O impacto dos indicadores socioeconômicos no grau de eficácia orçamentária

Autores

  • Carla Janaina Ferreira Nobre Universidade Federal da Paraíba
  • Josedilton Alves Diniz Universidade Federal da Paraíba
  • Severino Cesário de Lima Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Ronaldo José Rêgo de Araújo Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.16930/rccc.v16n49.2498

Palavras-chave:

Eficácia Orçamentária, Indicadores Sociais, Indicadores Econômicos.

Resumo

Estudos têm revelado que a eficácia orçamentária é influenciada pelos indicadores socioeconômicos de uma localidade, tais como renda, saúde, educação e tamanho populacional. Nesse contexto, a eficácia orçamentária é entendida com uma medida que revela se uma organização conseguiu atingir seus objetivos, metas e resultados. Assim, o presente estudo teve como objetivo verificar a relação entre a eficácia orçamentária dos 223 municípios do Estado da Paraíba e as condições socioeconômicas retratadas pelos indicadores sociais e econômicos no período de 2005 a 2013. Como resposta antecipada à questão da pesquisa formulou-se duas hipóteses: H1: os indicadores socioeconômicos influenciam positivamente a eficácia orçamentária municipal e H2: os municípios maiores apresentam maior grau de eficácia orçamentária quando comparados com municípios menores. O teste de hipótese foi feito mediante a análise de dados em painel balanceado com efeitos fixos e análise de correlação entre as variáveis do modelo. Os resultados revelaram que a eficácia orçamentária municipal é influenciada positivamente pelos indicadores socioeconômicos, confirmando a hipótese 1. A hipótese 2 foi rejeitada. Em suma, o estudo revelou que os indicadores sociais de educação e saúde promovem a eficácia orçamentária dos governos locais.

Biografia do Autor

Carla Janaina Ferreira Nobre, Universidade Federal da Paraíba

Mestra em Ciências Contábeis pela Universidade Federal da Paraíba. Atualmente é professora substituta da Universidade Federal da Paraíba e professora no Instituto de Educação Superior da Paraíba. Endereço: Universidade Federal da Paraíba | Cidade Universitária - Campus I | Castelo Branco | 58059-900 |João Pessoa/PB | Brasil.

Josedilton Alves Diniz, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Ciências Contábeis pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professor da Universidade Federal da Paraíba. Endereço: Universidade Federal da Paraíba | Cidade Universitária - Campus I | Castelo Branco | 58059-900 |João Pessoa/PB | Brasil.

Severino Cesário de Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Ciências Contábeis pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Endereço: Universidade Federal do Rio Grande do Norte | Cidade Universitária - Campus I | Av. Senador Salgado Filho |Natal/RN | Brasil.

Ronaldo José Rêgo de Araújo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Federal da Paraíba. Atualmente é professor substituto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Endereço: Universidade Federal do Rio Grande do Norte | Cidade Universitária - Campus I | Av. Senador Salgado Filho |Natal/RN | Brasil.

Referências

Aristigueta, M. P., Cooksy, L. J., & Nelson, C. W (2001). The role of social indicators in developing a managing for results system. Public Performance & Management Review, 24(3), 254-269. DOI: https://doi.org/10.2307/3381088

Bandeira-de-melo, R., Marcon, R., & Alberton, A (2005). Teoria instrumental dos stakeholders em ambientes turbulentos: uma verificação empírica utilizando as doações políticas e sociais. Anais do Encontro Nacional da ANPAD, Brasília, DF, Brasil, 29.

Bárbara, S., & Rodrigues, J. C. C (2005). De número a instrumento: o novo papel dos indicadores socioeconômicos na formulação de políticas públicas – um estudo de caso sobre a habitação em terra dos royalties do petróleo. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional – ANPUR, Salvador, BA, Brasil.

Bezerra, J. E., Filho (2013). Orçamento aplicado ao setor público: abordagem simples e objetiva (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Boaventura, J. M. G., Cardoso, F. R., Silva, E. S., & Silva, R. S. (2009). Teoria dos Stakeholders e Teoria da Firma: um estudo sobre a hierarquização das funções-objetivo em empresas brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 11(32), 289-307.

Borges, E. F., & Pereira, J. M. (2014). Educação fiscal e eficiência pública: um estudo das suas relações a partir da gestão de recursos municipais. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade – REPeC. Brasília, 8(4), 437-453. DOI: https://doi.org/10.17524/repec.v8i4.1202

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988). Recuperado em 15 de outubro, 2015, de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Constituicaocompilado.htm

Carvalho, D (2007). Orçamento e contabilidade pública: teoria, prática e mais de 700 exercícios (3a ed.). Elsevier: Rio de Janeiro.

Castro, R. B. (2006). Eficácia, eficiência e efetividade na Administração Pública. Anais do Encontro da ANPAD. Salvador, BA, Brasil, 30.

Controladoria Geral da União (2009). Manual de controle interno. Brasília.

Decreto-Lei n. 200, de 25 de fevereiro de 1967 (1967). Dispõe sôbre a organização da Administração Federal, estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Recuperado em 14 de novembro, 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del0200.htm

Donaldson, T., & Preston, L. E. (1995). The stakeholder theory of the corporation: Concepts, evidence, and implications. Academy of management Review, 20(1), 65-91. DOI: https://doi.org/10.5465/amr.1995.9503271992

Federação das indústrias do estado do Rio de Janeiro. Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal. IFDM. Recuperado em 6 janeiro, 2016, de http://www.firjan.com.br/ifdm/

Freeman, R. E. (2010). Strategic management: a stakeholder approach. University of Minnesota. Cambridge University Press. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781139192675

Giacomoni, J. (2012). Orçamento Público (16a ed.). São Paulo: Atlas.

Gomes, R. C. (2006). Stakeholder management in the local government decision-making area: evidences from a triangulation study with the English local government. BAR-Brazilian Administration Review, 3(1), 46-63. DOI: https://doi.org/10.1590/S1807-76922006000100005

Instituto Brasileiro de Geografia e Pesquisa. Recuperado em 23 novembro, 2015, de http://www.ibge.gov.br/home/

Jannuzzi, P. M. (2002). Indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas. Revista Brasileira de Administração Pública, 36(1), 51-72.

Jannuzzi, P. M. (2012). Indicadores socioeconômicos na gestão pública. (2a ed. reimp.). Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração: UFSC.

Khan, A., & Hildrth, W. B. (2002) Budget theory in thepublic sector. Quorum Books.

Kashiwakura, H. K. (1997). A contabilidade gerencial aplicada ao orçamento-programa como instrumento de avaliação de desempenho. Monografia, Ministério da Fazenda, ESAF, Rio de Janeiro, Brasil.

Koscianski, R. (2003). O orçamento-programa como instrumento de planejamento e gerenciamento públicos. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, SC, Brasil.

Lei n. 101, de 04 de maio de 2000 (2000). Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Recuperado em 14 de novembro, 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp101.htm

Lei n. 4.320, de 17 de março de 1964 (1964). Estatui normas gerais de direito financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Recuperado em 15 de outubro, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L4320.htm

Lima, S. C., & Diniz, J. A. (2016). Contabilidade Pública: análise financeira governamental. São Paulo: Atlas.

Litpvsky, A., & Macgillivray, A. (2007).Development as accountability: accountability innovators in action. United Kingdom.

Lück, H. (2000). Perspectivas da gestão escolar e implicações quanto à formação de seus gestores. Em Aberto, 17(72), 11-33.

Mendes, M., Miranda, R. B., & Cossio, F. B. (2008). O fundo de participação dos municípios precisa mudar. Senado Federal, Brasil.

Moldau, J. H. (1998). Os fundamentos microeconômicos dos indicadores de desenvolvimento econômico. Revista de Economia Política, 18(3).

Neves, A. C., Diniz, J. A., & Martins, V. G. (2015). Determinantes socioeconômicos da transparência fiscal. Anais do Congresso USP Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, 15.

Nogueira, M. A. (2004). Um estado para a sociedade civil: temas éticos e políticos da gestão democrática. São Paulo: Cortez Editora.

Oliveira, L. R., & Passador, C. S. (2014). Saúde pública no Brasil: a utilização do índice de desempenho do SUS na avaliação da alocação dos recursos dos municípios. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 5(4), 2387-2405.

Poker, J. H., Jr., Nunes, R. C., & Nunes, S. P. P. (2013). Uma avaliação de efetividade e eficiência do gasto em educação em municípios brasileiros. Cad. Fin. Públ., (13) 263-287.

Queiroz, D. B., Nobre, F. C., Silva, W. V., & Araújo, A. O. (2013). Transparência dos municípios do Rio Grande do Norte: avaliação da relação entre o nível de disclosure, tamanho e características socioeconômicas. Revista Evidenciação Contábil & Finanças–RECFin, 1(2), 38-51. DOI: https://doi.org/10.18405/recfin20130203

Santana, E. W. F., Pessoa, L. G. de S. B., Cabral, L. M. M. do A. C., Santos, S. R. B. dos, & Diniz, J. A. (2007). Eficácia orçamentária municipal: os impactos produzidos pela lei de responsabilidade fiscal. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ.

Santos, F. R. (2008). O emprego da análise de stakeholders em um plano estratégico para a gestão da mobilidade sustentável: estudo de caso do campus da universidade de Brasília. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Varela, P. S. (2004). Indicadores sociais no processo orçamentário do setor público municipal de saúde: um estudo de caso. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Wright, G. A., & Paulo, E. (2014). Análise dos fatores determinantes da transparência fiscal ativa nos municípios brasileiros. Anais do Congresso Anpcont, Rio de Janeiro, Brasil, 8.

Publicado

11/12/2017

Como Citar

Nobre, C. J. F., Diniz, J. A., Lima, S. C. de, & Araújo, R. J. R. de. (2017). O impacto dos indicadores socioeconômicos no grau de eficácia orçamentária. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 16(49). https://doi.org/10.16930/rccc.v16n49.2498