentes sobre os lucros das empresas brasileiras. Encontro da associação nacional de pós-graduação em administração – ENANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 35.

Martinez, A. L. (2017). Agressividade tributária: um survey da literatura. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 11, 106-124. Recuperado em 9 março, 2020, de https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=4416/441653809007

Martinez, A. L., & Brito, F. (2019) Effect of Tax Aggressiveness on CEO Turnover. Recuperado de https://ssrn.com/abstract=3436078

Martinez, A. L., & Dalfior, M. D. (2016). Agressividade fiscal entre companhias controladoras e controladas. Revista da Receita Federal: estudos tributários e aduaneiros, 2(1), 344-362.

Martinez, A. L., & Passamani, R. R. (2014). Book-Tax Differences e sua Relevância Informacional no Mercado de Capitais no Brasil. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 4(2), 20-37.

Martinez, A. L., & da Silva, R. (2018). Restrição financeira e agressividade fiscal nas empresas brasileiras de capital aberto. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(3), 448-463. doi: 10.14392/asaa.2018110305

Martinez, A. L., & Silva, R. (2020). Empresas Brasileiras de Capital Aberto que Pagam Menos Impostos Criam Mais Empregos? Revista Catarinense da Ciência Contábil, 19(1), 1-15.

Matarazzo, D. C. (2010). Análise financeira de balanços: abordagem gerencial (7a ed.). São Paulo: Altas.

Ozorio, L. M. (2015). Análise do Desempenho Econômico-Financeiro de Distribuidoras de Energia Elétrica no Brasil. (Texto de discussão n. 66). Rio de Janeiro: UFRJ.

Padoveze, C. L., & Benedicto, G. C. (2007). Análise das demonstrações financeiras (2a ed.). São Paulo: Thomson Learning.

Quirino, M. C.O., Moreira, C. S., Melo, C. L. L., & Mól, A. L. R. (2018). Governança Tributária e o Desempenho Financeiro das Empresas Brasileiras. Anais do Congresso USP International Conference in Accounting, São Paulo, SP, 2018, 18.

Ramalho, G. C., & Martinez, A. L. (2014). Empresas Familiares Brasileiras e a Agressividade Fiscal. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 14.

Receita Federal do Brasil. (2018). Carga Tributária no Brasil 2017: Análise por tributos e bases de incidência. Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Reinders, A. P. G. S., & Martinez, A. L. (2018). Qual o Efeito da Agressividade Tributária na Rentabilidade Futura? Uma Análise das Companhias Abertas Brasileiras. Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI, 5(1), 3-14.

Rezende, G, P., & Nakao, S. H. (2012). Gerenciamento de resultados e a relação com o lucro tributável das empresas brasileiras de capital aberto. Revista Universo Contábil, 8(1), 6-21.

Richardson, G., & Lanis, R. (2007) Determinants of the variability in corporate effective tax rates and tax reform: Evidence from Australia. Journal of Accounting and Public Policy, 26(6), 689-704.

Rosental, R., & Castro, N. J. (2016) O Estado e o Setor Elétrico Brasileiro. Jornal dos Economistas, Caderno 326, 4-5, Rio de Janeiro.

Santana, S. L. L. (2014). Planejamento tributário e valor da firma no mercado de capitais brasileiro. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Schäfer, J. D., Konraht, J. M., & Ferreira, L. F. (2016). O custo tributário nas empresas brasileiras de energia elétrica: uma análise por meio da Demonstração do Valor Adicionado. Revista Capital Científico - Eletrônica, 14(3), 84-99.

Shackelford, D., & Shevlin, T. (2001). Empirical Tax Research in Accounting. Journal of Accounting and Economics, 31, 321-387.

Shevlin, T., Edwards, A., & Schwab, C. (2013). Financial constraints and the incentive for tax planning. 2013 American Taxation Association Midyear Meeting: New Faculty/Doctoral Student Session.

Tang, T. Y. H. (2005). Book-Tax Differences, a Proxy for Earnings Management and Tax Management - Empirical Evidence from China. Recuperado em 7 setembro, 2019, de http://ssrn.com/abstract=872389




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220203044

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional