O que se pesquisa em ensino contábil? Análise do Congresso USP de Contabilidade e Iniciação Científica

Elisabeth de Oliveira Vendramin, João Paulo Resende de Lima, Isadora Jeane dos Santos, Marcus Vinicius Pereira Guasso, Natália Fernandes

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo analisar o campo de estudos sobre ensino e pesquisa contábil do USP International Conference in Accounting e do Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade. Para tal, foi realizada uma pesquisa bibliométrica com obtenção dos dados por meio de consulta aos anais dos congressos. Ao total, foram analisados 209 artigos relativos ao Congresso Internacional e 126 artigos referente ao Congresso de Iniciação Científica. Os dados apontam que a participação de artigos aceitos ficou entre 1,85% e 34,15%, com média de 8,11% para o Congresso Internacional e 15,38% para o Congresso de Iniciação Científica. 80,6% dos artigos de ambos os congressos possuem entre 2 e 4 autores, sendo que a maior rede de coautorias está no Congresso de Iniciação Científica. Com relação ao sexo, a autoria está equilibrada quando o olhar se volta para os dois eventos. Entretanto, as mulheres têm maior participação no Congresso de Iniciação Científica e os homens maior participação no Congresso Internacional. Diante desses resultados, conclui-se que a área de ensino e pesquisa constitui um campo periférico nos dois congressos devido a sua baixa quantidade de artigos em relação ao total, além do fato de que essas conferências possuem normas sociais distintas em relação a autoria. Assim, o presente artigo contribui para a literatura ao apresentar e discutir aspectos relacionados a constituição do campo científico de Ensino e Pesquisa em Contabilidade, compondo um perfil analítico da linha de ensino e pesquisa em um dos principais eventos da área.

Palavras-chave


Educação Contábil; Pesquisa Contábil; Campo Científico; Levantamento Bibliográfico; Análise de Conteúdo.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Altoé, S. M. L., Fragalli, A. C., & Espejo, M. M. D. S. B. (2014). A “dor do crescimento”: um estudo sobre o nível de estresse em pós-graduandos de contabilidade. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, 7(1), 213-233.

Apostolou, B., Dorminey, J. W., Hassell, J. M., & Rebele, J. E. (2018). Accounting education literature review (2017). Journal of accounting education, 43, 1-23.

Apostolou, B., Dorminey, J. W., Hassell, J. M., & Hickey, A. (2019). Accounting education literature review (2018). Journal of Accounting Education, 47, 1-27.

Apostolou, B., Dorminey, J. W., & Hassell, J. M. (2020). Accounting education literature review (2019). Journal of Accounting Education, 51, 100670.

Araújo, T. S., Miranda, G. J., & Pereira, J. M. (2017). Satisfaction among accounting professors in Brazil. Revista Contabilidade & Finanças, 28(74), 264-281.

Bernardi, R. A., & Collins, K. Z. (2019). “Leveling the playing field” when ranking accounting-education authors. Journal of Accounting Education, 46, 1-25.

Bertolin, R. V., Souza, R. F., Monteiro Neto, D., Pedezzi, L. S., Cambi, B., Pierson, A. H. C., ... Zuin, V. G. (2013). A Integração PIBID/UFSCar-Escola de Educação Básica como um espaço de construção de uma postura interdisciplinar. In M. C. Sousa, & C. M. P. Marques (Orgs.). Formação inicial de professores: Parceria universidade-escola na formação de licenciados (pp. 117-136). Curitiba: Appris.

Bourdieu, P. (1983). O campo científico. In R. Ortiz (Org.). Pierre Bourdieu: Sociologia (v. 39, pp. 122-155). São Paulo: Ática.

Burrell, B., & Morgan, G. (1979). Sociological paradigms and organisational analysis: Elements of the sociology of corporate life. Burlington, Vermont: Ashgate Publishing Company.

Caniato, A. M. P. (2005). Resenha: a questão dos paradigmas na psicologia. Psicologia & Sociedade, 17(3), 82-84.

Casa Nova, S. P. C. (2019). Ridin' down the highway: Reflections on the trajectories of female professors in academia. Annals of Qualitative Research and Critical Accounting: A Latin American Conference – QRCA, Bogotá, Colômbia, 2.

Chua, W. F. (1986). Radical developments in accounting thought. The Accounting review, 61(4), 601-632.

Costa, F., & Martins, G. A. (2017). Um olhar Bourdieusiano sobre as estruturas sociais do campo científico contábil brasileiro. Revista Universo Contábil, 13(4), 8-32.

Cruz, M. O., Miranda, G. J., & Leal, E. A. (2020). As metodologias de ensino ativam o desenvolvimento de habilidades profissionais? Revista Contemporânea de Contabilidade, 17(45).

Dias, A., Ruthes, S., Lima, L., Campra, E., Silva, M., Bragança de Sousa, M., & Porto, G. (2020). Network centrality analysis in management and accounting sciences, RAUSP Management Journal, 54(4).

Ferreira, M. M. (2015). Docência no ensino superior: Aprendendo a ser professor de contabilidade (Tese de Doutorado). Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, São Carlos, SP, Brasil.

Fogarty, T. J., & Liao, C. H. (2009). Blessed are the gatekeepers: A longitudinal study of the editorial boards of The Accounting Review. Issues in Accounting Education, 24(3), 299-318.

Freire, P. (2000). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa (15a ed.). São Paulo: Editora Paz e Terra.

Ganz, A. C. S., Lima, J. P. R., & Haveroth, J. (2019). Velhos problemas, novos olhares: Etnografia sobre a experiência de futuros doutores em contabilidade. Anais do USP International Conference in Accounting, São Paulo, SP, Brasil, 19.

Gendron, Y. (2008). Constituting the academic performer: the spectre of superficiality and stagnation in academia. European Accounting Review, 17(1), 97-127.

Guimarães, I. P., Slomski, V. G., & Gomes, S. M. S. (2010). Gestão do projeto político-pedagógico do curso de ciências contábeis e o currículo como instrumento de sua concretização. Revista de Contabilidade da UFBA, 4(1), 36-55.

Haynes, K. (2008). Moving the gender agenda or stirring chicken's entrails? Where next for feminist methodologies in accounting? Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(4), 539-555.

Homero Junior, P. F. (2017). A constituição do campo científico e a baixa diversidade da pesquisa contábil brasileira. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade – REPeC, 11(3), 307-321.

Homero Junior, P. F., & Said, R. M. (2018). Genderização da pesquisa contábil brasileira. Anais do USP International Conference in Accounting, São Paulo, SP, Brasil, 18.

Iudícibus, S. (2004). Teoria da contabilidade (7a ed.). São Paulo: Atlas.

Kuhn, T. (1978). A estrutura das revoluções científicas (2a ed.). São Paulo: Perspectiva.

Laffin, M. (2002). Ensino de contabilidade: Componentes e desafios. Contabilidade Vista & Revista, 13(3), 9-20.

Latour, B. (1987). Science in action. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

Lima, J. P. R. (2018). Ser professor: Um estudo da identidade docente na área de ciências contábeis (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo – USP, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Lima, J. P. R., & Araujo, A. M. P. (2019). Tornando-se professor: análise do processo de construção da identidade docente dos professores de contabilidade. Advances in Scientific and Applied Accounting, 1(2), 059-080.

Lima, R. S., Serrano, A. L. M., & Ferreira, L. O. G. (2020). Perspectiva Kuhniana sobre a Ciência Contábil: do surgimento do paradigma ao período de crise. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 19.

Lima, T. C. S. D., & Mioto, R. C. T. (2007). Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: A pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, 10(SPE), 37-45.

Khosa, A., Burch, S., Ozdil, E., & Wilkin, C. (2020). Current issues in PhD supervision of accounting and finance students: Evidence from Australia and New Zealand. The British Accounting Review, 52(5), 100874. https://doi.org/10.1016/j.bar.2019.100874

Malsch, B., & Tessier, S. (2015). Journal ranking effects on junior academics: Identity fragmentation and politicization. Critical Perspectives on Accounting, 26, 84-98.

Martins, E. A. (2012). Pesquisa contábil brasileira: Uma análise filosófica (Tese de Doutorado), Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, SP, Brasil.

Martins, E. A., & Carvalho, L. N. G. (2011). Ciência da contabilidade: Ensaio teórico sobre seu objetivo e objeto. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 11.

Martins, O. S., & Monte, P. A. (2009). Mestres em ciências contábeis: Uma análise sob a ótica da teoria do capital humano. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 3(2), 1-22.

Menafra, R. P. (2007). Notas sobre violência epistêmica, vigilância epistemológica e alternativas à produção do conhecimento em ciências sociais. Latitude, 1(2), 66-79.

Miranda, G. J., Santos, L. A. A., Casa Nova, S. P. C., & Cornacchione Junior, E. B. (2013) A pesquisa em educação contábil: Produção científica e preferências de doutores no período de 2005 a 2009. Revista de Contabilidade & Finanças, 24(61), 75-88.

Morgan, G. (1980). Paradigms, metaphors, and puzzle solving in organization theory. Administrative Science Quarterly, 25(4), 605-622.

Moser, D. V. (2012). Is accounting research stagnant? Accounting Horizons, 26(4), 845-850.

Nagib, L. D. R. C., & Silva, D. M. D. (2020). Adoção de metodologias ativas e sua relação com o ciclo de vida e a qualificação docente no ensino de graduação em ciências contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 31(82), 145-164.

Nassif, V. M. J., & Hanashiro, D. M. M. (2002). A competitividade das universidades particulares à luz de uma visão baseada em recursos. Revista de Administração Mackenzie, 3(1), 95-114.

Oliveira, M. C. (2002). Análise dos periódicos brasileiros de contabilidade. Revista Contabilidade & Finanças, 13(29), 68-86.

Paulo, E., & Martins, E. (2007). Análise da qualidade das informações contábeis nas companhias abertas. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração – EnANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 31.

Peleias, I. R., Silva, G. P. D., Segreti, J. B., & Chirotto, A. R. (2007). Evolução do ensino da contabilidade no Brasil: Uma análise histórica. Revista Contabilidade & Finanças, 18(SPE), 19-32.

Rebele, J. E., & St. Pierre, E. K. (2015). Stagnation in accounting education research. Journal of Accounting Education, 33(2), 128-137.

Rey-Rocha, J., Martín-Sempere, M., & Garzón-García, B. (2002). Research productivity of scientists in consolidated vs non-consolidated teams: The case of Spanish university geologists. Scientometrics, 55(1), 137-156.

Riccio, E. L., & Sakata, M. C. G. (2004). Evidências da globalização na educação contábil: Estudo das grades curriculares dos cursos de graduação em universidades brasileiras e portuguesas. Revista de Contabilidade & Finanças, 15(35), 35-44.

Roth, L., Espíndola, A. M. S., Santos, V. O., Dorion, E. C. H., Fachinelli, A. C., & Severo, E. A. (2013). A estrutura do ensino superior no Brasil. Revista Gestão Universitária na América Latina, 6(3), 111-126.

Santos, S. C. (2001). O processo de ensino-aprendizagem e a relação professor-aluno: Aplicação dos “sete princípios para a boa prática na educação de ensino superior”. Cadernos de Pesquisa em Administração, 8(1), 69-82.

Sauerbronn, F. F., Ayres, R. M., & Lourenço, R. L. (2017). Perspectivas pós-coloniais e decoloniais: Uma proposta de agenda de pesquisa em contabilidade no Brasil. Custos e @gronegócios online, 13(3), 120-148.

Soares, S. V., Lima Filho, R. N., & Nova, S. P. D. C. C. (2020). Google Acadêmico: uma opção para análise de citações dos periódicos brasileiros de contabilidade?. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, 13(2), 140-160.

Soares, S. V., Bulaon, C., Nova, S. P. D. C. C., & Picolli, I. R. A. (2019). Aprendizagem baseada em problemas para os cursos de ciências contábeis: Desafios e oportunidades de sua adoção. Contextus: Revista Contemporânea de economia e gestão, 17(1), 65-97.

Soares, S., Picolli, I., & Casagrande, J. (2018). Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Bibliométrica, Artigo de Revisão e Ensaio Teórico em Administração e Contabilidade. Administração: Ensino e Pesquisa, 19(2), 308-339. doi: https://doi.org/10.13058/raep.2018.v19n2.970

Souza, A. A., Avelar, E. A., Boina, T. M., Ribeiro, L. M. P., Santos, T. S., & Rabelo, J. S. (2016). Análise bibliométrica das pesquisas brasileiras em contabilidade gerencial publicadas entre os anos de 2008 e 2012. Revista de Estudos Contábeis, 7(12), 57-79.

Stroeher, A. M., & Freitas, H. (2008). O uso das informações contábeis na tomada de decisões em pequenas empresas. Revista RAUSP-e, 1(1).

Tharapos, M., & Marriott, N. (2020). Beauty is in the eye of the beholder: Research quality in accounting education. The British Accounting Review, 52(5), 100934.

Vendramin, E. (2014). Uma contribuição ao entendimento da formação da linha de pesquisa na área do ensino contábil no Brasil (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo – USP, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Vendramin, E. O. (2018). Criando caso: Análise do método do caso como estratégia pedagógica no ensino superior da contabilidade (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo – USP, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Vendramin, E. O., & Araujo, A. M. P. (2016). Contribuição ao entendimento da formação da linha de pesquisa na área de ensino contábil no Brasil. Revista Universo Contábil, 12(1), 66-86.

Vendramin, E. O., Araujo, A. M. P., Lima, J. P. R., Farias, R. S., & Gilberto, T. M. J. (2015). Metodologias ativas de aprendizagem: Um estudo de caso sobre a aplicação do PBL no curso de ciências contábeis. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade – EnEPQ, Salvador, BA, Brasil, 5.

Williams, C. L. (1992). The glass escalator: Hidden advantages for men in the "female" professions. Social problems, 39(3), 253-267.




DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-766220203107

Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, Brasil. ISSN: 2237-7662


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional